Governo Alckmin: é preciso mudar para que tudo continue como está

É essencial que a militância, os dirigentes e os parlamentares do PT estejamos atentos para cobrar incisivamente o cumprimento de compromissos de campanha e também daqueles assumidos nestes primeiros meses de governo.

Por Leonardo Fontes e Julian Rodrigues
Terça-feira, 19 de abril de 2011

Geraldo Alckmin acaba de completar os seus 100 primeiros dias como governador de São Paulo, mas já existem motivos de sobra para ficarmos atentos a diversos aspectos desse “novo” governo. Se, por um lado, velhos hábitos foram mantidos, também algumas novidades pairam no ar, principalmente no que se refere às disputas de poder e ao enfraquecimento de algumas velhas “marcas registradas” dos tucanos de São Paulo.

A campanha eleitoral para o governo paulista em 2010, além de pautar alguns pontos importantes para o nosso Estado, como a melhoria da educação, a redução das filas na saúde, a ampliação do transporte público e redução dos níveis de criminalidade, evidenciou alguns costumes largamente cultivados por nossos últimos governantes. O principal deles é a repetição de promessas recicladas e o uso extensivo do marketing político para mostrar São Paulo de uma maneira muito diferente da que vemos e sentimos nas ruas.

Neste sentido, é essencial que a militância, os dirigentes e os parlamentares do PT estejamos atentos para cobrar incisivamente o cumprimento de compromissos de campanha e também daqueles assumidos nestes primeiros meses de governo, além, é claro, de observarmos de perto as sinalizações indicativas dos prováveis rumos que o governador pretende dar para São Paulo nos próximos quatro anos.

De acordo, com o texto final de balanço e perspectiva, aprovado pelo Diretório Estadual, um dos eixos da ação do PT-SP para “desconstruir a hegemonia do PSDB” é “levar o acúmulo construído no Programa de Governo Mercadante para o conjunto do PT, pois “nosso programa nas eleições de 2010 deve ser a base para uma disputa permanente de concepções de políticas públicas, uma referência”.

De forma ainda mais consistente, a mesma resolução aponta para a necessidade de o Partido apostar na “constituição de um “Observatório Alckmin” [que] pode nos ajudar a preparar o programa para 2012, qualificando as críticas ao “modo tucano de governar”, bem como pode se constituir num processo de atualização permanente do nosso programa de governo e de construção do discurso e das bases para o enfrentamento de 2014”.
Para colaborar com esse objetivo, vários de nós que trabalhamos na equipe de elaboração do programa de governo do PT em 2010 – processo coordenado pela companheira Angélica Fernandes – estamos nos propondo a trabalhar de maneira organizada no acompanhamento crítico das políticas do PSDB frente ao governo de São Paulo.

Nosso objetivo é colaborar com o esforço de potencializar a oposição programática aos tucanos. Pretendemos produzir, com periodicidade, análises, cenários, artigos que tratem desse tema. Esse material – mais notícias importantes sobre o governo ficará disponibilizado em um blog (www.pautapoliticasp.org).

Nosso intuito neste primeiro texto será, então, dar um pontapé inicial nesse trabalho ao fazer um breve panorama das promessas e movimentações políticas iniciais do novo governo, com o intuito de apontarmos as áreas e temas que devem ser olhados com mais atenção.

Educação: calcanhar de Aquiles

O debate em torno da educação foi, sem dúvida, o mais marcante durante a última campanha eleitoral e há anos vem se mostrando como o “calcanhar de Aquiles” das administrações tucanas em São Paulo. Para resolver os inúmeros problemas da área, Alckmin se comprometeu durante a eleição a ampliar o diálogo com os professores, oferecendo capacitação continuada e melhora nos níveis salariais. Além disso, ele apostava grande parte de suas fichas – nos programas eleitorais – nas escolas de tempo integral e no programa escola da família, deixados de lado pela gestão Serra. Evitando se comprometer com metas mais concretas, o então candidato Alckmin defendia o aumento do reforço escolar, das aulas de informática, das atividades esportivas e do ensino de segunda língua para alunos das escolas públicas por meio de convênios com escolas particulares de idiomas.

Chegou a impressionar a veemência com que Alckmin defendia o “avanço” da educação em São Paulo e, pior ainda, o sistema de “aprovação automática”, que foi implantado no Estado a partir de uma degeneração da proposta progressista de progressão continuada. As primeiras medidas tomadas pelo governador foram impressionantes: além de trocar o Secretário, uma importante figura no meio tucano, anunciou uma reformulação no sistema de aprovação das escolas estaduais. Com isso, a nova gestão reconheceu problemas que já estavam mais do que evidentes para a população. O novo secretário procurou mostrar-se mais aberto ao diálogo com os professores, tentando superar um histórico problema de falta de abertura dos governos tucanos. Mas há que se ressaltar, também, que chama a atenção a nomeação do ex-prefeito de Taubaté José Bernardo Ortiz, condenado judicialmente por ato de improbidade administrativa, para controlar um orçamento de R$ 2,5 bilhões da Fundação para o Desenvolvimento da Educação (FDE).

Mobilidade urbana e colapso

O setor de transportes é outra área a que os tucanos têm feito muita propaganda, mas dedicado pouca prioridade real nos últimos anos. Alckmin evitou, durante a campanha, assumir compromissos claros e concretos nessa área, limitando-se a prometer a conclusão de linhas que já estavam em obras, ou planejadas, e ampliar o fluxo diário de passageiros, dos atuais 5,8 milhões para 10 milhões em quatro anos. Contudo, mesmo essas linhas já correm sério risco de não estarem prontas até 2014. A linha 5 – Lilás está com o processo de licitação parado, após provar-se que o resultado já era conhecido meses antes da abertura das propostas; a Linha 4 – Amarela, além dos acidentes, acumula uma série de atrasos e prorrogações no cronograma de inaugurações e as Linhas 6 – Laranja e 17 – ouro não têm nem previsão para o lançamento dos editais de licitação. Enquanto isso, as falhas técnicas no metrô e na CPTM são cada vez mais frequentes. O metrô está no limite de sua capacidade, com incidentes contínuos e superlotação em horários cada vez mais dilatados.

Além disso, é preciso lembrar outras promessas de Alckmin, aparentemente relegadas a segundo plano neste período inicial de governo, como é o caso do VLT da baixada santista – prometido por Alckmin desde 2001 –, a duplicação da rodovia dos Tamoios e a revisão da política de pedágios.

Ruídos na segurança

Na segurança o quadro não é diferente. Alckmin se comprometeu com o fortalecimento da estrutura disponível para investigação, disse que iria acabar com presos em cadeia (delegacias?), e aumentar o efetivo policial com a contratação de 6000 novos homens. Pouco foi efetivamente feito nesta área para além da transferência do DETRAN para a alçada da Secretaria de Gestão Pública e o aumento do incentivo ao “bico oficial” dos policiais militares, principalmente em parceria com a prefeitura da capital.

O PT e a oposição democrática precisa atentar para as disputas internas na atual Secretaria, que deve ter desdobramentos importantes na definição da política de segurança. O secretário, Antonio Ferreira Pinto, forçou sua permanência ao se colocar publicamente, na mídia, como inimigo dos policiais corruptos, o que desagradou o antigo titular da pasta Saulo de Castro Abreu Filho, designado para ser o homem-forte de Alckmin na área de Transportes e Logística. As primeiras faíscas já surgiram com as denúncias que envolviam a venda de dados estatísticos relativos à segurança pública – que atinge pessoas ligados a Saulo – e o vídeo que mostra o encontro do Secretário com o jornalista autor da denúncia.

A questão urbana

Na área de infraestrutura urbana, principalmente na região metropolitana, a situação é desalentadora. Falemos brevemente da questão das enchentes, que tocou a vida dos paulistas mais diretamente nestes últimos meses. Em 2005, Alckmin chegou a anunciar que não haveria mais enchentes no rio Tietê, o que foi prontamente desmentido pelos três transbordamentos do rio ocorridos só neste ano. A falta de manutenção, em termos de desassoreamento e limpeza dos rios que cortam a capital paulista e a lentidão na execução do plano de macrodrenagem da região metropolitana, juntamente com o descumprimento da meta de construção de piscinões – dos 134 previstos para toda a região metropolitana, apenas 44 saíram do papel -, são os pontos de maior preocupação para a vida da população paulista .

Ainda na área de gestão da região metropolitana, Alckmin criou a Secretaria de Gestão Metropolitana, mas, até agora, não está claro quais serão suas reais atribuições e instrumentos de ação.
Habitação e saneamento são outras áreas fundamentais quando o assunto é a questão urbana. Apesar de defender a gestão tucana a frente da CDHU, Alckmin prometeu criar o “BNDES da Habitação”, um programa que foi pouco explicado, mas que se assemelharia ao “Minha Casa Minha Vida” do governo federal. De qualquer modo, até o momento nada foi realizado a este respeito.

Conturbações no ninho

Finalmente, interessa ao PT acompanhar com atenção as movimentações políticas que Alckmin e os tucanos têm realizado e que apontam para suas intenções quanto às eleições de 2012 e 2014. Ao contrário de seu antecessor, o atual governador parece enxergar em certo fortalecimento de políticas sociais, na abertura de algum grau de diálogo com os setores organizados da sociedade e na aproximação com o governo Dilma uma possibilidade para angariar votos junto a um eleitoral tradicionalmente próximo do PT.

Além disso, Alckmin tem deixado claro sua intenção de aumentar os investimentos nas cidades da região metropolitana de São Paulo, atacando o chamado “cinturão vermelho”. Na capital, como resposta às recentes movimentações de Kassab, Alckmin acaba de emplacar, não sem rusgas fortes com os “kassabistas-serristas”, seu Secretário de Gestão Pública, Julio Semeghini, para a presidência do diretório municipal do PSDB, a fim de ter mais controle sobre o processo de escolha do candidato tucano à prefeitura em 2012.

Imediatamente, 5 dos 13 vereadores da bancada do PSDB paulistano anunciaram sua desfiliação. O quadro é de extremo atrito no campo conservador, sobretudo no ninho tucano, se considerarmos que toda essa movimentação provavelmente tem José Serra como seu mentor.

Alckmin é nacionalmente aliado de Aécio no movimento de afastar Serra do centro da política tucana. Fez sua parte aqui, operando um verdadeiro “limpa” dos quadros serristas do núcleo do governo. Aécio e Alckmin apóiam a recondução de Sergio Guerra à presidência do PSDB, contrariando o desejo de Serra de ocupar esse cargo.

Ao mesmo tempo, a forte movimentação de Kassab criando um novo partido, sem cara definida, que não é, segundo ele, “nem de direita, nem de esquerda, nem de centro”, que flerta com o governo Dilma, desidrata o DEM e tem uma relação ambígua, mas amistosa, com Serra são um fato novo no quadro político paulista e nacional. Não estão perfeitamente nítidos ainda o impacto real e a configuração definitiva dessa nova legenda articulada com Kassab. O PSD terá candidato próprio em São Paulo? Apoiarão um possível candidatura Serra? E afinal, Serra será mesmo candidato a prefeito da capital em 2012?

Encerrando essa primeira aproximação do novo Governo Alckmin, podemos verificar algumas tentativas nítidas de “mostrar serviço” de trazer novidades – sem, contudo, apontar em nada qualitativamente distinto do que foram as administrações tucanas desde 1996. É como se, ao flertar com a “mudança”, Alckmin atualize a velha máxima de Lampedusa, no romance O Leopardo : “é preciso que tudo mude para que as coisas permaneçam iguais”.

Leonardo Fontes, mestrando em ciência política pela USP , militante do PT-SP.

Julian Rodrigues, mestrando em ciências sociais pela PUC-SP, militante do PT-SP

Fonte: http://www.pt-sp.org.br

Propinoduto liga empresas aos Tucanos em São Paulo e DEM em Brasília.

Testemunha desvenda esquema de propina do Metrô de SP e do DF

Dinheiro de “caixinha” vinha por meio de duas offshores do Uruguai, segundo documentos

Gilberto Nascimento, do R7

ReproduçãoReprodução

Veja imagens ampliadasDocumento mostra acordo entre a Siemens Ltda., com sede em São Paulo, e a Gantown Consulting S/A, com sede no Uruguai

Informações sigilosas de uma importante testemunha vão ajudar a desvendar um esquema internacional de propina que, segundo denúncias, teria sido montado no Brasil pelas multinacionais Alstom e Siemens. 

Uma figura que acompanhou de perto contratos firmados nos últimos anos pelas duas empresas com os governos do PSDB em São Paulo e do DEM no Distrito Federal para a compra de trens e manutenção de metrô passou a fazer novas revelações e a esmiuçar os caminhos do propinoduto europeu em direção ao Brasil.

Supostos “acertos” e negociações atribuídos a representantes das duas companhias estão em um documento elaborado por essa fonte e encaminhado ao Ministério Público de São Paulo.  

Contatada pelo R7, a testemunha – que se identifica apenas como F. e teme ser fotografada por causa de represálias – dá detalhes de como a propina chegava ao Brasil por meio de duas offshores (paraísos fiscais), a  Leraway e a Gantown, sediadas no Uruguai, e de como a Alstom e a Siemens teriam se utilizado da contratação de outras empresas para encaminhar o dinheiro da “caixinha” a políticos, autoridades e diretores de empresas públicas de São Paulo e de Brasília.

F. relata esquemas supostamente arquitetados para a obtenção de contratos da linha 5 do metrô no Capão Redondo, na zona sul de São Paulo; para a entrega e a manutenção dos trens série 3000 (também conhecidos como trem alemão) para o governo paulista, além da conservação do metrô do Distrito Federal.

O deputado estadual Simão Pedro (PT) encaminhará ao Ministério Público de São Paulo nos próximos dias uma representação pedindo a investigação das denúncias feitas por F.. 

Sob investigação na Europa

A francesa Alstom e a alemã Siemens foram alvos de investigações na Suíça e na Alemanha por causa da acusação de pagamento de suborno a políticos e autoridades da Europa, África, Ásia e América do Sul. Somente a Siemens teria feito pagamentos suspeitos num total de US$ 2 bilhões.

Um tribunal de Munique acusou a empresa alemã de ter pagado propina a autoridades da Nigéria, Líbia e Rússia. O ex-diretor Reinhard Siekaczek acrescentou que o esquema de corrupção atingiria ainda Brasil, Argentina, Camarões, Egito, Grécia, Polônia e Espanha.

Já a propina paga pela Alstom em diversos países – incluindo o Brasil -, pode ter sido superior a US$ 430 milhões, de acordo com os cálculos da Justiça suíça. No Brasil, a empresa foi acusada, por exemplo, de pagar US$ 6,8 milhões em propina para receber um contrato de US$ 45 milhões no metrô de São Paulo. 

A francesa Alstom fabrica turbinas elétricas, trens de alta velocidade e vagões de metrô. Maior empresa de engenharia da Europa, a alemã Siemens faz desde lâmpadas até trens-bala. As duas companhias são concorrentes, mas em determinados momentos na disputa tornavam-se aliadas, conforme a testemunha.

Para trazer o dinheiro ao Brasil

O esquema para mandar dinheiro ao Brasil via offshore, revela F., conta com a participação das empresas Procint e Constech, sediadas na capital paulista e pertencentes aos lobistas Arthur Teixeira e Sergio Teixeira. As offshores Leraway e Gantown seriam sócias da Procint e da Constech. F. mostrou cópias de contratos firmados pela Siemens da Alemanha com as duas offshores. Segundo ele, esses contratos comprovam o envolvimento da empresa alemã no esquema.

As offshores também teriam sido utilizadas, diz a testemunha, em outros contratos com empresas como a MGE Transportes, TTetrans Sistemas Metroferroviários, Bombardier (canadense), Mitsui (japonesa) e CAF (espanhola).  

Há dois anos, parte dos documentos em poder de F. foram enviados para o Ministério Público de São Paulo e para o Ministério Público Federal. Promotores confirmaram a veracidade de informações ali contidas. No entanto, ainda não conseguiram colher o depoimento da testemunha, localizada agora pelo R7

O promotor Valter Santin confirmou que o caso já vem sendo investigado, mas disse que não pode revelar detalhes “por ser sigiloso e envolver conexões internacionais”. 

Documentação

Uma documentação bem mais ampla – só agora exibida ao R7 – foi enviada por F., em 2008, ao escritório de advocacia Nuremberg, Beckstein e Partners,  da Alemanha. Na época, o escritório atuava como uma espécie de ombusdman da Siemens.

– Por que a Siemens não investigou as denúncias encaminhadas e por que a companhia no Brasil foi poupada nas investigações? Não foi por falta de informação, pois a carta mencionada revelava todos os nomes e detalhes e incluía provas dos esquemas de corrupção, avalia F.

Por meio de uma nota, a Siemens diz conduzir seus negócios “dentro dos mais rígidos princípios, legais, éticos e responsáveis” e afirma não ter firmado contrato em parceria ou consórcio “com nenhum concorrente no que tange à manutenção de metrôs”. 

Na mesma linha, a Alstom afirmou em um comunicado que segue “um rígido código de ética, definido e implementado por meio de sérios procedimentos, de maneira a respeitar todas as leis e regulamentações mundialmente”.  A empresa disse que está colaborando com as investigações e “até o momento, as suspeitas de irregularidades em contratos não foram comprovadas e não estão embasadas em provas concretas”.

O Metrô de São Paulo e a CPTM afirmaram, por meio de nota, que desconhecem os fatos mencionados e esclarecem que os seus contratos firmados com qualquer empresa “obedecem à legislação específica que norteia a lisura do processo licitatório, além de serem submetidos ao Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCE)”.

Já o Metrô do DF afirmou, em nota, que desconhece as irregularidades apontadas e que “a licitação foi acompanhada em todas as suas etapas pelos órgãos de controle externo, em especial o Tribunal de Contas do Distrito Federal”. Veja a íntegra da nota:

“O Metrô-DF desconhece as supostas irregularidades apontadas anonimamente pela reportagem do Portal R7 e, ressalta que:

– O processo de licitação para a manutenção do Metrô-DF (transcorrido em gestão anterior), seguiu a modalidade de licitação de concorrência pública tipo técnica e preço, sendo que no primeiro aspecto as duas empresas finalistas receberam a pontuação máxima;

– No quesito preço, o consórcio Metroman apresentou a melhor proposta (menor preço), vencendo então a licitação;

– A licitação foi acompanhada em todas as suas etapas pelos órgãos de controle externo, em especial o Tribunal de Contas do Distrito Federal;

– O consórcio Metroman vem atendendo satisfatoriamente todas as demandas de manutenção apresentadas pelo Metrô-DF.

Coordenação de Comunicação do Metrô-DF”

Novos secretários tomam posse em SP com meta de reduzir custos. Cerimônias da Saúde e Gestão Pública aconteceram nesta terça-feira (4/1).

Contratos do governo com empresas serão revistos para diminuir despesas.

Do G1 SP

Secretários do novo governo do estado de São Paulo tomaram posse nesta terça-feira (4) com meta de reduzir custos. O secretário da Saúde, Giovanni Cerri, quer que os planos de saúde paguem a conta dos segurados atendidos na rede pública. A primeira missão do responsável pela pasta de Gestão Pública, Júlio Semeghini, é fazer um pente-fino em contratos de serviços terceirizados do governo anterior.

Como Geraldo Alckmin, Giovanni Cerri é médico. Ele já foi diretor da Faculdade de Medicina da USP e traz experiência também da administração do Instituto do Câncer. Segundo ele, 20% dos pacientes internados lá têm plano de saúde e, mesmo assim, procuram atendimento público.

Para diminuir a despesa do governo, o novo secretário defende que os planos de saúde paguem as despesas dos segurados. “Se nós conseguirmos trazer esses recursos para o estado, isso vai ajudar a financiar a ampliação do sistema público de saúde”, acredita.

No discurso, Cerri disse também que pretende trabalhar junto com a Secretaria da Educação para prevenir gravidez na adolescência e abuso de drogas e álcool entre os jovens. “Acaba se tornando um vício, acaba se tornando fonte de violência doméstica, desagregação familiar”, disse.

No fim da tarde, também foi realizada a transmissão do cargo de secretário de Gestão Pública. Quem assume é o deputado federal Júlio Semeghini. A primeira missão dele é fazer um pente-fino em contratos de serviços terceirizados, como empresas de limpeza, vigilância e de alimentação, por exemplo. Na administração de José Serra, esses contratos representavam mais de R$ 4 bilhões nas despesas do estado.

A meta do novo governo é reduzir em 10% esse valor. “Está sendo feita uma série de análises que permita você ter mais eficiência na administração publica, mas, ao mesmo tempo, permita redução de custo. É difícil, mas todos os secretários têm uma meta para cumprir e a gente vai ajudá-los a fazer isso”, afirmou

E, ainda nesta terça-feira, uma comissão da Casa Civil vai começar a discutir um novo rumo para o Detran, que será retirado da Secretaria de Segurança Pública. A medida pretende liberar mais de mil policiais que prestam serviços ao Detran para fazer somente o trabalho de polícia.

MP-SP: Reservar vagas em hospital público para planos é inconstitucional

Lei estadual não pode restringir o que lei federal não restringe, afirma promotor Arthur Pinto Filho

Agência Brasil

SÃO PAULO – O Ministério Público do Estado de São Paulo (MP-SP) promete protocolar ações civis públicas para impedir a implementação do projeto de lei complementar que prevê que 25% dos leitos de hospitais públicos administrados por organizações sociais de saúde em São Paulo sejam reservados ao atendimento de clientes de planos e convênios particulares.

“Esse projeto é inconstitucional e tem vários vícios em sua origem. O primeiro deles é querer que uma lei estadual restrinja o que uma lei federal não restringe, quando uma lei estadual não pode contrariar uma lei federal, exceto se for para aumentar o benefício da sociedade, o que não é o caso”, afirmou à Agência Brasil o promotor de Justiça da Procuradoria de Direitos Humanos na Área de Saúde Pública, Arthur Pinto Filho.

Para o promotor, o projeto também fere o princípio constitucional de que todos os usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) sejam tratados de forma igualitária. Em 2009, os deputados já haviam aprovado um dispositivo semelhante, que, depois, foi vetado pelo então governador José Serra (PSDB).

“A justificativa de que é necessário aprovar o projeto para criar formas de o governo cobrar as empresas é falso, porque leis já existem. Trata-se, isso sim, de tirar um de cada quatro leitos do SUS e entregá-los aos planos privados. O que já era pouco e ruim vai se tornar dramático e pior”, avaliou Pinto Filho.

De acordo com ele, praticamente todos os órgãos e entidades que atuam no setor são contrários ao projeto, que chegou a ser reprovado inclusive pela entidade que reúne os secretários municipais de Saúde de todo o Estado.

Fonte: estadao.com.br

Alckmin anunciará Edson Giriboni (PV) para Secretaria do Saneamento (via Folha)

O governador eleito de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), anunciará nesta terça-feira o deputado estadual Edson Giriboni (PV) para a Secretaria do Saneamento.

O nome de Giriboni foi negociado com a bancada do partido –com nove deputados, a legenda será a terceira maior presença da Assembleia na próxima legislatura, atrás apenas de PT e PSDB.

Após racha interno, a direção estadual do PV abandonou negociações.

Lei também: https://murilopohl.wordpress.com/2010/12/23/pv-sp-recussa-participar-do-secretariado-do-governo-alckmin-psdb/

Alckmin chegou a sinalizar Luiza Eluf, filiada ao PV, para a Secretaria de Justiça. Recuou, contudo, ao saber que a escolha esbarrou com resistência dos próprios verdes. A pasta acabou ficando com Eloisa Arruda.

TURISMO

O governador eleito também poderá indicar o deputado Márcio França (PSB), presidente do PSB de São Paulo, para a Secretaria de Turismo.

Lei também: https://murilopohl.wordpress.com/2010/12/24/tucano-aproveita-insatisfacao-do-psb-com-formacao-de-ministerio-e-convida-marcio-franca-para-turismo-pps-comandara-trabalho/

Segundo o “Painel” da Folha, a indicação afasta do prefeito Gilberto Kassab (DEM) um aliado importante, que o tucano tentava atrair desde o fim da campanha eleitoral.

Com França no governo estadual, o PSB ficará mais distante do prefeito paulistano.

FERNANDO GALLO
DE SÃO PAULO

PV – SP recusa participar do Secretariado do Governo Alckmin – PSDB

Depois de ter recusado as pastas da Assistência Social e Saneamento no governo de Geraldo Alckmin, o PV-SP divulgou uma nota oficial de esclarecimento, trazendo nela as razões que levaram a legenda encerrar os diálogos para que integrasse a equipe do governador eleito.

Leia íntegra da carta:

A Direção Estadual do Partido Verde em São Paulo esclarece à opinião pública paulista as razões que levaram a legenda a encerrar o pro cesso de discussões com o Governo Eleito de Geraldo Alckmin (PSDB) para integrar sua equipe de governança.

1) Após o final das eleições estaduais deste ano o PV foi procurado pelo PSDB para discutir a participação no futuro governo;

2) A Direção Estadual do PV elaborou documento com 43 pontos programáticos como base na plataforma liderada pelo então candidato verde ao Palácio dos Bandeirantes, Fábio Feldmann;

3) Os 43 pontos programáticos foram entregues ao governador eleito, Geraldo Alckmin, em encontro que contou com a presença de todos os deputados estaduais e federais eleitos do PV no Estado de São Paulo, bem como dos nossos ex-candidatos ao Senado e ao governo local, Ricardo Young e Fábio Feldmann, respectivamente, e do Presidente Nacional do partido, José Luiz de Franca Penna;

4) A maioria das 43 propostas visam discutir São Paulo do Futuro, tendo o conceito de Sustentabilidade como eixo do projeto de governança. Dessa forma, a Direção Estadual do PV comunicou ao Governo Eleito que o melhor espaço na administração estadual para colocar em prática essa visão programática seria a gestão da Secretaria do Meio Ambiente;

5) Por 40 dias, a Direção Estadual do PV-SP aguardou manifestação do Governo Eleito. Na última segunda-feira, dia 20 de dezembro, foi informada por meio de representantes de Geraldo Alckmin de que a atuação da Secretaria do Meio Ambiente, a partir de 2011, não comportaria as orientações sugeridas pelo PV no encontro já citado;

6) Posteriormente, em reunião promovida pela Direção Estadual do PV-SP com a bancada eleita pelo partido em São Paulo, deliberou-se, por unanimidade, recusar o convite para participar de um governo que não se comprometeu com os 43 pontos programáticos apresentados. A deliberação contou com o apoio da Direção Nacional do PV;

7) Tal decisão foi levada ao conhecimento do Governo Eleito. Assim, o PV deu por encerrada sua participação no processo de debate sobre integração à futura administração paulista;

A Direção Estadual do Partido Verde reafirma, dessa forma, seu compromisso com a construção de uma nova forma de fazer política, que implica construir alianças em bases programáticas e não pragmáticas, com o objetivo de construir um país socialmente justo e desenvolvido por uma economia pautada pela Sustentabilidade.

São Paulo, 23 de dezembro de 2010

Maurício Brusadin

Presidente Estadual do Partido Verde em São Paulo

Estadão.com.br

Leia também: https://murilopohl.wordpress.com/2010/12/28/alckmin-anunciara-edson-giriboni-pv-para-secretaria-do-saneamento-via-folha/

Em busca da razão científica II. O PT de Jales – SP na contra mão, incompetência?

 

Vamos pensar juntos? (Texto em processo de Construção Coletiva)

Esta reflexão está aberta para correções, observações, críticas e aprimoramentos. Participe usando o instrumento dos comentários disponível no blog

Recomendamos a leitura do texto anterior, disponível AQUI https://murilopohl.wordpress.com/2010/12/10/em-busca-da-razao-cientifica-do-figado-a-cabeca-a-evolucao-do-pt-de-jales-sp/, para facilitar o exercício proposto, de pensarmos juntos.  De qualquer forma, quando finalizamos o texto inicial, dia 10 de dezembro, estávamos diante de conclusões parciais, hipóteses a serem checadas e raciocínio a ser aprofundado. Reproduzo aqui a parte final do texto.

Fazendo o esforço de usar a “massa cinzenta” e não a “bílis” para fazer política e olhando o resumo desta “ópera” somos levados a concluir que: existem três possibilidades. 1) A afirmação é verdadeira. 2) A afirmação é mentirosa. 3) As duas hipóteses anteriores são verdadeiras.

Se é verdadeira a afirmação, então “a companheirada começou a pensar com o fígado em algum momento entre as eleições de 2002 e as eleições de 2006. Como pensar com o fígado é ruim, só pode trazer maus resultados. Os maus resultados apareceram depois de 2002, algo aconteceu entre 2002 e 2006. Algo que continua e fez piorar ainda mais o resultado (para o PT) em 2010.

Se for mentirosa a afirmação, somos obrigados a concluir que a causa dos problemas é outra e que temos a responsabilidade de continuar pensando para descobrirmos a verdade. Decorre também secundariamente a forçosa conclusão de que para buscar compreender a realidade não se deve ouvir quem não diz a verdade.

Se as duas hipóteses anteriores são verdadeiras, então forçoso é concluir que não é com a cabeça que a companheirada tem pensado e que na verdade esta é apenas uma parte da questão. Concluímos, igualmente, também que devemos continuar em busca das verdadeiras respostas e que elas não serão encontradas ouvindo o presidente da Comissão Executiva Municipal ou o “petista da velha guarda que pede anonimato”, pois eles não a dizem.

 

Nesta semana vivemos vários fatos que devem ser considerados em nosso pensar. Selecionamos dois: algumas ponderações de Camaradas nossos quanto ao processo eleitoral de 2006 e o discurso da Vereadora Tatinha PT antes da eleição da Mesa Diretora da Câmara Municipal de Jales. BAIXE AQUI https://murilopohl.wordpress.com/2010/12/14/eleicao-da-mesa-da-camara-municipal-de-jales-episodio-historico-claudir-aranda-pdt-foi-eleito-presidente/. A matéria e o discurso na íntegra.

O processo eleitoral de 2006 aconteceu em um quadro conjuntural dificílimo para o PT em todo o Brasil, especialmente em São Paulo. As forças conservadoras de oposição conseguiram fabricar clima de denuncias éticas contra o PT e governo Lula. Com apoio de meios de comunicação aliados, a tática que buscou jogar o Governo na vala comum da política tradicional imputando acusações de práticas como compra de apoio do Congresso no caso que ficou conhecido como “mensalão do PT”.  Todas as denuncias foram apuradas. Quando foi o caso, encaminhadas ao Judiciário, onde tramitam ainda hoje sem condenação. Mas o clima foi criado e interferiu nas eleições. Estaria aí a causa da queda da votação de nossos Deputados em Jales?

Com o objetivo de jogar luz sobre esta questão buscamos os resultados dos votos nominais de nossos Deputados no mesmo intervalo de tempos do levantamento feito no nosso município, agora em todo o Estado de São Paulo.

Resumo dos Resultados do PT no Estado de São Paulo, nas eleições proporcionais, Estadual e Federal, votos nominais, nos últimos 12 anos (1998 a 2010).

Estado de São Paulo
 ano Dep.Federal Dep. Estadual
1998 2.061.194 1.615.021
2002 4.119.242 3.554.928
2006 2.967.483 2.858.472
2010 3.204.789 3.749.145

Resumo dos Resultados do PT em Jales nas eleições proporcionais, Estadual e Federal, votos nominais, nos últimos 12 anos (1998 a 2010).

Jales

ano Dep. Federal Dep. Estadual
1998 2.466 3.580
2002 5.286 3.582
2006 3.311 1.829
2010 1.770 1.503

 

  

 Fica mais fácil a comparação se utilizamos recursos gráficos e mantemos a mesma escala: vejamos.

 Entre 1998 e 2002

 

Vejamos primeiro o desempenho das candidaturas a Deputado Federal (em azul). No período compreendido entre as eleições de 1998 e 2002 a melhoria do desempenho dos candidatos do PT foi muito semelhante. A legenda se fortalece em Jales tanto quanto no Estado de São Paulo, comparativamente o fortalecimento em Jales é até um pouco maior que no Estado.

Observando o desempenho das candidaturas a Deputado Estadual (em rosa). No período compreendido entre as eleições de 1998 e 2002 o desempenho dos candidatos do PT em Jales foi muito diferente. A legenda se manteve no mesmo patamar em Jales enquanto em todo o Estado de São Paulo acontece forte crescimento. Outro fator que chama a atenção é a diferença, quando comparamos as curvas dos resultados entre Federais e Estaduais, normalmente semelhantes, com variação parecida, no Estado, enquanto isso, em Jales é grande a disparidade.

Nossa interpretação, por ora, está na candidatura lançada pelo PT de Jales em 1998 e não viabilizada em 2002. Com candidatura própria, local, em 1998 o aumento da votação para Deputado Estadual foi maior que para Federal. Uma das causas está no ponto de partida, 1998, a outra causa está em 2002. Sem contar com uma candidatura local a votação se manteve. Não acompanhou onda de crescimento do PT em todo o Estado, que resultaria numa votação em torno de 4500 votos. Talvez seja necessário incluirmos também no comparativo a eleição anterior. Por ora, fiquemos com esta interpretação. Aguardemos as críticas para avaliarmos.

Entre 2002 e 2010.

Como levantado pelos Camaradas, é fato que em 2006 a votação nominal dos candidatos petistas sofreu uma redução em todo o Estado de São Paulo. Já em 2010, aconteceu forte recuperação. Em  Jales não foi assim. Alem de uma queda na votação maior que a estadual em 2006, esta queda se acentuou em 2010 em Jales. Os números falam por si próprios. O resultado do PT de Jales é completamente diferente, diferente para pior, do desempenho do Partido dos Trabalhadores em todo o Estado de São Paulo. A direção política dada ao partido em Jales claramente tem problemas. Isto se o foco for o PT.  O Partido dos Trabalhadores não está bem em Jales e isto não é reflexo do desempenho do Partido como um todo, no Estado. O PT de Jales segue na contra mão da história e isto tem, pelo menos, seis anos.

Eleição da Mesa Diretora da Câmara Municipal de Jales.

 

Tratamos esta semana, em parte, das movimentações que culminaram no resultado da eleição da Mesa para 2011. Em parte, porque só tratamos dos aspectos que são públicos até agora. Fatos que já foram divulgados por dirigentes partidários, por titulares de mandato em suas falas públicas ou que de alguma forma foram divulgados pela imprensa. São públicos os resultados eleitorais, os outdoors e banners afixados publicamente e os carros adesivados em circulação com campanhas não petistas.

Quero aqui, neste momento, pedir licença, e afirmar que não concordo com a conclusão da Vereadora Tatinha. Não acredito na incompetência como causa da conjuntura que o Partido dos Trabalhadores vive em Jales. Não acredito que o problema seja que  infelizmente a companheirada se esqueceu que política se faz com a cabeça e não com o fígado…”. Acredito muito menos ainda que a causa seja a oposição, a luta interna ou que as causas sejam externas. É pior, muito pior, faz lembrar o Barão de Itararé.

O PT de Jales foi colocado na contra mão e está sendo mantido na contra mão. A questão é política, é de princípios, ela tem começo, meio, fim, e alguns endereços. É disto que precisamos começar a tratar, internamente inclusive, também. Vamos fazer isto?  O PT é o Partido dos Trabalhadores e Partido é dos Trabalhadores. Viva o PT !

TJ-SP cassa decisão que enquadrou Paulo Maluf na Lei da Ficha Limpa

Caso a previsão se confirme 497 mil votos de Maluf serão computados como válidos, com isto o PP de São Paulo terá uma aumento significativo da bancada. Alem de Paulo Maluf, provávelmente mais duas vagas de Deputado Federal serão ocupadas pelo partido Delegada Graciela assume e o Deputado Vadão Gomes retornará a Brasília. Fica a questão: quem são os atuais “eleitos” que correm o risco de dormirem Deputados e acordarem suplentes?

FLÁVIO FERREIRA
DE SÃO PAULO

A 7ª Câmara de Direito Público do TJ (Tribunal de Justiça) de São Paulo cassou a decisão que condenou Paulo Maluf (PP) por improbidade administrativa em uma suposta compra superfaturada de frangos pela Prefeitura de São Paulo.

A decisão revogada foi a que levou o deputado a ser enquadrado na Lei da Ficha Limpa pelo TRE-SP (Tribunal Regional Eleitoral), que então anulou os 497 mil votos que ele recebeu nas eleições.

Segundo o advogado de Maluf, Eduardo Nobre, essa decisão permitirá que o deputado vença recurso no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) contra a decisão do TRE-SP e fará com que ele seja diplomado como eleito nesta sexta-feira.

O Ministério Público Estadual pedia a devolução do dinheiro aos cofres públicos ao acusar superfaturamento na compra de 1,4 tonelada de frango, em julho de 1996, por R$ 1,39 milhão, da empresa de sua mulher. O caso tornou-se um dos mais polêmicos envolvendo a gestão de Maluf.

A ação já havia sido julgada improcedente em primeira instância, em 2002, isentando o ex-prefeito de devolver o prejuízo aos cofres públicos. Além do ex-prefeito, foram citados na ação Marcelo Daura, ex-presidente da Comissão de Preços, Francisco Martin, ex-secretário de Abastecimento, e as empresas Obelisco Agropecuária, que pertence à mulher de Maluf, e Ad’Oro.

Fonte: Folha.com – Poder

Balanço eleitoral e agenda para 2011 pautam última reunião do Diretório do PT-SP

Diretório apresenta roteiro para subsidiar as discussões nos Diretórios Municipais e Macrorregiões. O documento poderá receber emendas até dia 10 de fevereiro de 2011 e poderá ser aprovado na primeira reunião do Diretório, no mesmo mês. Na última reunião ordinária do ano, realizada na manhã deste sábado, dia 27, o Diretório do PT do estado de São Paulo discutiu o balanço das eleições 2010 e as primeiras propostas de uma agenda para o partido em 2011.

Os dirigentes fizeram o debate com um texto roteiro em mãos, que será distribuído aos diretórios para subsidiar a discussão. O texto foi esboçado pelo presidente do PT-SP e deputado estadual eleito, Edinho Silva, que recebeu contribuições da Executiva. O roteiro procura fazer uma síntese do balanço eleitoral e começa a sinalizar para os desafios futuros do partido no estado.

“Esse texto será amplamente discutido pelos dirigentes e filiados e receberá emendas até o dia 14 de fevereiro de 2011”, explicou o presidente, referindo-se à data da reunião da Comissão Executiva Estadual. O roteiro para subsidiar a discussão será distribuído para todas as macros e Diretórios Municipais na próxima semana.

Segundo Edinho, com as emendas, o texto de balanço das eleições será submetido à aprovação durante à primeira reunião do Diretório em 2011, que deverá ocorrer em 19 de fevereiro e que terá o modelo de um Seminário com a participação dos dirigentes, bancadas federal e estadual, prefeitos, coordenadores das macros e outras lideranças. Na ocasião também será discutido um calendário de atividades do partido para o ano.

Na avaliação do dirigente, em 2011, o partido deve retomar o modelo das Caravanas, que foram realizadas em 2009, organizando e mobilizando todo o estado. “Queremos percorrer cada região debatendo a formulação do programa de governo, tática eleitoral, política de alianças para eleições municipais 2012”.

Várias lideranças marcaram presença na reunião, como os deputados Paulo Teixeira, Janete Pietá, Carlos Zaratini, Simão Pedro e o líder da Bancada petista na Assembleia, Antônio Mentor, assim como o secretário de Organização do PT-SP, João Antônio e o presidente do Diretório Municipal da Capital, vereador Antônio Donato.

Leia a íntegra do roteiro de debates:

ELEIÇÕES 2010: AVANÇOS E DESAFIOS

*** Colaboração de Edinho Silva para a reunião da Executiva Estadual
*** Texto apresentado na última reunião da Executiva, dia 08/11/2010, como roteiro para o debate

Após a vitória nacional do nosso projeto com a eleição de Dilma, a primeira mulher a ocupar a Presidência da República, sucedendo o Presidente Lula, um operário, que se tornou o maior Presidente da nossa história e um dos maiores líderes políticos do planeta; após o nosso resultado eleitoral em São Paulo: por 70 mil votos não fomos para o segundo turno e alcançando a melhor marca da nossa história com a candidatura de Mercadante; após garantirmos a nossa cadeira no Senado com a vitória da companheira Marta; após garantirmos o crescimento da nossa Bancada Federal e nos tornamos a maior Bancada da Assembléia Legislativa (Alesp); agora é o momento de olharmos para os nossos acertos, mas também é hora de encararmos os nossos desafios.

É importante lembrar que o PT paulista saiu para as eleições de 2010 em uma situação bastante desfavorável. Lançamos a candidatura de Mercadante em meados do ano, perdendo um tempo precioso para a construção da tática eleitoral. O aspecto positivo é que o PT no estado vinha mobilizando as bases, Macrorregiões e Diretórios, bem como os movimentos sociais, desde 2009, com a organização das Caravanas. Percorremos o interior e toda a região metropolitana, encerrando as atividades na Capital numa mobilização com mais de 10 mil militantes e com a presença de Dilma.

Durante as Caravanas conseguimos debater a conjuntura política que se desenhava para as eleições de 2010 e iniciamos o debate do Programa de Governo para o estado em cada uma das regiões, diagnosticando junto às nossas lideranças as principais demandas das cidades paulistas. Consequentemente, o PT-SP chegou em 2010 com um bom acúmulo de propostas para enfrentar o debate eleitoral.

Mesmo com a construção de nossa tática eleitoral feita de forma tardia, as nossas candidaturas, Aloizio Mercadante ao Governo de São Paulo e Marta Suplicy ao Senado, construíram de forma exitosa o palanque da Dilma no estado. Conseguimos formar uma coligação que foi capaz de aglutinar 11 partidos, os principais movimentos populares e todas as centrais sindicais.

A candidatura de Netinho, do PCdoB, ao Senado Federal cumpriu papel importante na construção da nossa tática eleitoral, abrindo espaço para dialogarmos com setores importantes da sociedade paulista, principalmente a juventude dos setores populares. A sua candidatura reforçou a nossa bandeira de construção da igualdade racial.

Com a candidatura de Mercadante ao Governo, Marta e Netinho ao Senado e os nossos candidatos proporcionais, conseguimos levar para as regiões do estado o debate de projetos. Apresentamos a nossa proposta de um projeto alternativo aos 16 anos de PSDB no estado: o projeto representado nacionalmente pelo Governo Lula/ Dilma que alia desenvolvimento econômico com justiça social. Debatemos nossas propostas para melhorias da educação, da saúde, da segurança pública e, da alteração da política de pedagiamento, que se tornou um limitador para o desenvolvimento regional. Conseguimos debater os problemas de trânsito e transporte e os graves problemas de infraestrutura enfrentados pelas regiões metropolitanas.

Conseguimos polarizar o debate de projetos e, no final, deixamos de ir para o segundo turno com a candidatura de Mercadante por algo em torno de 70 mil votos. Isso mostra que o caminho estava correto. Metade da população paulista votou pela mudança. Votou por um projeto alternativo aos 16 anos de PSDB.

Conseguimos, mesmo com todas as adversidades, fazer com que o Mercadante tivesse um resultado bastante positivo, o maior já registrado no 1º turno no estado de São Paulo, 35,08%. Em 1994, com José Dirceu, registramos 14,9%; em 1998, com Marta Suplicy, 22,5%; em 2002 com José Genoíno, 32,4%; em 2006 com o próprio Aloizio Mercadante, 31,7%.

Na disputa nacional, no primeiro turno, ficamos apenas três pontos percentuais de diferença entre Dilma e a candidatura de Serra à Presidência. Por muito pouco Dilma não ganhou de Serra no “ninho dos tucanos” e no estado onde ele foi governador.

Aumentamos de 14 para 16 a Bancada de Deputados Federais do PT, fazendo um total de 24 parlamentares da coligação.

Elegemos Marta Senadora e saímos das eleições com a maior Bancada de Deputados da Assembléia Legislativa com 24 parlamentares eleitos, ante os 20 que fizemos em 2006. A coligação, no total, tem 27 deputados na Assembléia.

Dos cinco milhões de votos de legenda que o PT teve no Brasil inteiro, São Paulo ofereceu dois milhões, o que mostra que acertamos também na política de valorização da marca PT, quando priorizamos o voto na legenda. O PT-SP sai maior do que entrou nas eleições de 2010.

No segundo turno, a oposição acreditava que São Paulo faria a diferença desequilibrando o pleito nacional, gerando a nossa derrota. Isso não ocorreu. De forma correta, em sintonia com a coordenação nacional da campanha, fortalecemos as nossas agendas nas regiões em que havíamos saído vitoriosos, potencializando as nossas bases eleitorais.

Vale ressaltar também as iniciativas adotadas pela nossa bancada estadual que em mais de uma vez, colocou o PSDB e o Serra na defensiva. Especialmente no episódio ”Paulo Preto”, quando parte da grande mídia foi obrigada a noticiar os fatos, antes escondidos.”

A polarização de projetos, inevitável no segundo turno, fomentou a politização da campanha em São Paulo. Os setores da sociedade beneficiados diretamente pelos avanços proporcionados pelo Governo, e os segmentos progressistas dos setores médios paulistas, mobilizaram-se e defenderam o projeto Lula/Dilma de desenvolvimento com inclusão social, de fortalecimento das empresas públicas, de combate às desigualdades históricas, de autonomia do Brasil perante as grandes potências internacionais e o nosso papel na nova geografia mundial.

No outro pólo da disputa eleitoral, estava o projeto representado por Serra/FHC de desmonte do aparato do Estado, de precarização das políticas públicas, de aprofundamento da exclusão social.
Ao final, registrou-se uma diferença de oito pontos percentuais em São Paulo entre Serra e Dilma. Portanto, aquela avalanche de votos que eles achavam que teriam sobre nós em São Paulo não se concretizou.

Entretanto, o balanço positivo não pode esconder as nossas dificuldades e deficiências no estado mais importante do Brasil. É importante fazermos uma avaliação detalhada dos resultados das urnas. Temos que entender principalmente a complexidade das disputas políticas em São Paulo, a formação socioeconômica do estado e as dificuldades que enfrentamos para dialogar com os setores médios da sociedade paulista.

A RESISTÊNCIA DOS SETORES MÉDIOS PAULISTAS AO NOSSO PROJETO

O melhor método para entender o resultado eleitoral de 2010 é iniciar pelos resultados nacionais. O PT teve muita dificuldade de diálogo no Brasil como um todo com os setores médios da sociedade.

No início das eleições, em boa parte do primeiro turno, os setores médios estavam abertos ao diálogo conosco. Em São Paulo a candidatura da Dilma chegou a abrir uma margem significativa de votos sobre Serra. Chegamos a superar a casa dos 10% de vantagem sobre o candidato no estado.

Os setores médios dialogavam conosco, mas tendo as crises políticas de 2005 e 2006 “debaixo dos braços”. Quando surgiu o caso Erenice, todas as crises enfrentadas pelo nosso partido “foram ressuscitadas” e a oposição criou o grande fato da conjuntura política eleitoral, gerando o segundo turno da eleição nacional. Em São Paulo, o mesmo fato freou o crescimento da candidatura de Mercadante, impedindo a construção do segundo turno da eleição para governador.

Muito mais do que a falsa polêmica sobre o aborto, o fato que interferiu de forma definitiva na conjuntura política eleitoral foi o “caso Erenice” e a recuperação das crises vivenciadas pelo PT em 2005 e 2006.

Não podemos com essa constatação negar que a forma como o tema do aborto foi utilizado pelos nossos opositores, manipulando a religiosidade da população, não tenha estimulado a rejeição ao nosso projeto junto aos setores médios mais conservadores, bem como aos setores populares mais fragilizados, tanto culturalmente, como economicamente.

Cabe aqui um destaque para reflexão futura mais aprofundada. O que se viu no submundo da política nessas eleições não tem precedente na história política brasileira. Os panfletos anônimos, a internet como instrumento da disseminação da mentira, tudo isso merece uma profunda análise e uma revisão na legislação eleitoral.

O sistema eleitoral brasileiro correu sérios riscos. Se fosse vitorioso o método da disputa eleitoral alicerçado no anonimato, na desconstrução de imagens, da propagação de mentiras, as eleições futuras seriam construídas no “vale tudo”, na falta de ética, colocando em risco toda a regulamentação eleitoral e as instituições organizadoras dos pleitos.

Mas, voltando à análise em questão, o PT tem que entender a resistência significativa que se instaurou junto aos setores médios da sociedade brasileira. Ela é real e ficou bastante evidenciada mais uma vez nessas eleições de 2010. Em São Paulo, esse fator teve mais peso que em outras regiões do Brasil, devido à existência de setores médios históricos de maior extensão.

É importante que se pondere que não se trata de uma resistência oriunda dos setores médios ascendentes durante o Governo Lula. Essa se abre para o diálogo conosco. Estamos falando daqueles setores médios históricos, existente antes dos avanços sociais proporcionados pelo Governo Lula, que se origina em outros momentos do nosso desenvolvimento econômico e social e que construiu referências em outras forças políticas. Em São Paulo, uma parte desses setores médios já se referenciou no Ademarismo, no Malufismo, depois no Quercismo. Com o declínio desses projetos políticos, durante o Governo Covas e com a ascensão do Governo FHC, o PSDB fez um giro para a centro- direita e conquistou uma parte significativa desses setores médios do estado de São Paulo, criando um campo político hegemônico muito forte, que representa a maior base social do seu projeto.

Em São Paulo, uma parte desses setores médios já teve simpatia por nós. Se levarmos em consideração as eleições anteriores, por exemplo, em 2002, tínhamos mais facilidade de diálogo com os setores médios mais politizados e mais dificuldades com os setores populares.

Com o Governo Lula, nos fortalecemos muito nos setores populares, que sentiram diretamente os benefícios do Governo. E com as crises de 2005/2006 perdemos significativamente a nossa inserção nos setores médios. Essa leitura das nossas dificuldades é fundamental para que possamos construir os passos futuros.

A NECESSIDADE DE UM GOVERNO DE COALIZÃO

O governo da Dilma tem que ser sustentado por uma coalizão partidária que nos dê sustentação para enfrentarmos a futura agenda para o Brasil: uma agenda que passa pela reforma política (que tem que ser prioridade para o PT); a reforma tributária; uma reforma no modelo de gestão do SUS; a reforma do modelo de segurança pública; a regulamentação da exploração do pré-sal e seus benefícios sociais, entre outras iniciativas importantes para o povo brasileiro.

Para que não haja dúvidas, quando falamos em reforma no sistema SUS, estamos falando de fortalecimento da universalização do atendimento e da completa democratização do sistema. É necessário que se altere a remuneração do Sistema valorizando os municípios que investem no atendimento básico, ou seja, remunerar o fortalecimento dos programas e as metas de redução das enfermidades. Precisamos fortalecer o sistema, mas mudando, entre outras sistemáticas, a concepção de se estabelecer o teto de remuneração da gestão tripartite.

Uma agenda com essa importância para o Brasil tem que ser construída e encaminhada pela coalizão que vai dar sustentação ao nosso Governo. Mas também é fundamental que façamos um esforço de diálogo com a oposição, tentando construir pontos de consenso na agenda de futuro para o país.

Em São Paulo, temos que emitir os mesmos sinais para a sociedade. Somos oposição, temos um projeto para o Estado, mas queremos construir uma agenda para a sociedade paulista e dialogar com as forças políticas para implantá-la.

O PT de São Paulo tem que construir uma agenda política que dialogue com os setores médios, com propostas para a segurança pública, criação de emprego de qualidade, desenvolvimento tecnológico, desenvolvimento sustentável, cultura e lazer, trânsito e transporte nas regiões metropolitanas. Meio ambiente e juventude têm que ser bandeiras prioritárias para o nosso Partido, têm que fazer parte da nossa formulação programática.

O nosso desafio futuro está em manter a nossa base social, dialogarmos com os setores populares, mas também criar espaço na nossa ação política para construção dessa agenda que dialogue com os setores médios. Fazer com que essa agenda política se traduza em ações, em políticas públicas nas nossas prefeituras, na Assembléia Legislativa, nas câmaras municipais. O PT-SP tem que envolver os movimentos populares e o movimento sindical na construção dessa agenda.

UMA AGENDA PARA 2011

Em São Paulo somos oposição, representamos um outro projeto político. Mas temos que deixar claro para a sociedade que vamos construir a nossa ação baseada em uma agenda política e, em uma proposta de políticas públicas para o Estado: reforma da educação, saúde, segurança pública, transporte e trânsito, mudança na política de pedagiamento, valorização do desenvolvimento regional, entre outras, apresentadas pela candidatura de Mercadante no processo eleitoral.

Devemos dialogar com a sociedade paulista a relação do governo com os movimentos sociais não somente denunciando a perseguição a professores e servidores públicos, mas mostrando como os processos permanente de negociação com as representações de servidores públicos e os fóruns mais amplos como o Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social contribuíram para envolvimento da sociedade nas alterações que ocorreram no país.

Temos que dar mensagens claras para a sociedade paulista de que a nossa ação contemplará também uma temática importante para os setores médios: empregos de qualidade, desenvolvimento tecnológico, propostas para o trânsito nas regiões metropolitanas, segurança pública, propostas de cultura e lazer para a juventude, a busca da sustentabilidade, entre outros.

O governo do presidente Lula é o que mais tem legitimidade para construir uma agenda de sustentabilidade para o Brasil, pois foi o governo que mais combateu o desmatamento, que mais se preocupou com as questões ambientais, que levou a Copenhague uma agenda, pautando o mundo. O governo da Dilma terá legitimidade para isso. Cabe ao PT construir uma agenda que insira como prioridade o modelo de desenvolvimento que busque a sustentabilidade.

É prioridade quebrarmos o bloqueio que os setores médios têm em relação ao nosso projeto. Precisamos ampliar a nossa base social e, portanto, construir as condições para as nossas vitórias.
Em São Paulo, somos um partido de oposição, temos que valorizar nossas bandeiras, nossa plataforma programática, mas temos que assumir um papel de oposição mais propositiva no estado que dialogue prioritariamente com a sociedade paulista.

É importante ressaltar o trabalho feito pela nossa Bancada na Alesp. Temos uma atuação fundamental dos nossos deputados na disputa de projeto, com uma fiscalização competente e a elaboração de proposituras que reforçam as nossas bandeiras. Infelizmente, todo esse trabalho sério realizado pela Bancada paulista do PT tem pouco enfoque na mídia paulista e, muitas vezes, não chega ao conhecimento da sociedade.

PRÓXIMO PERÍODO

É fundamental que iniciemos o ano de 2011 mobilizando o nosso Partido. Vamos propor para a próxima reunião do Diretório Estadual a construção de uma agenda de mobilização de todo o estado, em que a Direção vá para as Macrorregiões para debater a construção dessa agenda de diálogo com a sociedade paulista. Que no final desse processo possamos ter a formulação das diretrizes de um programa de governo para as eleições de 2012 com propostas “traduzidas” para a realidade de cada município.

Temos que colocar como meta para o final de 2011 a construção das diretrizes do programa de governo, incorporando essa agenda de diálogo com os setores médios, reforçando as nossas propostas de transformação social no Brasil. Mas também é fundamental terminar o próximo ano com a nossa tática eleitoral construída, principalmente nas cidades com mais de 100 mil eleitores.
Ao enfocar as cidades com mais de 100 mil eleitores, não significa que vamos secundarizar as cidades menores. Temos que disputar em condições de vitória todos os municípios paulistas. Significa, sim, a construção de uma meta a ser alcançada.

É prioridade mantermos no estado um campo político que dê sustentação para a nossa ação política. Temos que criar um fórum permanente de diálogo com os partidos políticos que estiveram conosco na última eleição e cabe- nos um esforço para ampliação das nossas alianças. Temos que buscar, respeitando a realidade de cada município, estabelecer como política de alianças para 2012 a consolidação desse campo político.

A construção das condições de vitória em 2014 começa nas nossas ações de 2011. O acúmulo político para 2014 passa pela ampliação da nossa base social, pela nossa capacidade de construir alianças políticas e sociais, pelo nosso estreitamento com os movimentos populares e sindical, mas, fundamentalmente, passa por conseguirmos traduzir a nossa agenda em propostas concretas para a sociedade paulista, principalmente para os setores médios. Podemos sair das eleições de 2012 com uma implantação ainda maior do nosso projeto no estado e, assim, termos dado o passo fundamental para a real disputa de hegemonia em 2014.

Edinho Silva
Presidente do PT/SP, deputado estadual eleito

PPS expulsa prefeito que apoiou Dilma. Noticia gerou inquietação em Jales. O PT também vai punir os “infiéis” ?

Noticia gerou inquietação em Jales. O PT também vai punir os “infiéis” ?

Fachada da residencia do atual Prefeito Humberto Parini - PT Jales com publicidade de candidata Tucana em 2010

“O PPS decidiu expulsar o prefeito de Jaguariúna (SP), Gustavo Reis, por infidelidade partidária. Em reunião do diretório nacional, em Brasília, o partido optou pelo desligamento de Reis por ele ter declarado apoio para a candidatura de Dilma Rousseff (PT) à Presidência da República nas eleições deste ano.

A escolha contrariou o PPS, que se aliou ao PSDB, de José Serra, na disputa de outubro ao Palácio do Planalto. Na reunião do diretório, realizada no fim de semana, o PPS ressaltou que Reis foi primeiro filiado a ser desligado em meio ao início de um amplo processo de reestruturação da legenda, que tem como ponto de partida a punição e a expulsão de “infiéis” nas eleições de 2010.

A medida também irá valer para os diretórios regionais que contrariaram as decisões do PPS nas eleições. De acordo com o secretário-geral da legenda, deputado federal eleito Rubens Bueno (PR), a reestruturação será fundamental para a preparação do partido para as eleições municipais de 2012. Com o objetivo de fortalecer a “democracia interna”, os diretórios estaduais vão ter que apresentar um balanço do resultado das eleições dentro de 30 dias.

“Essa medida sinaliza claramente que o PPS será reestruturado em todo o Brasil com aqueles que defendem o partido, seu programa e tem compromisso com nossos candidatos nas eleições. De nada adianta termos prefeitos, vereadores e deputados que, na hora de uma disputa eleitoral, apoiam candidatos de outros partidos”, afirmou o secretário-geral do partido.

Na última eleição, aconteceram casos em que candidatos do PPS tiveram em um município menos votos do que o número de filiados.

“Isso mostra um descompromisso total com o partido. O PPS não é refúgio para oportunistas políticos que elevam seus projetos pessoais acima dos interesses da legenda. Sempre defendemos uma reforma política que valorize os partidos e não aceitamos esse tipo de postura”, acrescentou Bueno.

Em nota, o prefeito disse que a decisão de expulsão foi unilateral e não houve qualquer comunicado oficial por parte dos dirigentes da legenda. “De tal decisão não me foi dado ciência nem assegurado o direito constitucional de ampla defesa, como também prevê o estatuto do PPS e nem sequer tenho notícia de instauração de prévio processo disciplinar”, declarou Reis.

Eleito com quase 10 mil votos, o prefeito permaneceu no PPS por 12 anos, sendo a única partido pelo qual foi filiado.”

Com informações do Portal da Macro ABC

FOLHA GERAL: Em disputa, Fracasso Petista, Decepção, Fotos, Pior desempenho, Por que será? CEI da Merenda, Substituição à vista, Indícios, Magoado, Receio.

Em disputa

Os dois Centros de Convivência de Idosos, o do jd São Jorge e o do jd Paraíso estão em pé de guerra. Tudo pelo simples fato de que os frequentadores do CV do São Jorge não querem ir para o CV do jd Paraíso que apesar da construção ser novinha, tem recebido menos idosos e está causando ciúmes. Tanto que segundo as conversas no botequim da vila, dão conta que o prefeito Parini teria ingressado na justiça pedindo que o prédio onde funciona o CV do São Jorge seja desocupado. A falta de diálogo é o maior problema.

Fracasso petista
Observadores da nossa cena política avaliam que as brigas entre petistas só vão fazer piorar um quadro que já não é lá muito bom para o PT local. Os números das eleições de outubro revelam bem o quanto anda desorientado o petismo de Jales. Senão vejamos: somados todos os votos obtidos em Jales pelos candidatos a deputado federal do PT, sem contar os sufrágios cravados na legenda, chega-se ao vergonhoso resultado de 1.770 votos. Pelo menos três candidatos obtiveram, individualmente, mais votos que todos os petistas juntos. São eles: Vadão Gomes(PP), que não foi eleito, com 6.673 votos; Rodrigo Garcia(DEM), que foi lembrado por 4.771 eleitores; e Júlio Semeghini(PSDB) que alcançou 2.349 votos.
Decepção
Reeleito para a Câmara Federal, João Paulo Cunha foi o petista mais lembrado pelos eleitores jalesenses que lhe deram 514 votos. Em seguida, veio o ex-prefeito de São Carlos, Newton Lima, com 217 votos, e Arlindo Chinaglia, com 183. Devanir Ribeiro, o deputado que mais abriu portas para o prefeito Parini em Brasília, deve ter ficado especialmente decepcionado com os votos recebidos em Jales. Mesmo ancorada em luminares do governo Parini, como os secretários Rubens Chaparim e José Shimomura, a votação de Devanir não passou de míseros 131 votos. Não é improvável que o deputado decida reavaliar o tratamento que dispensará aos pleitos de Jales nos próximos anos. Em 2006, o então petista Luciano Zica saiu das urnas de Jales com mais de 1.600 votos e considerou-se traído pelos petistas jalesenses. Imaginem como estarão se sentindo Chinaglia e Devanir.
Fotos
Não bastasse o pífio resultado saído das urnas, alguns petistas locais fizeram chegar aos ouvidos de Devanir as notícias sobre o apoio do prefeito Parini ao mensaleiro Valdemar da Costa Neto (PR). E agora estão fazendo chegar aos gabinetes de São Paulo e de Brasília algumas fotos que simbolizam bem os equívocos cometidos pelo PT de Jales. As fotos viraram até motivo para uma sarcástica enquete no blog do petista Murilo Pohl, o ex-conselheiro do prefeito Parini. Nelas, a sacada da casa do prefeito, em tese a principal liderança do PT local, aparece recheada de cartazes com a sorridente estampa da tucana Analice Fernandes.
Pior desempenho
Além da péssima performance dos seus deputados federais e estaduais, e do seu candidato a governador, Aluísio Mercadante, o PT de Jales sofreu uma acachapante derrota também na disputa eleitoral para a presidência. O índice obtido por Dilma em Jales – 42,5% no segundo turno – foi o menor entre as dez cidades da 152ª Zona Eleitoral. Registre-se que Dilma ganhou em cinco dessas dez cidades, inclusive em Paranapuã, onde a campanha petista foi coordenada pelo ex-prefeito Caju. Registre-se também que, entre as dez cidades da 152ª Zona Eleitoral, Jales é a única administrada pelo PT. E foi justamente aqui que Dilma teve o pior desempenho.
Por que será?  Prá Jales nada.
O Diário Oficial de sexta-feira passada, 12, publicou a relação dos 1.300 municípios classificados pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) para receber máquinas retroescavadeiras e motoniveladoras, dentro do Programa PAC 2. Jales, que está com seu maquinário totalmente sucateado, não consta da relação.
CEI da Merenda
O tucano Jota Erre está sendo indicado pelos seus colegas de oposição, Sérgio Nishimoto (PTB) e Salatiel de Oliveira (DEM), para ocupar uma das vagas da CEI da Merenda Escolar. Pérola Cardoso e Claudir Aranda são os outros dois prováveis integrantes da CEI, mas isso poderá mudar. Os vereadores oposicionistas estão questionando a participação de Claudir, uma vez que a mulher dele, Simone Aranda, ocupa cargo comissionado na Secretaria Municipal de Educação. Se os argumentos dos oposicionistas forem aceitos, a vaga terá que ser ocupada por Osmar Rezende, uma vez que o outro situacionista, Rivelino Rodrigues, também estaria impedido. A irmã dele, Maria Antonia Marques, foi chefe de gabinete da Secretaria de Educação durante um dos períodos sob investigação.
Substituição à vista
Desconfiada de que saiu um pouco chamuscada da CEI do Asfalto, a vereadora Pérola Cardoso(PT) tratou de enviar nota de esclarecimento aos jornais na semana passada, onde explica sua decisão de não assinar o relatório elaborado pelo relator Jota Erre. Praticante do estilo “paz e amor”, Pérola deve estar contrariada por ter que integrar uma nova CEI, a da Merenda Escolar. Mas a sua chateação não deverá demorar muito: assim que Luís Especiato deixar a presidência, Pérola poderá pedir prá cair fora da CEI e ser substituída pelo colega de partido.
Indícios
Falando em Merenda Escolar, fontes da coluna garantem que o Ministério Público já está bem adiantado nas investigações que vem fazendo a respeito das denúncias apresentadas por algumas merendeiras. Engana-se, porém, quem pensa que o MP estaria apurando apenas um suposto superfaturamento na quantidade de merendas consumidas nas escolas do município. Dizem que o promotor do caso já teria obtido indícios de um possível direcionamento no processo licitatório e, por conta disso, pretende chamar alguns funcionários do setor de licitações da Prefeitura para falar sobre o assunto.
Magoado
O secretário de Obras, Marcos Miranda, vai mesmo deixar a Prefeitura. Ele teria confidenciado a alguns amigos que ainda não entregou seu pedido de demissão ao prefeito em exercício, Clóvis Viola, porque faz questão de entregá-lo pessoalmente ao prefeito Parini, assim que este voltar das férias. As mesmas fontes dizem ainda que Miranda, dono dos detalhes da terceirização do lixo, não esconde de ninguém que ele é um pote até aqui de mágoas com Parini. E, como diria Paulo Preto, o engenheiro do Serra, não se deixa um companheiro ferido na beira da estrada…
Receio
Comentaram no encerramento da festa em Urânia, onde prefeitos da região, assessores de deputados e outras autoridades, etc presentes, que a deputada Analice Fernandes (PSDB) que sempre prestigiou a Festa de Peão, este ano teria se ausentado por temer em aparecer e ser apupada pelo público. É que seu candidato José Serra, à presidência, levou uma tunda tanto no 1° como no 2° turno em Urânia.

TSE libera ‘ficha-suja’ e tira vaga de Vanderlei Siraque PT / SP na Câmara dos Deputados

FLÁVIO FERREIRA
PAULO GAMA
DE SÃO PAULO

O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) liberou a candidatura à reeleição do deputado federal Beto Mansur (PP-SP), que havia sido enquadrado na Lei da Ficha Limpa. A decisão dá a Mansur uma cadeira na Câmara dos Deputados e tira uma vaga do petista Vanderlei Siraque.

A medida faz com que os 65 mil votos recebidos por Mansur em 3 de outubro sejam considerados válidos. A bancada paulista do PP na Câmara passa a ter três deputados, e a do PT cai para 23.

Siraque havia obtido a cadeira por conta da expressiva votação recebida pelo humorista Francisco Everardo Oliveira Silva (PR-SP), o Tiririca.

Ao obter 1,3 milhão de votos para a coligação que reuniu o PR e PT em outubro, Tiririca permitiu a eleição de Siraque, que atualmente é deputado estadual.

Em setembro, o TRE (Tribunal Regional Eleitoral) de São Paulo considerou Mansur como “ficha-suja” pois em 2004 o deputado foi condenado pelo TJ (Tribunal de Justiça) de São Paulo sob a acusação de abuso de poder político nas eleições de 2000.

Segundo a decisão de 2004, Mansur usou dinheiro público para imprimir e distribuir panfletos para promover sua reeleição à Prefeitura de Santos em 2000.

O TRE-SP declarou que essa condenação tornava o deputado inelegível até 2012 e indeferiu a candidatura dele. Mansur recorreu ao TSE.

No TSE, o ministro Arnaldo Versiani, relator do processo, fez uma interpretação da Lei da Ficha Limpa diferente daquela do TRE-SP.

Para Versiani, pelo texto da lei a condenação do TJ paulista tornou o deputado inelegível até 2008, e assim liberou a candidatura dele.

O Ministério Público e o deputado federal Nobel Soares (PSOL-SP), autor da impugnação contra Mansur, ainda podem recorrer contra a decisão ao plenário do TSE.

Ainda há no TSE casos de considerados “fichas-sujas”, como Paulo Maluf (PP-SP) e Pedro Henry (PP-MT), que poderão alterar as bancadas na Câmara dos Deputados.

Fonte: Folha Poder

Saiba como foi a eleição de Dilma em cada região de SP

 

Com 45,9% dos votos paulistas, Dilma vence em 205 dos 645 municípios do estado. Destaque para as macrorregiões ABC e Osasco e para Diadema, São Bernardo do Campo, Francisco Morato e a pequena Itapura, na extrema divisa entre SP e MS

Por Leandro Rodrigues
Terça-feira, 9 de novembro de 2010

Com 45,9% dos votos do eleitorado paulista, a presidente eleita no último dia 31, Dilma Rousseff, foi vitoriosa em 205 dos 645 municípios do estado. Destaque para as macrorregiões ABC e Osasco, nas quais a petista foi eleita com 54% e 57,3% dos votos, respectivamente. Na macro Presidente Prudente, apesar da vitória de José Serra (PSDB) com 55,9%, Dilma vence em 18 das 31 cidades, 58,1% da região.

Dos 22,8 milhões de eleitores de São Paulo que compareceram às urnas no segundo turno das eleições, 12,3 milhões (54,1%) votaram em Serra e 10,5 milhões (45,9%) em Dilma. A diferença exata soma 1.846.036 votos a mais para Serra.

A cidade em que Dilma obteve maior vantagem sobre o tucano foi Itapura (macro Araçatuba), localizada no extremo da divisa com o estado do Mato Grosso do Sul. O pequeno município que é governado pelo DEM – partido aliado ao PSDB – deu vitória à petista com 74,6%, contra 25,4% de Serra.

Já em Saltinho (macro Campinas), a 180 km da capital, foi registrada a maior adesão à candidatura tucana. A cidade governada pelo PTB, que também integra a base adversária, deu 76,12% dos votos para Serra e 23,9% para Dilma.

Avaliando apenas os municípios em que a população ultrapassa os 100 mil habitantes e excluindo a capital, o melhor resultado de Dilma Rousseff foi em Diadema (macro ABC), importante centro industrial do estado, governado pelo PT. Lá, 66,5% dos eleitores quiseram Dilma para presidente e 33,5% votaram em Serra.

Em São Carlos (macro Ribeirão Preto), com prefeitura também está sob a gestão petista, o eleitorado preferiu Serra. Localizada a 231 km da capital e conhecida como pólo universitário e tecnológico, a cidade deu vitória de 65,8% para o tucano, contra 39% de votos em Dilma.

Nas macros

No ABC, além de Diadema, a presidente eleita venceu em Mauá (PT), Rio Grande da Serra (PSDB) e São Bernardo do Campo (PT). Neste último, Dilma registra vitória com a quantidade mais expressiva de votos: 241.547. Se considerar toda a região, Dilma ganhou com 54% contra 46% de Serra.

A macro Osasco foi a que Dilma obteve o melhor resultado: 57,3% a 42,7%. Dos 19 municípios que compõe a região, a petista saiu vitoriosa em 15, sendo que em Francisco Morato, Itapevi, Franco da Rocha e Carapicuíba ficou com mais 60% de votos em cada. Desses, apenas Franco da Rocha não é governado pelo PT, sendo a prefeitura atualmente gestada pelo PSDB.

Na região sudoeste do estado está localizada a macro Mogiana, onde José Serra registrou seu melhor desempenho. Entre os 21 municípios, dois deram vitória para Dilma, com resultados bem apertados. Estiva Gerbi, governada pelo DEM, elegeu a petista com 50,07%, oito votos à frente de Serra; Itobi (PSDB) deu vitória com 51,88%, 170 votos de vantagem sobre tucano. Das cidades que integram a região, apenas Porto Ferreira é governada pelo PT. As demais estão sob gestão de partidos aliados ao governo estadual do PSDB ou de oposição ao governo federal do PT.

Pau a pau

Mas foi em Pradópolis, a 36 km de Ribeirão Preto, em que a população se demonstrou mais dividida entre os então candidatos à sucessão de Lula. A cidade reúne quase 13 mil habitantes e destaca-se como uma das principais produtoras de cana-de-açúcar e derivados. Seu eleitorado, formado por 50,8% de homens e 49,2% de mulheres, deu à Dilma vantagem de apenas 6 votos na vitória: 50,03% a 49,96%.

Clique aqui e confira dados detalhados sobre o desempenho da eleição de Dilma no estado de São Paulo

Fonte: http://www.pt-sp.org.br

Eleições 2010 Santa Albertina: resultados do 1º e 2º turnos.

SANTA ALBERTINA  2010 – PRESIDENTE DA REPÚBLICA
      1º TURNO 2º TURNO
Seq. Núm. Candidato Votação % Votação %
1 45 JOSÉ SERRA 1.580 46,87% 1.897 56,19%
2 13 DILMA 1.417 42,04% 1.479 43,81%
3 43 MARINA SILVA 306 9,08%    
4 16 ZÉ MARIA 50 1,48%    
5 50 PLÍNIO 18 0,53%    
6 27 EYMAEL 0 0,00%    
7 21 IVAN PINHEIRO 0 0,00%    
8 28 LEVY FIDELIX 0 0,00%    
9 29 RUI COSTA PIMENTA 0 0,00%    
             
SANTA ALBERTINA 2010 – SENADORES    
Seq. Núm. Candidato Votação    
*0001 451 ALOYSIO NUNES 1.770 35,96%    
*0002 133 MARTA SUPLICY 1.125 22,86%    
3 650 NETINHO 897 18,22%    
4 141 ROMEU TUMA 850 17,27%    
5 430 RICARDO YOUNG 177 3,60%    
6 177 MOACYR FRANCO 45 0,91%    
7 111 DR. REDÓ 18 0,37%    
8 360 CIRO 12 0,24%    
9 500 MARCELO HENRIQUE 12 0,24%    
10 400 SERPA 9 0,18%    
11 160 ANA LUIZA 6 0,12%    
12 290 AFONSO TEIXEIRA 1 0,02%    
13 212 ERNESTO PICHLER 0 0,00%    
14 211 MAZZEO 0 0,00%    
15 161 DIRCEU TRAVESSO 0 0,00%    
15 290 AFONSO TEIXEIRA 0 0,00%    
             
SANTA ALBERTINA 2010 – DEPUTADOS FEDERAIS    
Seq. Núm. Candidato Votação    
*0001 4555 JULIO SEMEGHINI 894 28,16%    
*0002 1332 JOSÉ MENTOR 424 13,35%    
*0003 1523 EDINHO ARAUJO 173 5,45%    
*0004 2525 RODRIGO GARCIA 148 4,66%    
*0005 1322 ARLINDO CHINAGLIA 100 3,15%    
*0006 1369 DEVANIR RIBEIRO 76 2,39%    
*0007 1211 JOÃO DADO 66 2,08%    
*0008 4074 JEFFERSON CAMPOS 53 1,67%    
*0009 2222 TIRIRICA 46 1,45%    
*0010 4545 EDSON APARECIDO 39 1,23%    
*0011 2233 PR PAULO FREIRE 29 0,91%    
*0012 4300 GUILHERME MUSSI 29 0,91%    
*0013 4030 GABRIEL CHALITA 28 0,88%    
*0014 4567 VAZ DE LIMA 24 0,76%    
*0015 6565 ALDO REBELO 10 0,31%    
*0016 2345 ARNALDO JARDIM 9 0,28%    
*0017 1312 VACCAREZZA 7 0,22%    
*0018 1010 ANTONIO BULHÕES 6 0,19%    
*0019 4515 EMANUEL FERNANDES 5 0,16%    
*0020 4040 MÁRCIO FRANÇA 5 0,16%    
*0021 1452 ARNALDO FARIA DE SÁ 4 0,13%    
*0022 1155 MISSIONÁRIO JOSÉ OLIMPIO 4 0,13%    
*0023 6588 DELEGADO PROTÓGENES 4 0,13%    
*0024 5050 IVAN VALENTE 3 0,09%    
*0025 4311 DR. SINVAL MALHEIROS 3 0,09%    
*0026 1250 SALVADOR ZIMBALDI 3 0,09%    
*0027 1325 JOÃO PAULO CUNHA 3 0,09%    
*0028 4500 CARLOS SAMPAIO 3 0,09%    
*0029 2010 MARCO FELICIANO 3 0,09%    
*0030 4585 BRUNA FURLAN 3 0,09%    
*0031 1434 NELSON MARQUEZELLI 2 0,06%    
*0032 1321 FILIPPI 2 0,06%    
*0033 1331 RICARDO BERZOINI 2 0,06%    
*0034 1353 JILMAR TATTO 2 0,06%    
*0035 4517 MARA GABRILLI 2 0,06%    
*0036 4021 LUIZA ERUNDINA 1 0,03%    
*0037 4586 JOSÉ ANIBAL 1 0,03%    
*0038 4070 ABELARDO CAMARINHA 1 0,03%    
*0039 2500 JORGE TADEU 1 0,03%    
*0040 1212 PAULINHO DA FORÇA 1 0,03%    
*0041 1345 VANDERLEI SIRAQUE 1 0,03%    
*0042 2590 GUILHERME CAMPOS 1 0,03%    
*0043 1133 ALINE CORREA 1 0,03%    
*0044 2012 MARCELO AGUIAR 1 0,03%    
*0045 2545 JUNJI ABE 0 0,00%    
*0046 2323 ROBERTO FREIRE 0 0,00%    
*0047 4343 PENNA 0 0,00%    
*0048 4577 THAME 0 0,00%    
*0049 1387 JANETE PIETÁ 0 0,00%    
*0050 4525 DIB 0 0,00%    
*0051 2299 VALDEMAR COSTA NETO 0 0,00%    
*0052 4565 TRIPOLI 0 0,00%    
*0053 1318 NEWTON LIMA NETO 0 0,00%    
*0054 2325 DIMAS RAMALHO 0 0,00%    
*0055 1390 VICENTINHO 0 0,00%    
*0056 4096 OTA 0 0,00%    
*0057 4315 ROBERTO SANTIAGO 0 0,00%    
*0058 1370 ZARATTINI 0 0,00%    
*0059 1301 VICENTE CANDIDO 0 0,00%    
*0060 1398 PAULO TEIXEIRA 0 0,00%    
*0061 2255 MILTON MONTI 0 0,00%    
*0062 1316 CARLINHOS ALMEIDA 0 0,00%    
*0063 4554 DUARTE NOGUEIRA 0 0,00%    
*0064 4000 JONAS DONIZETTE 0 0,00%    
*0065 4344 ROBERTO DE LUCENA 0 0,00%    
*0066 4363 RICARDO IZAR 0 0,00%    
*0067 1023 OTONIEL LIMA 0 0,00%    
*0068 2577 ELI CORREA FILHO 0 0,00%    
*0069 4547 LUIZ FERNANDO MACHADO 0 0,00%    
*0070 2513 ALEXANDRE LEITE 0 0,00%    
71 1199 VADÃO 191 6,02%    
72 4321 ZICA 182 5,73%    
73 4551 VANDERLEI MACRIS 80 2,52%    
74 4326 HELIVANE BOTELHO DA SILVEIRA 32 1,01%    
75 1127 LAURINDO BARNARDES 29 0,91%    
76 2020 REGIS DE OLIVEIRA 21 0,66%    
77 2599 WALTER IHOSHI 12 0,38%    
78 1530 SERGIO KOBRA 11 0,35%    
79 4540 SILVIO TORRES 10 0,31%    
80 4530 ALBERTO MOURAO 9 0,28%    
81 4020 CAPITÃO AUGUSTO 9 0,28%    
82 4523 CARLOS ROBERTO 7 0,22%    
83 4007 MARCELINHO CARIOCA 7 0,22%    
84 1400 CLAURY 6 0,19%    
85 1401 ALEXANDRE COSTA 6 0,19%    
86 4411 WILSON FOCÁSSIO 5 0,16%    
87 1313 GENOINO 5 0,16%    
88 1319 TEREZINHA RONDELLI 5 0,16%    
89 5041 PEDRO ROBERTO 4 0,13%    
90 1302 PROFESSOR JAIR BALESTRA 4 0,13%    
91 1236 MANOEL ANTUNES 3 0,09%    
92 2588 DR ELEUSES PAIVA 3 0,09%    
93 4511 RAUL CHRISTIANO 3 0,09%    
94 6513 CÉLIO TURINO 3 0,09%    
95 4588 NELSON BUGALHO 3 0,09%    
96 1119 CAPITÃO GOMES 2 0,06%    
97 1333 PROF. CARLÃO RAMIRO 2 0,06%    
98 4556 RAFAEL ABUD 2 0,06%    
99 4099 MIGUEL SAMPAIO 2 0,06%    
100 4055 DRA. ELAINE 2 0,06%    
101 1202 KIM 2 0,06%    
102 4541 TIRSO MEIRELLES 2 0,06%    
103 4354 J FARIA 2 0,06%    
104 2530 LUCIANO ARTIOLI 2 0,06%    
105 1231 GILBERTO BENZI 2 0,06%    
106 1414 ROBSON TUMA 2 0,06%    
107 4340 ALE YOUSSEF 2 0,06%    
108 4580 ARNALDO MADEIRA 1 0,03%    
109 4455 PROFESSOR MUNHOZ 1 0,03%    
110 4563 GIVALDO VIEIRA 1 0,03%    
111 4312 DANIEL MARINS 1 0,03%    
112 4012 ELISEU GABRIEL 1 0,03%    
113 4391 MARCELO SOARES 1 0,03%    
114 4546 RICARDO MONTORO 1 0,03%    
115 1222 PEDRO BAPTISTINI 1 0,03%    
116 4301 GILBERTO ABREU 1 0,03%    
117 1522 SINIVAL 1 0,03%    
118 3638 PAES DE LIRA 1 0,03%    
119 1190 CAPITÃO CRIVELARI 1 0,03%    
120 2555 MANDIC 1 0,03%    
121 4333 JOVINO CÂNDIDO 1 0,03%    
122 1599 DR. SAMIR NASSBINE 1 0,03%    
123 1351 DRA. SONIA DARCH 1 0,03%    
124 4394 EDUARDO PALHARES 1 0,03%    
125 1152 MAURICIO “TCHÊ DA TORRE” 1 0,03%    
126 1330 PIVATTO 1 0,03%    
127 1239 PILOTO 1 0,03%    
128 2332 ARI FRIEDENBACH 1 0,03%    
129 4514 MANOEL MARCOS (MANÉ) 1 0,03%    
130 1500 PAULO LIMA 1 0,03%    
131 1350 LUIZ CARLOS GOMES 1 0,03%    
132 4566 FERNANDO FUAD CHUCRE 1 0,03%    
133 5019 TERESA COSTA 1 0,03%    
134 1218 MARTAN 1 0,03%    
135 1542 LEONEL NA HORA 1 0,03%    
136 2520 KIKO DO KLB 1 0,03%    
137 4518 JOÃO PAULO FERRARESSO 1 0,03%    
138 4336 EVANDRO GUSSI 1 0,03%    
             
ELEIÇÕES 2010 SANTA ALBERTINA – SP GOVERNADOR    
Seq. Núm. Candidato Votação %    
*0001 45 GERALDO ALCKMIN 1.880 58,40%    
2 13 ALOIZIO MERCADANTE 1.234 38,33%    
3 11 CELSO RUSSOMANNO 42 1,30%    
4 43 FABIO FELDMANN 40 1,24%    
5 40 SKAF 20 0,62%    
6 29 ANAI CAPRONI 3 0,09%    
7 16 MANCHA 0 0,00%    
8 21 IGOR GRABOIS 0 0,00%    
9 50 PAULO BUFALO 0 0,00%    
             
ELEIÇÕES 2010 SANTA ALBERTINA SP – DEP ESTADUAL    
Seq. Núm. Candidato Votação    
*0001 15300 ITAMAR BORGES 746 23,30%    
*0002 45400 ANALICE FERNANDES 639 19,96%    
*0003 45232 CARLÃO PIGNATARI 317 9,90%    
*0004 13199 ANTONIO MENTOR 157 4,90%    
*0005 45451 CAUÊ MACRIS 88 2,75%    
*0006 13121 ANA PERUGINI 81 2,53%    
*0007 13123 ZICO 67 2,09%    
*0008 45633 PAULO ALEXANDRE BARBOSA 64 2,00%    
*0009 25118 EDMIR CHEDID 29 0,91%    
*0010 14140 CAMPOS MACHADO 24 0,75%    
*0011 13622 JOÃO PAULO RILLO 23 0,72%    
*0012 43134 RITA PASSOS 14 0,44%    
*0013 45545 BARROS MUNHOZ 13 0,41%    
*0014 25558 GIL ARANTES 13 0,41%    
*0015 45700 FERNANDO CAPEZ 12 0,37%    
*0016 12181 MAJOR OLIMPIO 10 0,31%    
*0017 10321 SEBASTIÃO SANTOS 7 0,22%    
*0018 23456 GONDIM 4 0,12%    
*0019 45555 CELSO GIGLIO 3 0,09%    
*0020 12345 RAFAEL SILVA 3 0,09%    
*0021 43135 PADRE AFONSO 3 0,09%    
*0022 11111 CURIATI 2 0,06%    
*0023 23123 DAVI ZAIA 2 0,06%    
*0024 43363 REINALDO ALGUZ 2 0,06%    
*0025 13113 EDINHO SILVA 2 0,06%    
*0026 15000 BALEIA ROSSI 2 0,06%    
*0027 45145 BRUNO COVAS 2 0,06%    
*0028 45123 WELSON GASPARINI 1 0,03%    
*0029 45100 PEDRO TOBIAS 1 0,03%    
*0030 15622 JOOJI HATO 1 0,03%    
*0031 43001 GIRIBONI 1 0,03%    
*0032 45111 GERALDO VINHOLI 1 0,03%    
*0033 45200 CÉLIA LEÃO 1 0,03%    
*0034 50789 CARLOS GIANNAZI 1 0,03%    
*0035 23423 ALEX MANENTE 1 0,03%    
*0036 14235 CORONEL EDSON FERRARINI 0 0,00%    
*0037 43333 DR. ULYSSES 0 0,00%    
*0038 45160 ARY FOSSEN 0 0,00%    
*0039 25199 ESTEVAM GALVAO 0 0,00%    
*0040 13640 JOSÉ CANDIDO 0 0,00%    
*0041 45156 ROBERTO ENGLER 0 0,00%    
*0042 13156 RUI FALCÃO 0 0,00%    
*0043 25122 ALDO DEMARCHI 0 0,00%    
*0044 45477 ROBERTO MASSAFERA 0 0,00%    
*0045 65035 LECI BRANDÃO 0 0,00%    
*0046 13004 TELMA DE SOUZA 0 0,00%    
*0047 13131 MARCOS MARTINS 0 0,00%    
*0048 40023 BOLÇONE 0 0,00%    
*0049 13222 ADRIANO DIOGO 0 0,00%    
*0050 45114 MARIA LÚCIA AMARY 0 0,00%    
*0051 14160 ROQUE BARBIERE – ROQUINHO 0 0,00%    
*0052 13611 ISAC REIS 0 0,00%    
*0053 45125 MAURO BRAGATO 0 0,00%    
*0054 13290 HAMILTON PEREIRA 0 0,00%    
*0055 13147 GERALDO CRUZ 0 0,00%    
*0056 13632 ANA DO CARMO 0 0,00%    
*0057 25011 GILSON DE SOUZA 0 0,00%    
*0058 45157 CELINO 0 0,00%    
*0059 43033 CHICO SARDELLI 0 0,00%    
*0060 43007 FELICIANO 0 0,00%    
*0061 12133 JOSE BITTENCOURT 0 0,00%    
*0062 14222 HEROILMA SOARES TAVARES 0 0,00%    
*0063 23623 ROBERTO MORAIS 0 0,00%    
*0064 65123 PEDRO BIGARDI 0 0,00%    
*0065 20200 ADILSON ROSSI 0 0,00%    
*0066 13644 JOÃO ANTONIO 0 0,00%    
*0067 13114 ENIO TATTO 0 0,00%    
*0068 13130 MARCO AURÉLIO DE SOUZA 0 0,00%    
*0069 10123 GILMACI SANTOS 0 0,00%    
*0070 43433 REGINA GONÇALVES 0 0,00%    
*0071 25255 MILTON VIEIRA 0 0,00%    
*0072 45780 MARCOS ZERBINI 0 0,00%    
*0073 45245 SAMUEL MOREIRA 0 0,00%    
*0074 40123 ED THOMAS 0 0,00%    
*0075 45610 HELIO NISHIMOTO 0 0,00%    
*0076 13134 SIMÃO PEDRO 0 0,00%    
*0077 43477 PASTOR DILMO DOS SANTOS 0 0,00%    
*0078 13112 GERSON BITTENCOURT 0 0,00%    
*0079 13690 CARLOS GRANA 0 0,00%    
*0080 15113 CARUSO 0 0,00%    
*0081 13913 DONISETE BRAGA 0 0,00%    
*0082 45321 CARLOS BEZERRA JR. 0 0,00%    
*0083 12123 ROGERIO NOGUEIRA 0 0,00%    
*0084 22999 ANDRE DO PRADO 0 0,00%    
*0085 13310 LUIZ CLAUDIO MARCOLINO 0 0,00%    
*0086 20112 PR. CARLOS CEZAR 0 0,00%    
*0087 13800 LUIZ MOURA 0 0,00%    
*0088 45680 ORLANDO MORANDO 0 0,00%    
*0089 25005 ANDRE SOARES 0 0,00%    
*0090 20688 MARCOS NEVES 0 0,00%    
*0091 13570 ALENCAR 0 0,00%    
*0092 25250 MILTON LEITE FILHO 0 0,00%    
*0093 40789 VINICIUS CAMARINHA 0 0,00%    
*0094 20633 RODRIGO MORAES 0 0,00%    
95 40404 DR. JULIANO PRANDI 108 3,37%    
96 40999 DR. PAULO MARIANI 71 2,22%    
97 13456 BETH SAHAO 54 1,69%    
98 14747 WALDIR AGNELLO 53 1,66%    
99 45198 JOSE BORANGA 46 1,44%    
100 43222 BRAZ ALBERTINI 33 1,03%    
101 20220 RENATO PUPO 17 0,53%    
102 45300 CASSIO NAVARRO 14 0,44%    
103 43045 RICARDO CASTILHO 9 0,28%    
104 23333 VITOR SAPIENZA 8 0,25%    
105 65065 MAURIN DA SORVETERIA 7 0,22%    
106 45455 CONCCI MARCO 6 0,19%    
107 20007 CELSO NASCIMENTO 4 0,12%    
108 25125 FERNANDO LUCAS 4 0,12%    
109 13656 FERNANDO ESCODEIRO 4 0,12%    
110 12062 DR RENAN 3 0,09%    
111 25000 DARIO SAADI 3 0,09%    
112 20512 CANDIDO 3 0,09%    
113 45155 CLOVIS CHAVES 2 0,06%    
114 65670 TAVARES 2 0,06%    
115 45235 DILADOR BORGES 2 0,06%    
116 50193 LEO 2 0,06%    
117 12612 CONSTANCIA FELIX 2 0,06%    
118 11999 PAULERA 2 0,06%    
119 23001 JOSE CARLOS SOARES 2 0,06%    
120 15500 MARIA DO CARMO GUILHERME 2 0,06%    
121 11300 FARIA JR 2 0,06%    
122 43232 ROBERTO SOBRAL 2 0,06%    
123 45010 UBIRAJARA GUIMARÃES 2 0,06%    
124 13313 RENATO DO GEB 2 0,06%    
125 23540 PROFESSOR ZE MARIA 1 0,03%    
126 40040 MARIÂNGELA DUARTE 1 0,03%    
127 13300 EUVANILDE 1 0,03%    
128 11051 VALDIR PINHEIRO 1 0,03%    
129 11233 JOÃO ARAUJO 1 0,03%    
130 22222 ZE PEDRO 1 0,03%    
131 45222 ADOLFO QUINTAS 1 0,03%    
132 12000 AURELIO 1 0,03%    
133 13699 JOEL FONSECA 1 0,03%    
134 13650 GALLO 1 0,03%    
135 40440 VITOR SANTOS 1 0,03%    
136 11234 DR. IRINEU 1 0,03%    
137 65055 SARAH MUNHOZ 1 0,03%    
138 12310 CARLOS HERNANDES 1 0,03%    
139 45999 SONIA IERVOLINO 1 0,03%    
140 45456 JOÃO SANZOVO 1 0,03%    
141 15600 ANGELA RAMALHO 1 0,03%    
142 11888 RUSSOMANNO 1 0,03%    
143 20012 APOSTOLO EURIPEDES 1 0,03%    
144 13122 TONINHO DO PT 1 0,03%    
145 40245 EDINHO SANTANA 1 0,03%    
146 40013 DR. VLAMIR 1 0,03%    
147 11313 MARIA CLEMENTINA 1 0,03%    
148 23233 DR. TÚLIO 1 0,03%    
149 20600 SAID MOURAD 1 0,03%    
150 13133 ELI TEODORO 1 0,03%    
151 45615 KATIA SOLIS 1 0,03%    
152 14433 SIVALDO FAISCA 1 0,03%    
153 65400 PRISCILA VAUTIER 1 0,03%    
154 45040 LUCIO PAZ 1 0,03%    
155 43000 GENTIL 1 0,03%    
156 40402 FRANKLIN CANGUSSU 1 0,03%    
157 13000 ANDERSON SILVA 1 0,03%    
158 45450 THIAGO LOBO 1 0,03%    

Eleições 2010 Dolcinópolis -SP: resultado do 1º e 2º turnos.

DOLCINÓPOLIS  2010 – PRESIDENTE DA REPÚBLICA
      1º TURNO 2º TURNO
Seq. Núm. Candidato Votação % Votação %
1 13 DILMA 972 57,82% 1.061 63,38%
2 45 JOSÉ SERRA 552 32,84% 613 36,62%
3 43 MARINA SILVA 150 8,92%    
4 50 PLÍNIO 6 0,36%    
5 28 LEVY FIDELIX 1 0,06%    
6 27 EYMAEL 0 0,00%    
7 21 IVAN PINHEIRO 0 0,00%    
8 29 RUI COSTA PIMENTA 0 0,00%    
9 16 ZÉ MARIA 0 0,00%    
             
DOLCINÓPOLIS 2010 – SENADORES    
Seq. Núm. Candidato Votação    
1 451 ALOYSIO NUNES 834 31,46%    
2 133 MARTA SUPLICY 667 25,16%    
3 650 NETINHO 615 23,20%    
4 141 ROMEU TUMA 390 14,71%    
5 430 RICARDO YOUNG 75 2,83%    
6 360 CIRO 38 1,43%    
7 177 MOACYR FRANCO 10 0,38%    
8 160 ANA LUIZA 7 0,26%    
9 111 DR. REDÓ 6 0,23%    
10 500 MARCELO HENRIQUE 6 0,23%    
11 400 SERPA 2 0,08%    
12 290 AFONSO TEIXEIRA 1 0,04%    
13 212 ERNESTO PICHLER 0 0,00%    
14 211 MAZZEO 0 0,00%    
15 161 DIRCEU TRAVESSO 0 0,00%    
             
DOLCINÓPOLIS  2010 – DEPUTADOS FEDERAIS    
Seq. Núm. Candidato Votação    
*0001 4555 JULIO SEMEGHINI 333 20,43%    
*0002 4363 RICARDO IZAR 199 12,21%    
*0003 2525 RODRIGO GARCIA 199 12,21%    
*0004 1325 JOÃO PAULO CUNHA 80 4,91%    
*0005 4586 JOSÉ ANIBAL 63 3,87%    
*0006 4567 VAZ DE LIMA 34 2,09%    
*0007 2222 TIRIRICA 33 2,02%    
*0008 4030 GABRIEL CHALITA 21 1,29%    
*0009 1353 JILMAR TATTO 20 1,23%    
*0010 1523 EDINHO ARAUJO 19 1,17%    
*0011 2233 PR PAULO FREIRE 15 0,92%    
*0012 4300 GUILHERME MUSSI 14 0,86%    
*0013 1332 JOSÉ MENTOR 13 0,80%    
*0014 4311 DR. SINVAL MALHEIROS 13 0,80%    
*0015 2010 MARCO FELICIANO 13 0,80%    
*0016 1322 ARLINDO CHINAGLIA 10 0,61%    
*0017 4545 EDSON APARECIDO 10 0,61%    
*0018 1211 JOÃO DADO 9 0,55%    
*0019 1369 DEVANIR RIBEIRO 7 0,43%    
*0020 1434 NELSON MARQUEZELLI 6 0,37%    
*0021 1155 MISSIONÁRIO JOSÉ OLIMPIO 4 0,25%    
*0022 1331 RICARDO BERZOINI 4 0,25%    
*0023 4515 EMANUEL FERNANDES 3 0,18%    
*0024 1345 VANDERLEI SIRAQUE 3 0,18%    
*0025 1010 ANTONIO BULHÕES 3 0,18%    
*0026 1312 VACCAREZZA 2 0,12%    
*0027 4500 CARLOS SAMPAIO 2 0,12%    
*0028 1452 ARNALDO FARIA DE SÁ 1 0,06%    
*0029 4577 THAME 1 0,06%    
*0030 2325 DIMAS RAMALHO 1 0,06%    
*0031 2500 JORGE TADEU 1 0,06%    
*0032 1321 FILIPPI 1 0,06%    
*0033 4315 ROBERTO SANTIAGO 1 0,06%    
*0034 2255 MILTON MONTI 1 0,06%    
*0035 4021 LUIZA ERUNDINA 0 0,00%    
*0036 2545 JUNJI ABE 0 0,00%    
*0037 2323 ROBERTO FREIRE 0 0,00%    
*0038 4343 PENNA 0 0,00%    
*0039 5050 IVAN VALENTE 0 0,00%    
*0040 1387 JANETE PIETÁ 0 0,00%    
*0041 4525 DIB 0 0,00%    
*0042 2299 VALDEMAR COSTA NETO 0 0,00%    
*0043 4070 ABELARDO CAMARINHA 0 0,00%    
*0044 4565 TRIPOLI 0 0,00%    
*0045 1318 NEWTON LIMA NETO 0 0,00%    
*0046 2345 ARNALDO JARDIM 0 0,00%    
*0047 1250 SALVADOR ZIMBALDI 0 0,00%    
*0048 6565 ALDO REBELO 0 0,00%    
*0049 1212 PAULINHO DA FORÇA 0 0,00%    
*0050 1390 VICENTINHO 0 0,00%    
*0051 4096 OTA 0 0,00%    
*0052 6588 DELEGADO PROTÓGENES 0 0,00%    
*0053 1370 ZARATTINI 0 0,00%    
*0054 1301 VICENTE CANDIDO 0 0,00%    
*0055 1398 PAULO TEIXEIRA 0 0,00%    
*0056 2590 GUILHERME CAMPOS 0 0,00%    
*0057 4040 MÁRCIO FRANÇA 0 0,00%    
*0058 1316 CARLINHOS ALMEIDA 0 0,00%    
*0059 4554 DUARTE NOGUEIRA 0 0,00%    
*0060 4074 JEFFERSON CAMPOS 0 0,00%    
*0061 4000 JONAS DONIZETTE 0 0,00%    
*0062 4344 ROBERTO DE LUCENA 0 0,00%    
*0063 4517 MARA GABRILLI 0 0,00%    
*0064 1023 OTONIEL LIMA 0 0,00%    
*0065 1133 ALINE CORREA 0 0,00%    
*0066 2012 MARCELO AGUIAR 0 0,00%    
*0067 2577 ELI CORREA FILHO 0 0,00%    
*0068 4547 LUIZ FERNANDO MACHADO 0 0,00%    
*0069 4585 BRUNA FURLAN 0 0,00%    
*0070 2513 ALEXANDRE LEITE 0 0,00%    
71 1199 VADÃO 203 12,45%    
72 2588 DR ELEUSES PAIVA 42 2,58%    
73 2020 REGIS DE OLIVEIRA 31 1,90%    
74 4540 SILVIO TORRES 14 0,86%    
75 4530 ALBERTO MOURAO 10 0,61%    
76 1236 MANOEL ANTUNES 8 0,49%    
77 1313 GENOINO 5 0,31%    
78 1302 PROFESSOR JAIR BALESTRA 5 0,31%    
79 4563 GIVALDO VIEIRA 3 0,18%    
80 3638 PAES DE LIRA 3 0,18%    
81 4020 CAPITÃO AUGUSTO 3 0,18%    
82 1132 PEDRINHO BARACAT 2 0,12%    
83 1515 EDUARDO COELHO 2 0,12%    
84 1127 LAURINDO BARNARDES 2 0,12%    
85 4080 DR. UBIALI 2 0,12%    
86 2333 JOSE ONERIO 2 0,12%    
87 4377 VILSON ALVES 2 0,12%    
88 2599 WALTER IHOSHI 2 0,12%    
89 7012 DR MARCAO DA MANCHA 2 0,12%    
90 1530 SERGIO KOBRA 2 0,12%    
91 1166 SILVIA MARIA 2 0,12%    
92 1119 CAPITÃO GOMES 1 0,06%    
93 4362 DR. GETÚLIO SERPA 1 0,06%    
94 4533 RENATO AMARY 1 0,06%    
95 2018 TENENTE ORLANDO 1 0,06%    
96 1333 PROF. CARLÃO RAMIRO 1 0,06%    
97 4513 FELICIDADE 1 0,06%    
98 4307 VICENTE DA UPA 1 0,06%    
99 4099 MIGUEL SAMPAIO 1 0,06%    
100 2555 MANDIC 1 0,06%    
101 2522 CRESPO 1 0,06%    
102 4523 CARLOS ROBERTO 1 0,06%    
103 3617 BATISTA 1 0,06%    
104 1235 NELSINHO DA BAHIA 1 0,06%    
105 4569 TIÃO 1 0,06%    
106 1919 MAGUILA 1 0,06%    
107 4511 RAUL CHRISTIANO 1 0,06%    
108 1411 SANTANA 1 0,06%    
109 1136 PAULO BASSOLI 1 0,06%    
110 1141 CATARINA RIGINIK 1 0,06%    
111 1311 LARGUESA 1 0,06%    
112 1540 INDIA 1 0,06%    
113 3133 PROF HERMES 1 0,06%    
114 1414 ROBSON TUMA 1 0,06%    
115 4007 MARCELINHO CARIOCA 1 0,06%    
116 1416 JORGE MARINGOLO 1 0,06%    
117 1213 ELISEU DANIEL 1 0,06%    
118 1100 DURVAL MORELLI 1 0,06%    
             
ELEIÇÕES 2010 DOLCINÓPOLIS – SP GOVERNADOR    
Seq. Núm. Candidato Votação %    
*0001 45 GERALDO ALCKMIN 844 51,56%    
2 13 ALOIZIO MERCADANTE 738 45,08%    
3 11 CELSO RUSSOMANNO 26 1,59%    
4 43 FABIO FELDMANN 22 1,34%    
5 40 SKAF 7 0,43%    
6 16 MANCHA 0 0,00%    
7 21 IGOR GRABOIS 0 0,00%    
8 29 ANAI CAPRONI 0 0,00%    
9 50 PAULO BUFALO 0 0,00%    
             
ELEIÇÕES 2010 DOLCINÓPOLIS SP – DEPUTADO ESTADUAL    
Seq. Núm. Candidato Votação    
*0001 45400 ANALICE FERNANDES 654 39,88%    
*0002 15300 ITAMAR BORGES 104 6,34%    
*0003 45633 PAULO ALEXANDRE BARBOSA 89 5,43%    
*0004 25122 ALDO DEMARCHI 66 4,02%    
*0005 45232 CARLÃO PIGNATARI 64 3,90%    
*0006 25118 EDMIR CHEDID 27 1,65%    
*0007 13123 ZICO 26 1,59%    
*0008 23123 DAVI ZAIA 23 1,40%    
*0009 13640 JOSÉ CANDIDO 16 0,98%    
*0010 45545 BARROS MUNHOZ 13 0,79%    
*0011 13199 ANTONIO MENTOR 12 0,73%    
*0012 43134 RITA PASSOS 11 0,67%    
*0013 13622 JOÃO PAULO RILLO 8 0,49%    
*0014 20633 RODRIGO MORAES 6 0,37%    
*0015 45451 CAUÊ MACRIS 5 0,30%    
*0016 43433 REGINA GONÇALVES 4 0,24%    
*0017 12181 MAJOR OLIMPIO 4 0,24%    
*0018 10321 SEBASTIÃO SANTOS 4 0,24%    
*0019 11111 CURIATI 2 0,12%    
*0020 14140 CAMPOS MACHADO 2 0,12%    
*0021 13131 MARCOS MARTINS 2 0,12%    
*0022 14160 ROQUE BARBIERE – ROQUINHO 2 0,12%    
*0023 43033 CHICO SARDELLI 2 0,12%    
*0024 45610 HELIO NISHIMOTO 2 0,12%    
*0025 13121 ANA PERUGINI 2 0,12%    
*0026 13113 EDINHO SILVA 2 0,12%    
*0027 12345 RAFAEL SILVA 1 0,06%    
*0028 23456 GONDIM 1 0,06%    
*0029 40023 BOLÇONE 1 0,06%    
*0030 45111 GERALDO VINHOLI 1 0,06%    
*0031 12133 JOSE BITTENCOURT 1 0,06%    
*0032 25255 MILTON VIEIRA 1 0,06%    
*0033 45680 ORLANDO MORANDO 1 0,06%    
*0034 25005 ANDRE SOARES 1 0,06%    
*0035 14235 CORONEL EDSON FERRARINI 0 0,00%    
*0036 43333 DR. ULYSSES 0 0,00%    
*0037 45123 WELSON GASPARINI 0 0,00%    
*0038 45160 ARY FOSSEN 0 0,00%    
*0039 45555 CELSO GIGLIO 0 0,00%    
*0040 25199 ESTEVAM GALVAO 0 0,00%    
*0041 45156 ROBERTO ENGLER 0 0,00%    
*0042 13156 RUI FALCÃO 0 0,00%    
*0043 45477 ROBERTO MASSAFERA 0 0,00%    
*0044 65035 LECI BRANDÃO 0 0,00%    
*0045 13004 TELMA DE SOUZA 0 0,00%    
*0046 45100 PEDRO TOBIAS 0 0,00%    
*0047 15622 JOOJI HATO 0 0,00%    
*0048 13222 ADRIANO DIOGO 0 0,00%    
*0049 45114 MARIA LÚCIA AMARY 0 0,00%    
*0050 25558 GIL ARANTES 0 0,00%    
*0051 13611 ISAC REIS 0 0,00%    
*0052 43001 GIRIBONI 0 0,00%    
*0053 45125 MAURO BRAGATO 0 0,00%    
*0054 13290 HAMILTON PEREIRA 0 0,00%    
*0055 13147 GERALDO CRUZ 0 0,00%    
*0056 45200 CÉLIA LEÃO 0 0,00%    
*0057 13632 ANA DO CARMO 0 0,00%    
*0058 25011 GILSON DE SOUZA 0 0,00%    
*0059 45157 CELINO 0 0,00%    
*0060 43007 FELICIANO 0 0,00%    
*0061 14222 HEROILMA SOARES TAVARES 0 0,00%    
*0062 23623 ROBERTO MORAIS 0 0,00%    
*0063 65123 PEDRO BIGARDI 0 0,00%    
*0064 20200 ADILSON ROSSI 0 0,00%    
*0065 43135 PADRE AFONSO 0 0,00%    
*0066 13644 JOÃO ANTONIO 0 0,00%    
*0067 13114 ENIO TATTO 0 0,00%    
*0068 13130 MARCO AURÉLIO DE SOUZA 0 0,00%    
*0069 10123 GILMACI SANTOS 0 0,00%    
*0070 50789 CARLOS GIANNAZI 0 0,00%    
*0071 43363 REINALDO ALGUZ 0 0,00%    
*0072 45780 MARCOS ZERBINI 0 0,00%    
*0073 45245 SAMUEL MOREIRA 0 0,00%    
*0074 40123 ED THOMAS 0 0,00%    
*0075 45700 FERNANDO CAPEZ 0 0,00%    
*0076 13134 SIMÃO PEDRO 0 0,00%    
*0077 43477 PASTOR DILMO DOS SANTOS 0 0,00%    
*0078 13112 GERSON BITTENCOURT 0 0,00%    
*0079 13690 CARLOS GRANA 0 0,00%    
*0080 15113 CARUSO 0 0,00%    
*0081 13913 DONISETE BRAGA 0 0,00%    
*0082 45321 CARLOS BEZERRA JR. 0 0,00%    
*0083 12123 ROGERIO NOGUEIRA 0 0,00%    
*0084 22999 ANDRE DO PRADO 0 0,00%    
*0085 13310 LUIZ CLAUDIO MARCOLINO 0 0,00%    
*0086 20112 PR. CARLOS CEZAR 0 0,00%    
*0087 13800 LUIZ MOURA 0 0,00%    
*0088 15000 BALEIA ROSSI 0 0,00%    
*0089 20688 MARCOS NEVES 0 0,00%    
*0090 13570 ALENCAR 0 0,00%    
*0091 25250 MILTON LEITE FILHO 0 0,00%    
*0092 23423 ALEX MANENTE 0 0,00%    
*0093 40789 VINICIUS CAMARINHA 0 0,00%    
*0094 45145 BRUNO COVAS 0 0,00%    
95 13400 ROBERTO FELICIO 49 2,99%    
96 40999 DR. PAULO MARIANI 33 2,01%    
97 45155 CLOVIS CHAVES 27 1,65%    
98 13456 BETH SAHAO 22 1,34%    
99 45010 UBIRAJARA GUIMARÃES 22 1,34%    
100 20512 CANDIDO 13 0,79%    
101 45300 CASSIO NAVARRO 13 0,79%    
102 40404 DR. JULIANO PRANDI 12 0,73%    
103 20220 RENATO PUPO 11 0,67%    
104 25125 FERNANDO LUCAS 8 0,49%    
105 43045 RICARDO CASTILHO 5 0,30%    
106 40211 SARGENTO OHNO 5 0,30%    
107 12812 PAULO BARBOSA 4 0,24%    
108 14014 LÉO ÁQUILLA 4 0,24%    
109 40223 HILKIAS 3 0,18%    
110 45198 JOSE BORANGA 3 0,18%    
111 45235 DILADOR BORGES 3 0,18%    
112 12612 CONSTANCIA FELIX 3 0,18%    
113 45500 VICTOR KOBAYASHI 3 0,18%    
114 13789 TITO 2 0,12%    
115 45000 HELIO RUBENS 2 0,12%    
116 13122 TONINHO DO PT 2 0,12%    
117 23233 DR. TÚLIO 2 0,12%    
118 15012 THIAGO FERRARI 2 0,12%    
119 23540 PROFESSOR ZE MARIA 1 0,06%    
120 23110 ADEMIR DA GUIA 1 0,06%    
121 45666 GILSON BARRETO 1 0,06%    
122 45950 DORI FONTES 1 0,06%    
123 13300 EUVANILDE 1 0,06%    
124 11051 VALDIR PINHEIRO 1 0,06%    
125 20222 JOÃO BINATO 1 0,06%    
126 22222 ZE PEDRO 1 0,06%    
127 45454 EDISON CANDIDO 1 0,06%    
128 13132 DR. LUIZINHO 1 0,06%    
129 11010 RICARDO PELISSER 1 0,06%    
130 11888 RUSSOMANNO 1 0,06%    
131 11369 VALDIR MARIN 1 0,06%    
132 45800 DIOBEL DA DIDOL’S 1 0,06%    
133 45457 VALÉRIA 1 0,06%    
134 43266 FERNANDO MARREY FERREIRA 1 0,06%    
135 11300 FARIA JR 1 0,06%    
136 40025 DR. GENNARI 1 0,06%    
137 45455 CONCCI MARCO 1 0,06%    
138 43400 FLAVIO OLIVEIRA 1 0,06%    
139 45466 EDLEIA MATOS 1 0,06%    
140 70699 PAULO CORRÊA JR 1 0,06%    
141 22300 PATRICIA LIMA 1 0,06%    

Eleições 2010 Paranapuã – SP: resultados do 1º e 2º turnos.

PARANAPUà 2010 – PRESIDENTE DA REPÚBLICA
      1º TURNO 2º TURNO
Seq. Núm. Candidato Votação % Votação %
1 13 DILMA 1.073 47,35% 1.141 50,48%
2 45 JOSÉ SERRA 961 42,41% 1.106 49,52%
3 43 MARINA SILVA 217 9,58%    
4 50 PLÍNIO 12 0,53%    
5 16 ZÉ MARIA 2 0,09%    
6 28 LEVY FIDELIX 1 0,04%    
7 27 EYMAEL 0 0,00%    
8 21 IVAN PINHEIRO 0 0,00%    
9 29 RUI COSTA PIMENTA 0 0,00%    
             
PARANAPUÃ 2010 – SENADORES    
Seq. Núm. Candidato Votação    
*0001 451 ALOYSIO NUNES 1.188 34,75%    
*0002 133 MARTA SUPLICY 828 24,22%    
3 650 NETINHO 842 24,63%    
4 141 ROMEU TUMA 372 10,88%    
5 430 RICARDO YOUNG 135 3,95%    
6 177 MOACYR FRANCO 25 0,73%    
7 160 ANA LUIZA 9 0,26%    
8 500 MARCELO HENRIQUE 9 0,26%    
9 360 CIRO 6 0,18%    
10 400 SERPA 3 0,09%    
11 111 DR. REDÓ 2 0,06%    
12 212 ERNESTO PICHLER 0 0,00%    
13 211 MAZZEO 0 0,00%    
14 161 DIRCEU TRAVESSO 0 0,00%    
15 290 AFONSO TEIXEIRA 0 0,00%    
             
PARANAPUÃ 2010 – DEPUTADOS FEDERAIS    
Seq. Núm. Candidato Votação    
*0001 4555 JULIO SEMEGHINI 484 22,52%    
*0002 1325 JOÃO PAULO CUNHA 158 7,35%    
*0003 2525 RODRIGO GARCIA 133 6,19%    
*0004 1434 NELSON MARQUEZELLI 99 4,61%    
*0005 1523 EDINHO ARAUJO 90 4,19%    
*0006 2222 TIRIRICA 82 3,82%    
*0007 1369 DEVANIR RIBEIRO 71 3,30%    
*0008 4567 VAZ DE LIMA 61 2,84%    
*0009 2233 PR PAULO FREIRE 51 2,37%    
*0010 1332 JOSÉ MENTOR 33 1,54%    
*0011 4300 GUILHERME MUSSI 21 0,98%    
*0012 4030 GABRIEL CHALITA 20 0,93%    
*0013 1345 VANDERLEI SIRAQUE 19 0,88%    
*0014 1211 JOÃO DADO 17 0,79%    
*0015 4311 DR. SINVAL MALHEIROS 15 0,70%    
*0016 1353 JILMAR TATTO 12 0,56%    
*0017 1155 MISSIONÁRIO JOSÉ OLIMPIO 9 0,42%    
*0018 1010 ANTONIO BULHÕES 9 0,42%    
*0019 1322 ARLINDO CHINAGLIA 7 0,33%    
*0020 2010 MARCO FELICIANO 7 0,33%    
*0021 1452 ARNALDO FARIA DE SÁ 6 0,28%    
*0022 4545 EDSON APARECIDO 6 0,28%    
*0023 2323 ROBERTO FREIRE 5 0,23%    
*0024 4586 JOSÉ ANIBAL 3 0,14%    
*0025 1250 SALVADOR ZIMBALDI 2 0,09%    
*0026 4500 CARLOS SAMPAIO 2 0,09%    
*0027 4585 BRUNA FURLAN 2 0,09%    
*0028 2545 JUNJI ABE 1 0,05%    
*0029 5050 IVAN VALENTE 1 0,05%    
*0030 4565 TRIPOLI 1 0,05%    
*0031 2500 JORGE TADEU 1 0,05%    
*0032 6565 ALDO REBELO 1 0,05%    
*0033 1331 RICARDO BERZOINI 1 0,05%    
*0034 4554 DUARTE NOGUEIRA 1 0,05%    
*0035 4000 JONAS DONIZETTE 1 0,05%    
*0036 4021 LUIZA ERUNDINA 0 0,00%    
*0037 4343 PENNA 0 0,00%    
*0038 4577 THAME 0 0,00%    
*0039 1387 JANETE PIETÁ 0 0,00%    
*0040 4525 DIB 0 0,00%    
*0041 2299 VALDEMAR COSTA NETO 0 0,00%    
*0042 4070 ABELARDO CAMARINHA 0 0,00%    
*0043 1318 NEWTON LIMA NETO 0 0,00%    
*0044 2325 DIMAS RAMALHO 0 0,00%    
*0045 2345 ARNALDO JARDIM 0 0,00%    
*0046 1312 VACCAREZZA 0 0,00%    
*0047 1212 PAULINHO DA FORÇA 0 0,00%    
*0048 4515 EMANUEL FERNANDES 0 0,00%    
*0049 1390 VICENTINHO 0 0,00%    
*0050 4096 OTA 0 0,00%    
*0051 1321 FILIPPI 0 0,00%    
*0052 4315 ROBERTO SANTIAGO 0 0,00%    
*0053 6588 DELEGADO PROTÓGENES 0 0,00%    
*0054 1370 ZARATTINI 0 0,00%    
*0055 1301 VICENTE CANDIDO 0 0,00%    
*0056 1398 PAULO TEIXEIRA 0 0,00%    
*0057 2255 MILTON MONTI 0 0,00%    
*0058 2590 GUILHERME CAMPOS 0 0,00%    
*0059 4040 MÁRCIO FRANÇA 0 0,00%    
*0060 1316 CARLINHOS ALMEIDA 0 0,00%    
*0061 4074 JEFFERSON CAMPOS 0 0,00%    
*0062 4344 ROBERTO DE LUCENA 0 0,00%    
*0063 4517 MARA GABRILLI 0 0,00%    
*0064 4363 RICARDO IZAR 0 0,00%    
*0065 1023 OTONIEL LIMA 0 0,00%    
*0066 1133 ALINE CORREA 0 0,00%    
*0067 2012 MARCELO AGUIAR 0 0,00%    
*0068 2577 ELI CORREA FILHO 0 0,00%    
*0069 4547 LUIZ FERNANDO MACHADO 0 0,00%    
*0070 2513 ALEXANDRE LEITE 0 0,00%    
71 1199 VADÃO 215 10,00%    
72 1313 GENOINO 53 2,47%    
73 4551 VANDERLEI MACRIS 48 2,23%    
74 4566 FERNANDO FUAD CHUCRE 33 1,54%    
75 2588 DR ELEUSES PAIVA 31 1,44%    
76 1310 IARA BERNARDI 21 0,98%    
77 2020 REGIS DE OLIVEIRA 17 0,79%    
78 4540 SILVIO TORRES 14 0,65%    
79 4099 MIGUEL SAMPAIO 10 0,47%    
80 1127 LAURINDO BARNARDES 8 0,37%    
81 4020 CAPITÃO AUGUSTO 8 0,37%    
82 1236 MANOEL ANTUNES 7 0,33%    
83 4321 ZICA 7 0,33%    
84 4530 ALBERTO MOURAO 6 0,28%    
85 4007 MARCELINHO CARIOCA 6 0,28%    
86 1202 KIM 4 0,19%    
87 1400 CLAURY 4 0,19%    
88 1401 ALEXANDRE COSTA 4 0,19%    
89 5041 PEDRO ROBERTO 3 0,14%    
90 3699 PROMOTOR ARTHUR 3 0,14%    
91 1340 TENENTE PAZ 2 0,09%    
92 4307 VICENTE DA UPA 2 0,09%    
93 4512 LOBBE NETO 2 0,09%    
94 2332 ARI FRIEDENBACH 2 0,09%    
95 1302 PROFESSOR JAIR BALESTRA 2 0,09%    
96 2599 WALTER IHOSHI 2 0,09%    
97 1364 CARLOS AQUINO 2 0,09%    
98 4354 J FARIA 2 0,09%    
99 1530 SERGIO KOBRA 2 0,09%    
100 2321 WILLIAM WOO 2 0,09%    
101 4334 ANA PAULA JUNQUEIRA 2 0,09%    
102 1132 PEDRINHO BARACAT 1 0,05%    
103 4563 GIVALDO VIEIRA 1 0,05%    
104 1362 REGINALDO PERNAMBUCANO 1 0,05%    
105 3638 PAES DE LIRA 1 0,05%    
106 1190 CAPITÃO CRIVELARI 1 0,05%    
107 1599 DR. SAMIR NASSBINE 1 0,05%    
108 1919 MAGUILA 1 0,05%    
109 2022 SILVIA PALMA 1 0,05%    
110 4514 MANOEL MARCOS (MANÉ) 1 0,05%    
111 1510 NENÊ RÉSTIO 1 0,05%    
112 1500 PAULO LIMA 1 0,05%    
113 2536 RAUL GIL JR 1 0,05%    
114 1540 INDIA 1 0,05%    
115 2530 LUCIANO ARTIOLI 1 0,05%    
116 1112 RUBENEUTON OLIVEIRA LIMA 1 0,05%    
117 1377 DR RONALDO BRESCIANI 1 0,05%    
118 1232 EDUARDO NASCIMENTO 1 0,05%    
119 4520 CARLOS BRAGA 1 0,05%    
120 4355 DONIZETI PEREIRA 1 0,05%    
121 1290 VALDEVAN NOVENTA 1 0,05%    
122 1470 FRANK AGUIAR 1 0,05%    
123 1012 ALESSANDER VIGNA 1 0,05%    
124 1213 ELISEU DANIEL 1 0,05%    
125 1305 TOM 1 0,05%    
126 2520 KIKO DO KLB 1 0,05%    
             
PARANAPUÃ 2010 – GOVERNADOR    
Seq. Núm. Candidato Votação    
*0001 45 GERALDO ALCKMIN 1.262 57,31%    
2 13 ALOIZIO MERCADANTE 858 38,96%    
3 11 CELSO RUSSOMANNO 30 1,36%    
4 43 FABIO FELDMANN 28 1,27%    
5 40 SKAF 23 1,04%    
6 29 ANAI CAPRONI 1 0,05%    
7 16 MANCHA 0 0,00%    
8 21 IGOR GRABOIS 0 0,00%    
9 50 PAULO BUFALO 0 0,00%    
             
PARANAPUÃ 2010 – DEPUTADOS ESTADUAIS    
Seq. Núm. Candidato Votação    
*0001 45400 ANALICE FERNANDES 863 39,44%    
*0002 15300 ITAMAR BORGES 158 7,22%    
*0003 13640 JOSÉ CANDIDO 114 5,21%    
*0004 45232 CARLÃO PIGNATARI 80 3,66%    
*0005 45451 CAUÊ MACRIS 68 3,11%    
*0006 13123 ZICO 63 2,88%    
*0007 45633 PAULO ALEXANDRE BARBOSA 34 1,55%    
*0008 10123 GILMACI SANTOS 33 1,51%    
*0009 25118 EDMIR CHEDID 28 1,28%    
*0010 14140 CAMPOS MACHADO 17 0,78%    
*0011 10321 SEBASTIÃO SANTOS 10 0,46%    
*0012 45700 FERNANDO CAPEZ 9 0,41%    
*0013 13199 ANTONIO MENTOR 8 0,37%    
*0014 43433 REGINA GONÇALVES 8 0,37%    
*0015 43134 RITA PASSOS 8 0,37%    
*0016 45680 ORLANDO MORANDO 8 0,37%    
*0017 23123 DAVI ZAIA 7 0,32%    
*0018 13622 JOÃO PAULO RILLO 7 0,32%    
*0019 45545 BARROS MUNHOZ 5 0,23%    
*0020 12181 MAJOR OLIMPIO 5 0,23%    
*0021 15000 BALEIA ROSSI 5 0,23%    
*0022 40123 ED THOMAS 4 0,18%    
*0023 20633 RODRIGO MORAES 4 0,18%    
*0024 45610 HELIO NISHIMOTO 2 0,09%    
*0025 13121 ANA PERUGINI 2 0,09%    
*0026 11111 CURIATI 1 0,05%    
*0027 45123 WELSON GASPARINI 1 0,05%    
*0028 45555 CELSO GIGLIO 1 0,05%    
*0029 13131 MARCOS MARTINS 1 0,05%    
*0030 43001 GIRIBONI 1 0,05%    
*0031 43007 FELICIANO 1 0,05%    
*0032 13113 EDINHO SILVA 1 0,05%    
*0033 14235 CORONEL EDSON FERRARINI 0 0,00%    
*0034 43333 DR. ULYSSES 0 0,00%    
*0035 45160 ARY FOSSEN 0 0,00%    
*0036 25199 ESTEVAM GALVAO 0 0,00%    
*0037 45156 ROBERTO ENGLER 0 0,00%    
*0038 13156 RUI FALCÃO 0 0,00%    
*0039 25122 ALDO DEMARCHI 0 0,00%    
*0040 45477 ROBERTO MASSAFERA 0 0,00%    
*0041 65035 LECI BRANDÃO 0 0,00%    
*0042 13004 TELMA DE SOUZA 0 0,00%    
*0043 12345 RAFAEL SILVA 0 0,00%    
*0044 45100 PEDRO TOBIAS 0 0,00%    
*0045 23456 GONDIM 0 0,00%    
*0046 15622 JOOJI HATO 0 0,00%    
*0047 40023 BOLÇONE 0 0,00%    
*0048 13222 ADRIANO DIOGO 0 0,00%    
*0049 45114 MARIA LÚCIA AMARY 0 0,00%    
*0050 25558 GIL ARANTES 0 0,00%    
*0051 14160 ROQUE BARBIERE – ROQUINHO 0 0,00%    
*0052 13611 ISAC REIS 0 0,00%    
*0053 45111 GERALDO VINHOLI 0 0,00%    
*0054 45125 MAURO BRAGATO 0 0,00%    
*0055 13290 HAMILTON PEREIRA 0 0,00%    
*0056 13147 GERALDO CRUZ 0 0,00%    
*0057 45200 CÉLIA LEÃO 0 0,00%    
*0058 13632 ANA DO CARMO 0 0,00%    
*0059 25011 GILSON DE SOUZA 0 0,00%    
*0060 45157 CELINO 0 0,00%    
*0061 43033 CHICO SARDELLI 0 0,00%    
*0062 12133 JOSE BITTENCOURT 0 0,00%    
*0063 14222 HEROILMA SOARES TAVARES 0 0,00%    
*0064 23623 ROBERTO MORAIS 0 0,00%    
*0065 65123 PEDRO BIGARDI 0 0,00%    
*0066 20200 ADILSON ROSSI 0 0,00%    
*0067 43135 PADRE AFONSO 0 0,00%    
*0068 13644 JOÃO ANTONIO 0 0,00%    
*0069 13114 ENIO TATTO 0 0,00%    
*0070 13130 MARCO AURÉLIO DE SOUZA 0 0,00%    
*0071 50789 CARLOS GIANNAZI 0 0,00%    
*0072 25255 MILTON VIEIRA 0 0,00%    
*0073 43363 REINALDO ALGUZ 0 0,00%    
*0074 45780 MARCOS ZERBINI 0 0,00%    
*0075 45245 SAMUEL MOREIRA 0 0,00%    
*0076 13134 SIMÃO PEDRO 0 0,00%    
*0077 43477 PASTOR DILMO DOS SANTOS 0 0,00%    
*0078 13112 GERSON BITTENCOURT 0 0,00%    
*0079 13690 CARLOS GRANA 0 0,00%    
*0080 15113 CARUSO 0 0,00%    
*0081 13913 DONISETE BRAGA 0 0,00%    
*0082 45321 CARLOS BEZERRA JR. 0 0,00%    
*0083 12123 ROGERIO NOGUEIRA 0 0,00%    
*0084 22999 ANDRE DO PRADO 0 0,00%    
*0085 13310 LUIZ CLAUDIO MARCOLINO 0 0,00%    
*0086 20112 PR. CARLOS CEZAR 0 0,00%    
*0087 13800 LUIZ MOURA 0 0,00%    
*0088 25005 ANDRE SOARES 0 0,00%    
*0089 20688 MARCOS NEVES 0 0,00%    
*0090 13570 ALENCAR 0 0,00%    
*0091 25250 MILTON LEITE FILHO 0 0,00%    
*0092 23423 ALEX MANENTE 0 0,00%    
*0093 40789 VINICIUS CAMARINHA 0 0,00%    
*0094 45145 BRUNO COVAS 0 0,00%    
95 40999 DR. PAULO MARIANI 157 7,18%    
96 13400 ROBERTO FELICIO 48 2,19%    
97 13456 BETH SAHAO 25 1,14%    
98 20220 RENATO PUPO 20 0,91%    
99 14747 WALDIR AGNELLO 9 0,41%    
100 45000 HELIO RUBENS 8 0,37%    
101 45300 CASSIO NAVARRO 8 0,37%    
102 45155 CLOVIS CHAVES 7 0,32%    
103 45198 JOSE BORANGA 7 0,32%    
104 40404 DR. JULIANO PRANDI 7 0,32%    
105 45010 UBIRAJARA GUIMARÃES 6 0,27%    
106 23010 BRAZ 5 0,23%    
107 12612 CONSTANCIA FELIX 5 0,23%    
108 43222 BRAZ ALBERTINI 4 0,18%    
109 12350 MAURICIO SIQUEIRA 4 0,18%    
110 14433 SIVALDO FAISCA 4 0,18%    
111 25125 FERNANDO LUCAS 4 0,18%    
112 11999 PAULERA 3 0,14%    
113 12100 DINEI 3 0,14%    
114 13258 ESTELA ALMAGRO 3 0,14%    
115 43045 RICARDO CASTILHO 2 0,09%    
116 23540 PROFESSOR ZE MARIA 2 0,09%    
117 20140 LUIZ LAURO 2 0,09%    
118 14400 VAL 2 0,09%    
119 20512 CANDIDO 2 0,09%    
120 11300 FARIA JR 2 0,09%    
121 45500 VICTOR KOBAYASHI 2 0,09%    
122 13000 ANDERSON SILVA 2 0,09%    
123 13613 BRENO CORTELLA 2 0,09%    
124 23333 VITOR SAPIENZA 1 0,05%    
125 15157 UEBE REZECK 1 0,05%    
126 45789 MILTON DALLARI 1 0,05%    
127 20222 JOÃO BINATO 1 0,05%    
128 65688 CAVAZZANA DEOMAR 1 0,05%    
129 22222 ZE PEDRO 1 0,05%    
130 12000 AURELIO 1 0,05%    
131 45235 DILADOR BORGES 1 0,05%    
132 11231 FIALA 1 0,05%    
133 65055 SARAH MUNHOZ 1 0,05%    
134 45999 SONIA IERVOLINO 1 0,05%    
135 40044 ZEZÉ 1 0,05%    
136 11369 VALDIR MARIN 1 0,05%    
137 43051 CAMILO GAVA 1 0,05%    
138 40777 ROMUALDO 1 0,05%    
139 13490 ADINAN ORTOLAN 1 0,05%    
140 25200 RICARDO SALLES 1 0,05%    
141 25800 LEANDRO DO KLB 1 0,05%    
142 11567 RAFA ZIMBALDI 1 0,05%    

Eleições 2010 Urânia – SP: resultados 1º e 2º turnos

URANIA  2010 – PRESIDENTE DA REPÚBLICA
      1º TURNO 2º TURNO
Seq. Núm. Candidato Votação % Votação %
1 13 DILMA 2.365 48,93% 2.695 55,17%
2 45 JOSÉ SERRA 1.828 37,82% 2.190 44,83%
3 43 MARINA SILVA 610 12,62%    
4 50 PLÍNIO 26 0,54%    
5 16 ZÉ MARIA 2 0,04%    
6 27 EYMAEL 1 0,02%    
7 29 RUI COSTA PIMENTA 1 0,02%    
8 21 IVAN PINHEIRO 0 0,00%    
9 28 LEVY FIDELIX 0 0,00%    
             
URANIA 2010 – SENADORES    
Seq. Núm. Candidato Votação    
*0001 451 ALOYSIO NUNES 2.445 34,03%    
*0002 133 MARTA SUPLICY 1.726 24,02%    
3 650 NETINHO 1.691 23,54%    
4 141 ROMEU TUMA 751 10,45%    
5 430 RICARDO YOUNG 422 5,87%    
6 177 MOACYR FRANCO 47 0,65%    
7 111 DR. REDÓ 34 0,47%    
8 360 CIRO 30 0,42%    
9 400 SERPA 18 0,25%    
10 500 MARCELO HENRIQUE 14 0,19%    
11 160 ANA LUIZA 5 0,07%    
12 290 AFONSO TEIXEIRA 2 0,03%    
13 212 ERNESTO PICHLER 0 0,00%    
14 211 MAZZEO 0 0,00%    
15 161 DIRCEU TRAVESSO 0 0,00%    
             
URANIA  2010 – DEPUTADOS FEDERAIS    
Seq. Núm. Candidato Votação    
*0001 4555 JULIO SEMEGHINI 685 15,46%    
*0002 2525 RODRIGO GARCIA 594 13,41%    
*0003 1523 EDINHO ARAUJO 284 6,41%    
*0004 2222 TIRIRICA 188 4,24%    
*0005 1370 ZARATTINI 114 2,57%    
*0006 4030 GABRIEL CHALITA 101 2,28%    
*0007 1332 JOSÉ MENTOR 90 2,03%    
*0008 1322 ARLINDO CHINAGLIA 76 1,72%    
*0009 1211 JOÃO DADO 73 1,65%    
*0010 1434 NELSON MARQUEZELLI 49 1,11%    
*0011 4311 DR. SINVAL MALHEIROS 42 0,95%    
*0012 2500 JORGE TADEU 37 0,84%    
*0013 2233 PR PAULO FREIRE 35 0,79%    
*0014 1398 PAULO TEIXEIRA 27 0,61%    
*0015 4300 GUILHERME MUSSI 25 0,56%    
*0016 2299 VALDEMAR COSTA NETO 24 0,54%    
*0017 1010 ANTONIO BULHÕES 24 0,54%    
*0018 4567 VAZ DE LIMA 20 0,45%    
*0019 2010 MARCO FELICIANO 20 0,45%    
*0020 1325 JOÃO PAULO CUNHA 19 0,43%    
*0021 1452 ARNALDO FARIA DE SÁ 16 0,36%    
*0022 4554 DUARTE NOGUEIRA 14 0,32%    
*0023 1212 PAULINHO DA FORÇA 10 0,23%    
*0024 6588 DELEGADO PROTÓGENES 9 0,20%    
*0025 1369 DEVANIR RIBEIRO 8 0,18%    
*0026 1318 NEWTON LIMA NETO 7 0,16%    
*0027 6565 ALDO REBELO 7 0,16%    
*0028 4074 JEFFERSON CAMPOS 6 0,14%    
*0029 2545 JUNJI ABE 5 0,11%    
*0030 4586 JOSÉ ANIBAL 5 0,11%    
*0031 4577 THAME 4 0,09%    
*0032 5050 IVAN VALENTE 4 0,09%    
*0033 1250 SALVADOR ZIMBALDI 4 0,09%    
*0034 4545 EDSON APARECIDO 4 0,09%    
*0035 4500 CARLOS SAMPAIO 4 0,09%    
*0036 1312 VACCAREZZA 3 0,07%    
*0037 1155 MISSIONÁRIO JOSÉ OLIMPIO 3 0,07%    
*0038 2325 DIMAS RAMALHO 2 0,05%    
*0039 4040 MÁRCIO FRANÇA 2 0,05%    
*0040 4021 LUIZA ERUNDINA 1 0,02%    
*0041 4343 PENNA 1 0,02%    
*0042 4070 ABELARDO CAMARINHA 1 0,02%    
*0043 4315 ROBERTO SANTIAGO 1 0,02%    
*0044 1331 RICARDO BERZOINI 1 0,02%    
*0045 1345 VANDERLEI SIRAQUE 1 0,02%    
*0046 4000 JONAS DONIZETTE 1 0,02%    
*0047 4363 RICARDO IZAR 1 0,02%    
*0048 2323 ROBERTO FREIRE 0 0,00%    
*0049 1387 JANETE PIETÁ 0 0,00%    
*0050 4525 DIB 0 0,00%    
*0051 4565 TRIPOLI 0 0,00%    
*0052 2345 ARNALDO JARDIM 0 0,00%    
*0053 4515 EMANUEL FERNANDES 0 0,00%    
*0054 1390 VICENTINHO 0 0,00%    
*0055 4096 OTA 0 0,00%    
*0056 1321 FILIPPI 0 0,00%    
*0057 1301 VICENTE CANDIDO 0 0,00%    
*0058 2255 MILTON MONTI 0 0,00%    
*0059 2590 GUILHERME CAMPOS 0 0,00%    
*0060 1316 CARLINHOS ALMEIDA 0 0,00%    
*0061 1353 JILMAR TATTO 0 0,00%    
*0062 4344 ROBERTO DE LUCENA 0 0,00%    
*0063 4517 MARA GABRILLI 0 0,00%    
*0064 1023 OTONIEL LIMA 0 0,00%    
*0065 1133 ALINE CORREA 0 0,00%    
*0066 2012 MARCELO AGUIAR 0 0,00%    
*0067 2577 ELI CORREA FILHO 0 0,00%    
*0068 4547 LUIZ FERNANDO MACHADO 0 0,00%    
*0069 4585 BRUNA FURLAN 0 0,00%    
*0070 2513 ALEXANDRE LEITE 0 0,00%    
71 1199 VADÃO 892 20,14%    
72 4530 ALBERTO MOURAO 68 1,53%    
73 4334 ANA PAULA JUNQUEIRA 40 0,90%    
74 1127 LAURINDO BARNARDES 37 0,84%    
75 2020 REGIS DE OLIVEIRA 35 0,79%    
76 1302 PROFESSOR JAIR BALESTRA 22 0,50%    
77 3638 PAES DE LIRA 21 0,47%    
78 1515 EDUARDO COELHO 20 0,45%    
79 4540 SILVIO TORRES 17 0,38%    
80 4045 DRA. ROSIANE FARIAS 17 0,38%    
81 4020 CAPITÃO AUGUSTO 17 0,38%    
82 2321 WILLIAM WOO 17 0,38%    
83 1236 MANOEL ANTUNES 16 0,36%    
84 4541 TIRSO MEIRELLES 10 0,23%    
85 1366 RENATO SIMÕES 10 0,23%    
86 1112 RUBENEUTON OLIVEIRA LIMA 9 0,20%    
87 6513 CÉLIO TURINO 8 0,18%    
88 1530 SERGIO KOBRA 8 0,18%    
89 1313 GENOINO 7 0,16%    
90 4354 J FARIA 7 0,16%    
91 4307 VICENTE DA UPA 6 0,14%    
92 2588 DR ELEUSES PAIVA 6 0,14%    
93 4512 LOBBE NETO 6 0,14%    
94 2520 KIKO DO KLB 6 0,14%    
95 4336 EVANDRO GUSSI 6 0,14%    
96 4080 DR. UBIALI 5 0,11%    
97 2310 EDGAR EDUCACAO 5 0,11%    
98 2511 JORGINHO MALULY 5 0,11%    
99 2530 LUCIANO ARTIOLI 5 0,11%    
100 1400 CLAURY 4 0,09%    
101 2599 WALTER IHOSHI 4 0,09%    
102 1500 PAULO LIMA 4 0,09%    
103 4455 PROFESSOR MUNHOZ 3 0,07%    
104 1378 MARIA LUCIA PRANDI 3 0,07%    
105 4551 VANDERLEI MACRIS 3 0,07%    
106 4060 VANDIR MOGNON 3 0,07%    
107 4321 ZICA 3 0,07%    
108 4510 STANGARLINI 3 0,07%    
109 4381 WILLIANS MARCOS 3 0,07%    
110 4514 MANOEL MARCOS (MANÉ) 3 0,07%    
111 1166 SILVIA MARIA 3 0,07%    
112 1145 ADHEMAR DE BARROS FILHO 2 0,05%    
113 1119 CAPITÃO GOMES 2 0,05%    
114 1319 TEREZINHA RONDELLI 2 0,05%    
115 4556 RAFAEL ABUD 2 0,05%    
116 1190 CAPITÃO CRIVELARI 2 0,05%    
117 4023 CHINELO 2 0,05%    
118 1202 KIM 2 0,05%    
119 2040 PR. LUIZ LEMOS 2 0,05%    
120 1300 IVANIO BATISTA 2 0,05%    
121 4007 MARCELINHO CARIOCA 2 0,05%    
122 3607 SERGIO SAINT 2 0,05%    
123 1474 DR ANDRE ROCHA 2 0,05%    
124 4444 DR. MARCIO ABBUD 2 0,05%    
125 1969 CAMERON BRASIL 2 0,05%    
126 1220 KAREN HEINS 2 0,05%    
127 2212 AGNALDO TIMOTEO 1 0,02%    
128 4318 SAMBIASE 1 0,02%    
129 1340 TENENTE PAZ 1 0,02%    
130 2540 CHICO PELUCIO 1 0,02%    
131 2529 ZULAIÊ COBRA 1 0,02%    
132 4312 DANIEL MARINS 1 0,02%    
133 4386 JOSE SILVÉRIO 1 0,02%    
134 1362 REGINALDO PERNAMBUCANO 1 0,02%    
135 1222 PEDRO BAPTISTINI 1 0,02%    
136 1533 DR. AJURICABA 1 0,02%    
137 4099 MIGUEL SAMPAIO 1 0,02%    
138 1121 RENATO REICHANN 1 0,02%    
139 4456 TONIOLO 1 0,02%    
140 2333 JOSE ONERIO 1 0,02%    
141 2088 MANOEL GASPAR 1 0,02%    
142 4523 CARLOS ROBERTO 1 0,02%    
143 4055 DRA. ELAINE 1 0,02%    
144 4433 ZÉ CRI 1 0,02%    
145 4330 MARIA DOLORES 1 0,02%    
146 4511 RAUL CHRISTIANO 1 0,02%    
147 3640 JAIR AVELINO 1 0,02%    
148 1361 ARCELINO ARAUJO 1 0,02%    
149 4352 JOSÉ ALEXANDRE RIBEIRO 1 0,02%    
150 1512 PAULINHO SOBRAL 1 0,02%    
151 6500 DR. ABELHA 1 0,02%    
152 1555 LÉO OLIVEIRA 1 0,02%    
153 1234 DR LUIZ CHIAPARINE 1 0,02%    
154 1320 GERSON SARTORI 1 0,02%    
155 3311 MARQUINHO 1 0,02%    
156 1113 ANGINHO DOS TECLADOS 1 0,02%    
157 1367 PROFESSOR MOREIRA 1 0,02%    
158 2080 TONHO BAIANO 1 0,02%    
159 1290 VALDEVAN NOVENTA 1 0,02%    
160 1414 ROBSON TUMA 1 0,02%    
161 4337 TOFFANO 1 0,02%    
162 2250 LUCIANA COSTA 1 0,02%    
163 1143 DRA ADRIANA DA COSTA 1 0,02%    
164 1200 PH 1 0,02%    
165 2023 NEY SANTOS 1 0,02%    
166 6510 GUSTAVO PETTA 1 0,02%    
167 1525 LIMA JUNIOR 1 0,02%    
             
ELEIÇÕES 2010 URANIA – SP GOVERNADOR    
Seq. Núm. Candidato Votação %    
1 45 GERALDO ALCKMIN 2.383 50,64%    
2 13 ALOIZIO MERCADANTE 2.036 43,26%    
3 43 FABIO FELDMANN 101 2,15%    
4 11 CELSO RUSSOMANNO 100 2,12%    
5 40 SKAF 85 1,81%    
6 29 ANAI CAPRONI 1 0,02%    
7 16 MANCHA 0 0,00%    
8 21 IGOR GRABOIS 0 0,00%    
9 50 PAULO BUFALO 0 0,00%    
             
ELEIÇÕES 2010 URANIA SP – DEPUTADO ESTADUAL    
Seq. Núm. Candidato Votação    
*0001 45400 ANALICE FERNANDES 1.298 27,97%    
*0002 15300 ITAMAR BORGES 1.166 25,13%    
*0003 13121 ANA PERUGINI 144 3,10%    
*0004 13622 JOÃO PAULO RILLO 110 2,37%    
*0005 25199 ESTEVAM GALVAO 100 2,16%    
*0006 45232 CARLÃO PIGNATARI 96 2,07%    
*0007 25122 ALDO DEMARCHI 90 1,94%    
*0008 23123 DAVI ZAIA 87 1,88%    
*0009 13199 ANTONIO MENTOR 43 0,93%    
*0010 25005 ANDRE SOARES 34 0,73%    
*0011 12181 MAJOR OLIMPIO 32 0,69%    
*0012 10321 SEBASTIÃO SANTOS 25 0,54%    
*0013 25118 EDMIR CHEDID 22 0,47%    
*0014 45633 PAULO ALEXANDRE BARBOSA 20 0,43%    
*0015 14140 CAMPOS MACHADO 19 0,41%    
*0016 43134 RITA PASSOS 18 0,39%    
*0017 45545 BARROS MUNHOZ 17 0,37%    
*0018 43007 FELICIANO 16 0,34%    
*0019 13113 EDINHO SILVA 12 0,26%    
*0020 13123 ZICO 8 0,17%    
*0021 43363 REINALDO ALGUZ 8 0,17%    
*0022 15113 CARUSO 8 0,17%    
*0023 25558 GIL ARANTES 7 0,15%    
*0024 43433 REGINA GONÇALVES 7 0,15%    
*0025 13134 SIMÃO PEDRO 7 0,15%    
*0026 20112 PR. CARLOS CEZAR 7 0,15%    
*0027 45145 BRUNO COVAS 7 0,15%    
*0028 15000 BALEIA ROSSI 5 0,11%    
*0029 11111 CURIATI 4 0,09%    
*0030 45555 CELSO GIGLIO 4 0,09%    
*0031 13640 JOSÉ CANDIDO 3 0,06%    
*0032 12345 RAFAEL SILVA 3 0,06%    
*0033 50789 CARLOS GIANNAZI 2 0,04%    
*0034 45451 CAUÊ MACRIS 2 0,04%    
*0035 20633 RODRIGO MORAES 2 0,04%    
*0036 14235 CORONEL EDSON FERRARINI 1 0,02%    
*0037 13131 MARCOS MARTINS 1 0,02%    
*0038 23456 GONDIM 1 0,02%    
*0039 40023 BOLÇONE 1 0,02%    
*0040 13222 ADRIANO DIOGO 1 0,02%    
*0041 43001 GIRIBONI 1 0,02%    
*0042 25255 MILTON VIEIRA 1 0,02%    
*0043 13310 LUIZ CLAUDIO MARCOLINO 1 0,02%    
*0044 13800 LUIZ MOURA 1 0,02%    
*0045 43333 DR. ULYSSES 0 0,00%    
*0046 45123 WELSON GASPARINI 0 0,00%    
*0047 45160 ARY FOSSEN 0 0,00%    
*0048 45156 ROBERTO ENGLER 0 0,00%    
*0049 13156 RUI FALCÃO 0 0,00%    
*0050 45477 ROBERTO MASSAFERA 0 0,00%    
*0051 65035 LECI BRANDÃO 0 0,00%    
*0052 13004 TELMA DE SOUZA 0 0,00%    
*0053 45100 PEDRO TOBIAS 0 0,00%    
*0054 15622 JOOJI HATO 0 0,00%    
*0055 45114 MARIA LÚCIA AMARY 0 0,00%    
*0056 14160 ROQUE BARBIERE – ROQUINHO 0 0,00%    
*0057 13611 ISAC REIS 0 0,00%    
*0058 45111 GERALDO VINHOLI 0 0,00%    
*0059 45125 MAURO BRAGATO 0 0,00%    
*0060 13290 HAMILTON PEREIRA 0 0,00%    
*0061 13147 GERALDO CRUZ 0 0,00%    
*0062 45200 CÉLIA LEÃO 0 0,00%    
*0063 13632 ANA DO CARMO 0 0,00%    
*0064 25011 GILSON DE SOUZA 0 0,00%    
*0065 45157 CELINO 0 0,00%    
*0066 43033 CHICO SARDELLI 0 0,00%    
*0067 12133 JOSE BITTENCOURT 0 0,00%    
*0068 14222 HEROILMA SOARES TAVARES 0 0,00%    
*0069 23623 ROBERTO MORAIS 0 0,00%    
*0070 65123 PEDRO BIGARDI 0 0,00%    
*0071 20200 ADILSON ROSSI 0 0,00%    
*0072 43135 PADRE AFONSO 0 0,00%    
*0073 13644 JOÃO ANTONIO 0 0,00%    
*0074 13114 ENIO TATTO 0 0,00%    
*0075 13130 MARCO AURÉLIO DE SOUZA 0 0,00%    
*0076 10123 GILMACI SANTOS 0 0,00%    
*0077 45780 MARCOS ZERBINI 0 0,00%    
*0078 45245 SAMUEL MOREIRA 0 0,00%    
*0079 40123 ED THOMAS 0 0,00%    
*0080 45610 HELIO NISHIMOTO 0 0,00%    
*0081 45700 FERNANDO CAPEZ 0 0,00%    
*0082 43477 PASTOR DILMO DOS SANTOS 0 0,00%    
*0083 13112 GERSON BITTENCOURT 0 0,00%    
*0084 13690 CARLOS GRANA 0 0,00%    
*0085 13913 DONISETE BRAGA 0 0,00%    
*0086 45321 CARLOS BEZERRA JR. 0 0,00%    
*0087 12123 ROGERIO NOGUEIRA 0 0,00%    
*0088 22999 ANDRE DO PRADO 0 0,00%    
*0089 45680 ORLANDO MORANDO 0 0,00%    
*0090 20688 MARCOS NEVES 0 0,00%    
*0091 13570 ALENCAR 0 0,00%    
*0092 25250 MILTON LEITE FILHO 0 0,00%    
*0093 23423 ALEX MANENTE 0 0,00%    
*0094 40789 VINICIUS CAMARINHA 0 0,00%    
95 40999 DR. PAULO MARIANI 146 3,15%    
96 45300 CASSIO NAVARRO 63 1,36%    
97 12612 CONSTANCIA FELIX 47 1,01%    
98 40404 DR. JULIANO PRANDI 38 0,82%    
99 13456 BETH SAHAO 37 0,80%    
100 20220 RENATO PUPO 30 0,65%    
101 12000 AURELIO 24 0,52%    
102 65165 DAVI RAMOS 24 0,52%    
103 13400 ROBERTO FELICIO 18 0,39%    
104 13613 BRENO CORTELLA 17 0,37%    
105 23540 PROFESSOR ZE MARIA 15 0,32%    
106 15012 THIAGO FERRARI 15 0,32%    
107 43222 BRAZ ALBERTINI 14 0,30%    
108 11051 VALDIR PINHEIRO 12 0,26%    
109 14747 WALDIR AGNELLO 12 0,26%    
110 45198 JOSE BORANGA 11 0,24%    
111 45155 CLOVIS CHAVES 9 0,19%    
112 40211 SARGENTO OHNO 9 0,19%    
113 40321 DR. JOSÉ RICARDO 9 0,19%    
114 45000 HELIO RUBENS 8 0,17%    
115 15010 BEBETTO 7 0,15%    
116 23333 VITOR SAPIENZA 6 0,13%    
117 14138 CONTE LOPES 6 0,13%    
118 13680 SÉRGIO DESIDERÁ 5 0,11%    
119 40223 HILKIAS 4 0,09%    
120 14714 PROFESSORA ALBA LUCENA 4 0,09%    
121 12333 BRUZAROSCO 4 0,09%    
122 11369 VALDIR MARIN 4 0,09%    
123 23110 ADEMIR DA GUIA 3 0,06%    
124 45666 GILSON BARRETO 3 0,06%    
125 65789 HELIFAX 3 0,06%    
126 40777 ROMUALDO 3 0,06%    
127 45010 UBIRAJARA GUIMARÃES 3 0,06%    
128 45500 VICTOR KOBAYASHI 3 0,06%    
129 25125 FERNANDO LUCAS 3 0,06%    
130 13713 FAUSTO FIGUEIRA 2 0,04%    
131 20700 EDUARDO MARTINS 2 0,04%    
132 65670 TAVARES 2 0,04%    
133 12250 JOCA VASCONCELOS 2 0,04%    
134 17787 UDARIO 2 0,04%    
135 23523 ESTEVÃO 2 0,04%    
136 45045 EVANDRO LOSACCO 2 0,04%    
137 11999 PAULERA 2 0,04%    
138 11200 RAIMUNDO DA AÇÃO 2 0,04%    
139 15001 DRA ADRIANA 2 0,04%    
140 13678 PROF. ROMAZZINI 2 0,04%    
141 14300 DR ANTONIO KHOURI 2 0,04%    
142 43400 FLAVIO OLIVEIRA 2 0,04%    
143 13000 ANDERSON SILVA 2 0,04%    
144 25800 LEANDRO DO KLB 2 0,04%    
145 17123 DR. COIMBRA 1 0,02%    
146 12456 HELIO BASTOS 1 0,02%    
147 43045 RICARDO CASTILHO 1 0,02%    
148 11150 PEBA 1 0,02%    
149 23789 ELZO SIGUETA 1 0,02%    
150 13300 EUVANILDE 1 0,02%    
151 25190 MACEDO BASTOS 1 0,02%    
152 22000 WALTER GOMES 1 0,02%    
153 45444 DRA MARY 1 0,02%    
154 20222 JOÃO BINATO 1 0,02%    
155 65533 PROFESSOR FLAVIO DELMANTO 1 0,02%    
156 15900 MAURO INÁCIO 1 0,02%    
157 43434 LIA 1 0,02%    
158 22222 ZE PEDRO 1 0,02%    
159 45235 DILADOR BORGES 1 0,02%    
160 11211 RIBEIRÃO 1 0,02%    
161 45001 PROFESSOR BETO VARUSSA 1 0,02%    
162 10100 VALDIR OLIVEIRA 1 0,02%    
163 45456 JOÃO SANZOVO 1 0,02%    
164 14500 TARDELLI 1 0,02%    
165 15150 PROF. CANDIDO 1 0,02%    
166 15600 ANGELA RAMALHO 1 0,02%    
167 12127 LUIZ ARRAES 1 0,02%    
168 65010 PAULINHO MOREBEM 1 0,02%    
169 25000 DARIO SAADI 1 0,02%    
170 13025 VALMIR PRASCIDELLI 1 0,02%    
171 14888 GILBERTO DO PRIMAVERA 1 0,02%    
172 11300 FARIA JR 1 0,02%    
173 13133 ELI TEODORO 1 0,02%    
174 45455 CONCCI MARCO 1 0,02%    
175 14014 LÉO ÁQUILLA 1 0,02%    
176 12100 DINEI 1 0,02%    
177 65400 PRISCILA VAUTIER 1 0,02%    
178 43000 GENTIL 1 0,02%    
179 65013 ERLEI ALIADO 1 0,02%    
180 15199 DANILO GARCIA 1 0,02%    
181 65436 EDU CAMARGO 1 0,02%    
182 15015 DU TONIN 1 0,02%    
183 13120 RAFAEL MARINHO 1 0,02%    
184 36222 FILIPE MARTINS 1 0,02%    

Eleições 2010 Santa Salete – SP, resultados do 1º e 2º turnos.

SANTA SALETE  2010 – PRESIDENTE DA REPÚBLICA
      1º TURNO 2º TURNO
Seq. Núm. Candidato Votação % Votação %
1 13 DILMA 488 44,57% 550 50,09%
2 45 JOSÉ SERRA 455 41,55% 548 49,91%
3 43 MARINA SILVA 143 13,06%    
4 50 PLÍNIO 8 0,73%    
5 16 ZÉ MARIA 1 0,09%    
6 27 EYMAEL 0 0,00%    
7 21 IVAN PINHEIRO 0 0,00%    
8 28 LEVY FIDELIX 0 0,00%    
9 29 RUI COSTA PIMENTA 0 0,00%    
             
SANTA SALETE 2010 – SENADORES    
Seq. Núm. Candidato Votação    
*0001 451 ALOYSIO NUNES 587 38,09%    
*0002 133 MARTA SUPLICY 330 21,41%    
3 650 NETINHO 306 19,86%    
4 141 ROMEU TUMA 184 11,94%    
5 430 RICARDO YOUNG 85 5,52%    
6 360 CIRO 16 1,04%    
7 500 MARCELO HENRIQUE 14 0,91%    
8 177 MOACYR FRANCO 9 0,58%    
9 111 DR. REDÓ 7 0,45%    
10 160 ANA LUIZA 2 0,13%    
11 400 SERPA 1 0,06%    
12 212 ERNESTO PICHLER 0 0,00%    
13 211 MAZZEO 0 0,00%    
14 161 DIRCEU TRAVESSO 0 0,00%    
15 290 AFONSO TEIXEIRA 0 0,00%    
             
SANTA SALETE 2010 – DEPUTADOS FEDERAIS    
Seq. Núm. Candidato Votação    
*0001 2525 RODRIGO GARCIA 230 22,31%    
*0002 1523 EDINHO ARAUJO 215 20,85%    
*0003 4555 JULIO SEMEGHINI 78 7,57%    
*0004 1010 ANTONIO BULHÕES 23 2,23%    
*0005 1332 JOSÉ MENTOR 22 2,13%    
*0006 2222 TIRIRICA 22 2,13%    
*0007 4311 DR. SINVAL MALHEIROS 19 1,84%    
*0008 1211 JOÃO DADO 17 1,65%    
*0009 2233 PR PAULO FREIRE 11 1,07%    
*0010 1369 DEVANIR RIBEIRO 8 0,78%    
*0011 4030 GABRIEL CHALITA 8 0,78%    
*0012 2010 MARCO FELICIANO 7 0,68%    
*0013 1434 NELSON MARQUEZELLI 6 0,58%    
*0014 2513 ALEXANDRE LEITE 6 0,58%    
*0015 2500 JORGE TADEU 4 0,39%    
*0016 6565 ALDO REBELO 4 0,39%    
*0017 4545 EDSON APARECIDO 4 0,39%    
*0018 1452 ARNALDO FARIA DE SÁ 3 0,29%    
*0019 1322 ARLINDO CHINAGLIA 3 0,29%    
*0020 2345 ARNALDO JARDIM 3 0,29%    
*0021 1212 PAULINHO DA FORÇA 3 0,29%    
*0022 1325 JOÃO PAULO CUNHA 3 0,29%    
*0023 6588 DELEGADO PROTÓGENES 3 0,29%    
*0024 1331 RICARDO BERZOINI 3 0,29%    
*0025 4300 GUILHERME MUSSI 3 0,29%    
*0026 1155 MISSIONÁRIO JOSÉ OLIMPIO 2 0,19%    
*0027 1370 ZARATTINI 2 0,19%    
*0028 4585 BRUNA FURLAN 2 0,19%    
*0029 2323 ROBERTO FREIRE 1 0,10%    
*0030 5050 IVAN VALENTE 1 0,10%    
*0031 4565 TRIPOLI 1 0,10%    
*0032 4567 VAZ DE LIMA 1 0,10%    
*0033 1301 VICENTE CANDIDO 1 0,10%    
*0034 1353 JILMAR TATTO 1 0,10%    
*0035 4021 LUIZA ERUNDINA 0 0,00%    
*0036 2545 JUNJI ABE 0 0,00%    
*0037 4343 PENNA 0 0,00%    
*0038 4577 THAME 0 0,00%    
*0039 1387 JANETE PIETÁ 0 0,00%    
*0040 4525 DIB 0 0,00%    
*0041 4586 JOSÉ ANIBAL 0 0,00%    
*0042 2299 VALDEMAR COSTA NETO 0 0,00%    
*0043 4070 ABELARDO CAMARINHA 0 0,00%    
*0044 1318 NEWTON LIMA NETO 0 0,00%    
*0045 2325 DIMAS RAMALHO 0 0,00%    
*0046 1250 SALVADOR ZIMBALDI 0 0,00%    
*0047 1312 VACCAREZZA 0 0,00%    
*0048 4515 EMANUEL FERNANDES 0 0,00%    
*0049 1390 VICENTINHO 0 0,00%    
*0050 4096 OTA 0 0,00%    
*0051 1321 FILIPPI 0 0,00%    
*0052 4315 ROBERTO SANTIAGO 0 0,00%    
*0053 1345 VANDERLEI SIRAQUE 0 0,00%    
*0054 1398 PAULO TEIXEIRA 0 0,00%    
*0055 2255 MILTON MONTI 0 0,00%    
*0056 2590 GUILHERME CAMPOS 0 0,00%    
*0057 4500 CARLOS SAMPAIO 0 0,00%    
*0058 4040 MÁRCIO FRANÇA 0 0,00%    
*0059 1316 CARLINHOS ALMEIDA 0 0,00%    
*0060 4554 DUARTE NOGUEIRA 0 0,00%    
*0061 4074 JEFFERSON CAMPOS 0 0,00%    
*0062 4000 JONAS DONIZETTE 0 0,00%    
*0063 4344 ROBERTO DE LUCENA 0 0,00%    
*0064 4517 MARA GABRILLI 0 0,00%    
*0065 4363 RICARDO IZAR 0 0,00%    
*0066 1023 OTONIEL LIMA 0 0,00%    
*0067 1133 ALINE CORREA 0 0,00%    
*0068 2012 MARCELO AGUIAR 0 0,00%    
*0069 2577 ELI CORREA FILHO 0 0,00%    
*0070 4547 LUIZ FERNANDO MACHADO 0 0,00%    
71 1199 VADÃO 116 11,25%    
72 1302 PROFESSOR JAIR BALESTRA 35 3,39%    
73 2020 REGIS DE OLIVEIRA 24 2,33%    
74 1220 KAREN HEINS 10 0,97%    
75 1127 LAURINDO BARNARDES 7 0,68%    
76 4540 SILVIO TORRES 6 0,58%    
77 4020 CAPITÃO AUGUSTO 6 0,58%    
78 4334 ANA PAULA JUNQUEIRA 6 0,58%    
79 1313 GENOINO 3 0,29%    
80 1310 IARA BERNARDI 3 0,29%    
81 1119 CAPITÃO GOMES 2 0,19%    
82 4513 FELICIDADE 2 0,19%    
83 4321 ZICA 2 0,19%    
84 4099 MIGUEL SAMPAIO 2 0,19%    
85 3638 PAES DE LIRA 2 0,19%    
86 1500 PAULO LIMA 2 0,19%    
87 1236 MANOEL ANTUNES 1 0,10%    
88 4563 GIVALDO VIEIRA 1 0,10%    
89 1333 PROF. CARLÃO RAMIRO 1 0,10%    
90 1580 JOÃO SARACENI 1 0,10%    
91 4307 VICENTE DA UPA 1 0,10%    
92 1551 REGA 1 0,10%    
93 1533 DR. AJURICABA 1 0,10%    
94 2310 EDGAR EDUCACAO 1 0,10%    
95 1400 CLAURY 1 0,10%    
96 1513 BONFÁ 1 0,10%    
97 2599 WALTER IHOSHI 1 0,10%    
98 1311 LARGUESA 1 0,10%    
99 1530 SERGIO KOBRA 1 0,10%    
100 1516 PILTON RIOS 1 0,10%    
101 1525 LIMA JUNIOR 1 0,10%    
             
ELEIÇÕES 2010 SANTA SALETE – SP GOVERNADOR    
Seq. Núm. Candidato Votação %    
*0001 45 GERALDO ALCKMIN 551 52,28%    
2 13 ALOIZIO MERCADANTE 433 41,08%    
3 43 FABIO FELDMANN 27 2,56%    
4 11 CELSO RUSSOMANNO 24 2,28%    
5 40 SKAF 19 1,80%    
6 16 MANCHA 0 0,00%    
7 21 IGOR GRABOIS 0 0,00%    
8 29 ANAI CAPRONI 0 0,00%    
9 50 PAULO BUFALO 0 0,00%    
             
ELEIÇÕES 2010 SANTA SALETE SP – DEPUTADO ESTADUAL    
Seq. Núm. Candidato Votação    
*0001 15300 ITAMAR BORGES 330 31,13%    
*0002 45400 ANALICE FERNANDES 315 29,72%    
*0003 25199 ESTEVAM GALVAO 30 2,83%    
*0004 45232 CARLÃO PIGNATARI 27 2,55%    
*0005 13622 JOÃO PAULO RILLO 25 2,36%    
*0006 40023 BOLÇONE 20 1,89%    
*0007 10321 SEBASTIÃO SANTOS 18 1,70%    
*0008 45633 PAULO ALEXANDRE BARBOSA 16 1,51%    
*0009 13123 ZICO 13 1,23%    
*0010 25558 GIL ARANTES 13 1,23%    
*0011 23123 DAVI ZAIA 12 1,13%    
*0012 13113 EDINHO SILVA 12 1,13%    
*0013 25005 ANDRE SOARES 6 0,57%    
*0014 14140 CAMPOS MACHADO 5 0,47%    
*0015 12181 MAJOR OLIMPIO 5 0,47%    
*0016 45700 FERNANDO CAPEZ 5 0,47%    
*0017 43134 RITA PASSOS 4 0,38%    
*0018 13199 ANTONIO MENTOR 3 0,28%    
*0019 43007 FELICIANO 3 0,28%    
*0020 13121 ANA PERUGINI 3 0,28%    
*0021 25118 EDMIR CHEDID 2 0,19%    
*0022 45145 BRUNO COVAS 2 0,19%    
*0023 20633 RODRIGO MORAES 2 0,19%    
*0024 14235 CORONEL EDSON FERRARINI 1 0,09%    
*0025 45123 WELSON GASPARINI 1 0,09%    
*0026 45545 BARROS MUNHOZ 1 0,09%    
*0027 12345 RAFAEL SILVA 1 0,09%    
*0028 45100 PEDRO TOBIAS 1 0,09%    
*0029 15000 BALEIA ROSSI 1 0,09%    
*0030 11111 CURIATI 0 0,00%    
*0031 43333 DR. ULYSSES 0 0,00%    
*0032 45160 ARY FOSSEN 0 0,00%    
*0033 45555 CELSO GIGLIO 0 0,00%    
*0034 13640 JOSÉ CANDIDO 0 0,00%    
*0035 45156 ROBERTO ENGLER 0 0,00%    
*0036 13156 RUI FALCÃO 0 0,00%    
*0037 25122 ALDO DEMARCHI 0 0,00%    
*0038 45477 ROBERTO MASSAFERA 0 0,00%    
*0039 65035 LECI BRANDÃO 0 0,00%    
*0040 13004 TELMA DE SOUZA 0 0,00%    
*0041 13131 MARCOS MARTINS 0 0,00%    
*0042 23456 GONDIM 0 0,00%    
*0043 15622 JOOJI HATO 0 0,00%    
*0044 13222 ADRIANO DIOGO 0 0,00%    
*0045 45114 MARIA LÚCIA AMARY 0 0,00%    
*0046 14160 ROQUE BARBIERE – ROQUINHO 0 0,00%    
*0047 13611 ISAC REIS 0 0,00%    
*0048 43001 GIRIBONI 0 0,00%    
*0049 45111 GERALDO VINHOLI 0 0,00%    
*0050 45125 MAURO BRAGATO 0 0,00%    
*0051 13290 HAMILTON PEREIRA 0 0,00%    
*0052 13147 GERALDO CRUZ 0 0,00%    
*0053 45200 CÉLIA LEÃO 0 0,00%    
*0054 13632 ANA DO CARMO 0 0,00%    
*0055 25011 GILSON DE SOUZA 0 0,00%    
*0056 45157 CELINO 0 0,00%    
*0057 43033 CHICO SARDELLI 0 0,00%    
*0058 12133 JOSE BITTENCOURT 0 0,00%    
*0059 14222 HEROILMA SOARES TAVARES 0 0,00%    
*0060 23623 ROBERTO MORAIS 0 0,00%    
*0061 65123 PEDRO BIGARDI 0 0,00%    
*0062 20200 ADILSON ROSSI 0 0,00%    
*0063 43135 PADRE AFONSO 0 0,00%    
*0064 13644 JOÃO ANTONIO 0 0,00%    
*0065 13114 ENIO TATTO 0 0,00%    
*0066 13130 MARCO AURÉLIO DE SOUZA 0 0,00%    
*0067 10123 GILMACI SANTOS 0 0,00%    
*0068 43433 REGINA GONÇALVES 0 0,00%    
*0069 50789 CARLOS GIANNAZI 0 0,00%    
*0070 25255 MILTON VIEIRA 0 0,00%    
*0071 43363 REINALDO ALGUZ 0 0,00%    
*0072 45780 MARCOS ZERBINI 0 0,00%    
*0073 45245 SAMUEL MOREIRA 0 0,00%    
*0074 40123 ED THOMAS 0 0,00%    
*0075 45610 HELIO NISHIMOTO 0 0,00%    
*0076 13134 SIMÃO PEDRO 0 0,00%    
*0077 43477 PASTOR DILMO DOS SANTOS 0 0,00%    
*0078 13112 GERSON BITTENCOURT 0 0,00%    
*0079 13690 CARLOS GRANA 0 0,00%    
*0080 15113 CARUSO 0 0,00%    
*0081 13913 DONISETE BRAGA 0 0,00%    
*0082 45321 CARLOS BEZERRA JR. 0 0,00%    
*0083 12123 ROGERIO NOGUEIRA 0 0,00%    
*0084 22999 ANDRE DO PRADO 0 0,00%    
*0085 13310 LUIZ CLAUDIO MARCOLINO 0 0,00%    
*0086 20112 PR. CARLOS CEZAR 0 0,00%    
*0087 13800 LUIZ MOURA 0 0,00%    
*0088 45680 ORLANDO MORANDO 0 0,00%    
*0089 20688 MARCOS NEVES 0 0,00%    
*0090 13570 ALENCAR 0 0,00%    
*0091 25250 MILTON LEITE FILHO 0 0,00%    
*0092 23423 ALEX MANENTE 0 0,00%    
*0093 40789 VINICIUS CAMARINHA 0 0,00%    
*0094 45451 CAUÊ MACRIS 0 0,00%    
95 40999 DR. PAULO MARIANI 15 1,42%    
96 43222 BRAZ ALBERTINI 5 0,47%    
97 15010 BEBETTO 5 0,47%    
98 45010 UBIRAJARA GUIMARÃES 5 0,47%    
99 25125 FERNANDO LUCAS 5 0,47%    
100 12612 CONSTANCIA FELIX 4 0,38%    
101 65789 HELIFAX 4 0,38%    
102 45300 CASSIO NAVARRO 4 0,38%    
103 13400 ROBERTO FELICIO 3 0,28%    
104 13678 PROF. ROMAZZINI 2 0,19%    
105 20220 RENATO PUPO 2 0,19%    
106 40404 DR. JULIANO PRANDI 2 0,19%    
107 45789 MILTON DALLARI 1 0,09%    
108 13300 EUVANILDE 1 0,09%    
109 45155 CLOVIS CHAVES 1 0,09%    
110 11123 DR. SERGIO CHEBEL 1 0,09%    
111 65670 TAVARES 1 0,09%    
112 12000 AURELIO 1 0,09%    
113 13789 TITO 1 0,09%    
114 45000 HELIO RUBENS 1 0,09%    
115 23523 ESTEVÃO 1 0,09%    
116 13456 BETH SAHAO 1 0,09%    
117 23010 BRAZ 1 0,09%    
118 11999 PAULERA 1 0,09%    
119 15500 MARIA DO CARMO GUILHERME 1 0,09%    
120 43153 NAVAL PELA GUARDA MUNICIPAL 1 0,09%    
121 65165 DAVI RAMOS 1 0,09%    
122 23233 DR. TÚLIO 1 0,09%    
123 40777 ROMUALDO 1 0,09%    
124 11300 FARIA JR 1 0,09%    
125 14433 SIVALDO FAISCA 1 0,09%    
126 45500 VICTOR KOBAYASHI 1 0,09%    

Eleições 2010 Aspásia – SP, resultados completos 1º e 2º turnos

ASPÁSIA  2010 – PRESIDENTE DA REPÚBLICA
      1º TURNO 2º TURNO
Seq. Núm. Candidato Votação % Votação %
1 45 JOSÉ SERRA 692 49,50% 730 52,76%
2 13 DILMA 633 45,28% 653 47,22%
3 43 MARINA SILVA 68 4,86%    
4 50 PLÍNIO 2 0,14%    
5 16 ZÉ MARIA 2 0,14%    
6 21 IVAN PINHEIRO 1 0,07%    
7 27 EYMAEL 0 0,00%    
8 28 LEVY FIDELIX 0 0,00%    
9 29 RUI COSTA PIMENTA 0 0,00%    
             
ASPÁSIA  2010 – SENADORES    
Seq. Núm. Candidato Votação    
*0001 451 ALOYSIO NUNES 774 34,11%    
*0002 133 MARTA SUPLICY 495 21,82%    
3 650 NETINHO 453 19,96%    
4 141 ROMEU TUMA 436 19,22%    
5 430 RICARDO YOUNG 92 4,05%    
6 177 MOACYR FRANCO 8 0,35%    
7 360 CIRO 4 0,18%    
8 111 DR. REDÓ 3 0,13%    
9 400 SERPA 2 0,09%    
10 160 ANA LUIZA 1 0,04%    
11 500 MARCELO HENRIQUE 1 0,04%    
12 212 ERNESTO PICHLER 0 0,00%    
13 211 MAZZEO 0 0,00%    
14 161 DIRCEU TRAVESSO 0 0,00%    
15 290 AFONSO TEIXEIRA 0 0,00%    
             
ASPASIA 2010 – DEPUTADOS FEDERAIS    
Seq. Núm. Candidato Votação    
*0001 4555 JULIO SEMEGHINI 519 38,99%    
*0002 1369 DEVANIR RIBEIRO 144 10,82%    
*0003 2525 RODRIGO GARCIA 102 7,66%    
*0004 1325 JOÃO PAULO CUNHA 38 2,85%    
*0005 4030 GABRIEL CHALITA 33 2,48%    
*0006 1523 EDINHO ARAUJO 23 1,73%    
*0007 1211 JOÃO DADO 19 1,43%    
*0008 1434 NELSON MARQUEZELLI 17 1,28%    
*0009 2222 TIRIRICA 16 1,20%    
*0010 2010 MARCO FELICIANO 13 0,98%    
*0011 1322 ARLINDO CHINAGLIA 10 0,75%    
*0012 2513 ALEXANDRE LEITE 9 0,68%    
*0013 4567 VAZ DE LIMA 8 0,60%    
*0014 2233 PR PAULO FREIRE 8 0,60%    
*0015 4300 GUILHERME MUSSI 8 0,60%    
*0016 4311 DR. SINVAL MALHEIROS 7 0,53%    
*0017 4586 JOSÉ ANIBAL 5 0,38%    
*0018 1155 MISSIONÁRIO JOSÉ OLIMPIO 4 0,30%    
*0019 1312 VACCAREZZA 3 0,23%    
*0020 1332 JOSÉ MENTOR 2 0,15%    
*0021 6565 ALDO REBELO 2 0,15%    
*0022 4545 EDSON APARECIDO 2 0,15%    
*0023 4500 CARLOS SAMPAIO 2 0,15%    
*0024 4585 BRUNA FURLAN 2 0,15%    
*0025 2323 ROBERTO FREIRE 1 0,08%    
*0026 2500 JORGE TADEU 1 0,08%    
*0027 1212 PAULINHO DA FORÇA 1 0,08%    
*0028 1345 VANDERLEI SIRAQUE 1 0,08%    
*0029 1316 CARLINHOS ALMEIDA 1 0,08%    
*0030 1010 ANTONIO BULHÕES 1 0,08%    
*0031 1023 OTONIEL LIMA 1 0,08%    
*0032 4021 LUIZA ERUNDINA 0 0,00%    
*0033 2545 JUNJI ABE 0 0,00%    
*0034 4343 PENNA 0 0,00%    
*0035 1452 ARNALDO FARIA DE SÁ 0 0,00%    
*0036 4577 THAME 0 0,00%    
*0037 5050 IVAN VALENTE 0 0,00%    
*0038 1387 JANETE PIETÁ 0 0,00%    
*0039 4525 DIB 0 0,00%    
*0040 2299 VALDEMAR COSTA NETO 0 0,00%    
*0041 4070 ABELARDO CAMARINHA 0 0,00%    
*0042 4565 TRIPOLI 0 0,00%    
*0043 1318 NEWTON LIMA NETO 0 0,00%    
*0044 2325 DIMAS RAMALHO 0 0,00%    
*0045 2345 ARNALDO JARDIM 0 0,00%    
*0046 1250 SALVADOR ZIMBALDI 0 0,00%    
*0047 4515 EMANUEL FERNANDES 0 0,00%    
*0048 1390 VICENTINHO 0 0,00%    
*0049 4096 OTA 0 0,00%    
*0050 1321 FILIPPI 0 0,00%    
*0051 4315 ROBERTO SANTIAGO 0 0,00%    
*0052 6588 DELEGADO PROTÓGENES 0 0,00%    
*0053 1370 ZARATTINI 0 0,00%    
*0054 1301 VICENTE CANDIDO 0 0,00%    
*0055 1331 RICARDO BERZOINI 0 0,00%    
*0056 1398 PAULO TEIXEIRA 0 0,00%    
*0057 2255 MILTON MONTI 0 0,00%    
*0058 2590 GUILHERME CAMPOS 0 0,00%    
*0059 4040 MÁRCIO FRANÇA 0 0,00%    
*0060 4554 DUARTE NOGUEIRA 0 0,00%    
*0061 4074 JEFFERSON CAMPOS 0 0,00%    
*0062 1353 JILMAR TATTO 0 0,00%    
*0063 4000 JONAS DONIZETTE 0 0,00%    
*0064 4344 ROBERTO DE LUCENA 0 0,00%    
*0065 4517 MARA GABRILLI 0 0,00%    
*0066 4363 RICARDO IZAR 0 0,00%    
*0067 1133 ALINE CORREA 0 0,00%    
*0068 2012 MARCELO AGUIAR 0 0,00%    
*0069 2577 ELI CORREA FILHO 0 0,00%    
*0070 4547 LUIZ FERNANDO MACHADO 0 0,00%    
71 1199 VADÃO 71 5,33%    
72 1515 EDUARDO COELHO 32 2,40%    
73 1313 GENOINO 29 2,18%    
74 2020 REGIS DE OLIVEIRA 25 1,88%    
75 4540 SILVIO TORRES 11 0,83%    
76 4321 ZICA 7 0,53%    
77 4530 ALBERTO MOURAO 7 0,53%    
78 4020 CAPITÃO AUGUSTO 6 0,45%    
79 4007 MARCELINHO CARIOCA 6 0,45%    
80 4334 ANA PAULA JUNQUEIRA 5 0,38%    
81 4336 EVANDRO GUSSI 4 0,30%    
82 4326 HELIVANE BOTELHO DA SILVEIRA 3 0,23%    
83 4080 DR. UBIALI 2 0,15%    
84 4511 RAUL CHRISTIANO 2 0,15%    
85 1302 PROFESSOR JAIR BALESTRA 2 0,15%    
86 1719 WANDERLEIA MARIM 2 0,15%    
87 4563 GIVALDO VIEIRA 1 0,08%    
88 4050 TONINHO GARMS 1 0,08%    
89 1362 REGINALDO PERNAMBUCANO 1 0,08%    
90 1333 PROF. CARLÃO RAMIRO 1 0,08%    
91 1127 LAURINDO BARNARDES 1 0,08%    
92 4307 VICENTE DA UPA 1 0,08%    
93 1700 DANIEL CALDEIRA 1 0,08%    
94 2515 PROFESSOR BENJAMIN 1 0,08%    
95 3638 PAES DE LIRA 1 0,08%    
96 2333 JOSE ONERIO 1 0,08%    
97 2555 MANDIC 1 0,08%    
98 2522 CRESPO 1 0,08%    
99 1509 NENÊ MONTANHER 1 0,08%    
100 2332 ARI FRIEDENBACH 1 0,08%    
101 4514 MANOEL MARCOS (MANÉ) 1 0,08%    
102 4541 TIRSO MEIRELLES 1 0,08%    
103 1335 ROGÉRIO PINTO 1 0,08%    
104 1315 HELCIO SILVA 1 0,08%    
105 1555 LÉO OLIVEIRA 1 0,08%    
106 1511 MARCOS TENÓRIO 1 0,08%    
107 1112 RUBENEUTON OLIVEIRA LIMA 1 0,08%    
108 1234 DR LUIZ CHIAPARINE 1 0,08%    
109 4355 DONIZETI PEREIRA 1 0,08%    
110 4550 DR. MARCELO 1 0,08%    
111 4003 ROGÉRIO EMÍLIO 1 0,08%    
112 1401 ALEXANDRE COSTA 1 0,08%    
113 4340 ALE YOUSSEF 1 0,08%    
114 5075 MARIANA CONTI 1 0,08%    
             
ELEIÇÕES 2010 ASPASIA – SP GOVERNADOR    
Seq. Núm. Candidato Votação %    
*0001 45 GERALDO ALCKMIN 778 56,83%    
2 13 ALOIZIO MERCADANTE 570 41,64%    
3 43 FABIO FELDMANN 10 0,73%    
4 40 SKAF 8 0,58%    
5 11 CELSO RUSSOMANNO 3 0,22%    
6 16 MANCHA 0 0,00%    
7 21 IGOR GRABOIS 0 0,00%    
8 29 ANAI CAPRONI 0 0,00%    
9 50 PAULO BUFALO 0 0,00%    
             
ELEIÇÕES 2010 ASPÁSIA SP – DEPUTADO ESTADUAL    
Seq. Núm. Candidato Votação    
*0001 45400 ANALICE FERNANDES 505 36,92%    
*0002 13123 ZICO 132 9,65%    
*0003 15300 ITAMAR BORGES 109 7,97%    
*0004 45633 PAULO ALEXANDRE BARBOSA 101 7,38%    
*0005 45145 BRUNO COVAS 38 2,78%    
*0006 14140 CAMPOS MACHADO 31 2,27%    
*0007 45232 CARLÃO PIGNATARI 31 2,27%    
*0008 23123 DAVI ZAIA 30 2,19%    
*0009 40023 BOLÇONE 24 1,75%    
*0010 25558 GIL ARANTES 21 1,54%    
*0011 25118 EDMIR CHEDID 18 1,32%    
*0012 43134 RITA PASSOS 11 0,80%    
*0013 43363 REINALDO ALGUZ 9 0,66%    
*0014 13622 JOÃO PAULO RILLO 7 0,51%    
*0015 12181 MAJOR OLIMPIO 6 0,44%    
*0016 20633 RODRIGO MORAES 4 0,29%    
*0017 45700 FERNANDO CAPEZ 3 0,22%    
*0018 45555 CELSO GIGLIO 2 0,15%    
*0019 25199 ESTEVAM GALVAO 2 0,15%    
*0020 13199 ANTONIO MENTOR 2 0,15%    
*0021 15000 BALEIA ROSSI 2 0,15%    
*0022 13156 RUI FALCÃO 1 0,07%    
*0023 65035 LECI BRANDÃO 1 0,07%    
*0024 12345 RAFAEL SILVA 1 0,07%    
*0025 13131 MARCOS MARTINS 1 0,07%    
*0026 15622 JOOJI HATO 1 0,07%    
*0027 43001 GIRIBONI 1 0,07%    
*0028 43007 FELICIANO 1 0,07%    
*0029 10123 GILMACI SANTOS 1 0,07%    
*0030 50789 CARLOS GIANNAZI 1 0,07%    
*0031 11111 CURIATI 0 0,00%    
*0032 14235 CORONEL EDSON FERRARINI 0 0,00%    
*0033 43333 DR. ULYSSES 0 0,00%    
*0034 45123 WELSON GASPARINI 0 0,00%    
*0035 45160 ARY FOSSEN 0 0,00%    
*0036 13640 JOSÉ CANDIDO 0 0,00%    
*0037 45156 ROBERTO ENGLER 0 0,00%    
*0038 25122 ALDO DEMARCHI 0 0,00%    
*0039 45477 ROBERTO MASSAFERA 0 0,00%    
*0040 13004 TELMA DE SOUZA 0 0,00%    
*0041 45545 BARROS MUNHOZ 0 0,00%    
*0042 45100 PEDRO TOBIAS 0 0,00%    
*0043 23456 GONDIM 0 0,00%    
*0044 13222 ADRIANO DIOGO 0 0,00%    
*0045 45114 MARIA LÚCIA AMARY 0 0,00%    
*0046 14160 ROQUE BARBIERE – ROQUINHO 0 0,00%    
*0047 13611 ISAC REIS 0 0,00%    
*0048 45111 GERALDO VINHOLI 0 0,00%    
*0049 45125 MAURO BRAGATO 0 0,00%    
*0050 13290 HAMILTON PEREIRA 0 0,00%    
*0051 13147 GERALDO CRUZ 0 0,00%    
*0052 45200 CÉLIA LEÃO 0 0,00%    
*0053 13632 ANA DO CARMO 0 0,00%    
*0054 25011 GILSON DE SOUZA 0 0,00%    
*0055 45157 CELINO 0 0,00%    
*0056 43033 CHICO SARDELLI 0 0,00%    
*0057 12133 JOSE BITTENCOURT 0 0,00%    
*0058 14222 HEROILMA SOARES TAVARES 0 0,00%    
*0059 23623 ROBERTO MORAIS 0 0,00%    
*0060 65123 PEDRO BIGARDI 0 0,00%    
*0061 20200 ADILSON ROSSI 0 0,00%    
*0062 43135 PADRE AFONSO 0 0,00%    
*0063 13644 JOÃO ANTONIO 0 0,00%    
*0064 13114 ENIO TATTO 0 0,00%    
*0065 13130 MARCO AURÉLIO DE SOUZA 0 0,00%    
*0066 43433 REGINA GONÇALVES 0 0,00%    
*0067 25255 MILTON VIEIRA 0 0,00%    
*0068 45780 MARCOS ZERBINI 0 0,00%    
*0069 45245 SAMUEL MOREIRA 0 0,00%    
*0070 40123 ED THOMAS 0 0,00%    
*0071 45610 HELIO NISHIMOTO 0 0,00%    
*0072 13121 ANA PERUGINI 0 0,00%    
*0073 13134 SIMÃO PEDRO 0 0,00%    
*0074 43477 PASTOR DILMO DOS SANTOS 0 0,00%    
*0075 10321 SEBASTIÃO SANTOS 0 0,00%    
*0076 13113 EDINHO SILVA 0 0,00%    
*0077 13112 GERSON BITTENCOURT 0 0,00%    
*0078 13690 CARLOS GRANA 0 0,00%    
*0079 15113 CARUSO 0 0,00%    
*0080 13913 DONISETE BRAGA 0 0,00%    
*0081 45321 CARLOS BEZERRA JR. 0 0,00%    
*0082 12123 ROGERIO NOGUEIRA 0 0,00%    
*0083 22999 ANDRE DO PRADO 0 0,00%    
*0084 13310 LUIZ CLAUDIO MARCOLINO 0 0,00%    
*0085 20112 PR. CARLOS CEZAR 0 0,00%    
*0086 13800 LUIZ MOURA 0 0,00%    
*0087 45680 ORLANDO MORANDO 0 0,00%    
*0088 25005 ANDRE SOARES 0 0,00%    
*0089 20688 MARCOS NEVES 0 0,00%    
*0090 13570 ALENCAR 0 0,00%    
*0091 25250 MILTON LEITE FILHO 0 0,00%    
*0092 23423 ALEX MANENTE 0 0,00%    
*0093 40789 VINICIUS CAMARINHA 0 0,00%    
*0094 45451 CAUÊ MACRIS 0 0,00%    
95 13400 ROBERTO FELICIO 41 3,00%    
96 40999 DR. PAULO MARIANI 14 1,02%    
97 45198 JOSE BORANGA 13 0,95%    
98 43045 RICARDO CASTILHO 12 0,88%    
99 13456 BETH SAHAO 9 0,66%    
100 45300 CASSIO NAVARRO 9 0,66%    
101 45155 CLOVIS CHAVES 4 0,29%    
102 45000 HELIO RUBENS 3 0,22%    
103 20220 RENATO PUPO 3 0,22%    
104 11999 PAULERA 2 0,15%    
105 11369 VALDIR MARIN 2 0,15%    
106 13133 ELI TEODORO 2 0,15%    
107 43453 PROFESSOR EMERSON LIMA 2 0,15%    
108 12378 PROFESSOR VENANCIO 1 0,07%    
109 13789 TITO 1 0,07%    
110 13132 DR. LUIZINHO 1 0,07%    
111 14001 MUG 1 0,07%    
112 14144 VANDO 1 0,07%    
113 12333 BRUZAROSCO 1 0,07%    
114 15500 MARIA DO CARMO GUILHERME 1 0,07%    
115 45002 IVONE FERNANDES 1 0,07%    
116 14888 GILBERTO DO PRIMAVERA 1 0,07%    
117 45455 CONCCI MARCO 1 0,07%    
118 45645 ARTUR ORSI 1 0,07%    
119 14433 SIVALDO FAISCA 1 0,07%    
120 13258 ESTELA ALMAGRO 1 0,07%    
121 43000 GENTIL 1 0,07%    
122 25125 FERNANDO LUCAS 1 0,07%    
123 13040 ENGª MÔNICA BOMBONATO 1 0,07%    
124 50550 RAUL MARCELO 1 0,07%    
125 11000 RICARDO SARAVALLI 1 0,07%    

Eleições 2010 Dirce Reis – SP: resultados do 1º e 2º turnos.

DIRCE REIS 2010 – PRESIDENTE DA REPÚBLICA
      1º TURNO 2º TURNO
Seq. Núm. Candidato Votação % Votação %
1 13 DILMA 554 47,07% 587 50,39%
2 45 JOSÉ SERRA 487 41,38% 578 49,61%
3 43 MARINA SILVA 129 10,96%    
4 50 PLÍNIO 5 0,42%    
5 28 LEVY FIDELIX 2 0,17%    
6 27 EYMAEL 0 0,00%    
7 21 IVAN PINHEIRO 0 0,00%    
8 29 RUI COSTA PIMENTA 0 0,00%    
9 16 ZÉ MARIA 0 0,00%    
             
DIRCE REIS 2010 – SENADORES    
Seq. Núm. Candidato Votação    
*0001 451 ALOYSIO NUNES 785 41,19%    
*0002 133 MARTA SUPLICY 461 24,19%    
3 650 NETINHO 378 19,83%    
4 141 ROMEU TUMA 206 10,81%    
5 430 RICARDO YOUNG 63 3,31%    
6 500 MARCELO HENRIQUE 4 0,21%    
7 177 MOACYR FRANCO 3 0,16%    
8 400 SERPA 3 0,16%    
9 160 ANA LUIZA 2 0,10%    
10 111 DR. REDÓ 1 0,05%    
11 212 ERNESTO PICHLER 0 0,00%    
12 360 CIRO 0 0,00%    
13 211 MAZZEO 0 0,00%    
14 161 DIRCEU TRAVESSO 0 0,00%    
15 290 AFONSO TEIXEIRA 0 0,00%    
             
DIRCE REIS 2010 – DEPUTADOS FEDERAIS    
Seq. Núm. Candidato Votação    
*0001 2525 RODRIGO GARCIA 90 7,93%    
*0002 4555 JULIO SEMEGHINI 81 7,14%    
*0003 1523 EDINHO ARAUJO 72 6,34%    
*0004 1325 JOÃO PAULO CUNHA 46 4,05%    
*0005 4311 DR. SINVAL MALHEIROS 33 2,91%    
*0006 1211 JOÃO DADO 31 2,73%    
*0007 1332 JOSÉ MENTOR 30 2,64%    
*0008 2222 TIRIRICA 25 2,20%    
*0009 4300 GUILHERME MUSSI 18 1,59%    
*0010 2345 ARNALDO JARDIM 11 0,97%    
*0011 4545 EDSON APARECIDO 11 0,97%    
*0012 4030 GABRIEL CHALITA 10 0,88%    
*0013 1370 ZARATTINI 8 0,70%    
*0014 2233 PR PAULO FREIRE 4 0,35%    
*0015 1155 MISSIONÁRIO JOSÉ OLIMPIO 4 0,35%    
*0016 2010 MARCO FELICIANO 4 0,35%    
*0017 2500 JORGE TADEU 3 0,26%    
*0018 4000 JONAS DONIZETTE 3 0,26%    
*0019 2545 JUNJI ABE 2 0,18%    
*0020 1434 NELSON MARQUEZELLI 2 0,18%    
*0021 5050 IVAN VALENTE 2 0,18%    
*0022 4586 JOSÉ ANIBAL 2 0,18%    
*0023 1331 RICARDO BERZOINI 2 0,18%    
*0024 1345 VANDERLEI SIRAQUE 2 0,18%    
*0025 1398 PAULO TEIXEIRA 2 0,18%    
*0026 4585 BRUNA FURLAN 2 0,18%    
*0027 1452 ARNALDO FARIA DE SÁ 1 0,09%    
*0028 2299 VALDEMAR COSTA NETO 1 0,09%    
*0029 4567 VAZ DE LIMA 1 0,09%    
*0030 1250 SALVADOR ZIMBALDI 1 0,09%    
*0031 1312 VACCAREZZA 1 0,09%    
*0032 1212 PAULINHO DA FORÇA 1 0,09%    
*0033 4515 EMANUEL FERNANDES 1 0,09%    
*0034 4040 MÁRCIO FRANÇA 1 0,09%    
*0035 4554 DUARTE NOGUEIRA 1 0,09%    
*0036 1010 ANTONIO BULHÕES 1 0,09%    
*0037 4021 LUIZA ERUNDINA 0 0,00%    
*0038 2323 ROBERTO FREIRE 0 0,00%    
*0039 1369 DEVANIR RIBEIRO 0 0,00%    
*0040 4343 PENNA 0 0,00%    
*0041 4577 THAME 0 0,00%    
*0042 1387 JANETE PIETÁ 0 0,00%    
*0043 4525 DIB 0 0,00%    
*0044 1322 ARLINDO CHINAGLIA 0 0,00%    
*0045 4070 ABELARDO CAMARINHA 0 0,00%    
*0046 4565 TRIPOLI 0 0,00%    
*0047 1318 NEWTON LIMA NETO 0 0,00%    
*0048 2325 DIMAS RAMALHO 0 0,00%    
*0049 6565 ALDO REBELO 0 0,00%    
*0050 1390 VICENTINHO 0 0,00%    
*0051 4096 OTA 0 0,00%    
*0052 1321 FILIPPI 0 0,00%    
*0053 4315 ROBERTO SANTIAGO 0 0,00%    
*0054 6588 DELEGADO PROTÓGENES 0 0,00%    
*0055 1301 VICENTE CANDIDO 0 0,00%    
*0056 2255 MILTON MONTI 0 0,00%    
*0057 2590 GUILHERME CAMPOS 0 0,00%    
*0058 4500 CARLOS SAMPAIO 0 0,00%    
*0059 1316 CARLINHOS ALMEIDA 0 0,00%    
*0060 4074 JEFFERSON CAMPOS 0 0,00%    
*0061 1353 JILMAR TATTO 0 0,00%    
*0062 4344 ROBERTO DE LUCENA 0 0,00%    
*0063 4517 MARA GABRILLI 0 0,00%    
*0064 4363 RICARDO IZAR 0 0,00%    
*0065 1023 OTONIEL LIMA 0 0,00%    
*0066 1133 ALINE CORREA 0 0,00%    
*0067 2012 MARCELO AGUIAR 0 0,00%    
*0068 2577 ELI CORREA FILHO 0 0,00%    
*0069 4547 LUIZ FERNANDO MACHADO 0 0,00%    
*0070 2513 ALEXANDRE LEITE 0 0,00%    
71 1199 VADÃO 306 26,96%    
72 4023 CHINELO 124 10,93%    
73 2020 REGIS DE OLIVEIRA 40 3,52%    
74 2511 JORGINHO MALULY 29 2,56%    
75 4530 ALBERTO MOURAO 6 0,53%    
76 1302 PROFESSOR JAIR BALESTRA 6 0,53%    
77 1530 SERGIO KOBRA 6 0,53%    
78 1333 PROF. CARLÃO RAMIRO 5 0,44%    
79 4354 J FARIA 4 0,35%    
80 4020 CAPITÃO AUGUSTO 4 0,35%    
81 4551 VANDERLEI MACRIS 3 0,26%    
82 4523 CARLOS ROBERTO 3 0,26%    
83 4394 EDUARDO PALHARES 3 0,26%    
84 2599 WALTER IHOSHI 3 0,26%    
85 1236 MANOEL ANTUNES 2 0,18%    
86 1340 TENENTE PAZ 1 0,09%    
87 4043 RUBINHO CAI CAI 1 0,09%    
88 4455 PROFESSOR MUNHOZ 1 0,09%    
89 1119 CAPITÃO GOMES 1 0,09%    
90 4540 SILVIO TORRES 1 0,09%    
91 1127 LAURINDO BARNARDES 1 0,09%    
92 1123 MANOEL MOREIRA 1 0,09%    
93 4080 DR. UBIALI 1 0,09%    
94 4321 ZICA 1 0,09%    
95 4099 MIGUEL SAMPAIO 1 0,09%    
96 1121 RENATO REICHANN 1 0,09%    
97 2588 DR ELEUSES PAIVA 1 0,09%    
98 4570 WALTER FELDMAN 1 0,09%    
99 2555 MANDIC 1 0,09%    
100 1404 CORONEL GOULART 1 0,09%    
101 4511 RAUL CHRISTIANO 1 0,09%    
102 4541 TIRSO MEIRELLES 1 0,09%    
103 1364 CARLOS AQUINO 1 0,09%    
104 2311 SONRISAL 1 0,09%    
105 1112 RUBENEUTON OLIVEIRA LIMA 1 0,09%    
106 1521 DR. PAULO VALENTIM 1 0,09%    
107 1242 CARLOS HENRIQUE 1 0,09%    
108 1414 ROBSON TUMA 1 0,09%    
109 1416 JORGE MARINGOLO 1 0,09%    
110 1225 SAULO GOES 1 0,09%    
111 4501 POPPI 1 0,09%    
112 1220 KAREN HEINS 1 0,09%    
             
ELEIÇÕES 2010 DIRCE REIS – SP GOVERNADOR    
Seq. Núm. Candidato Votação %    
*0001 45 GERALDO ALCKMIN 668 58,04%    
2 13 ALOIZIO MERCADANTE 426 37,01%    
3 11 CELSO RUSSOMANNO 29 2,52%    
4 40 SKAF 17 1,48%    
5 43 FABIO FELDMANN 11 0,96%    
6 16 MANCHA 0 0,00%    
7 21 IGOR GRABOIS 0 0,00%    
8 29 ANAI CAPRONI 0 0,00%    
9 50 PAULO BUFALO 0 0,00%    
             
ELEIÇÕES 2010 DIRCE REIS SP – DEPUTADO ESTADUAL    
Seq. Núm. Candidato Votação    
             
*0001 45400 ANALICE FERNANDES 265 22,59%    
*0002 15300 ITAMAR BORGES 177 15,09%    
*0003 25558 GIL ARANTES 67 5,71%    
*0004 25118 EDMIR CHEDID 56 4,77%    
*0005 13622 JOÃO PAULO RILLO 29 2,47%    
*0006 45232 CARLÃO PIGNATARI 27 2,30%    
*0007 15113 CARUSO 21 1,79%    
*0008 23123 DAVI ZAIA 13 1,11%    
*0009 14140 CAMPOS MACHADO 12 1,02%    
*0010 43134 RITA PASSOS 12 1,02%    
*0011 45545 BARROS MUNHOZ 11 0,94%    
*0012 13123 ZICO 6 0,51%    
*0013 13199 ANTONIO MENTOR 6 0,51%    
*0014 12181 MAJOR OLIMPIO 4 0,34%    
*0015 50789 CARLOS GIANNAZI 3 0,26%    
*0016 45700 FERNANDO CAPEZ 3 0,26%    
*0017 13113 EDINHO SILVA 3 0,26%    
*0018 45633 PAULO ALEXANDRE BARBOSA 3 0,26%    
*0019 25122 ALDO DEMARCHI 2 0,17%    
*0020 14160 ROQUE BARBIERE – ROQUINHO 2 0,17%    
*0021 25005 ANDRE SOARES 2 0,17%    
*0022 11111 CURIATI 1 0,09%    
*0023 45555 CELSO GIGLIO 1 0,09%    
*0024 13640 JOSÉ CANDIDO 1 0,09%    
*0025 12345 RAFAEL SILVA 1 0,09%    
*0026 45100 PEDRO TOBIAS 1 0,09%    
*0027 40023 BOLÇONE 1 0,09%    
*0028 45610 HELIO NISHIMOTO 1 0,09%    
*0029 10321 SEBASTIÃO SANTOS 1 0,09%    
*0030 13112 GERSON BITTENCOURT 1 0,09%    
*0031 45451 CAUÊ MACRIS 1 0,09%    
*0032 14235 CORONEL EDSON FERRARINI 0 0,00%    
*0033 43333 DR. ULYSSES 0 0,00%    
*0034 45123 WELSON GASPARINI 0 0,00%    
*0035 45160 ARY FOSSEN 0 0,00%    
*0036 25199 ESTEVAM GALVAO 0 0,00%    
*0037 45156 ROBERTO ENGLER 0 0,00%    
*0038 13156 RUI FALCÃO 0 0,00%    
*0039 45477 ROBERTO MASSAFERA 0 0,00%    
*0040 65035 LECI BRANDÃO 0 0,00%    
*0041 13004 TELMA DE SOUZA 0 0,00%    
*0042 13131 MARCOS MARTINS 0 0,00%    
*0043 23456 GONDIM 0 0,00%    
*0044 15622 JOOJI HATO 0 0,00%    
*0045 13222 ADRIANO DIOGO 0 0,00%    
*0046 45114 MARIA LÚCIA AMARY 0 0,00%    
*0047 13611 ISAC REIS 0 0,00%    
*0048 43001 GIRIBONI 0 0,00%    
*0049 45111 GERALDO VINHOLI 0 0,00%    
*0050 45125 MAURO BRAGATO 0 0,00%    
*0051 13290 HAMILTON PEREIRA 0 0,00%    
*0052 13147 GERALDO CRUZ 0 0,00%    
*0053 45200 CÉLIA LEÃO 0 0,00%    
*0054 13632 ANA DO CARMO 0 0,00%    
*0055 25011 GILSON DE SOUZA 0 0,00%    
*0056 45157 CELINO 0 0,00%    
*0057 43033 CHICO SARDELLI 0 0,00%    
*0058 43007 FELICIANO 0 0,00%    
*0059 12133 JOSE BITTENCOURT 0 0,00%    
*0060 14222 HEROILMA SOARES TAVARES 0 0,00%    
*0061 23623 ROBERTO MORAIS 0 0,00%    
*0062 65123 PEDRO BIGARDI 0 0,00%    
*0063 20200 ADILSON ROSSI 0 0,00%    
*0064 43135 PADRE AFONSO 0 0,00%    
*0065 13644 JOÃO ANTONIO 0 0,00%    
*0066 13114 ENIO TATTO 0 0,00%    
*0067 13130 MARCO AURÉLIO DE SOUZA 0 0,00%    
*0068 10123 GILMACI SANTOS 0 0,00%    
*0069 43433 REGINA GONÇALVES 0 0,00%    
*0070 25255 MILTON VIEIRA 0 0,00%    
*0071 43363 REINALDO ALGUZ 0 0,00%    
*0072 45780 MARCOS ZERBINI 0 0,00%    
*0073 45245 SAMUEL MOREIRA 0 0,00%    
*0074 40123 ED THOMAS 0 0,00%    
*0075 13121 ANA PERUGINI 0 0,00%    
*0076 13134 SIMÃO PEDRO 0 0,00%    
*0077 43477 PASTOR DILMO DOS SANTOS 0 0,00%    
*0078 13690 CARLOS GRANA 0 0,00%    
*0079 13913 DONISETE BRAGA 0 0,00%    
*0080 45321 CARLOS BEZERRA JR. 0 0,00%    
*0081 12123 ROGERIO NOGUEIRA 0 0,00%    
*0082 22999 ANDRE DO PRADO 0 0,00%    
*0083 13310 LUIZ CLAUDIO MARCOLINO 0 0,00%    
*0084 20112 PR. CARLOS CEZAR 0 0,00%    
*0085 13800 LUIZ MOURA 0 0,00%    
*0086 15000 BALEIA ROSSI 0 0,00%    
*0087 45680 ORLANDO MORANDO 0 0,00%    
*0088 20688 MARCOS NEVES 0 0,00%    
*0089 13570 ALENCAR 0 0,00%    
*0090 25250 MILTON LEITE FILHO 0 0,00%    
*0091 23423 ALEX MANENTE 0 0,00%    
*0092 40789 VINICIUS CAMARINHA 0 0,00%    
*0093 45145 BRUNO COVAS 0 0,00%    
*0094 20633 RODRIGO MORAES 0 0,00%    
95 40999 DR. PAULO MARIANI 66 5,63%    
96 13400 ROBERTO FELICIO 63 5,37%    
97 45010 UBIRAJARA GUIMARÃES 37 3,15%    
98 13456 BETH SAHAO 26 2,22%    
99 45155 CLOVIS CHAVES 25 2,13%    
100 43045 RICARDO CASTILHO 21 1,79%    
101 25125 FERNANDO LUCAS 17 1,45%    
102 20220 RENATO PUPO 12 1,02%    
103 12222 CARLAO MOTORISTA 11 0,94%    
104 45300 CASSIO NAVARRO 6 0,51%    
105 20020 DR. CLAUDIO MIRANDA 5 0,43%    
106 40157 DR. ANTONIO COSTA 5 0,43%    
107 40404 DR. JULIANO PRANDI 5 0,43%    
108 23523 ESTEVÃO 3 0,26%    
109 15010 BEBETTO 3 0,26%    
110 45045 EVANDRO LOSACCO 3 0,26%    
111 11300 FARIA JR 3 0,26%    
112 23333 VITOR SAPIENZA 2 0,17%    
113 20700 EDUARDO MARTINS 2 0,17%    
114 15013 DR. ITAMAR 2 0,17%    
115 43777 SÉRGIO CONTENTE 2 0,17%    
116 15012 THIAGO FERRARI 2 0,17%    
117 11991 CELSO LIMA 1 0,09%    
118 22222 ZE PEDRO 1 0,09%    
119 45198 JOSE BORANGA 1 0,09%    
120 45000 HELIO RUBENS 1 0,09%    
121 25123 JOAO MELLAO NETO 1 0,09%    
122 17500 VALDOMIRO VENTURA 1 0,09%    
123 11211 RIBEIRÃO 1 0,09%    
124 12333 BRUZAROSCO 1 0,09%    
125 11369 VALDIR MARIN 1 0,09%    
126 40401 GUILHERME NONATO 1 0,09%    
127 23500 BARROS 1 0,09%    
128 43010 PAULLO VIEIRA 1 0,09%    
129 13490 ADINAN ORTOLAN 1 0,09%    
130 11130 JOSE MENINO NETO 1 0,09%    
131 45450 THIAGO LOBO 1 0,09%    
132 13413 RAFAEL AGOSTINI 1 0,09%    
%d blogueiros gostam disto: