MST chega ao Poder Executivo

Jornal do Dia – Coluna de Rita Oliveira

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) é hoje um dos mais importantes movimentos sociais do Brasil, tendo como foco as questões do trabalhador do campo, principalmente no tocante à luta pela reforma agrária. Como se sabe, no Brasil prevaleceu historicamente uma desigualdade do acesso a terra, consequência direta de uma organização social patrimonialista e patriarcalista ao longo de séculos, predominando o grande latifúndio como sinônimo de poder. Desta forma, dada a concentração fundiária, as camadas menos favorecidas tinham dificuldades à posse da terra.

Assim, do Brasil colonial da monocultura ao do agronegócio em pleno século XXI, o que prevalece é a concentração fundiária, o que traz à tona a necessidade da discussão e da luta política como a encabeçada pelo MST, que hoje é responsável pelo assentamento de mais de 370 mil famílias em todo o país.

A formação do MST de Sergipe começou com a participação de nove representantes no 1º Congresso Nacional, em 1985. Os conflitos de terra estavam em efervescência, especialmente nas regiões de Propriá e Pacatuba. Já em setembro do mesmo ano, com o apoio do MST e da CPT, 300 famílias ocuparam a Fazenda Barra do Onça, em Poço Redondo.

No 1º Encontro Estadual, em 1987, em Itabi, o MST começou a se articular com os movimentos indicais rural e urbano, a Igreja e outras instituições. Hoje, são mais de 14 mil famílias acampadas. Em setembro de 2008, elas comemoraram uma importante vitória: 3 mil adultos e jovens do MST receberam os certificados de conclusão do curso de alfabetização promovido pelo governo federal por meio do Programa Brasil Alfabetizado. No total foram assistidos 50 acampamentos e 30 assentamentos.

Hoje, em Sergipe e no país, o MST não se tornou apenas um grande movimento social, mas uma sigla política. Seus militantes, geralmente filiados ao PT, na época de eleição, vão às ruas para eleger seus candidatos. Os sem terra, com suas bandeiras e camisas vermelhas contendo a foice e o machado como símbolo, participaram intensamente da campanha para eleger Lula presidente e Marcelo Déda governador.

No Estado, o Movimento dos Trabalhadores SemTerra, pela primeira vez, tem um representante na Assembleia Legislativa. João Daniel, um dos líderes do movimento em Sergipe, foi eleito em 2010 deputado estadual pelo PT com uma votação expressiva.

Agora, pela primeira vez, o MST tem um prefeito em Sergipe. É Roberto Araújo, que assumiu ontem a prefeitura de Poço Redondo no lugar de Frei Enoque, que renunciou ao cargo por exigência da Igreja que não aceita mais padres participando da política partidária. Roberto, que será candidato à reeleição em outubro, entra para a história política de Sergipe como o primeiro prefeito sem terra do Estado.

Ponto de Vista

Com a posse de Roberto Araújo como prefeito de Poço Redondo, o deputado estadual João Daniel (PT) disse que ganha não só o povo do município, mas o MST na região que deixa de ter um vice-prefeito para ter um prefeito nos próximos 11 meses. “A sua posse representa um marco histórico na luta do MST pela terra em Sergipe e no alto sertão e o compromisso de continuar a administração de Frei Enoque”.

Anúncios

Arquivada ação no STF em que PMDB pretendia contabilizar votos de candidato com registro indeferido


O ministro Joaquim Barbosa negou seguimento (arquivou) à Ação Cautelar (AC) 2815, ajuizada no Supremo Tribunal Federal (STF) pelo diretório paulista do PMDB e por Itamar Francisco Machado Borges com o objetivo de ver contabilizados, para o partido, os votos obtidos pelo candidato a deputado estadual Uebe Rezeck, que teve seu registro de candidatura indeferido depois das eleições de 2010. Os autores da ação pretendiam que fosse atribuído efeito suspensivo a recurso extraordinário (RE) interposto por Uebe Rezek na Suprema Corte contra acórdão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que indeferiu seu pedido de registro.

O caso – Rezeck teve seu registro questionado pelo Ministério Público Eleitoral, que o acusou da prática de ato de improbidade administrativa, com base na Lei Complementar 64/90 (com a redação dada pela LC 135/2010, a chamada Lei da Ficha Limpa). O recurso do MPE foi negado pelo Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP), e Rezeck concorreu com o registro deferido.
Posteriormente, porém, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) indeferiu o registro, com isso anulando os votos dados ao candidato. Diante disso, o PMDB alegava “inegáveis prejuízos jurídicos”, porquanto teve reduzido, de cinco para quatro, o número de deputados eleitos, e Itamar Francisco Machado deixou de ser considerado candidato eleito, passando à condição de primeiro suplente.
Ao reclamar a contagem dos votos obtidos por Rezeck para os outros candidatos a deputado estadual da legenda, o PMDB se apoiava no disposto no artigo 175, parágrafo 4, do Código Eleitoral (Lei 4737/1965).
Decisão – Ao decidir, entretanto, o ministro Joaquim Barbosa afirmou que não lhe parecia plausível a alegação de surpresa com a interpretação dada pela Justiça Eleitoral. Segundo ele, o parágrafo único do artigo 16-A da Lei 9.504/1997 – que condiciona a validade dos votos dados a candidato com sua candidatura sub judice na Justiça Eleitoral ao deferimento do registro por instância superior – já se encontrava em vigor na época do indeferimento do registro da candidatura de Uebe Rezek pelo TSE.
Ele observou, também, que a AC ajuizada pelo PMDB paulista “inaugura a participação de novos sujeitos na lide”, lembrando que “os autores não se insurgem contra o mérito do acórdão (decisão colegiada) proferido pelo TSE no caso do registro da candidatura do deputado estadual Uebe Rezeck, mas contra os prejuízos que a conclusão daquele acórdão, acoplada a outros dispositivos legais, ameaça impor-lhes”.
Segundo o ministro, “é o caso de recurso de terceiros prejudicados, só que, neste caso, há apenas o pedido de atribuição de efeito suspensivo, sem que tenha havido comprovação da interposição de recurso extraordinário pelos autores”. Portanto, segundo ele, “a cautelar apresenta cunho satisfativo”.
Assim, observou o ministro Joaquim Barbosa, o deferimento da pretensão contida na ação cautelar conflitaria com a jurisprudência, “seja porque a jurisdição cautelar deve ser considerada meramente acessória em relação ao recurso extraordinário, seja porque o recurso do terceiro prejudicado, especialmente no âmbito eleitoral, exige que a sua interposição observe os requisitos de admissibilidade impostos aos recursos das partes”.
“Não tendo havido recurso pelos ora autores, não podem ingressar na lide via ação cautelar”, concluiu o ministro. Em apoio de sua decisão, ele citou jurisprudência firmada, entre outros, pela Primeira Turma do STF no julgamento de agravos regimentais (AgRs) interpostos na PET 761 e no Recurso Extraordinário 167787, ambos relatados pelo ministro Celso de Mello. (FK/CG)

Por determinação do STF e TSE TRE/RO altera quadro dos eleitos. Saiba quem entra e quem sai.

Deputado condenado a 13 anos de prisão tambem será diplomado: Natan e Maurão entram.

Até a manhã desta quarta-feira a presidente do TRE de Rondônia, Zelite Andrade Carneiro assina dois novos diplomas de deputados que foram eleitos, após a decisão dos ministros Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF) e Marco Aurélio, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que determinaram a retotalização dos votos no Estado. A Secretaria Judiciária do TRE refez os cálculos e determinou que a liminar de Celso de Melo garante o diploma a Natan Donadon (PMDB) e deputado diplomado Marcos Rogério da Silva Brito fica sem o diploma. Já com a liminar do ministro Marco Aurélio, que mandou contabilizar os votos dos candidatos com ficha suja do PV, PP e PTB, o atual deputado Maurão de Carvalho (PP) será diplomado. Já Edvaldo Rodrigues Soares (PMDB) perde o diploma de estadual eleito.

Na manhã desta quarta-feira a presidente do TRE encaminha ofícios a presidência da Assembléia Legislativa e da Câmara dos Deputados informando os novos diplomados e tornando sem efeito os diplomas de Edvaldo Rodrigues e Marcos Rogério. Nos ofícios ela explica que a decisão atende as liminares dos ministros

Em busca da razão científica II. O PT de Jales – SP na contra mão, incompetência?

 

Vamos pensar juntos? (Texto em processo de Construção Coletiva)

Esta reflexão está aberta para correções, observações, críticas e aprimoramentos. Participe usando o instrumento dos comentários disponível no blog

Recomendamos a leitura do texto anterior, disponível AQUI https://murilopohl.wordpress.com/2010/12/10/em-busca-da-razao-cientifica-do-figado-a-cabeca-a-evolucao-do-pt-de-jales-sp/, para facilitar o exercício proposto, de pensarmos juntos.  De qualquer forma, quando finalizamos o texto inicial, dia 10 de dezembro, estávamos diante de conclusões parciais, hipóteses a serem checadas e raciocínio a ser aprofundado. Reproduzo aqui a parte final do texto.

Fazendo o esforço de usar a “massa cinzenta” e não a “bílis” para fazer política e olhando o resumo desta “ópera” somos levados a concluir que: existem três possibilidades. 1) A afirmação é verdadeira. 2) A afirmação é mentirosa. 3) As duas hipóteses anteriores são verdadeiras.

Se é verdadeira a afirmação, então “a companheirada começou a pensar com o fígado em algum momento entre as eleições de 2002 e as eleições de 2006. Como pensar com o fígado é ruim, só pode trazer maus resultados. Os maus resultados apareceram depois de 2002, algo aconteceu entre 2002 e 2006. Algo que continua e fez piorar ainda mais o resultado (para o PT) em 2010.

Se for mentirosa a afirmação, somos obrigados a concluir que a causa dos problemas é outra e que temos a responsabilidade de continuar pensando para descobrirmos a verdade. Decorre também secundariamente a forçosa conclusão de que para buscar compreender a realidade não se deve ouvir quem não diz a verdade.

Se as duas hipóteses anteriores são verdadeiras, então forçoso é concluir que não é com a cabeça que a companheirada tem pensado e que na verdade esta é apenas uma parte da questão. Concluímos, igualmente, também que devemos continuar em busca das verdadeiras respostas e que elas não serão encontradas ouvindo o presidente da Comissão Executiva Municipal ou o “petista da velha guarda que pede anonimato”, pois eles não a dizem.

 

Nesta semana vivemos vários fatos que devem ser considerados em nosso pensar. Selecionamos dois: algumas ponderações de Camaradas nossos quanto ao processo eleitoral de 2006 e o discurso da Vereadora Tatinha PT antes da eleição da Mesa Diretora da Câmara Municipal de Jales. BAIXE AQUI https://murilopohl.wordpress.com/2010/12/14/eleicao-da-mesa-da-camara-municipal-de-jales-episodio-historico-claudir-aranda-pdt-foi-eleito-presidente/. A matéria e o discurso na íntegra.

O processo eleitoral de 2006 aconteceu em um quadro conjuntural dificílimo para o PT em todo o Brasil, especialmente em São Paulo. As forças conservadoras de oposição conseguiram fabricar clima de denuncias éticas contra o PT e governo Lula. Com apoio de meios de comunicação aliados, a tática que buscou jogar o Governo na vala comum da política tradicional imputando acusações de práticas como compra de apoio do Congresso no caso que ficou conhecido como “mensalão do PT”.  Todas as denuncias foram apuradas. Quando foi o caso, encaminhadas ao Judiciário, onde tramitam ainda hoje sem condenação. Mas o clima foi criado e interferiu nas eleições. Estaria aí a causa da queda da votação de nossos Deputados em Jales?

Com o objetivo de jogar luz sobre esta questão buscamos os resultados dos votos nominais de nossos Deputados no mesmo intervalo de tempos do levantamento feito no nosso município, agora em todo o Estado de São Paulo.

Resumo dos Resultados do PT no Estado de São Paulo, nas eleições proporcionais, Estadual e Federal, votos nominais, nos últimos 12 anos (1998 a 2010).

Estado de São Paulo
 ano Dep.Federal Dep. Estadual
1998 2.061.194 1.615.021
2002 4.119.242 3.554.928
2006 2.967.483 2.858.472
2010 3.204.789 3.749.145

Resumo dos Resultados do PT em Jales nas eleições proporcionais, Estadual e Federal, votos nominais, nos últimos 12 anos (1998 a 2010).

Jales

ano Dep. Federal Dep. Estadual
1998 2.466 3.580
2002 5.286 3.582
2006 3.311 1.829
2010 1.770 1.503

 

  

 Fica mais fácil a comparação se utilizamos recursos gráficos e mantemos a mesma escala: vejamos.

 Entre 1998 e 2002

 

Vejamos primeiro o desempenho das candidaturas a Deputado Federal (em azul). No período compreendido entre as eleições de 1998 e 2002 a melhoria do desempenho dos candidatos do PT foi muito semelhante. A legenda se fortalece em Jales tanto quanto no Estado de São Paulo, comparativamente o fortalecimento em Jales é até um pouco maior que no Estado.

Observando o desempenho das candidaturas a Deputado Estadual (em rosa). No período compreendido entre as eleições de 1998 e 2002 o desempenho dos candidatos do PT em Jales foi muito diferente. A legenda se manteve no mesmo patamar em Jales enquanto em todo o Estado de São Paulo acontece forte crescimento. Outro fator que chama a atenção é a diferença, quando comparamos as curvas dos resultados entre Federais e Estaduais, normalmente semelhantes, com variação parecida, no Estado, enquanto isso, em Jales é grande a disparidade.

Nossa interpretação, por ora, está na candidatura lançada pelo PT de Jales em 1998 e não viabilizada em 2002. Com candidatura própria, local, em 1998 o aumento da votação para Deputado Estadual foi maior que para Federal. Uma das causas está no ponto de partida, 1998, a outra causa está em 2002. Sem contar com uma candidatura local a votação se manteve. Não acompanhou onda de crescimento do PT em todo o Estado, que resultaria numa votação em torno de 4500 votos. Talvez seja necessário incluirmos também no comparativo a eleição anterior. Por ora, fiquemos com esta interpretação. Aguardemos as críticas para avaliarmos.

Entre 2002 e 2010.

Como levantado pelos Camaradas, é fato que em 2006 a votação nominal dos candidatos petistas sofreu uma redução em todo o Estado de São Paulo. Já em 2010, aconteceu forte recuperação. Em  Jales não foi assim. Alem de uma queda na votação maior que a estadual em 2006, esta queda se acentuou em 2010 em Jales. Os números falam por si próprios. O resultado do PT de Jales é completamente diferente, diferente para pior, do desempenho do Partido dos Trabalhadores em todo o Estado de São Paulo. A direção política dada ao partido em Jales claramente tem problemas. Isto se o foco for o PT.  O Partido dos Trabalhadores não está bem em Jales e isto não é reflexo do desempenho do Partido como um todo, no Estado. O PT de Jales segue na contra mão da história e isto tem, pelo menos, seis anos.

Eleição da Mesa Diretora da Câmara Municipal de Jales.

 

Tratamos esta semana, em parte, das movimentações que culminaram no resultado da eleição da Mesa para 2011. Em parte, porque só tratamos dos aspectos que são públicos até agora. Fatos que já foram divulgados por dirigentes partidários, por titulares de mandato em suas falas públicas ou que de alguma forma foram divulgados pela imprensa. São públicos os resultados eleitorais, os outdoors e banners afixados publicamente e os carros adesivados em circulação com campanhas não petistas.

Quero aqui, neste momento, pedir licença, e afirmar que não concordo com a conclusão da Vereadora Tatinha. Não acredito na incompetência como causa da conjuntura que o Partido dos Trabalhadores vive em Jales. Não acredito que o problema seja que  infelizmente a companheirada se esqueceu que política se faz com a cabeça e não com o fígado…”. Acredito muito menos ainda que a causa seja a oposição, a luta interna ou que as causas sejam externas. É pior, muito pior, faz lembrar o Barão de Itararé.

O PT de Jales foi colocado na contra mão e está sendo mantido na contra mão. A questão é política, é de princípios, ela tem começo, meio, fim, e alguns endereços. É disto que precisamos começar a tratar, internamente inclusive, também. Vamos fazer isto?  O PT é o Partido dos Trabalhadores e Partido é dos Trabalhadores. Viva o PT !

Em busca da razão científica. Do fígado à cabeça: a evolução do PT de Jales – SP

Vamos pensar juntos? (Texto em processo de Construção Coletiva)

Esta reflexão está aberta para correções, observações, críticas e aprimoramentos, participe usando o instrumento dos comentários disponível no blog

Faz pouco tempo, foi publicada num semanário local uma notinha com o Companheiro Cacaio, que atualmente exerce a Presidencia do PT na cidade.  A notinha é assim. ” HEPATIVAN – Indagado sobre os mais recentes embates internos no ambito do PT de Jales, o presidente da comissão executiva Cacaio Nogueira, foi absolutamente econômico: ” infelizmente a companheirada se esqueceu que política se faz com a cabeça e não com o fígado…”. Já um petista da velha guarda, pedindo anonimato: a gente não precisa de adversários. Os companheiros se encarregam do auto-extermínio…”

A primeira coisa que me veio à cabeça foi: “lá vem a direção municipal arranjar uma desculpa para suas omissões“. Depos reli o texto e as idéias começaram a fluir. A que primeiro surgiu foi: “omissão nada, esses caras tem agido contra os interesses do PT faz tempo.” Mas diante de idéias aparentemente tão conflitante resolvi não concluir. Não chegar a um juízo, uma conclusão. Não quero ter meu pensamento embotado pelo fígado. Afinal o Cacaio ganhou a eleição que disputamos com ele pela presidencia do Diretório Municipal do PT de Jales. 

Resolvi refletir melhor sobre o que foi publicado. Esperar pela possível publicação de um, quem sabe, desmentido na próxima edição do semanário. Depois conclui ser prudente avaliar a tese da “autofagia” do velho militante anônimo. Mesmo sentindo cheiro de um pensamento velho, ultrapassado pela criação do PT que prima pela radicalização da democracia interna e o respeito aos princípios programáticos e ético partidários. Refletir melhor, analizar a conjuntura, afastar o fígado, buscar a racionalidade,  este foi o caminho apontado pela “direção municipal” e resolvi segui-lo. Vou buscar no passado as explicações para o presente, onde está a razão?

Tomada a decisão partimos para o planejamento. Reunimos um grupo de companheiros e partimos para a ação. Fomos ouvir o pensamento e as histórias de velhos companheiros. Fomos juntar dados históricos. Conseguimos juntar muita coisa e mesmo antes de terminar a tarefa a que nos propusemos vamos dando publicidade a algumas informações, assim fica mais fácil pensar, vamos pensar juntos ?

1998: Eu quero Marta Governadora. A estrela do PT sobe, quase chegamos ao segundo turno.  PT empresta cridibiliade para os Tucanos em São Paulo e ajuda a criar cobras que voam.

Primeiro vamos observar os ultimos resultados das eleições que o PT disputou em Jales, comparar resultados, começamos em 1998. Naquele ano dois candidatos de Jales disputaram as eleições para Deputado Estadual. O então vereador Luiz Especiato, hoje coordenador da Macro Noroeste Paulista e o finado José Carlos Guisso do PSDB. Em Jales Especiato foi o grande puxador de votos da legenda do PT, segundo mais votado na cidade com 3460 votos, (o Guisso foi o primeiro com 7452 votos)  responsável pelo significativo crescimento da votação Partido dos Trabalhadores, para o Legislativo Estadual, vejamos:

PT JALES 1998 DEP ESTADUAL
13122 LUÍS ESPECIATO                   3460
13101 AMARILDO BOLITO 22
13104 JOSÉ CARLOS A GONÇALVES 12
13198 ENI FERNANDES 10
13136 ANA MARIA DO CARMO ROSSETO 9
13233 ROBERTO FELÍCIO 8
13123 JOSE ZICO PRADO DE ANDRADE 6
13212 PEDRO ANTONIO BIGARDI 5
13184 MARIA LÚCIA PRANDI GOMES 5
13121 DJALMA DE SOUZA BOM  5
13244 FRANCISCO JESUS DA PAZ 4
13288 ROBERTO GOUVEIA NASCIMENTO 4
13231 JAYME APARECIDO TORTORELLO 3
13210 JOSE CARLOS SOBRAL 3
13134 LUIZ PAULO TEIXEIRA FERREIRA 3
13254 GILBERTO MORGADO 2
13246 MÁRCIO GOMES CAMACHO 2
13240 MARCO ANTONIO DA SILVA 2
13222 ALBERTO SOARES DA SILVA 2
13120 CANDIDO ELPÍDIO S VACCAREZA 2
13110 WAGNER LINO ALVES 2
13232 ANTONIO GILBERTO SILVÉRIO  1
13223 JOANA LEAL GARCIA  1
13201 RENATO SIMÕES 1
13199 ANTONIO MENTOR DE M SOBRIN. 1
13180 MÁRIO KLETTEMBERG 1
13166 TEREZA CRISTINA DE S LAJOLO 1
13156 HELENI BARREIRO F DE PAIVA 1
13155 CARLOS ALBERTO V COELHO 1
13131  MARCOS LOPES MARTINS 1
 PT  TOTAL DE VOTOS NOMINAIS 3.580

Quero Lula lá. Mas a compra de votos no Legislativo Federal viabiliza a reeleição do Tucano FHC no Planalto Central 

O Prefeito Municipal em exercício era Antonio Sanches Cardozo, o Rato – PMN seu vice Humberto Parini, Parini -PT que rompeu politicamente com o Prefeito. Foi o período em que veio à tona o “caso Facip” que resultou na condenação dos réus em primeira e segunda instancias, mas que ainda hoje tramita sem ter transitado em Julgado. A administração do PMN e o Partido, PT foram fortalecidos pela atuação do então Deputado Federal Luciano Zica – PT que destinou recursos para a construção do Pronto Socorro Municipal/Regional de Jales. A resposta foi o apoio tambem destes dois grupos unidos e Zica foi o terceiro mais votado (1º Vadão PP 6.092 votos; 2º Edinho Araújo PMDB 2.422 votos). Isto  se refletiu muito na eleição em Jales, para Deputado Federal em 1998, vejamos:

PT JALES 1998 DEP FEDERAL
1380 EUSTAQUIO LUCIANO ZICA 2068
1313 JOSE GENOINO NETO 148
1350 MUSSA CALIL NETO 54
1390 ALOIZIO MERCADANTE OLIVA         43
1360 JOSÉ GIACOMO BACCARIN            30
1369 JOSE DIRCEU DE OLIV. E SILVA 27
1331 RICARDO JOSÉ RIBEIRO BERZOINI 22
1323 ANTONIO PALOCCI FILHO 12
1355 MARCO ANTÔNIO RILLO  11
1330 IVAN VALENTE 7
1301 JOSÉ MACHADO 7
1322 ARLINDO CHIGNALIA JUNIOR 5
1351 LUIZ EDUARDO R. GREENHALGH 5
1333 JOSÉ LUIZ RIANI COSTA 4
1304 TELMA SANDRA A DE SOUZA 4
1321 EDUARDO JORGE  ALVES SOBRI 3
1344 MARTISALÉM COVAS PONTES   2
1310 IARA BERNARDI 2
1398 RUI GOETHE DA COSTA FALCÃO 2
1354 LUIZ CARLOS DA SILVA 2
1325 JOÃO PAULO CUNHA  1
1320 JOSE CARLOS COLABARDINI  1
1317 ANGELA MORAES GUADAGNIN 1
1314 JOSE ODAIR DAHMEN 1
1399 JOSE TADEU DA SILVA 1
1388 ANTONIO GALDINO 1
1371 JAIR ANTONIO MENEGUELLI 1
1345 JOÃO PEDRO PLACIDINO 1
 PT   TOTAL DE VOTOS NOMINAIS 2466

 

2002: José Genoino faz vibrante campanha em Jales e Região, votação aumenta mas Tucanos ganham de novo.

Em 2002 o PT de Jales não lançou candidato a Deputado. Luiz Especiato não foi reeleito vereador em 2000, apesar da boa votação obtida. Especiato passou a presidir o Diretório Municipal do PT. Do ponto de vista organizacional o PT tambem renovou a coordenação da Macro Noroeste Paulista, trazendo para esta função, em substituição ao Angelo Bolzan, o Cacaio de Paranapuã. Unica cidade na região a eleger um Prefeito do PT.

Assim o Partido optou pelo lançamento de um candidato, da cidade de Votuporanga, o Jurandir Benedito da Silva, o Jura como é mais conhecido. O jovem Jura, ex-vereador, havia disputado a eleição para Prefeito de Votuporanga em 2000 com um desempenho avaliado pelo PT como muito bom. Foi o candidato mais votado do PT em Jales com 1241 votos.  Outro candidato que recebeu apoio foi José Zico Prado, candidato à reeleição com base na Zona Leste da Capital, é natural da região e estreitou laços com o PT de Jales no período e teve um significativo aumento na sua votação (6 votos em 1998) foi para 1226 votos. Alem disto outros 13 candidatos do PT obtiveram boa votação (relativamente) mostrando um fortalecimento partidário como um todo. O grande ponto de unidade foi a dobrada Federal, todos dobraram com Luciano Zica para Federal. No geral, mesmo sem candidato municipal, a votação nominal do PT aumentou.

 PT JALES 2002 DEP ESTADUAL
13258 JURA (JURANDIR BENEDITO DA SILVA) 1241
13123 ZICO (JOSE ZICO PRADO DE ANDRADE) 1226
13456 BETH SAHÃO (ELISABETH SAHÃO) 403
13688 ENI FERNANDES (ENI FERNANDES) 217
13233 ROBERTO FELICIO  (ROBERTO FELICIO) 86
13505 DIRCEU RAPOSO (DIRCEU RAPOSO DE MELLO) 52
13900 REGINA PARIZI (REGINA RIBE. PARIZI CARVALHO) 45
13184 MARIA LÚCIA PRANDI (MA LUCIA PRANDI GOMES) 36
13999 CICERO (CICERO APARECIDO DA SILVA) 23
13122 PROF ANTONIO SERGIO (ANT SERGIO EDUARDO) 21
13579 RONDINO (EDUARDO GUERINO RONDINO) 20
13560 CHICÃO (FRANCISCO RAIMUNDO DOS SANTOS) 17
13913 DONISETE BRAGA (DONISETE PEREIRA BRAGA) 17
13156 HELENI DE PAIVA (H BARREIRO DE PAIVA LINO) 15
13731 MÁRIO REALI (MARIO WILSON PEDREIRA REALI) 13
13169 EMIDIO DE SOUZA (EMIDIO PEREIRA DE SOUZA) 8
13765 NEI CAETANO (NEI CAETANO DE ANDRADE) 8
13632 ANA DO CARMO (ANA MAR DO CARMO ROSSETO) 7
13666 CARLOS NEDER (CARLOS A PLETZ NEDER) 7
13300 EZISTO CESARI (EZISTO HELIO F CESARI) 7
13131 MARCOS MARTINS (MARCOS LOPES MARTINS) 7
13654 PROF ALONSO (ALONSO BEZERRA DE CARVALHO) 7
13567 PROF LISETE (LISETE REGINA GOMES ARELARO) 6
13112 RENATO RODRIGUES (RENATO ROD SANTOS) 6
13252 SILVANA (SILVANA DONATTI) 6
13132 RUI MAGUILA (RUI BATISTA ALVES) 5
13121 SERGIO CERQUEIRA (JOSE SERGIO CERQUEIRA) 5
13420 ADAUTO (ADAUTO APARECIDO SCARDOELLI) 4
13631 CARLOS ORPHAM (CARLOS A CORREA ORPHAM) 4
13210 DOUTOR SOBRAL (J CARLOS OBRAL)                             4
13010 TIÃO MACEDO (SEBASTIÃO MACEDO PEREIRA) 4
13199 ANTONIO MENTOR (ANT MENTOR DE M SOBR) 3
13600 BRAMBILLA (SALVADOR MESSIAS BRAMBILLA) 3
13640 LUIZ RÚBIO (LUIZ CARLOS RUBIO) 3
13633 PROF. RICARDO ALVAREZ (RICARDO ALVAREZ) 3
13580 TIAOZINHO (SEBASTIÃO MOREIRA ARCANJO) 3
13031 AYMAR (AYMAR JOSE RUBIO FARIA) 2
13117 CARLINHOS ALMEIDA (CARLOS JOSE DE ALMEIDA) 2
13001 CLAUDIA KERBER (CLAUDIA EHLERS KERBER) 2
13478 EDMILSON (EDMILSON DE NOLA SA) 2
13130 FALCÃO (BENEDITO JOSE ALMEIDA FALCÃO) 2
13251 GÊ (GERALDO TEOTONIO DA SILVA) 2
13206 GILSON PELIZARO (GILSON  DONIZETE PELIZARO) 2
13231 HAMILTON LACERDA (H BROGLIA F DE LACERDA) 2
13000 MARCEL (MARCEL JUVINIANO BARROS) 2
13750 MAURO MENUCHI (MAURO MARCIAL MENUCHI) 2
13333 ROBERTO CASSEB  (ROBERTO CASSEB) 2
13656 BARRIL (CARLOS ROB GAGLIARDI BARRIUNOVO) 1
13111 BORIM (LUIS FERNANDO LOPES BORIM) 1
13133 ELI TEODORO (ELI TEODORO DE OLIVEIRA) 1
13270 HENRIQUE PACHECO (HENRI SAMPAIO PACHECO) 1
13500 JOSÉ ALFREDO BOSI (JOSE ALFREDO BOSI) 1
13644 MAZE (MARIA JOSE FAVARÃO)                                                                               1
13400 MIGUEL LEME (MIGUEL LEME FERREIRA)        1
13011 PAULO BATISTA (PAULO BATISTA DE SOUZA)          1
13136 PAULO BUFALO (PAULO ROBERTO BUFALO)            1
13113 PAULO SIQUEIRA (PAULO SIQUEIRA)                        1
13601 PROF AGNÉRIO (AGNERIO NERI FERREIRA)     1
13606 RAQUEL PICELLI (RAQUEL P BERNARDINELLI) 1
13201 RENATO SIMÕES (RENATO SIMÕES)                     1
13800 SENIVAL (SENIVAL PEREIRA DE MOURA)  1
13134 SIMAO PEDRO (SIMÃO PEDRO SCHIOVETTI)         1
13651 VICENTE CÂNDIDO (VICENTE CANDIDO DA SILVA)  1
13110 WAGNER LINO (WAGNER LINO ALVES) 1
13024 ZUBA (CLAUDIA MARIA ZUBA) 1
  PT  TOTAL DE VOTOS NOMINAIS 3582

2002: Agora é Lula. 

Eleito Lula Presidente do Brasil o PT segue crescendo em Jales

A Prefeitura Muncipal de Jales era governada pelo Prefeito Caparroz – PP.  Tradicional lider malufista, Caparoz fora eleito vice-prefeito na coligação que encabeçada por José Carlos Guisso – PSDB. Em acidente automobilistico Guisso faleceu e com isto Caparoz assumiu. Caparroz estava com a saúde frágil e com idade avançada. Fragil saúde, frágil liderança.

O PT tinha um único representante no legislativo municipal, a Vereadora Aracy Murari Cardozo, conhecida como Tatinha. O PT era fortemente combatido e atacado. Aconteceu todo tipo de tentativas de calar e vilipendiar os quadros do Partido. Todas as semanas o partido se reunia, debatia a pauta do legislativo e os problemas municipais. A sede montada com apoio de Luciano Zica, bem em frente à Camara Municipal abria todos os dias e sempre tinha gente. Funcionava tambem como sede da Macro e Comitê Eleitoral. O resultado da eleição, com apoio informal tambem do PMN local, espelhou isto com forte crescimento em relação à 1998.

 PT JALES 2002 DEP FEDERAL
1380 ZICA (EUSTAQUIO LUCIANO ZICA) 3017
1347 PADRE SARDINHA (ANT. DE JESUS SARDINHA) 1705
1313 ZÉ DIRCEU (JOSE DIRCEU DE OLIVEIRA E SILVA)     188
1331 RICARDO BERZOINI 36
1368 MÁRCIO LADEIA (MARCIO HENRIQUE LADEIA)        32
1330 IVAN VALENTE (IVAN VALENTE)                                29
1351 LUIZ EDUARDO GREENHALGH (LUIZ EDUA) 28
1325 JOÃO PAULO (JOAO PAULO CUNHA)                          25
1301 JOSÉ EDUARDO CARDOZO 22
1355 DURVAL ORLATO (DURVAL LOPES ORLATO)           18
1390 VICENTINHO (VICENTE PAULO DA SILVA)                18
1312 JUAREZ SOARES (JUAREZ SOARES MOREIRA)          17
1345 LUIZ DOS LIVROS (LUIZ CARLOS QUITZAN)              13
1358 DURVAL DE CARVALHO 12
1311 LARGUESA (LUIS VANDERLEI LARGUESA)                10
1388 PAULÃO DO PT (PAULO CESAR DA SILVA)                10
1321 ROBERTO GOUVEIA 10
1344 BOLDRIN (ANTONIO JOSE BOLDRIN)       8
1371 JAIR MENEGUELLI (JAIR ANTONIO MENEGUELLI)   7
1318 RUBINELLI (WAGNER RUBINELLI)                        7
1336 PROF. BACCHIM (JOSE ANTONIO BACCHIM)            6
1328 ROQUE FERREIRA (ROQUE JOSE FERREIRA)              6
1304 TELMA DE SOUZA  (TELMA SANDRA A DE SOUZA) 6
1368 ZARATTINI (RICARDO ZARATTINI FILHO)           6
1322 ARLINDO CHINAGLIA (ARLINDO CHIGNALIA JR) 5
1324 BETO DE JESUS (ROBERTO DE JESUS)                      5
1317 ANGELA GUADAGNIN 4
1333 GARCIA (ANTONIO CARLOS GARCIA)                        4
1338 PEDRO ROMUALDO (PEDRO LUIZ ROMUALDO)         4
1314 CASSIANO PIMENTEL 3
1343 JORGINHO (JORGE LUIS MARTINS)                         3
1332 JOSÉ MENTOR (J M GUILHERME DE MELLO) 3
1350 LINEU NAVARRO 3
1340 PAULO BLASCKE (PAULO ROBERTO BLASCKE)         3
1320 COLABARDINI (JOSE CARLOS COLABARDINI)        2
1310 IARA BERNARDI (IARA BERNARDI)                     2
1365 MAURO BOZZI (MAURO JOSE BOZZI)                   2
1323 PROFESSOR HERCULANO 2
1357 PROFESSOR MACEDO (LUIZ DAVID DE MACEDO)    2
1334 BETO CANGUSSÚ 1
1360 DOUTOR ANTONIO FERNANDES 1
1316 FLÁUDIO AZEVEDO (FLAUDIO AZEVEDO LIMAS)    1
1335 ORLANDO FANTAZINI 1
1377 RENÊ (RENE JOSE TRENTIN SILVEIRA)                 1
1327 XUXU (EDNIR ALVES VELUDO)                                                                                1
 PT  TOTAL DE VOTOS NOMINAIS 5289

 

2006 Mercadante é nosso candidato à Governador.

Em 2006 o PT não lança candidato a Deputado em Jales ou na Macro Região Noreseste Paulista. Dois anos antes, em 2004 o PT chegou ao Governo Municipal elegendo Parini prefeito liderando uma coligação que tinha como bandeira central a proximidade com  Lula e a sintonia com o Governo Federal. Tatinha foi reeleita e Especiato conseguiu retornar à Camara Municipal de Jales como vereador. Na coordenação da Macro Noroeste permaneceu Cacaio, vencendo a primeira disputa de chapas no PED não houve unanimidade. A direção do DM passou às mãos do mais próximo auxiliar do Nobre Alcaide Parini. Niltom Marques foi eleito presidente com base em acordo unânime cuja base era mostrar externamente uma unidade fundamental para o bom desempenho do Governo Municipal. 

A campanha foi praticamente toda controlada  pelos quadros vinculados ao Governo Municipal. O PT não mais era prioridade, em nome da “governabilidade” prefeito declarou apoio ou designou apoio a candidatos de outros partidos da “base aliada” como Claudir Aranda do PDT. Correm informações, não confirmadas, de que tambem a candidata do PSDB Analice Fernandes teve algum apoio.

Mesmo com a aceitação pelo Padre Sardinha de compor a chapa estadual do PT, indo para o sacrifício, tendo o Partido como prioridade, a votação da chapa cai pela metade.

 

  PT JALES 2006 DEP ESTADUAL
13123 JOSÉ PRADO DE ANDRADE 850
13680 ANTONIO  JESUS SARDINHA 706
13456 ELISABETH SAHÃO 137
13121 ANA LÚCIA LIPPAU PERUGINI 19
13633 AGNELO DA SILVA MATOS NE 16
13310 APARECIDO SÉRIO DA SILVA 10
13913 DONISETE PEREIRA BRAGA 10
13622 JOÃO PAULO RILLO 9
13688 ENI FERNANDES 7
13000 GERALDO APARECIDOFREITAS 6
13131 MARCOS LOPES MARTINS 6
13632 ANA MARIA DO CARMO ROSS 5
13331 GUSTAVO VERGILIO DE PAUL 5
13113 MARIA ANTONIETA DE BRITO 5
13184 MARIA LÚCIA PRANDI GOMES 5
13500 CARLOS ALBERTO V COELHO 4
13130 CARLOS JOSÉ JOAQUIM 4
13132 LUIS CARLOS LAURINDO 4
13125  JANUÁRIO DA S SANTANA 3
13199 ANTÔNIO MENTOR DE MELLO 2
13133 ELI TEODORO DE OLIVEIRA 2
13213 IZALENE TIENE 2
13252 ALEXANDRE S PIMENTEL 1
13455 ÂNGELO RAFAEL BARRETO 1
13413 CARLOS PEREIRA ANDRADE 1
13246 FRANCISCO JESUS DA PAZ 1
13200 FCO NASCIMENTO DE BRITO 1
13251 GERALDO TEOTÔNIO SILVA 1
13569 JAIRO GOLLA 1
13613 LOURIVALDO M. OLIVEIRA 1
13001 ROSEANE HENRIQUE  SANTOS 1
13156 RUI G DA COSTA FALCÃO 1
13580 SEBASTIÃO M. ARCANJO 1
13134 SIMÃO PEDRO CHIOVETTI 1
 PT  TOTAL DE VOTOS  NOMINAIS 1829

Não troque o certo pelo duvidoso. É Lula de novo com a força do povo.

Pela primeira vez na história de Jales vimos o PT disputar uma campanha estando à frente do Governo Municipal. Nilton Marques, o presidente da Comissão Executiva recebeu uma imensa carga de tarefas da Prefeitura. Era motivo de brincadeiras amistosas o grande número de presidencias e representações que tinha sob sua responsabilidade. A sede do Partido mudou de local e não mais aconteciam reuniões. A sede em frente à Camara, na Rua Seis, depois de uma breve passagem pela Rua nove, foi parar na Rua Bom Pastor, local bem fora do centro… era a extratégia.

A unidade política anterior em torno da candidatura de Luciano Zica foi substituída pela fragmentação em nome de se conseguir mais “emendas” e “apoio mais amplo” para o Governo de Jales. Este discurso era tão levado à sério que o secretariado foi “loteado” pelo prefeito conforme os compromissos assumidos por ele. Quem chegava em Jales, ao passar em frente à chacara do Prefeito via lá instalado um outdoor do Vadão Gomes – PPB, tendo sido divulgada notícia na imprensa da gratidão do Deputado ao trabalho da Primeira Dama na campanha.

O resultado foi que a votação de todos os deputados federais do PT somada (3.311), contando inclusive os votos dados a Luciano Zica (1.657), agora sem o apoio grupo local do PMN, que se transferiu para o PDT. Quase que todo o Partido junto não igualou a votação do próprio Zica (3.017) em Jales sózinho, quatro anos antes.

  PT JALES 2006 DEP FEDERAL
1380 EUSTÁQUIO LUCIANO ZICA 1.657
1325 JOÃO PAULO CUNHA 374
1354 LUIZ CARLOS DA SILVA 354
1369 DEVANIR RIBEIRO 280
1322 ARLINDO CHIGNALIA JÚNIOR 203
1321 ROBERTO GOUVEIA 119
1313 JOSÉ GENOINO NETO 89
1312 CÂNDIDO VACCAREZZA 48
1351 LUIZ EDUARDO GREENHALGH 37
1355 DURVAL LOPES ORLATO 18
1368 ANTONIO LEITE DA SILVA 17
1323 ANTÔNIO PALOCCI FILHO 14
1314 GILMAR DOMINICI 11
1308 SONIA FRANCINE GASPAR 8
1345 MOACIR DOS SANTOS 7
1311 LUIS VANDERLEI LARGUESA 7
1364 RENATO SIMÕES 6
1352 EDSON THOMAZ MARTINS 6
1331 RICARDO J RIBEIRO BERZOINI 6
1390 VICENTE PAULO DA SILVA 5
1315 SÉRGIO DESIDERÁ 5
1300 IVANIO BATISTA DA SILVA 5
1330 EVERALDO SANTOS MELAZZO 4
1310 IARA BERNARDI 4
1301 JOSÉ E MARTINS CARDOZO 4
1338 JOSÉ MACÁRIO DOS SANTOS F 3
1333 SÉRGIO JOSÉ CUSTÓDIO 3
1302 DURVALINA G  SILVA GARCIA 3
1378 MÁRCIO HENRIQUE LADEIA 2
1370 CARLOS  ROLIM ZARATTINI 2
1360 OSWALDO DIAS 2
1350 MARKUS SOKOL 2
1305 ALBERTO R DOS SANTOS 2
1356 EDSON DA PAZ 1
1340 PAULO ROBERTO BLASCKE 1
1304 TELMA SANDRA A DE SOUZA 1
1303 DIRCEU DE BRITO FARIAS 1
 PT TOTAL DE VOTOS NOMINAIS 3311

 

2010 É Mercadante 13 para São Paulo tambem Mudar!

Em 2010 o PT não lança candidato a Deputado em Jales ou na Macro Região Noreseste Paulista. Dois anos antes, em 2008 o PT manteve ao Governo Municipal reelegendo Parini prefeito liderando uma coligação mais ampla, agora incluido o PMDB e mantendo a bandeira central a proximidade com  Lula e a sintonia com o Governo Federal, que tinha dado certo antes. No Legislativo Tatinha e Especiato foram reeleitos e o PT elegeu uma terceria representante, a recem filiada Pérola Cardoso. Com os partidos aliados o Governo conseguiu maioria na Camara Municipal de Jales.

A coordenação da Macro Noroeste passou a ser responsabilidade de Especiato cuja chapa obteve pouco mais de 60% dos votos.  Venceu a segunda disputa de chapas no PED mas com uma maioria bem menos ampla. A direção do DM passou às mãos de Cacaio que venceu a primeira disputa num PED municipal com 90% dos votos com o apoio do Alcaide Parini que candidatou-se  para membro do Diretório Estadual do PT e foi eleito.  

A coordenação da campanha foi toda controlada  pelos quadros vinculados ao Governo Municipal e a sua base aliada. O PT continuou a não ser prioridade, a sociedade civil tão pouco, em nome da “governabilidade” prefeito declarou apoio ou designou apoio a candidatos de outros partidos da “base aliada” como Paulo Mariane do PSB. Informações confirmadas dão conta ainda que tambem a candidata do PSDB Analice Fernandes teve apoio (mas há quem diga que Parini pegou mesmo foi uma carona).

Casa Roçada residencia do Alcaide Parini filiado e dirigente estadual do PT

A chapa estadual teve o pior resultado dos ultimos 12 anos. O candidato mais votado do PT (Roberto Felício) teve menos de 500 votos em Jales. Zico Prado que há muito é um fiel aliado do grupo palaciano com 257 votos quase perdeu a segunda posição no PT para João Paulo Rillo (231 votos) que trabalhou  a campanha, assim como Beth Sahaão e outros, de maneira dissociada do grupo palaciano.  Enquanto isso os candidatos que apoiavam Serra e Alckmin tiveram: Analice – PSDB (8.058 votos); Itamar Borges – PMDB (4.229 votos); Carlão Pignatari – PSDB (805 votos) para não falarmos do candidato local do PSB Paulo Mariani que obteve 4.927 votos, quase alcançando o patamar de Claudir Aranda na eleição anterior.

 PT JALES 2010 DEP ESTADUAL
13400 ROBERTO FELICIO 437 1,62%
13123 ZICO 257 0,96%
13622 JOÃO PAULO RILLO 231 0,86%
13456 BETH SAHAO 143 0,53%
13113 EDINHO SILVA 119 0,44%
13199 ANTONIO MENTOR 78 0,29%
13121 ANA PERUGINI 43 0,16%
13258 ESTELA ALMAGRO 37 0,14%
13640 JOSÉ CANDIDO 16 0,06%
13913 DONISETE BRAGA 15 0,06%
13611 ISAC REIS 12 0,04%
13222 ADRIANO DIOGO 9 0,03%
13731 ZÉ ANTÔNIO 9 0,03%
13750 ELISEU COSTA 8 0,03%
13613 BRENO CORTELLA 8 0,03%
13006 DR. JOÃO CARLOS 7 0,03%
13131 MARCOS MARTINS 6 0,02%
13134 SIMÃO PEDRO 6 0,02%
13137 IVANETE VIEIRA 6 0,02%
13310 LUIZ CLAUDIO MARCOLINO 5 0,02%
13666 ZÉ ARISTEIA 5 0,02%
13632 ANA DO CARMO 4 0,01%
13644 JOÃO ANTONIO 4 0,01%
13313 RENATO DO GEB 4 0,01%
13000 ANDERSON SILVA 3 0,01%
13300 EUVANILDE 2 0,01%
13132 DR. LUIZINHO 2 0,01%
13125 WILSON SANTOS 2 0,01%
13122 TONINHO DO PT 2 0,01%
13111 JURA 2 0,01%
13133 ELI TEODORO 2 0,01%
13156 RUI FALCÃO 1 0,01%
13114 ENIO TATTO 1 0,01%
13999 CARLOS NEDER 1 0,01%
13789 TITO 1 0,01%
13790 TOFFOLI 1 0,01%
13213 PADRE JUZEMILDO 1 0,01%
13023 GALENO AMORIM 1 0,01%
13555 LELO PAGANI 1 0,01%
13658 MÁRCIO CHAVES 1 0,01%
13012 BETO COELHO 1 0,01%
13103 PORTUGUÊS 1 0,01%
13580 TIÃOZINHO 1 0,01%
13633 MIRANDA 1 0,01%
13022 PROF CLEITON GOMES 1 0,01%
13490 ADINAN ORTOLAN 1 0,01%
13413 RAFAEL AGOSTINI 1 0,01%
 PT Votos Nominais Total  1.500 5,67%

 

2010 É Dilma 13 para o Brasil Seguir Mudando!

Pela segunda vez na história de Jales vimos o PT disputar uma campanha estando à frente do Governo Municipal e do Governos Federal. Sob a presidencia do companheiro Cacaio a sede do Partido se manteve na distante Rua Bom Pastor  e praticamente e não mais acontecem reuniões do Diretório Municipal. Foi mantida e radicalizada a “extratégia” anterior. 

As ruas espelharam a falta de militancia política decorrente da “extratégia”. Cavaletes nas calçadas ou “homens-poste” segurando bandeiras. Nas ruas apenas se viu a Kombi com “militantes de hollerity”. Funcionários em cargos de confiança da Prefeitura e de terceirizados, estavam na campanha, quando apareciam. Na reta final em algumas poucas carreatas.  Na reta final, tambem, a única e importante ação mais política foi um carro de som onde Especiato pedia votos para seus candidatos a Federal e Estadual, que foram relativamente bem votados.

Na residencia do Alcaide foram colacados  e o povo viu, por muito tempo, vários banners da candidata do PSDB Analice Fernandes. Veiculos dele e de familiares adesivados com material do Valdemar Costa Neto do PR e a cidade viu tambem grande número de placas do Vadão Gomes (da “base aliada). Estes foram os exemplos para a militancia, só faltou dizer: _ Petistas, partido é coisa fora de moda, caiam fóra!  

A Direção Estadual da Campanha, atendendo ao PMDB, agendou em Jales o grande ato inicial de mobilização do PMDB à campanha. Nas vésperas o PT local tentou, e mal, pegar carona e disfarçar o desconforto.

O resultado foi que a votação de todos os deputados federais do PT somada (1.746), se reduziu a 1/3 (um terço) da voração de 2002, ou 50% (metade) dos votos de 2006 (que já tinha sido um verdadeiro fiasco). Todos os Deputados Federais do PT que sempre ajudaram Jales tiveram resultados pífios, menos Vadão-PP que teve 6.673 votos. Enquanto isto, Rodrigo Garcia-DEM teve4.771 votos, Julio Semeghini – PSDB teve 2.349 votos, Tirica – PR 951 votos (sem campanha), Edinho Araujo – PMDB (do Serra) 862, Chalita – PSB 721 votos e Dado – PDT 517 votos em Jales, colhendo os frutos de suas aticulações locais.

Devanir Ribeiro (aliado incondicional do Prefeito Parini) na vizinha Fernandópolis, governada pela oposição e domicilio do Deputado Julio Semeghini, sozinho, teve 2.911 votos. Devanir teve me Fernandópolis mais de 1.200 votos a mais que a votação dada por Jales a todos os deputados do PT juntos. Resumindo os votos nominais de todos o candidatos a Deputado Federal do PT em Jales somados não fariam o coeficiente eleitoral para eleger um único vereador na cidade.

 PT JALES 2010 DEP FEDERAL
1325 JOÃO PAULO CUNHA 514 1,98%
1318 NEWTON LIMA NETO 217 0,84%
1322 ARLINDO CHINAGLIA 183 0,70%
1369 DEVANIR RIBEIRO 131 0,50%
1331 RICARDO BERZOINI 121 0,47%
1332 JOSÉ MENTOR 98 0,38%
1312 VACCAREZZA 39 0,15%
1301 VICENTE CANDIDO 34 0,13%
1398 PAULO TEIXEIRA 25 0,10%
1321 FILIPPI 10 0,04%
1316 CARLINHOS ALMEIDA 8 0,03%
1390 VICENTINHO 6 0,02%
1345 VANDERLEI SIRAQUE 6 0,02%
1387 JANETE PIETÁ 1 0,01%
1302 PROF JAIR BALESTRA 141 0,54%
1313 GENOINO 100 0,38%
1333 PROF.CARLÃO RAMIRO 29 0,11%
1366 RENATO SIMÕES 18 0,07%
1340 TENENTE PAZ 11 0,04%
1311 LARGUESA 11 0,04%
1378 MARIA LUCIA PRANDI 7 0,03%
1362 REGINALDO PERNAM 7 0,03%
1310 IARA BERNARDI 6 0,02%
1355 DURVAL ORLATO 6 0,02%
1300 IVANIO BATISTA 5 0,02%
1319 TEREZINHA RONDELLI 2 0,01%
1380 ANGELO BARRETO 2 0,01%
1330 PIVATTO 2 0,01%
1364 CARLOS AQUINO 2 0,01%
1315 HELCIO SILVA 2 0,01%
1356 EDSON DA PAZ  1 0,01%
1360 RUBINHO BASTOS 1 0,01%
PT Votos Nominais – Total 1746 6,74%

 

Resumo dos Resultados do PT em Jales nas eleições proporcionais Estadual e Federal, votos nominais,  nos ultimos 12 anos (1998 à 2010).

Relembrando a fala inicial da direção municipal do PT de Jales. ” infelizmente a companheirada se esqueceu que política se faz com a cabeça e não com o fígado…”. Já um petista da velha guarda, pedindo anonimato: “ a gente não precisa de adversários. Os companheiros se encarregam do auto-extermínio…”

Fazendo o esforço de usar a “massa cinzenta” e não a “bílis” para fazer política e olhando o resumo desta “ópera” somos levados a concluir que: existem três possibilidades. 1) A afirmação é verdadeira. 2) A afirmação é mentirosa. 3) As duas hipóteses anteriores são verdadeiras.

Se é verdadeira a afirmação, então “a companheirada começou a pensar com o fígado em algum momento entre as eleições de 2002 e as eleições de 2006. Como pensar com o fígado é ruim, só pode trazer maus resultados. Os maus resultados apareceram depois de 2002, algo aconteceu entre 2002 e 2006. Algo que contiua, continua e fez piorar ainda mais o resultado (para o PT) em 2010.

Se é mentirosa a afirmação, somos obrigados a concluir que a causa dos problemas é outra e que temos a responsabilidade de continuar pensando para decobrirmos a verdade. Decorre tambem, secundariamente, a forçosa conclusão de que para buscar compreender a realidade não se deve ouvir quem não diz a verdade.

Se as duas hipóteses anteriores são verdadeiras, então, forçoso é concluir que não é com o cabeça que a companheirada tem pensado e que na verdade esta é apenas uma parte da questão. Concluimos igualmente  tambem que devemos continuar em busca das verdadeiras respostas e que elas não serão encontradas ouvindo o presidente da Comissão Executiva Municipal ou ao “petista da velha guarda que pede anonimato”, pois eles não a dizem.  

RESUMINDO
 ano da eleição Dep. Federal Dep. Estadual

1998

2.466

3.580

2002

5.286

3.582

2006

3.311

1.829

2010

1.770

1.503

 
 
 
 

Reiteramos o pedido que fizemos no começo deste “artigo”. Pedimos a contibuição dos camaradas de luta (já que a companheirada pensa com o fígado) para corrigir, criticar e aprofundar a presente avalição.

Acatamos desde já as ponderações que hoje nos foram feitas. Concordamos que precisamos continuar avaliando à partir de outros dados. Façamos isto!

PPS expulsa prefeito que apoiou Dilma. Noticia gerou inquietação em Jales. O PT também vai punir os “infiéis” ?

Noticia gerou inquietação em Jales. O PT também vai punir os “infiéis” ?

Fachada da residencia do atual Prefeito Humberto Parini - PT Jales com publicidade de candidata Tucana em 2010

“O PPS decidiu expulsar o prefeito de Jaguariúna (SP), Gustavo Reis, por infidelidade partidária. Em reunião do diretório nacional, em Brasília, o partido optou pelo desligamento de Reis por ele ter declarado apoio para a candidatura de Dilma Rousseff (PT) à Presidência da República nas eleições deste ano.

A escolha contrariou o PPS, que se aliou ao PSDB, de José Serra, na disputa de outubro ao Palácio do Planalto. Na reunião do diretório, realizada no fim de semana, o PPS ressaltou que Reis foi primeiro filiado a ser desligado em meio ao início de um amplo processo de reestruturação da legenda, que tem como ponto de partida a punição e a expulsão de “infiéis” nas eleições de 2010.

A medida também irá valer para os diretórios regionais que contrariaram as decisões do PPS nas eleições. De acordo com o secretário-geral da legenda, deputado federal eleito Rubens Bueno (PR), a reestruturação será fundamental para a preparação do partido para as eleições municipais de 2012. Com o objetivo de fortalecer a “democracia interna”, os diretórios estaduais vão ter que apresentar um balanço do resultado das eleições dentro de 30 dias.

“Essa medida sinaliza claramente que o PPS será reestruturado em todo o Brasil com aqueles que defendem o partido, seu programa e tem compromisso com nossos candidatos nas eleições. De nada adianta termos prefeitos, vereadores e deputados que, na hora de uma disputa eleitoral, apoiam candidatos de outros partidos”, afirmou o secretário-geral do partido.

Na última eleição, aconteceram casos em que candidatos do PPS tiveram em um município menos votos do que o número de filiados.

“Isso mostra um descompromisso total com o partido. O PPS não é refúgio para oportunistas políticos que elevam seus projetos pessoais acima dos interesses da legenda. Sempre defendemos uma reforma política que valorize os partidos e não aceitamos esse tipo de postura”, acrescentou Bueno.

Em nota, o prefeito disse que a decisão de expulsão foi unilateral e não houve qualquer comunicado oficial por parte dos dirigentes da legenda. “De tal decisão não me foi dado ciência nem assegurado o direito constitucional de ampla defesa, como também prevê o estatuto do PPS e nem sequer tenho notícia de instauração de prévio processo disciplinar”, declarou Reis.

Eleito com quase 10 mil votos, o prefeito permaneceu no PPS por 12 anos, sendo a única partido pelo qual foi filiado.”

Com informações do Portal da Macro ABC

Cartilha do PT faz balanço das eleições 2010. Os números e avalições do PT em todo Brasil.

5 governadores, 88 deputados federais, 149 deputados estaduais e 14 senadores foram eleitos pelo PT em 2010.

Escrito em 22 de novembro de 2010, às 16:48

Esses números mostram a consolidação da força de um partido que, nascido a partir daqueles que eram até então esquecidos pelo poder público, hoje tem a plena capacidade de ajudar os mais pobres como nenhum outro, tal como vem fazendo nos últimos oito anos.

Para mostrar mais sobre os resultados concretos dessa atuação, a cartilha “O Brasil vai seguir mudando com Dilma” traz um balanço completo do desempenho do Partido dos Trabalhadores em todo o país nestas eleições. São 65 páginas repletas de imagens e gráficos que mostram por que nosso esforço sempre vale a pena diante do reconhecimento do povo brasileiro.

Vale a pena consultar a cartilha. Clique aqui para fazer o download. CADERNOeleicoes_2T_2010-11-19 

Fonte: www.pauloteixeira13.com.br

%d blogueiros gostam disto: