Silvio Tendler lança documentário sobre os impactos dos agrotóxicos no Brasil

 

Do MST Nacional (19/07/11)

O Comitê do Rio de Janeiro da Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e pela Vida convida para o lançamento do mais novo documentário de Silvio Tendler: “O veneno está na mesa”.

O filme mostra o perigo a que se está exposto por conta do emprego de agrotóxicos na agricultura, e como este modelo beneficia as grandes transnacionais do veneno em detrimento da saúde da população.

A exibição será no dia 25 de julho, segunda-feira, às 20h, no Teatro Casa Grande.

Depois da exibição do filme (50 min), haverá debate com a participação do diretor, de Letícia Rodrigues da Silva, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e Alexandre Pessoa, da Fiocruz.

A mediação será feita pela agrônoma Nívia Regina, do MST-Via Campesina, e integrante da coordenação nacional da campanha.

Sinopse

O Brasil é o país do mundo que mais consome agrotóxicos: 5,2 litros/ano por habitante. Muitos desses herbicidas, fungicidas e pesticidas que consumimos estão proibidos em quase todo mundo pelo risco que representam à saúde pública.

O perigo é tanto para os trabalhadores, que manipulam os venenos, quanto para os
cidadãos, que consumem os produtos agrícolas. Só quem lucra são as transnacionais que fabricam os agrotóxicos. A idéia do filme é mostrar à população como estamos nos alimentando mal e perigosamente, por conta de um modelo agrário perverso, baseado no agronegócio.

A entrada é franca.

Esse evento faz parte das comemorações dos 45 anos do histórico Teatro Casa Grande que terá, a cada mês, sempre às 20h, uma palestra sobre temas do Brasil e de nossa inserção no mundo.

Não é necessário inscrição prévia: é só chegar antes da hora do início e aproveitar para visitar, no local, a pequena livraria da Editora Expressão Popular (www.expressaopopular.com.br). Estacionamento, PAGO, no Shopping Leblon.

O Teatro Oi Casa Grande (http://oicasagrande.oi.com.br/) fica na Rua Afrânio de Melo Franco, 290, Leblon.

Organização

Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida – RJ

Escola Nacional Florestan Fernandes (ENFF – http://amigosenff.org.br/site/),

Instituto Casa Grande (ICG – http://institutocasagrande.wordpress.com/)

Jornal de Cultura e Política Algo a Dizer (www.algoadizer.com.br), que está publicando as transcrições das palestras na íntegra.

Esta será a sexta palestra do ciclo que teve o professor Emir Sader em março, João Pedro Stédile, dirigente do MST, em abril, o embaixador Samuel Pinheiro Guimarães em maio, Aleida Guevara em junho e, dia 18 de julho, o reitor da UFRJ Aluísio Teixeira.

Anúncios

Brasil vai mostrar modelo de merenda escolar para 5 países

Em parceria com a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) vai promover um curso para fortalecer as políticas e programas de alimentação escolar em cinco países da América Latina: Bolívia, Nicarágua, Guatemala, El Salvador e Honduras.
Voltada para gestores e técnicos estrangeiros que trabalham com alimentação escolar, a capacitação terá um total de 200 horas, sendo 160 horas de estudo a distância e 40 horas de forma presencial.
Para ministrar os cursos, a FAO e o FNDE realizarão, de segunda-feira até quinta, em Brasília, uma capacitação para os coordenadores nacionais de cada um dos cinco países envolvidos. “A intenção é partir da experiência brasileira, que é um exemplo mundial de boa prática na alimentação escolar, refletir sobre as próprias políticas e apontar caminhos a seguir”, afirma Juarez Calil, consultor do projeto FNDE/FAO.
Os cursos em cada país também começam na próxima semana, com atividades ligadas ao aprendizado da plataforma Moodle, de ensino a distância. No dia 25, os coordenadores nacionais formados em Brasília assumem a tutoria de seus cursos e vão multiplicar os ensinamentos recebidos na área de alimentação escolar em seus países.
Publicado originalmente no osamigosdopresidentelula c/ Informações Terra

José Graziano é eleito diretor-geral da FAO (via @pauloteixeira13)


O brasileiro José Graziano da Silva foi eleito neste domingo (26/06) o novo diretor-geral da FAO (Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação), de acordo com o Ministério das Relações Exteriores do Brasil, em mensagem no Twitter. Ele desbancou o espanhol Miguel Angel Moratinos — por 90 votos a 88 — que havia permanecido com ele para a segunda rodada de votações. Graziano da Silva agora substituiu o senegalês Jacques Diouf no cargo.

Visivelmente emocionado, Graziano afirmou que o resultado da votação “foi um exercício democrático”. Ele declarou neste que a partir de agora não é o candidato do Brasil, mas o diretor-geral de todos os países-membros do organismo da ONU, de acordo com a Agência Efe.

Na primeira rodada, Graziano da Silva teve 77 votos e Moratinos, 72. Com isso, o candidato iraniano Mohammad Saeid Noori Naeini, que conseguiu apenas dois votos, e o indonésio Indroyono Soesilo, que ganhou 12, retiraram suas candidaturas. Dos 191 países membros, 179 votaram e, como ninguém recebeu a maioria absoluta, os membros da FAO passaram diretamente à segunda ronda de votação.

A delegação brasileira em Roma é formada por cinco ministros e um secretário executivo.  O ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, comanda o grupo – formado pelos ministros do Desenvolvimento Agrário, Afonso Florence; da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Wagner Rossi; do Meio Ambiente, Izabella Teixeira; da Pesca, Luiz Sérgio, além do secretário executivo do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Rômulo Paes de Sousa.

Graziano da Silva ficará no cargo até 1º de janeiro de 2015.

 

Biografia

Formado em agronomia e com pós-doutorado em estudos latino-americanos pela Universidade da Califórnia, o ex-ministro, de 61 anos, há três décadas e meia dedica-se ao estudo de questões relacionadas ao desenvolvimento rural e à luta contra a fome.

Para a erradicação da fome e da pobreza no mundo, Graziano defende parcerias por meio de programas bem-sucedidos no mundo, que serão usados como meios para atenuar tensões e conflitos. Segundo ele, os confrontos podem ser resolvidos por meio da geração de oportunidades.

Na primeira etapa do governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Graziano foi o coordenador das ações para a implantação do Programa Fome Zero no país, sendo nomeado  ministro de Segurança Alimentar e Combate à Fome. Pelos dados oficiais, o programas reduziu a desnutrição no Brasil e retirou milhares de famílias da faixa de pobreza absoluta.

Há cinco anos, Graziano foi indicado pelo governo para ser o o representante regional da FAO para a América Latina e o Caribe e subdiretor-geral da organização.

(Do Opera Mundi)

%d blogueiros gostam disto: