PSDB, petróleo e interesse nacional:um antagonismo inconciliável

Saul Leblon – Carta Capital

No seminário dos dez anos de governo do PT, realizado nesta 3ª feira, em Porto Alegre, o ex-presidente Lula fez uma ponderação interessante:

‘Quando você ficar em dúvida, feche os olhos, imagine o que seria o Brasil de hoje sem os dez anos de governo do PT’.

Um bom começo é dar de barato que José Serra venceu as eleições em 2002 e seria reeleito em 2006, fazendo o sucessor em 2010.

Nesse Brasil imaginário, caso a Petrobras ainda resistisse, reservas imensas de petróleo seriam descobertas em 2009.

A seis mil metros abaixo da superfície do oceano, o Brasil seria premiado com uma poupança equivalente a 50 bilhões de barris. As maiores descobertas de petróleo do século 21.

O que Serra faria com elas não é preciso imaginar.

Basta reler despachos de dezembro de 2009, da embaixada norte-americana no Brasil, revelados pelo WikiLeaks.

Matéria da ‘Folha de S.Paulo’, de 13/12/2010 transcreveu o teor desses documentos.

Neles, o tucano explicita as consequências para o Brasil, caso as urnas de 2010 transformassem em realidade o país imaginário proposto por Lula.

Trechos da matéria da Folha intitulada ‘Petroleiras foram contra novas regras para pré-sal’:

“Segundo telegrama do WikiLeaks, Serra prometeu alterar regras caso vencesse. Assessor do tucano na campanha confirma que candidato era contrário à mudança do marco regulatório do petróleo (realizada por Lula).

As petroleiras americanas não queriam a mudança no marco de exploração de petróleo no pré-sal que o governo aprovou no Congresso, e uma delas ouviu do então pré-candidato favorito à Presidência, José Serra (PSDB), a promessa de que a regra seria alterada caso ele vencesse.

“Deixa esses caras [do PT] fazerem o que eles quiserem. As rodadas de licitações não vão acontecer, e aí nós vamos mostrar a todos que o modelo antigo funcionava… E nós mudaremos de volta”, disse Serra a Patricia Pradal, diretora de Desenvolvimento de Negócios e Relações com o Governo da petroleira norte-americana Chevron, segundo relato do telegrama.

O texto diz que Serra se opõe ao projeto, mas não tem “senso de urgência”. Questionado sobre o que as petroleiras fariam nesse meio tempo, Serra respondeu, sempre segundo o relato: “Vocês vão e voltam”.

A mudança no marco regulatório do pré-sal, que Serra prometia reverter, restituiu à Petrobras o controle integral de todo o processo de extração, refino e comercialização, esfarelado em 1997, quando o PSDB rompeu o monopólio.

Desde então, a exploração passaria a ser regida pelo modelo de concessão em que a empresa vencedora dos campos licitados se torna a proprietária soberana de todo o óleo.

Em síntese, o Estado deixa de exercer qualquer controle sobre o processo.

No modelo de partilha do pré-sal, que teve oposição virulenta do conservadorismo, a Petrobras ganhou duas vantagens: será a operadora exclusiva dos campos e terá, no mínimo, 30% de participação nos consórcios que exercerem a exploração.

O óleo extraído será dividido com o país. A presença direta da Petrobrás impedirá manipulações.

Mais importante que tudo: a estatal definirá o ritmo da extração, de modo a viabilizar a pedra basilar do novo marco regulatório.

A regra de ouro consiste em tornar o pré-sal uma alavanca industrializante, capaz de deflagrar um salto de inovação no parque fabril brasileiro.

Cerca de 60% a 70% dos bens e equipamentos requeridos em todo o ciclo de exploração terão que ser adquiridos de fabricante local.

O fracasso desse modelo conta com uma poderosa torcida incrustrada em diferentes setores da economia, da política e da mídia. Local e internacional.

O Brasil que Lula convida a especular felizmente não aconteceu. Mas seus atores potenciais não desistiram de protagonizá-lo.

Um fiasco da Petrobrás no pré-sal é tido por eles como o atalho capaz de materializar a relação de forças que as urnas descartaram em 2002, 2006 e 2010.

Na 5ª feira da semana passada, o arguto José Serra reafirmou essa esperança em um artigo no Estadão em que reitera a incompatibilidade histórica do PSDB com o petróleo brasileiro. Trata-se de uma espécie de atualização histórica do antagonismo entre a UDN e o desenvolvimentismo.

O texto sugere o nome de Lula ao Guinness World Records.

Motivo: o ex-presidente teria empurrado a Petrobrás a uma situação de pré-insolvência, entre outras razões, por ter modificado a regulação herdada do PSDB, no caso das reservas do pré-sal.

Trechos do artigo de Serra, publicado na edição de 09/05/2012 do jornal:

“Em palestra recente afirmei que o ex-presidente Lula mereceria pelo menos três verbetes no Guinness World Records. O primeiro por ter levado à pré-insolvência a Petrobras, apesar de ser monopolista, a demanda por seus produtos ser inelástica, os preços internacionais, altos e as reservas conhecidas, elevadas. Fez a proeza de levar a maior empresa do País à pior situação desde que foi criada, há 60 anos. Promoveu o congelamento de seus preços em reais, instaurou uma administração de baixa qualidade e conduziu a privatização da estatal em benefício de partidos e sindicatos, com o PT no centro. Esse condomínio realizou investimentos mal feitos e/ou estranhos, sempre a preços inflados; queimou o patrimônio da Petrobras na Bolívia; promoveu previsões irrealistas sobre o horizonte produtivo do pré-sal e fulminou, para essa área, o modelo de concessão, trocando-o pelo de partilha, que exige da empresa ampliação de capacidade financeira, administrativa e gerencial impossível de se materializar”.

O tucano causou frisson na rede conservadora, recebendo rasgados elogios daqueles que o consideram dotado de um tirocínio econômico privilegiado.

Três dias depois de sepultada no mausoléu dos grandes fracassos nacionais, a Petrobrás ressuscitou no noticiário.

O mármore da lápide onde o coveiro tucano gravou seu artigo do Estadão dissolveu-se, então, sob o peso de US$ 11 bilhões de dólares.

A montanha de dinheiro foi captada no mercado internacional com a venda de seis tranches diferentes de títulos da Petrobrás, com vencimentos variáveis que se estendem até 2043.

A demanda dos investidores internacionais teria alcançado US$ 40 bilhões, excesso que a estatal declinou.

Os maiores bancos e fundos internacionais negligenciaram a perspicaz avaliação do PSDB e de seu eterno presidenciável sobre a higidez presente e futura da Petrobras, do Brasil e do modelo de extração do pré-sal, que lastreia papeis com horizonte de vencimento de até 30 anos.

Não só. Nesta 3ª feira, infelizmente pelo modelo de concessão ainda vigente em áreas externas ao pré-sal, dezenas de empresas se apresentaram para arrematar campos leiloados pela Petrobras em diferentes regiões brasileiras.

O investimento previsto é de R$ 7 bilhões.

O que evidencia esse exercício frugal de rememoração, inspirado no convite de Lula, é a frivolidade quase caricatural com que o PSDB e seus ventríloquos torturam as palavras ‘desastre’, ‘fracasso’ e ‘crise’, de modo a vesti-las no país e num governo, cujos flancos existem.

Mas, por certo, não serão aqueles diagnosticados por Serra; e tampouco passíveis de superação com a receita conhecida dos herdeiros do udenismo.

Lula e Dilma na frente. Bye-bye Supremo !

O Globope reforça a tese deste ansioso blog: o candidato da elite (es-pecialmente a separatista, de SP) é e sempre será o Cerra. Ele é o rei do recall.

Saiu no Globope, segundo o Estadão:

Dilma supera Lula em pesquisa Ibope sobre a eleição presidencial de 2014

Na pesquisa espontânea, ou seja, sem que o Globope oferecesse nomes aos pesquisados, a dupla Lula Dilma – ou Dilma Lula, é absoluta: tem 47% (ou, 28% para Dilma e 19% para Lula). PHA

Do lado da oposição, apenas três nomes superaram o traço na espontânea: dois tucanos, José Serra (4%) e Aécio Neves (3%), e uma ex-presidenciável que está sem partido, Marina Silva (2%). Juntos, os demais nomes citados somam 2%.

A taxa dos que não souberam dizer, espontaneamente, em quem votariam para presidente se a eleição fosse hoje chegou a 39%.  (…)

Faltando dois anos para a eleição, o total de 44% de eleitores sem candidato é baixo, em comparação a outros pleitos.

Em fevereiro de 2010, oito meses antes de irem às urnas para escolher o sucessor de Lula, 52% não tinham candidato na ponta da língua (Ibope) – e outros 23% citavam o nome do então presidente, que era inelegível. Na prática, só 1 a cada 4 eleitores sabia dizer, espontaneamente, o nome de um candidato viável.

Hoje, segundo o mesmo Ibope, nada menos do que 55% dos eleitores têm o nome de um presidenciável viável na ponta da língua – e 4 de cada 5 desses eleitores citam Dilma ou Lula.

(…)

O que não muda é o fato de o Ibope mostrar que, em dois anos de governo, Dilma deixou de ser um “poste” plantado por Lula, e passou a ter luz própria. O fato de ela liderar sozinha na pesquisa espontânea mostra que seu desempenho no cargo a transformou em candidata natural à própria sucessão, independentemente de Lula.

A presidente é mais citada espontaneamente no Nordeste (31%), na classe C (27%), nas cidades com menos de 100 mil habitantes, por jovens de 16 a 24 anos (31%), por quem tem escolaridade intermediária (29% entre quem cursou até da 5.ª à 8.ª série). Lula vai melhor entre os mais velhos e entre os mais pobres.

(…)

Navalha

O Globope foi às ruas entre 8 e 12 de novembro, quando o Dirceu e o Genoino eram trucidados, sem provas.

Quando prevalecia a versão do jornal nacional, que dedicou ao enforcamento 18′.

O Supremo bem que se esforçou: descreveu a Política como um “jogo desenfreado” e pregou a República dos sábios e puros de Platão: a dos ministros do Supremo.

Porém, o Supremo não elegeu o Cerra em São Paulo.

Nem atingiu o Lula (que já disse que não é candidato) ou a Dilma (que é a candidata, inclusive do PSB).

Clique aqui para ler o que disse o Ciro.

O Globope reforça a tese muitas vezes confirmada deste ansioso blog: o candidato da elite (especialmente a separatista, de São Paulo) é e sempre será o Padim Pade Cerra.

Ele é o rei do recall.

E de recall em recall, com mais grana e mais PiG (*), ele pouco a pouco afoga o Aécio Never na praia do Lido, de Copacabana.

Se, até lá, o Cerra continuar inimputável e o brindeiro Gurgel não investigar a denúncia de aceleração do patrimônio do Aécio em Minas.

Em tempo: o Conversa Afiada não leva essas pesquisas a sério. Trata delas para extrair o significado político que elas querem impôr. O Estadão, por exemplo. Pegou essa pesquisa aí e destacou o fato de o nome da Dilma ser mais citado que o do Lula. É uma tentativa de sepultar o Lula antes de morto. Inútil, como se sabe.

Em tempo2: a Globo não ganha eleição. A Globo dá Golpe.

Clique aqui para ler “Rose é o ‘fato’ que faltava”.

Paulo Henrique Amorim

(*) Em nenhuma democracia séria do mundo, jornais conservadores, de baixa qualidade técnica e até sensacionalistas, e uma única rede de televisão têm a importância que têm no Brasil. Eles se transformaram num partido político – o PiG, Partido da Imprensa Golpista.

Vitória avassaladora indica a força de Serra

SerragemA vitória de Serra foi amplamente comemorada pelos homens de bem do país

A força está com o representante do bem ungido por São Serapião e pelo partido só de homens  bons para liderar o exército da salvação na cruzada final pela libertação definitiva da nau capitânia paulista das garras ameaçadoras do bolchevismo atroz representadas pela pessoa do candidato do mal, F. Haddad.

José Serra soma mais uma vez a militância num mesmo ideal, enfrentando as mentiras, as falsidades e as enganações petistas, como o documento fajuto, assinado por um sósia comunista, no qual supostamente teria se comprometido com qualquer coisa sem importância para o processo. Assim que sair no Jornal Nacional do Bem o desmascaramento do falso vídeo  (que está em análise pelo Centre de Recherche et Analyse de videos de l’Université Omar Bongo, Gabón), ficará patente a sujeira que os comunistas usam para enganar o eleitor paulistano e eles não terão um voto sequer.

Vídeo grosseiro e falso, que assim como o papelzinho da Folha, não vale nada.

Serra é 45.

Marina era a grande aposta de Serra

Mensagens do consulado do Rio de Janeiro vazadas pelo Wikileaks revelam que Serra apostava em Marina Silva, do PV, como seu grande trunfo para vencer Dilma Rousseff nas eleições de outubro de 2010. O cônsul americano informa ter mantido produtivo bate-papo com o colunista da Veja, Diogo Mainardi, que lhe contou acerca de uma conversa dele com o então governador de São Paulo, José Serra.
Diz o cônsul, logo no sumário de nota vazada, de fevereiro de 2010: “Observadores políticos e representantes partidários argumentam que há possibilidade do provável candidato do PSDB, José Serra, pedir à candidata do Partido Verde, Marina Silva, para ser a sua vice. Enquanto parece improvável que Marina Silva aceite tal papel, a maioria acredita que ela iria, no mínimo, apoiar José Serra no pleito.”
As mensagens da embaixada americana revelam que os representantes diplomáticos dos Estados Unidos monitoravam muito atentamente o desenrolar dos acontecimentos políticos e partidários no Brasil, e seus interlocutores são representantes do tucanato e colunistas da Veja e do Globo.
A nota em questão relata um almoço do cônsul com o “proeminente colunista político da Veja, Diogo Mainardi [que] contou-lhe que sua recente coluna em que propunha aliança entre Serra e Marina nas eleições havia sido fruto de uma conversa entre Mainardi e Serra, na qual o tucano havia dito que ‘Marina era seu vice dos sonhos’. Serra expressou, na conversa com Mainardi, os mesmos argumentos que este usou em seu artigo, que a biografia de Marina Silva e suas credenciais esquerdistas ajudariam a reduzir o impacto do carisma de Lula sobre os mais pobres e deixar Dilma em desvantagem junto ao eleitorado de esquerda, ao mesmo tempo em que minimizaria a associação de Serra ao governo de Fernando Henrique, que Lula/Dilma esperavam usar na campanha.”
Passada as eleições, vemos que, de fato, Marina ajudou Serra, embora não da maneira completa que ele esperava, mas simplesmente dividindo o eleitorado de Dilma Rousseff. Animal político astuto que é, o tucano sabia que a verde era talvez a única maneira de roubar votos do eleitorado lulista/dilmista. Quantas articulações e promessas e ofertas não devem ter sido feitas para tentar seduzir Marina?

Mainardi e Serra, relata o cônsul, acreditavam que Marina fosse apoiar o PSDB.

O colunista não achava que Marina aceitasse o papel de vice, mas que daria apoio ao tucano no segundo turno. Mainardi, que como sempre não acertou uma, diz ainda que, uma hipótese mais realista era Aécio Neves aceitar a vaga de vice de José Serra.

Outro interlocutor do cônsul é o colunista do Globo, Merval Pereira, com quem ele manteve uma conversa no dia 21 de janeiro. Merval diz ao cônsul que conversou com Aécio Neves e que o mineiro afirmou estar “disposto a tudo” para ajudar Serra, inclusive ser vice. Eh cônsul bem articulado, héin? Eh turminha unida! Merval Pereira, Mainardi, Serra, Aécio e diplomatas norte-americanos, lutando juntos por um Brasil mais justo!
Merval Pereira, agora um Imortal da filosofia, disse ao cônsul que “não só acreditava que Aécio Neves toparia ser vice de Serra, como Marina Silva também o apoiaria na disputa”. Ô maravilha de cenário!
Os americanos, no entanto, não são tão bobos quanto Merval. Os diplomatas consultaram outras fontes, não tão otimistas (pro lado do Serra) quanto os colunistas da grande mídia. Falaram com Rodrigo Maia, por exemplo, que naturalmente não achava nada maravilhoso uma chapa puro-sangue do PSDB, nem apreciava tanto uma aliança triunfal com Marina Silva. O próprio cônsul faz observações semelhantes.
O cônsul conversa ainda com os tucanos Otávio Leite (RJ), Antonio Carlos Mendes (SP), Clovis Carvalho, e Marcelo Itagiba. Troca também umas ideias com o senador Agripino Maia. Ao cabo, vê-se que o serviço diplomático americano obtém um conjunto de informações bastante razoável, embora se restrinja a dialogar com as forças de oposição.

Confira a íntegra do documento.

Leia também, sobre o mesmo tema:
– Wikileaks campanha 2010: Serra promete fidelidade canina aos EUA (na mariafro).
– Wikileaks campanha 2010: Bolsa família é direito sacrossanto (no futepoca).

Fonte:http://www.gonzum.com/

Wikileaks: Na campanha eleitoral de 2010 Serra promete fidelidade canina aos EUA

by mariafro

O telegrama traduzido ao final deste post é de 29/12/2009, esses embaixadores estadunidenses fofoqueiros não descansam nem durante as festas!

Por meio dele podemos constatar a subserviência do ex-governador de São Paulo, José Serra que, à época, era o pré-candidato tucano às eleições de 2010.

Indigna-nos, mas não nos surpreende, a subserviência de José Serra aos EUA.  No encontro privado que ocorreu dentro do Palácio dos Bandeirantes com o Secretário Assistente para o Hemisfério Ocidental do Governo dos EUA, Arturo Valenzuela, José Serra chorou as pitangas sobre a falta de recursos para a campanha, dizendo que  o PSDB é um partido ‘pobre’, e mesmo sem muita fé de que venceria as eleições comprometeu-se, caso fosse eleito, a conduzir a política exterior do Brasil mais afinada com os EUA.

O comentário feito no item 9 é imperdível. Até mesmo os representantes do governo dos EUA reconheceram que Serra é mal informado e deixam claro que o ciúmes de Serra em relação ao presidente Lula é quase patológico.

Mas Serra não está sozinho em sua postura subserviente: Celso Lafer, o ex-embaixador do Brasil nos EUA, Rubens Barbosa e o ex-ministro de Ciência e Tecnologia, Jose Goldemberg, também não pouparam críticas à política externa bastante independente de Celso Amorim, durante o governo Lula, que projetou o Brasil no cenário internacional.

As falas de Goldemberg causam vergonha alheia. Ele se mostra feliz com a tentativa dos EUA de dar as cartas na política externa brasileira; é fã incondicional de Hillary Clinton e todas as performances elogiadas internacionalmente do governo Lula são desaprovadas por Goldemberg. Merece troféu cão fiel dos EUA, vendilhão da pátria.

Outro detalhe interessante deste telegrama é a presença do ombudman da Folha de São Paulo.

Caros leitores, expliquem-me a presença de um ombdsman numa reunião desta natureza. Como diria PHA: é o PIG, a expressão mais fiel dos tucanos, numa reunião tucana com representantes do governo dos EUA para que possam mostrar sua fidelidade canina aos EUA.

Você pode ter acesso ao original deste (veja cablegate de nº 21 assinado por White) e dos demais telegramas do wikileaks sobre as eleições de 2010 ( em inglês) acessando este link.

WikiLeaks

241953/12/29/2009/ 16:5309SAOPAULO667/Consulate Sao Paulo/CONFIDENTIAL
Excertos dos itens “confidenciais” do telegrama 09SAOPAULO667.A íntegra do telegrama não está disponível

ASSUNTO: Em São Paulo, líderes políticos expõem preocupações sobre o governo do Brasil ao Secretário Assistente para o Hemisfério Ocidental do Governo dos EUA Arturo Valenzuela

1. (C) RESUMO: No trecho final de sua visita de uma semana ao Cone Sul, o Secretário Assistente para o Hemisfério Ocidental do Governo dos EUA Arturo Valenzuela encontrou-se com figuras expressivas da política local e observadores econômicos em São Paulo, os quais manifestaram preocupações com a política externa do Brasil, gastos públicos e manobras políticas com vistas às eleições de outubro de 2010.

Em encontro posterior, privado, com AV [Arturo Valenzuela], o governador de São Paulo, que está na dianteira das pesquisas de intenção de voto Jose Serra alertou para o fato de que a radicalização e a corrupção crescem no Partido dos Trabalhadores (PT), no governo e sugeriu que, como presidente, conduzirá política exterior mais afinada com os EUA. FIM DO RESUMO.

Em Sao Paulo, observadores políticos e econômicos

2. (C) Concluindo sua visita à região com rápida passagem por SP no sábado, dia 18/12, Arturo Valenzuela participou de almoço oferecido pelo Cônsulo Geral e nove especialistas e observadores políticos e econômicos, entre os quais o ex-ministro de Relações Exteriores Celso Lafer, o ex-embaixador do Brasil nos EUA Rubens Barbosa, e o ex-ministro de Ciência e Tecnologia Jose Goldemberg. Valenzuela apresentou panorama genérico de sua viagem e destacou a alta prioridade que o governo dos EUA dá ao relacionamento bilateral. Identificou a cooperação com o Brasil em questões regionais, inclusive Honduras, como tendo “importância crítica”.

3. (C) Todos os convidados brasileiros criticaram a política exterior do governo Lula, manifestaram preocupações sobre a crescente radicalização do Partido dos Trabalhadores e destacaram a deterioração das contas públicas. O ex-ministro RE descreveu a posição do Brasil em relação ao Irã como “o pior erro” da política exterior de Lula. O embaixador Barbosa citou o papel do Brasil em Honduras como grande fracasso. Todos criticaram a atenção que o Brasil está dando em questões internacionais com as quais o Brasil pouco tem a ver e nada a fazer (Irã, conflito Israel-palestinos, Honduras etc.), ao mesmo tempo em que se ignoram questões mais próximas, inclusive as relações com o Mercosul.

4. (C) Roberto Teixeira da Costa, vice-presidente da empresa Brazilian Center for International Relations (CEBRI) e o professor Goldemberg questionaram especialmente o interesse no Irã, dado o pequeno volume de negócios e pobres perspectivas comerciais e a improbabilidade de qualquer cooperação nuclear. [NOTA: Em conversa particular com o encarregado, Goldemberg, que também é renomado físico nuclear, disse que o Brasil nada tem a oferecer ao Irã, no campo dos combustíveis nucleares, dado que o Irã está muito a frente do Brasil na campacidade para centrifugar. Além disso, registrou que muito apreciou recente advertência da secretária Clinton, sobre países que estejam trabalhando muito próximos do Irã. E que o Brasil deveria levar mais a sério aquela advertência. FIM DA NOTA.]

O assessor-secretário Valenzuela destacou que um Irã, cada dia mais isolado, está à caça de qualquer oportunidade, como a que o governo Lula lhe deu, para esconder a ausência de cooperação e a impopularidade na comunidade internacional.

5. (C) No plano doméstico, os participantes brasileiros explicaram a estratégia do PT de tornar as próximas eleições nacionais um referendum para o governo Lula, que será apresentado como avanço em relação do governo de Cardoso. E todos alertaram para a intenção do PT, de conduzir campanha agressiva. Essa via, disseram todos, pode conseguir apresentar Jose Serra como candidato de Cardoso e ajudará a transferir uma parte da popularidade de Lula para Dilma Rousseff – que jamais concorreu a cargo público e até agora tem mostrado pouco carisma como candidata.

O Ombudsman da Folha de Sao Paulo (sic) Carlos Eduardo Lins da Silva, também presente, destacou que o PT terá força econômica que jamais teve antes, para a campanha eleitoral, depois de oito anos de governo. E o cientista político Bolivar Lamounier disse que um PT cada dia mais radical provavelmente fará campanha negativa contra a oposição. O ombudsman da Folha de Sao Paulo, Lins da Silva, acrescentou que, no caso de o PT não vencer as eleições presidenciais de 2010, com certeza usará a riqueza recém adquirida para trabalha como oposição agressiva.

6. (C) Economicamente, Teixeira da Costa disse que a percepção pública sobre o Brasil estava sendo super otimista e que os mercados despencarão rapidamente, caso a situação internacional se deteriore. Ricardo Sennes, Diretor de negócios internacionais da empresa de consultoria Prospectiva, concordou com a avaliação e disse que as contas públicas estão sob forte e crescente stress. Que a economia brasileira continuava a ser não competitiva no longo prazo, por causa da fraca infraestrutura, alta carga tributária e políticas trabalhistas rígidas. Mas todos concordaram que a forte performance da economia brasileira nos últimos oito anos e a recuperação pós-crise econômica global ajudarão na campanha eleitoral de Dilma Rousseff. Sobre o papel de destaque que o Brasil teve na recente Conferência sobre o Clima, em Conference (COP-15), o professor Goldemberg disse que a performance do presidente Lula foi medíocre. E fez piada, dizendo que o Brasil deixou em Copenhague a impressão de que o Brasil desenvolveu-se muito nas duas últimas semanas. Mas elogiou muito a apresentação da secretária Clinton e disse que os países de ponta deveriam reunir-se em pequenos grupos (não como no G-77) para conseguir fazer avançar questões de financiamento e fiscalização.

O governador de São Paulo, primeiro colocado nas pesquisas eleitorais

7. (C) Em encontro de 90 minutos, privado, no Palácio do Governo, Jose Serra disse praticamente a mesma coisa sobre tendências da política nacional, corrupção crescente, gastos públicos e política externa.

Serra contou ao secretário-assessor Valenzuela que o Partido dos Trabalhadores está fazendo todos os esforços para construir uma base de poder de longo prazo, agora que conseguiu chegar ao governo. Serra alertou que o Brasil está alcançando níveis nunca vistos de corrupção e que o PT e a coalizão que o apóia usam os crescentes gastos públicos para construir uma máquina eleitoral para as próximas eleições. Por isso, e porque seu partido (PSDB), segundo o governador, é partido relativamente mais pobre, Serra não pareceu muito firmemente convencido de que chegará à presidência em outubro de 2010.

8. (C) Além de toda a política doméstica, Serra criticou a política externa do governo Lula e sugeriu que, se eleito, dará ao Brasil direção mais internacionalista. Serra citou Honduras como exemplo específico de fracasso do governo Lula, culpando o governo brasileiro e o presidente Zelaya por não deixarem que se construa solução viável. E falou muito positivamente de seu próprio engajamento, em questões de clima, com o estado da California, como exemplo de oportunidade para trabalho conjunto em questões complexas. Mas, reiterando a posição que tem assumido publicamente, Serra criticou a tarifa que os EUA impuseram ao etanol importado do Brasil, a qual, para ele, seria economicamente ilógica.

9. (C) Sobre o crescente populismo na região, Serra disse que a presidente da Argentina Cristina Kirchner pareceu-lhe “cordial e esperta” e sugeriu que, se o governo dos EUA está preocupado com as políticas populistas de Kirchner, muito mais preocupado ficará com a candidata Dilma Rousseff do PT. Alertou também que as referências que o governo dos EUA tem feito sobre uma “relação especial” com o presidente Lula não soa bem em todos os segmentos no Brasil e pode ser manipulada pelo PT. [COMENTÁRIO: À parte a Argentina, Serra pareceu em geral mal informado ou desinformado sobre recentes desdobramentos no cone sul, inclusive sobre a situação política do presidente Lugo do Paraguai, parecendo imerso, principalmente na política brasileira provinciana. FIM DO COMENTÁRIO.]

No final, Serra disse que está trabalhando em vários artigos para jornal, nos quais articulará suas críticas à política externa do governo Lula, a serem publicados nos próximos meses.

Governo de SP desmente Serra sobre linha 6 do Metrô


O então governador de São Paulo, José Serra, declarou, em março de 2008, que as obras da Linha 6 (Laranja) do Metrô seriam iniciadas em 2010 e terminariam, ou em 2012, ou em 2013.

Após muitos atrasos na contratação de projetos e  antes de deixar o governo para se candidatar à Presidência, Serra garantiu que tudo estaria pronto até 2014.

Acuado por esta previsão, o governo de São Paulo se viu obrigado a apresentar uma previsão mais realista: as obras só devem começar em 2013, com a conclusão da primeira etapa em 2017, depois das Olimpíadas e da Copa.

Até lá, moradores de Brasilândia e Freguesia do Ó (Zona Norte), Perdizes e Pompeia (Zona Oeste) terão de continuar esperando. Estima-se que mais de 600 mil passageiros por dia utilizariam este trecho do Metrô.

Fonte: Brasília

Balanço eleitoral e agenda para 2011 pautam última reunião do Diretório do PT-SP

Diretório apresenta roteiro para subsidiar as discussões nos Diretórios Municipais e Macrorregiões. O documento poderá receber emendas até dia 10 de fevereiro de 2011 e poderá ser aprovado na primeira reunião do Diretório, no mesmo mês. Na última reunião ordinária do ano, realizada na manhã deste sábado, dia 27, o Diretório do PT do estado de São Paulo discutiu o balanço das eleições 2010 e as primeiras propostas de uma agenda para o partido em 2011.

Os dirigentes fizeram o debate com um texto roteiro em mãos, que será distribuído aos diretórios para subsidiar a discussão. O texto foi esboçado pelo presidente do PT-SP e deputado estadual eleito, Edinho Silva, que recebeu contribuições da Executiva. O roteiro procura fazer uma síntese do balanço eleitoral e começa a sinalizar para os desafios futuros do partido no estado.

“Esse texto será amplamente discutido pelos dirigentes e filiados e receberá emendas até o dia 14 de fevereiro de 2011”, explicou o presidente, referindo-se à data da reunião da Comissão Executiva Estadual. O roteiro para subsidiar a discussão será distribuído para todas as macros e Diretórios Municipais na próxima semana.

Segundo Edinho, com as emendas, o texto de balanço das eleições será submetido à aprovação durante à primeira reunião do Diretório em 2011, que deverá ocorrer em 19 de fevereiro e que terá o modelo de um Seminário com a participação dos dirigentes, bancadas federal e estadual, prefeitos, coordenadores das macros e outras lideranças. Na ocasião também será discutido um calendário de atividades do partido para o ano.

Na avaliação do dirigente, em 2011, o partido deve retomar o modelo das Caravanas, que foram realizadas em 2009, organizando e mobilizando todo o estado. “Queremos percorrer cada região debatendo a formulação do programa de governo, tática eleitoral, política de alianças para eleições municipais 2012”.

Várias lideranças marcaram presença na reunião, como os deputados Paulo Teixeira, Janete Pietá, Carlos Zaratini, Simão Pedro e o líder da Bancada petista na Assembleia, Antônio Mentor, assim como o secretário de Organização do PT-SP, João Antônio e o presidente do Diretório Municipal da Capital, vereador Antônio Donato.

Leia a íntegra do roteiro de debates:

ELEIÇÕES 2010: AVANÇOS E DESAFIOS

*** Colaboração de Edinho Silva para a reunião da Executiva Estadual
*** Texto apresentado na última reunião da Executiva, dia 08/11/2010, como roteiro para o debate

Após a vitória nacional do nosso projeto com a eleição de Dilma, a primeira mulher a ocupar a Presidência da República, sucedendo o Presidente Lula, um operário, que se tornou o maior Presidente da nossa história e um dos maiores líderes políticos do planeta; após o nosso resultado eleitoral em São Paulo: por 70 mil votos não fomos para o segundo turno e alcançando a melhor marca da nossa história com a candidatura de Mercadante; após garantirmos a nossa cadeira no Senado com a vitória da companheira Marta; após garantirmos o crescimento da nossa Bancada Federal e nos tornamos a maior Bancada da Assembléia Legislativa (Alesp); agora é o momento de olharmos para os nossos acertos, mas também é hora de encararmos os nossos desafios.

É importante lembrar que o PT paulista saiu para as eleições de 2010 em uma situação bastante desfavorável. Lançamos a candidatura de Mercadante em meados do ano, perdendo um tempo precioso para a construção da tática eleitoral. O aspecto positivo é que o PT no estado vinha mobilizando as bases, Macrorregiões e Diretórios, bem como os movimentos sociais, desde 2009, com a organização das Caravanas. Percorremos o interior e toda a região metropolitana, encerrando as atividades na Capital numa mobilização com mais de 10 mil militantes e com a presença de Dilma.

Durante as Caravanas conseguimos debater a conjuntura política que se desenhava para as eleições de 2010 e iniciamos o debate do Programa de Governo para o estado em cada uma das regiões, diagnosticando junto às nossas lideranças as principais demandas das cidades paulistas. Consequentemente, o PT-SP chegou em 2010 com um bom acúmulo de propostas para enfrentar o debate eleitoral.

Mesmo com a construção de nossa tática eleitoral feita de forma tardia, as nossas candidaturas, Aloizio Mercadante ao Governo de São Paulo e Marta Suplicy ao Senado, construíram de forma exitosa o palanque da Dilma no estado. Conseguimos formar uma coligação que foi capaz de aglutinar 11 partidos, os principais movimentos populares e todas as centrais sindicais.

A candidatura de Netinho, do PCdoB, ao Senado Federal cumpriu papel importante na construção da nossa tática eleitoral, abrindo espaço para dialogarmos com setores importantes da sociedade paulista, principalmente a juventude dos setores populares. A sua candidatura reforçou a nossa bandeira de construção da igualdade racial.

Com a candidatura de Mercadante ao Governo, Marta e Netinho ao Senado e os nossos candidatos proporcionais, conseguimos levar para as regiões do estado o debate de projetos. Apresentamos a nossa proposta de um projeto alternativo aos 16 anos de PSDB no estado: o projeto representado nacionalmente pelo Governo Lula/ Dilma que alia desenvolvimento econômico com justiça social. Debatemos nossas propostas para melhorias da educação, da saúde, da segurança pública e, da alteração da política de pedagiamento, que se tornou um limitador para o desenvolvimento regional. Conseguimos debater os problemas de trânsito e transporte e os graves problemas de infraestrutura enfrentados pelas regiões metropolitanas.

Conseguimos polarizar o debate de projetos e, no final, deixamos de ir para o segundo turno com a candidatura de Mercadante por algo em torno de 70 mil votos. Isso mostra que o caminho estava correto. Metade da população paulista votou pela mudança. Votou por um projeto alternativo aos 16 anos de PSDB.

Conseguimos, mesmo com todas as adversidades, fazer com que o Mercadante tivesse um resultado bastante positivo, o maior já registrado no 1º turno no estado de São Paulo, 35,08%. Em 1994, com José Dirceu, registramos 14,9%; em 1998, com Marta Suplicy, 22,5%; em 2002 com José Genoíno, 32,4%; em 2006 com o próprio Aloizio Mercadante, 31,7%.

Na disputa nacional, no primeiro turno, ficamos apenas três pontos percentuais de diferença entre Dilma e a candidatura de Serra à Presidência. Por muito pouco Dilma não ganhou de Serra no “ninho dos tucanos” e no estado onde ele foi governador.

Aumentamos de 14 para 16 a Bancada de Deputados Federais do PT, fazendo um total de 24 parlamentares da coligação.

Elegemos Marta Senadora e saímos das eleições com a maior Bancada de Deputados da Assembléia Legislativa com 24 parlamentares eleitos, ante os 20 que fizemos em 2006. A coligação, no total, tem 27 deputados na Assembléia.

Dos cinco milhões de votos de legenda que o PT teve no Brasil inteiro, São Paulo ofereceu dois milhões, o que mostra que acertamos também na política de valorização da marca PT, quando priorizamos o voto na legenda. O PT-SP sai maior do que entrou nas eleições de 2010.

No segundo turno, a oposição acreditava que São Paulo faria a diferença desequilibrando o pleito nacional, gerando a nossa derrota. Isso não ocorreu. De forma correta, em sintonia com a coordenação nacional da campanha, fortalecemos as nossas agendas nas regiões em que havíamos saído vitoriosos, potencializando as nossas bases eleitorais.

Vale ressaltar também as iniciativas adotadas pela nossa bancada estadual que em mais de uma vez, colocou o PSDB e o Serra na defensiva. Especialmente no episódio ”Paulo Preto”, quando parte da grande mídia foi obrigada a noticiar os fatos, antes escondidos.”

A polarização de projetos, inevitável no segundo turno, fomentou a politização da campanha em São Paulo. Os setores da sociedade beneficiados diretamente pelos avanços proporcionados pelo Governo, e os segmentos progressistas dos setores médios paulistas, mobilizaram-se e defenderam o projeto Lula/Dilma de desenvolvimento com inclusão social, de fortalecimento das empresas públicas, de combate às desigualdades históricas, de autonomia do Brasil perante as grandes potências internacionais e o nosso papel na nova geografia mundial.

No outro pólo da disputa eleitoral, estava o projeto representado por Serra/FHC de desmonte do aparato do Estado, de precarização das políticas públicas, de aprofundamento da exclusão social.
Ao final, registrou-se uma diferença de oito pontos percentuais em São Paulo entre Serra e Dilma. Portanto, aquela avalanche de votos que eles achavam que teriam sobre nós em São Paulo não se concretizou.

Entretanto, o balanço positivo não pode esconder as nossas dificuldades e deficiências no estado mais importante do Brasil. É importante fazermos uma avaliação detalhada dos resultados das urnas. Temos que entender principalmente a complexidade das disputas políticas em São Paulo, a formação socioeconômica do estado e as dificuldades que enfrentamos para dialogar com os setores médios da sociedade paulista.

A RESISTÊNCIA DOS SETORES MÉDIOS PAULISTAS AO NOSSO PROJETO

O melhor método para entender o resultado eleitoral de 2010 é iniciar pelos resultados nacionais. O PT teve muita dificuldade de diálogo no Brasil como um todo com os setores médios da sociedade.

No início das eleições, em boa parte do primeiro turno, os setores médios estavam abertos ao diálogo conosco. Em São Paulo a candidatura da Dilma chegou a abrir uma margem significativa de votos sobre Serra. Chegamos a superar a casa dos 10% de vantagem sobre o candidato no estado.

Os setores médios dialogavam conosco, mas tendo as crises políticas de 2005 e 2006 “debaixo dos braços”. Quando surgiu o caso Erenice, todas as crises enfrentadas pelo nosso partido “foram ressuscitadas” e a oposição criou o grande fato da conjuntura política eleitoral, gerando o segundo turno da eleição nacional. Em São Paulo, o mesmo fato freou o crescimento da candidatura de Mercadante, impedindo a construção do segundo turno da eleição para governador.

Muito mais do que a falsa polêmica sobre o aborto, o fato que interferiu de forma definitiva na conjuntura política eleitoral foi o “caso Erenice” e a recuperação das crises vivenciadas pelo PT em 2005 e 2006.

Não podemos com essa constatação negar que a forma como o tema do aborto foi utilizado pelos nossos opositores, manipulando a religiosidade da população, não tenha estimulado a rejeição ao nosso projeto junto aos setores médios mais conservadores, bem como aos setores populares mais fragilizados, tanto culturalmente, como economicamente.

Cabe aqui um destaque para reflexão futura mais aprofundada. O que se viu no submundo da política nessas eleições não tem precedente na história política brasileira. Os panfletos anônimos, a internet como instrumento da disseminação da mentira, tudo isso merece uma profunda análise e uma revisão na legislação eleitoral.

O sistema eleitoral brasileiro correu sérios riscos. Se fosse vitorioso o método da disputa eleitoral alicerçado no anonimato, na desconstrução de imagens, da propagação de mentiras, as eleições futuras seriam construídas no “vale tudo”, na falta de ética, colocando em risco toda a regulamentação eleitoral e as instituições organizadoras dos pleitos.

Mas, voltando à análise em questão, o PT tem que entender a resistência significativa que se instaurou junto aos setores médios da sociedade brasileira. Ela é real e ficou bastante evidenciada mais uma vez nessas eleições de 2010. Em São Paulo, esse fator teve mais peso que em outras regiões do Brasil, devido à existência de setores médios históricos de maior extensão.

É importante que se pondere que não se trata de uma resistência oriunda dos setores médios ascendentes durante o Governo Lula. Essa se abre para o diálogo conosco. Estamos falando daqueles setores médios históricos, existente antes dos avanços sociais proporcionados pelo Governo Lula, que se origina em outros momentos do nosso desenvolvimento econômico e social e que construiu referências em outras forças políticas. Em São Paulo, uma parte desses setores médios já se referenciou no Ademarismo, no Malufismo, depois no Quercismo. Com o declínio desses projetos políticos, durante o Governo Covas e com a ascensão do Governo FHC, o PSDB fez um giro para a centro- direita e conquistou uma parte significativa desses setores médios do estado de São Paulo, criando um campo político hegemônico muito forte, que representa a maior base social do seu projeto.

Em São Paulo, uma parte desses setores médios já teve simpatia por nós. Se levarmos em consideração as eleições anteriores, por exemplo, em 2002, tínhamos mais facilidade de diálogo com os setores médios mais politizados e mais dificuldades com os setores populares.

Com o Governo Lula, nos fortalecemos muito nos setores populares, que sentiram diretamente os benefícios do Governo. E com as crises de 2005/2006 perdemos significativamente a nossa inserção nos setores médios. Essa leitura das nossas dificuldades é fundamental para que possamos construir os passos futuros.

A NECESSIDADE DE UM GOVERNO DE COALIZÃO

O governo da Dilma tem que ser sustentado por uma coalizão partidária que nos dê sustentação para enfrentarmos a futura agenda para o Brasil: uma agenda que passa pela reforma política (que tem que ser prioridade para o PT); a reforma tributária; uma reforma no modelo de gestão do SUS; a reforma do modelo de segurança pública; a regulamentação da exploração do pré-sal e seus benefícios sociais, entre outras iniciativas importantes para o povo brasileiro.

Para que não haja dúvidas, quando falamos em reforma no sistema SUS, estamos falando de fortalecimento da universalização do atendimento e da completa democratização do sistema. É necessário que se altere a remuneração do Sistema valorizando os municípios que investem no atendimento básico, ou seja, remunerar o fortalecimento dos programas e as metas de redução das enfermidades. Precisamos fortalecer o sistema, mas mudando, entre outras sistemáticas, a concepção de se estabelecer o teto de remuneração da gestão tripartite.

Uma agenda com essa importância para o Brasil tem que ser construída e encaminhada pela coalizão que vai dar sustentação ao nosso Governo. Mas também é fundamental que façamos um esforço de diálogo com a oposição, tentando construir pontos de consenso na agenda de futuro para o país.

Em São Paulo, temos que emitir os mesmos sinais para a sociedade. Somos oposição, temos um projeto para o Estado, mas queremos construir uma agenda para a sociedade paulista e dialogar com as forças políticas para implantá-la.

O PT de São Paulo tem que construir uma agenda política que dialogue com os setores médios, com propostas para a segurança pública, criação de emprego de qualidade, desenvolvimento tecnológico, desenvolvimento sustentável, cultura e lazer, trânsito e transporte nas regiões metropolitanas. Meio ambiente e juventude têm que ser bandeiras prioritárias para o nosso Partido, têm que fazer parte da nossa formulação programática.

O nosso desafio futuro está em manter a nossa base social, dialogarmos com os setores populares, mas também criar espaço na nossa ação política para construção dessa agenda que dialogue com os setores médios. Fazer com que essa agenda política se traduza em ações, em políticas públicas nas nossas prefeituras, na Assembléia Legislativa, nas câmaras municipais. O PT-SP tem que envolver os movimentos populares e o movimento sindical na construção dessa agenda.

UMA AGENDA PARA 2011

Em São Paulo somos oposição, representamos um outro projeto político. Mas temos que deixar claro para a sociedade que vamos construir a nossa ação baseada em uma agenda política e, em uma proposta de políticas públicas para o Estado: reforma da educação, saúde, segurança pública, transporte e trânsito, mudança na política de pedagiamento, valorização do desenvolvimento regional, entre outras, apresentadas pela candidatura de Mercadante no processo eleitoral.

Devemos dialogar com a sociedade paulista a relação do governo com os movimentos sociais não somente denunciando a perseguição a professores e servidores públicos, mas mostrando como os processos permanente de negociação com as representações de servidores públicos e os fóruns mais amplos como o Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social contribuíram para envolvimento da sociedade nas alterações que ocorreram no país.

Temos que dar mensagens claras para a sociedade paulista de que a nossa ação contemplará também uma temática importante para os setores médios: empregos de qualidade, desenvolvimento tecnológico, propostas para o trânsito nas regiões metropolitanas, segurança pública, propostas de cultura e lazer para a juventude, a busca da sustentabilidade, entre outros.

O governo do presidente Lula é o que mais tem legitimidade para construir uma agenda de sustentabilidade para o Brasil, pois foi o governo que mais combateu o desmatamento, que mais se preocupou com as questões ambientais, que levou a Copenhague uma agenda, pautando o mundo. O governo da Dilma terá legitimidade para isso. Cabe ao PT construir uma agenda que insira como prioridade o modelo de desenvolvimento que busque a sustentabilidade.

É prioridade quebrarmos o bloqueio que os setores médios têm em relação ao nosso projeto. Precisamos ampliar a nossa base social e, portanto, construir as condições para as nossas vitórias.
Em São Paulo, somos um partido de oposição, temos que valorizar nossas bandeiras, nossa plataforma programática, mas temos que assumir um papel de oposição mais propositiva no estado que dialogue prioritariamente com a sociedade paulista.

É importante ressaltar o trabalho feito pela nossa Bancada na Alesp. Temos uma atuação fundamental dos nossos deputados na disputa de projeto, com uma fiscalização competente e a elaboração de proposituras que reforçam as nossas bandeiras. Infelizmente, todo esse trabalho sério realizado pela Bancada paulista do PT tem pouco enfoque na mídia paulista e, muitas vezes, não chega ao conhecimento da sociedade.

PRÓXIMO PERÍODO

É fundamental que iniciemos o ano de 2011 mobilizando o nosso Partido. Vamos propor para a próxima reunião do Diretório Estadual a construção de uma agenda de mobilização de todo o estado, em que a Direção vá para as Macrorregiões para debater a construção dessa agenda de diálogo com a sociedade paulista. Que no final desse processo possamos ter a formulação das diretrizes de um programa de governo para as eleições de 2012 com propostas “traduzidas” para a realidade de cada município.

Temos que colocar como meta para o final de 2011 a construção das diretrizes do programa de governo, incorporando essa agenda de diálogo com os setores médios, reforçando as nossas propostas de transformação social no Brasil. Mas também é fundamental terminar o próximo ano com a nossa tática eleitoral construída, principalmente nas cidades com mais de 100 mil eleitores.
Ao enfocar as cidades com mais de 100 mil eleitores, não significa que vamos secundarizar as cidades menores. Temos que disputar em condições de vitória todos os municípios paulistas. Significa, sim, a construção de uma meta a ser alcançada.

É prioridade mantermos no estado um campo político que dê sustentação para a nossa ação política. Temos que criar um fórum permanente de diálogo com os partidos políticos que estiveram conosco na última eleição e cabe- nos um esforço para ampliação das nossas alianças. Temos que buscar, respeitando a realidade de cada município, estabelecer como política de alianças para 2012 a consolidação desse campo político.

A construção das condições de vitória em 2014 começa nas nossas ações de 2011. O acúmulo político para 2014 passa pela ampliação da nossa base social, pela nossa capacidade de construir alianças políticas e sociais, pelo nosso estreitamento com os movimentos populares e sindical, mas, fundamentalmente, passa por conseguirmos traduzir a nossa agenda em propostas concretas para a sociedade paulista, principalmente para os setores médios. Podemos sair das eleições de 2012 com uma implantação ainda maior do nosso projeto no estado e, assim, termos dado o passo fundamental para a real disputa de hegemonia em 2014.

Edinho Silva
Presidente do PT/SP, deputado estadual eleito

Serra arrecadou o dobro de Dilma pela via oculta. Veja o ranking das 220 empresas que mais doaram para a campanha de Dilma.

Daniel Bramatti e José Roberto de Toledo

Poucas empresas de poucos setores foram responsáveis pela maior parte do financiamento da campanha de Dilma Rousseff (PT) à Presidência. Metade de todo o dinheiro declarado pela campanha da presidente eleita saiu de dos 27 maiores doadores. Veja aqui a relação completa.

Destacam-se as empreiteiras e construtoras. Apenas esse setor doou pelo menos R$ 37 milhões para os cofres petistas, o que representa mais de 27% de toda a arrecadação. Dos cinco maiores doadores, três são do ramo de construção – Camargo Corrêa, Andrade Gutierrez e UTC Engenharia.

O setor financeiro, bancos e seguradoras, teve um peso menor do que outros segmentos da economia na contabilidade oficial. Os bancos doaram, em conjunto, cerca de R$ 9 milhões, ou 7% do total arrecadado pela campanha presidencial petista.

O setor sucroalcooleiro surpreendeu como um dos principais doadores de Dilma. Foram mais de R$ 10 milhões, o que representa cerca de 8% das doações totais. Os maiores doadores individuais do segmento foram Cosan, Copersucar e Açúcar Guarani.

Outros setores que se destacam entre os doadores pessoa jurídica para a campanha de Dilma são os de alimentos e bebidas (Cutrale e Ambev), empreendimentos imobiliários, farmacêutico, industrial e mineração.

Não por coincidência, os maiores doadores foram de segmentos econômicos que se beneficiaram durante o governo Lula. O PAC beneficiou as empreiteiras, o Bolsa Família aumentou o consumo de alimentos e açúcar, o Minha Casa Minha Vida ajudou empreendedores imobiliários.

Dilma e Serra receberam, juntos, quase R$ 52 milhões em doações ocultas – aquelas em que é impossível rastrear a identidade dos financiadores de campanhas. No caso da presidente eleita, as doações desse tipo chegaram a R$ 19,7 milhões, 14,5% do total arrecadado por sua campanha. Serra recebeu ainda mais pela via oculta: foram R$ 32,1 milhões, ou 30% do que arrecadou.

As doações ocultas resultam de uma triangulação: em vez de depositar o dinheiro na conta do candidato ou de seu comitê, a empresa ou pessoa física faz uma contribuição para o partido, indicando quem deve ser o destinatário final dos recursos. Como os partidos recebem de diversos doadores e encaminham o dinheiro para diferentes candidatos, fica impossível estabelecer uma ponte entre financiador e financiado.

Dos R$ 114 milhões doados a Dilma por financiadores devidadamente identificados, quase a totalidade (98%) se refere a contribuições de empresas, e 2% de pessoas físicas. Foram apenas 1.820 contribuições de eleitores, com valor total de R$ 2,8 milhões.

<!–

Seção:

–>As cores representam os setores de cada empresa.

(clique na imagem para ver a relação completa)

Uma pequena parte das doações das empresas foi feita diretamente à campanha de Dilma (em geral, são aquelas que apresentam valores redondos). A maioria, entretanto, doou ao Comitê Financeiro para Presidente, administrado pelo PT. Dos recursos arrecadados pelo comitê, 89,4% foram redirecionados à campanha de Dilma.

Por essa razão, a apropriação das doações das empresas não foi total pelo comitê da presidente eleita. Por isso que, na tabela, o frigorífico JBS aparece doando R$8,049 milhões à campanha de Dilma, embora o total de sua doação ao Comitê Financeiro tenha sido de R$ 9 milhões. O mesmo se repete com a grande maioria dos doadores.

Fonte: estadao.com.br

PT volta a crescer na capital paulista e reforça expectativa de eleição em 2012

Presidente do Diretório Municipal do PT, Antônio Donato analisa resultado das eleições de 2010 em São Paulo e afirma que o partido volta a ter condições de disputar a hegemonia na cidade.

Por Leandro Rodrigues – PT – SP

Com o resultado das eleições de 2010, o PT volta a ter condições de disputar a hegemonia na cidade São Paulo, segundo avalia o presidente do Diretório Municipal do partido, vereador Antônio Donato. Em entrevista ao portal, Donato explica que o partido seguia em curva decrescente de votação na capital desde 2004, mas que o processo foi revertido neste ano com a ampliação do eleitorado e os 46,4% (2.961.897) de votos paulistanos em Dilma Rousseff. “Existe a perspectiva real do PT se colocar na disputa de 2012 retomando um diálogo com os setores médios”, afirma.

“Em 2002, foi a única vez que vencemos os tucanos num confronto direto na capital. Lula teve 51% dos votos, contra 49% de Serra. O cenário era favorável, estávamos na prefeitura [com Marta Suplicy] e foi a primeira vitória de Lula como presidente”, conta Donato, que em seguida fala da queda do PT nos pleitos consecutivos: “Em 2004, Serra teve 55% e Marta 45%; em 2006, foi 54,5% para Alckmin e 45,5% para Lula; 2009 tivemos 60,5% para o Kassab e 39,5% para Marta. Ou seja, a gente veio de 51% e fomos para esses 39,5%. Mas revertemos esse quadro neste ano, saímos dessa curva decrescente e voltamos aos 46,5%”.

Donato explica que o reflexo do Governo Lula fez com que o eleitorado do PT aumentasse entre a população mais carente da cidade e, em contrapartida, encontrasse mais resistência nas regiões mais abastadas. “Isso é apenas uma questão ideológica. Historicamente, um partido de esquerda vai sempre ter essa resistência num determinado setor da sociedade. Eles, que enxergam o PT como o partido que de alguma forma enfrenta seus interesses, são minoritários, porém, bem articulados e podem irradiar sua ideologia por toda a cidade”, alerta o petista.

Mas o vereador também ressalta que o êxito de Lula foi fundamental para a reaproximação entre o PT e os setores médios da capital. “O Governo Lula permite que esses setores voltem a ter uma disposição de conversar e de votar na gente, mas é evidente que teremos que aprofundar isso do ponto de vista político. Para 2012, é necessária a construção de um programa que dialogue efetivamente com os setores médios, valorizando questões como transito, segurança e carga tributária”, disse Donato.

Dilma venceu Lula

Durante a conversa com a reportagem do PT-SP, que ocorreu nesta terça-feira (30) em seu gabinete, Antônio Donato observa que Dilma obteve mais votos do que Lula em várias regiões. “Por exemplo, em 2002, a maior votação de Lula em São Paulo foi em São Mateus, com 67%. Já em 2010, o melhor resultado de Dilma foi em Parelheiros, com mais de 75%”.

O dirigente credita esse fenômeno à mudança de critério na reflexão para a escolha, que antes era pautada na personalidade política de Lula e agora passa a ser a personificação do projeto e o modo de governar petista. “Nesta eleição, o voto em São Paulo foi de adesão política a um projeto muito claro. Então, quando você tem um setor que vota na Dilma, ele está aderindo ao projeto de governo iniciado pelo presidente Lula. É a aprovação do governo dele”, conclui.

ttp://blogdofavre.ig.com.br/2010/12/pt-volta-a-crescer-na-capital-e-reforca-expectativa-de-eleicao-em-2012/

Cartilha do PT faz balanço das eleições 2010. Os números e avalições do PT em todo Brasil.

5 governadores, 88 deputados federais, 149 deputados estaduais e 14 senadores foram eleitos pelo PT em 2010.

Escrito em 22 de novembro de 2010, às 16:48

Esses números mostram a consolidação da força de um partido que, nascido a partir daqueles que eram até então esquecidos pelo poder público, hoje tem a plena capacidade de ajudar os mais pobres como nenhum outro, tal como vem fazendo nos últimos oito anos.

Para mostrar mais sobre os resultados concretos dessa atuação, a cartilha “O Brasil vai seguir mudando com Dilma” traz um balanço completo do desempenho do Partido dos Trabalhadores em todo o país nestas eleições. São 65 páginas repletas de imagens e gráficos que mostram por que nosso esforço sempre vale a pena diante do reconhecimento do povo brasileiro.

Vale a pena consultar a cartilha. Clique aqui para fazer o download. CADERNOeleicoes_2T_2010-11-19 

Fonte: www.pauloteixeira13.com.br

Saiba como foi a eleição de Dilma em cada região de SP

 

Com 45,9% dos votos paulistas, Dilma vence em 205 dos 645 municípios do estado. Destaque para as macrorregiões ABC e Osasco e para Diadema, São Bernardo do Campo, Francisco Morato e a pequena Itapura, na extrema divisa entre SP e MS

Por Leandro Rodrigues
Terça-feira, 9 de novembro de 2010

Com 45,9% dos votos do eleitorado paulista, a presidente eleita no último dia 31, Dilma Rousseff, foi vitoriosa em 205 dos 645 municípios do estado. Destaque para as macrorregiões ABC e Osasco, nas quais a petista foi eleita com 54% e 57,3% dos votos, respectivamente. Na macro Presidente Prudente, apesar da vitória de José Serra (PSDB) com 55,9%, Dilma vence em 18 das 31 cidades, 58,1% da região.

Dos 22,8 milhões de eleitores de São Paulo que compareceram às urnas no segundo turno das eleições, 12,3 milhões (54,1%) votaram em Serra e 10,5 milhões (45,9%) em Dilma. A diferença exata soma 1.846.036 votos a mais para Serra.

A cidade em que Dilma obteve maior vantagem sobre o tucano foi Itapura (macro Araçatuba), localizada no extremo da divisa com o estado do Mato Grosso do Sul. O pequeno município que é governado pelo DEM – partido aliado ao PSDB – deu vitória à petista com 74,6%, contra 25,4% de Serra.

Já em Saltinho (macro Campinas), a 180 km da capital, foi registrada a maior adesão à candidatura tucana. A cidade governada pelo PTB, que também integra a base adversária, deu 76,12% dos votos para Serra e 23,9% para Dilma.

Avaliando apenas os municípios em que a população ultrapassa os 100 mil habitantes e excluindo a capital, o melhor resultado de Dilma Rousseff foi em Diadema (macro ABC), importante centro industrial do estado, governado pelo PT. Lá, 66,5% dos eleitores quiseram Dilma para presidente e 33,5% votaram em Serra.

Em São Carlos (macro Ribeirão Preto), com prefeitura também está sob a gestão petista, o eleitorado preferiu Serra. Localizada a 231 km da capital e conhecida como pólo universitário e tecnológico, a cidade deu vitória de 65,8% para o tucano, contra 39% de votos em Dilma.

Nas macros

No ABC, além de Diadema, a presidente eleita venceu em Mauá (PT), Rio Grande da Serra (PSDB) e São Bernardo do Campo (PT). Neste último, Dilma registra vitória com a quantidade mais expressiva de votos: 241.547. Se considerar toda a região, Dilma ganhou com 54% contra 46% de Serra.

A macro Osasco foi a que Dilma obteve o melhor resultado: 57,3% a 42,7%. Dos 19 municípios que compõe a região, a petista saiu vitoriosa em 15, sendo que em Francisco Morato, Itapevi, Franco da Rocha e Carapicuíba ficou com mais 60% de votos em cada. Desses, apenas Franco da Rocha não é governado pelo PT, sendo a prefeitura atualmente gestada pelo PSDB.

Na região sudoeste do estado está localizada a macro Mogiana, onde José Serra registrou seu melhor desempenho. Entre os 21 municípios, dois deram vitória para Dilma, com resultados bem apertados. Estiva Gerbi, governada pelo DEM, elegeu a petista com 50,07%, oito votos à frente de Serra; Itobi (PSDB) deu vitória com 51,88%, 170 votos de vantagem sobre tucano. Das cidades que integram a região, apenas Porto Ferreira é governada pelo PT. As demais estão sob gestão de partidos aliados ao governo estadual do PSDB ou de oposição ao governo federal do PT.

Pau a pau

Mas foi em Pradópolis, a 36 km de Ribeirão Preto, em que a população se demonstrou mais dividida entre os então candidatos à sucessão de Lula. A cidade reúne quase 13 mil habitantes e destaca-se como uma das principais produtoras de cana-de-açúcar e derivados. Seu eleitorado, formado por 50,8% de homens e 49,2% de mulheres, deu à Dilma vantagem de apenas 6 votos na vitória: 50,03% a 49,96%.

Clique aqui e confira dados detalhados sobre o desempenho da eleição de Dilma no estado de São Paulo

Fonte: http://www.pt-sp.org.br

Eleições 2010 Santa Albertina: resultados do 1º e 2º turnos.

SANTA ALBERTINA  2010 – PRESIDENTE DA REPÚBLICA
      1º TURNO 2º TURNO
Seq. Núm. Candidato Votação % Votação %
1 45 JOSÉ SERRA 1.580 46,87% 1.897 56,19%
2 13 DILMA 1.417 42,04% 1.479 43,81%
3 43 MARINA SILVA 306 9,08%    
4 16 ZÉ MARIA 50 1,48%    
5 50 PLÍNIO 18 0,53%    
6 27 EYMAEL 0 0,00%    
7 21 IVAN PINHEIRO 0 0,00%    
8 28 LEVY FIDELIX 0 0,00%    
9 29 RUI COSTA PIMENTA 0 0,00%    
             
SANTA ALBERTINA 2010 – SENADORES    
Seq. Núm. Candidato Votação    
*0001 451 ALOYSIO NUNES 1.770 35,96%    
*0002 133 MARTA SUPLICY 1.125 22,86%    
3 650 NETINHO 897 18,22%    
4 141 ROMEU TUMA 850 17,27%    
5 430 RICARDO YOUNG 177 3,60%    
6 177 MOACYR FRANCO 45 0,91%    
7 111 DR. REDÓ 18 0,37%    
8 360 CIRO 12 0,24%    
9 500 MARCELO HENRIQUE 12 0,24%    
10 400 SERPA 9 0,18%    
11 160 ANA LUIZA 6 0,12%    
12 290 AFONSO TEIXEIRA 1 0,02%    
13 212 ERNESTO PICHLER 0 0,00%    
14 211 MAZZEO 0 0,00%    
15 161 DIRCEU TRAVESSO 0 0,00%    
15 290 AFONSO TEIXEIRA 0 0,00%    
             
SANTA ALBERTINA 2010 – DEPUTADOS FEDERAIS    
Seq. Núm. Candidato Votação    
*0001 4555 JULIO SEMEGHINI 894 28,16%    
*0002 1332 JOSÉ MENTOR 424 13,35%    
*0003 1523 EDINHO ARAUJO 173 5,45%    
*0004 2525 RODRIGO GARCIA 148 4,66%    
*0005 1322 ARLINDO CHINAGLIA 100 3,15%    
*0006 1369 DEVANIR RIBEIRO 76 2,39%    
*0007 1211 JOÃO DADO 66 2,08%    
*0008 4074 JEFFERSON CAMPOS 53 1,67%    
*0009 2222 TIRIRICA 46 1,45%    
*0010 4545 EDSON APARECIDO 39 1,23%    
*0011 2233 PR PAULO FREIRE 29 0,91%    
*0012 4300 GUILHERME MUSSI 29 0,91%    
*0013 4030 GABRIEL CHALITA 28 0,88%    
*0014 4567 VAZ DE LIMA 24 0,76%    
*0015 6565 ALDO REBELO 10 0,31%    
*0016 2345 ARNALDO JARDIM 9 0,28%    
*0017 1312 VACCAREZZA 7 0,22%    
*0018 1010 ANTONIO BULHÕES 6 0,19%    
*0019 4515 EMANUEL FERNANDES 5 0,16%    
*0020 4040 MÁRCIO FRANÇA 5 0,16%    
*0021 1452 ARNALDO FARIA DE SÁ 4 0,13%    
*0022 1155 MISSIONÁRIO JOSÉ OLIMPIO 4 0,13%    
*0023 6588 DELEGADO PROTÓGENES 4 0,13%    
*0024 5050 IVAN VALENTE 3 0,09%    
*0025 4311 DR. SINVAL MALHEIROS 3 0,09%    
*0026 1250 SALVADOR ZIMBALDI 3 0,09%    
*0027 1325 JOÃO PAULO CUNHA 3 0,09%    
*0028 4500 CARLOS SAMPAIO 3 0,09%    
*0029 2010 MARCO FELICIANO 3 0,09%    
*0030 4585 BRUNA FURLAN 3 0,09%    
*0031 1434 NELSON MARQUEZELLI 2 0,06%    
*0032 1321 FILIPPI 2 0,06%    
*0033 1331 RICARDO BERZOINI 2 0,06%    
*0034 1353 JILMAR TATTO 2 0,06%    
*0035 4517 MARA GABRILLI 2 0,06%    
*0036 4021 LUIZA ERUNDINA 1 0,03%    
*0037 4586 JOSÉ ANIBAL 1 0,03%    
*0038 4070 ABELARDO CAMARINHA 1 0,03%    
*0039 2500 JORGE TADEU 1 0,03%    
*0040 1212 PAULINHO DA FORÇA 1 0,03%    
*0041 1345 VANDERLEI SIRAQUE 1 0,03%    
*0042 2590 GUILHERME CAMPOS 1 0,03%    
*0043 1133 ALINE CORREA 1 0,03%    
*0044 2012 MARCELO AGUIAR 1 0,03%    
*0045 2545 JUNJI ABE 0 0,00%    
*0046 2323 ROBERTO FREIRE 0 0,00%    
*0047 4343 PENNA 0 0,00%    
*0048 4577 THAME 0 0,00%    
*0049 1387 JANETE PIETÁ 0 0,00%    
*0050 4525 DIB 0 0,00%    
*0051 2299 VALDEMAR COSTA NETO 0 0,00%    
*0052 4565 TRIPOLI 0 0,00%    
*0053 1318 NEWTON LIMA NETO 0 0,00%    
*0054 2325 DIMAS RAMALHO 0 0,00%    
*0055 1390 VICENTINHO 0 0,00%    
*0056 4096 OTA 0 0,00%    
*0057 4315 ROBERTO SANTIAGO 0 0,00%    
*0058 1370 ZARATTINI 0 0,00%    
*0059 1301 VICENTE CANDIDO 0 0,00%    
*0060 1398 PAULO TEIXEIRA 0 0,00%    
*0061 2255 MILTON MONTI 0 0,00%    
*0062 1316 CARLINHOS ALMEIDA 0 0,00%    
*0063 4554 DUARTE NOGUEIRA 0 0,00%    
*0064 4000 JONAS DONIZETTE 0 0,00%    
*0065 4344 ROBERTO DE LUCENA 0 0,00%    
*0066 4363 RICARDO IZAR 0 0,00%    
*0067 1023 OTONIEL LIMA 0 0,00%    
*0068 2577 ELI CORREA FILHO 0 0,00%    
*0069 4547 LUIZ FERNANDO MACHADO 0 0,00%    
*0070 2513 ALEXANDRE LEITE 0 0,00%    
71 1199 VADÃO 191 6,02%    
72 4321 ZICA 182 5,73%    
73 4551 VANDERLEI MACRIS 80 2,52%    
74 4326 HELIVANE BOTELHO DA SILVEIRA 32 1,01%    
75 1127 LAURINDO BARNARDES 29 0,91%    
76 2020 REGIS DE OLIVEIRA 21 0,66%    
77 2599 WALTER IHOSHI 12 0,38%    
78 1530 SERGIO KOBRA 11 0,35%    
79 4540 SILVIO TORRES 10 0,31%    
80 4530 ALBERTO MOURAO 9 0,28%    
81 4020 CAPITÃO AUGUSTO 9 0,28%    
82 4523 CARLOS ROBERTO 7 0,22%    
83 4007 MARCELINHO CARIOCA 7 0,22%    
84 1400 CLAURY 6 0,19%    
85 1401 ALEXANDRE COSTA 6 0,19%    
86 4411 WILSON FOCÁSSIO 5 0,16%    
87 1313 GENOINO 5 0,16%    
88 1319 TEREZINHA RONDELLI 5 0,16%    
89 5041 PEDRO ROBERTO 4 0,13%    
90 1302 PROFESSOR JAIR BALESTRA 4 0,13%    
91 1236 MANOEL ANTUNES 3 0,09%    
92 2588 DR ELEUSES PAIVA 3 0,09%    
93 4511 RAUL CHRISTIANO 3 0,09%    
94 6513 CÉLIO TURINO 3 0,09%    
95 4588 NELSON BUGALHO 3 0,09%    
96 1119 CAPITÃO GOMES 2 0,06%    
97 1333 PROF. CARLÃO RAMIRO 2 0,06%    
98 4556 RAFAEL ABUD 2 0,06%    
99 4099 MIGUEL SAMPAIO 2 0,06%    
100 4055 DRA. ELAINE 2 0,06%    
101 1202 KIM 2 0,06%    
102 4541 TIRSO MEIRELLES 2 0,06%    
103 4354 J FARIA 2 0,06%    
104 2530 LUCIANO ARTIOLI 2 0,06%    
105 1231 GILBERTO BENZI 2 0,06%    
106 1414 ROBSON TUMA 2 0,06%    
107 4340 ALE YOUSSEF 2 0,06%    
108 4580 ARNALDO MADEIRA 1 0,03%    
109 4455 PROFESSOR MUNHOZ 1 0,03%    
110 4563 GIVALDO VIEIRA 1 0,03%    
111 4312 DANIEL MARINS 1 0,03%    
112 4012 ELISEU GABRIEL 1 0,03%    
113 4391 MARCELO SOARES 1 0,03%    
114 4546 RICARDO MONTORO 1 0,03%    
115 1222 PEDRO BAPTISTINI 1 0,03%    
116 4301 GILBERTO ABREU 1 0,03%    
117 1522 SINIVAL 1 0,03%    
118 3638 PAES DE LIRA 1 0,03%    
119 1190 CAPITÃO CRIVELARI 1 0,03%    
120 2555 MANDIC 1 0,03%    
121 4333 JOVINO CÂNDIDO 1 0,03%    
122 1599 DR. SAMIR NASSBINE 1 0,03%    
123 1351 DRA. SONIA DARCH 1 0,03%    
124 4394 EDUARDO PALHARES 1 0,03%    
125 1152 MAURICIO “TCHÊ DA TORRE” 1 0,03%    
126 1330 PIVATTO 1 0,03%    
127 1239 PILOTO 1 0,03%    
128 2332 ARI FRIEDENBACH 1 0,03%    
129 4514 MANOEL MARCOS (MANÉ) 1 0,03%    
130 1500 PAULO LIMA 1 0,03%    
131 1350 LUIZ CARLOS GOMES 1 0,03%    
132 4566 FERNANDO FUAD CHUCRE 1 0,03%    
133 5019 TERESA COSTA 1 0,03%    
134 1218 MARTAN 1 0,03%    
135 1542 LEONEL NA HORA 1 0,03%    
136 2520 KIKO DO KLB 1 0,03%    
137 4518 JOÃO PAULO FERRARESSO 1 0,03%    
138 4336 EVANDRO GUSSI 1 0,03%    
             
ELEIÇÕES 2010 SANTA ALBERTINA – SP GOVERNADOR    
Seq. Núm. Candidato Votação %    
*0001 45 GERALDO ALCKMIN 1.880 58,40%    
2 13 ALOIZIO MERCADANTE 1.234 38,33%    
3 11 CELSO RUSSOMANNO 42 1,30%    
4 43 FABIO FELDMANN 40 1,24%    
5 40 SKAF 20 0,62%    
6 29 ANAI CAPRONI 3 0,09%    
7 16 MANCHA 0 0,00%    
8 21 IGOR GRABOIS 0 0,00%    
9 50 PAULO BUFALO 0 0,00%    
             
ELEIÇÕES 2010 SANTA ALBERTINA SP – DEP ESTADUAL    
Seq. Núm. Candidato Votação    
*0001 15300 ITAMAR BORGES 746 23,30%    
*0002 45400 ANALICE FERNANDES 639 19,96%    
*0003 45232 CARLÃO PIGNATARI 317 9,90%    
*0004 13199 ANTONIO MENTOR 157 4,90%    
*0005 45451 CAUÊ MACRIS 88 2,75%    
*0006 13121 ANA PERUGINI 81 2,53%    
*0007 13123 ZICO 67 2,09%    
*0008 45633 PAULO ALEXANDRE BARBOSA 64 2,00%    
*0009 25118 EDMIR CHEDID 29 0,91%    
*0010 14140 CAMPOS MACHADO 24 0,75%    
*0011 13622 JOÃO PAULO RILLO 23 0,72%    
*0012 43134 RITA PASSOS 14 0,44%    
*0013 45545 BARROS MUNHOZ 13 0,41%    
*0014 25558 GIL ARANTES 13 0,41%    
*0015 45700 FERNANDO CAPEZ 12 0,37%    
*0016 12181 MAJOR OLIMPIO 10 0,31%    
*0017 10321 SEBASTIÃO SANTOS 7 0,22%    
*0018 23456 GONDIM 4 0,12%    
*0019 45555 CELSO GIGLIO 3 0,09%    
*0020 12345 RAFAEL SILVA 3 0,09%    
*0021 43135 PADRE AFONSO 3 0,09%    
*0022 11111 CURIATI 2 0,06%    
*0023 23123 DAVI ZAIA 2 0,06%    
*0024 43363 REINALDO ALGUZ 2 0,06%    
*0025 13113 EDINHO SILVA 2 0,06%    
*0026 15000 BALEIA ROSSI 2 0,06%    
*0027 45145 BRUNO COVAS 2 0,06%    
*0028 45123 WELSON GASPARINI 1 0,03%    
*0029 45100 PEDRO TOBIAS 1 0,03%    
*0030 15622 JOOJI HATO 1 0,03%    
*0031 43001 GIRIBONI 1 0,03%    
*0032 45111 GERALDO VINHOLI 1 0,03%    
*0033 45200 CÉLIA LEÃO 1 0,03%    
*0034 50789 CARLOS GIANNAZI 1 0,03%    
*0035 23423 ALEX MANENTE 1 0,03%    
*0036 14235 CORONEL EDSON FERRARINI 0 0,00%    
*0037 43333 DR. ULYSSES 0 0,00%    
*0038 45160 ARY FOSSEN 0 0,00%    
*0039 25199 ESTEVAM GALVAO 0 0,00%    
*0040 13640 JOSÉ CANDIDO 0 0,00%    
*0041 45156 ROBERTO ENGLER 0 0,00%    
*0042 13156 RUI FALCÃO 0 0,00%    
*0043 25122 ALDO DEMARCHI 0 0,00%    
*0044 45477 ROBERTO MASSAFERA 0 0,00%    
*0045 65035 LECI BRANDÃO 0 0,00%    
*0046 13004 TELMA DE SOUZA 0 0,00%    
*0047 13131 MARCOS MARTINS 0 0,00%    
*0048 40023 BOLÇONE 0 0,00%    
*0049 13222 ADRIANO DIOGO 0 0,00%    
*0050 45114 MARIA LÚCIA AMARY 0 0,00%    
*0051 14160 ROQUE BARBIERE – ROQUINHO 0 0,00%    
*0052 13611 ISAC REIS 0 0,00%    
*0053 45125 MAURO BRAGATO 0 0,00%    
*0054 13290 HAMILTON PEREIRA 0 0,00%    
*0055 13147 GERALDO CRUZ 0 0,00%    
*0056 13632 ANA DO CARMO 0 0,00%    
*0057 25011 GILSON DE SOUZA 0 0,00%    
*0058 45157 CELINO 0 0,00%    
*0059 43033 CHICO SARDELLI 0 0,00%    
*0060 43007 FELICIANO 0 0,00%    
*0061 12133 JOSE BITTENCOURT 0 0,00%    
*0062 14222 HEROILMA SOARES TAVARES 0 0,00%    
*0063 23623 ROBERTO MORAIS 0 0,00%    
*0064 65123 PEDRO BIGARDI 0 0,00%    
*0065 20200 ADILSON ROSSI 0 0,00%    
*0066 13644 JOÃO ANTONIO 0 0,00%    
*0067 13114 ENIO TATTO 0 0,00%    
*0068 13130 MARCO AURÉLIO DE SOUZA 0 0,00%    
*0069 10123 GILMACI SANTOS 0 0,00%    
*0070 43433 REGINA GONÇALVES 0 0,00%    
*0071 25255 MILTON VIEIRA 0 0,00%    
*0072 45780 MARCOS ZERBINI 0 0,00%    
*0073 45245 SAMUEL MOREIRA 0 0,00%    
*0074 40123 ED THOMAS 0 0,00%    
*0075 45610 HELIO NISHIMOTO 0 0,00%    
*0076 13134 SIMÃO PEDRO 0 0,00%    
*0077 43477 PASTOR DILMO DOS SANTOS 0 0,00%    
*0078 13112 GERSON BITTENCOURT 0 0,00%    
*0079 13690 CARLOS GRANA 0 0,00%    
*0080 15113 CARUSO 0 0,00%    
*0081 13913 DONISETE BRAGA 0 0,00%    
*0082 45321 CARLOS BEZERRA JR. 0 0,00%    
*0083 12123 ROGERIO NOGUEIRA 0 0,00%    
*0084 22999 ANDRE DO PRADO 0 0,00%    
*0085 13310 LUIZ CLAUDIO MARCOLINO 0 0,00%    
*0086 20112 PR. CARLOS CEZAR 0 0,00%    
*0087 13800 LUIZ MOURA 0 0,00%    
*0088 45680 ORLANDO MORANDO 0 0,00%    
*0089 25005 ANDRE SOARES 0 0,00%    
*0090 20688 MARCOS NEVES 0 0,00%    
*0091 13570 ALENCAR 0 0,00%    
*0092 25250 MILTON LEITE FILHO 0 0,00%    
*0093 40789 VINICIUS CAMARINHA 0 0,00%    
*0094 20633 RODRIGO MORAES 0 0,00%    
95 40404 DR. JULIANO PRANDI 108 3,37%    
96 40999 DR. PAULO MARIANI 71 2,22%    
97 13456 BETH SAHAO 54 1,69%    
98 14747 WALDIR AGNELLO 53 1,66%    
99 45198 JOSE BORANGA 46 1,44%    
100 43222 BRAZ ALBERTINI 33 1,03%    
101 20220 RENATO PUPO 17 0,53%    
102 45300 CASSIO NAVARRO 14 0,44%    
103 43045 RICARDO CASTILHO 9 0,28%    
104 23333 VITOR SAPIENZA 8 0,25%    
105 65065 MAURIN DA SORVETERIA 7 0,22%    
106 45455 CONCCI MARCO 6 0,19%    
107 20007 CELSO NASCIMENTO 4 0,12%    
108 25125 FERNANDO LUCAS 4 0,12%    
109 13656 FERNANDO ESCODEIRO 4 0,12%    
110 12062 DR RENAN 3 0,09%    
111 25000 DARIO SAADI 3 0,09%    
112 20512 CANDIDO 3 0,09%    
113 45155 CLOVIS CHAVES 2 0,06%    
114 65670 TAVARES 2 0,06%    
115 45235 DILADOR BORGES 2 0,06%    
116 50193 LEO 2 0,06%    
117 12612 CONSTANCIA FELIX 2 0,06%    
118 11999 PAULERA 2 0,06%    
119 23001 JOSE CARLOS SOARES 2 0,06%    
120 15500 MARIA DO CARMO GUILHERME 2 0,06%    
121 11300 FARIA JR 2 0,06%    
122 43232 ROBERTO SOBRAL 2 0,06%    
123 45010 UBIRAJARA GUIMARÃES 2 0,06%    
124 13313 RENATO DO GEB 2 0,06%    
125 23540 PROFESSOR ZE MARIA 1 0,03%    
126 40040 MARIÂNGELA DUARTE 1 0,03%    
127 13300 EUVANILDE 1 0,03%    
128 11051 VALDIR PINHEIRO 1 0,03%    
129 11233 JOÃO ARAUJO 1 0,03%    
130 22222 ZE PEDRO 1 0,03%    
131 45222 ADOLFO QUINTAS 1 0,03%    
132 12000 AURELIO 1 0,03%    
133 13699 JOEL FONSECA 1 0,03%    
134 13650 GALLO 1 0,03%    
135 40440 VITOR SANTOS 1 0,03%    
136 11234 DR. IRINEU 1 0,03%    
137 65055 SARAH MUNHOZ 1 0,03%    
138 12310 CARLOS HERNANDES 1 0,03%    
139 45999 SONIA IERVOLINO 1 0,03%    
140 45456 JOÃO SANZOVO 1 0,03%    
141 15600 ANGELA RAMALHO 1 0,03%    
142 11888 RUSSOMANNO 1 0,03%    
143 20012 APOSTOLO EURIPEDES 1 0,03%    
144 13122 TONINHO DO PT 1 0,03%    
145 40245 EDINHO SANTANA 1 0,03%    
146 40013 DR. VLAMIR 1 0,03%    
147 11313 MARIA CLEMENTINA 1 0,03%    
148 23233 DR. TÚLIO 1 0,03%    
149 20600 SAID MOURAD 1 0,03%    
150 13133 ELI TEODORO 1 0,03%    
151 45615 KATIA SOLIS 1 0,03%    
152 14433 SIVALDO FAISCA 1 0,03%    
153 65400 PRISCILA VAUTIER 1 0,03%    
154 45040 LUCIO PAZ 1 0,03%    
155 43000 GENTIL 1 0,03%    
156 40402 FRANKLIN CANGUSSU 1 0,03%    
157 13000 ANDERSON SILVA 1 0,03%    
158 45450 THIAGO LOBO 1 0,03%    

Eleições 2010 Dolcinópolis -SP: resultado do 1º e 2º turnos.

DOLCINÓPOLIS  2010 – PRESIDENTE DA REPÚBLICA
      1º TURNO 2º TURNO
Seq. Núm. Candidato Votação % Votação %
1 13 DILMA 972 57,82% 1.061 63,38%
2 45 JOSÉ SERRA 552 32,84% 613 36,62%
3 43 MARINA SILVA 150 8,92%    
4 50 PLÍNIO 6 0,36%    
5 28 LEVY FIDELIX 1 0,06%    
6 27 EYMAEL 0 0,00%    
7 21 IVAN PINHEIRO 0 0,00%    
8 29 RUI COSTA PIMENTA 0 0,00%    
9 16 ZÉ MARIA 0 0,00%    
             
DOLCINÓPOLIS 2010 – SENADORES    
Seq. Núm. Candidato Votação    
1 451 ALOYSIO NUNES 834 31,46%    
2 133 MARTA SUPLICY 667 25,16%    
3 650 NETINHO 615 23,20%    
4 141 ROMEU TUMA 390 14,71%    
5 430 RICARDO YOUNG 75 2,83%    
6 360 CIRO 38 1,43%    
7 177 MOACYR FRANCO 10 0,38%    
8 160 ANA LUIZA 7 0,26%    
9 111 DR. REDÓ 6 0,23%    
10 500 MARCELO HENRIQUE 6 0,23%    
11 400 SERPA 2 0,08%    
12 290 AFONSO TEIXEIRA 1 0,04%    
13 212 ERNESTO PICHLER 0 0,00%    
14 211 MAZZEO 0 0,00%    
15 161 DIRCEU TRAVESSO 0 0,00%    
             
DOLCINÓPOLIS  2010 – DEPUTADOS FEDERAIS    
Seq. Núm. Candidato Votação    
*0001 4555 JULIO SEMEGHINI 333 20,43%    
*0002 4363 RICARDO IZAR 199 12,21%    
*0003 2525 RODRIGO GARCIA 199 12,21%    
*0004 1325 JOÃO PAULO CUNHA 80 4,91%    
*0005 4586 JOSÉ ANIBAL 63 3,87%    
*0006 4567 VAZ DE LIMA 34 2,09%    
*0007 2222 TIRIRICA 33 2,02%    
*0008 4030 GABRIEL CHALITA 21 1,29%    
*0009 1353 JILMAR TATTO 20 1,23%    
*0010 1523 EDINHO ARAUJO 19 1,17%    
*0011 2233 PR PAULO FREIRE 15 0,92%    
*0012 4300 GUILHERME MUSSI 14 0,86%    
*0013 1332 JOSÉ MENTOR 13 0,80%    
*0014 4311 DR. SINVAL MALHEIROS 13 0,80%    
*0015 2010 MARCO FELICIANO 13 0,80%    
*0016 1322 ARLINDO CHINAGLIA 10 0,61%    
*0017 4545 EDSON APARECIDO 10 0,61%    
*0018 1211 JOÃO DADO 9 0,55%    
*0019 1369 DEVANIR RIBEIRO 7 0,43%    
*0020 1434 NELSON MARQUEZELLI 6 0,37%    
*0021 1155 MISSIONÁRIO JOSÉ OLIMPIO 4 0,25%    
*0022 1331 RICARDO BERZOINI 4 0,25%    
*0023 4515 EMANUEL FERNANDES 3 0,18%    
*0024 1345 VANDERLEI SIRAQUE 3 0,18%    
*0025 1010 ANTONIO BULHÕES 3 0,18%    
*0026 1312 VACCAREZZA 2 0,12%    
*0027 4500 CARLOS SAMPAIO 2 0,12%    
*0028 1452 ARNALDO FARIA DE SÁ 1 0,06%    
*0029 4577 THAME 1 0,06%    
*0030 2325 DIMAS RAMALHO 1 0,06%    
*0031 2500 JORGE TADEU 1 0,06%    
*0032 1321 FILIPPI 1 0,06%    
*0033 4315 ROBERTO SANTIAGO 1 0,06%    
*0034 2255 MILTON MONTI 1 0,06%    
*0035 4021 LUIZA ERUNDINA 0 0,00%    
*0036 2545 JUNJI ABE 0 0,00%    
*0037 2323 ROBERTO FREIRE 0 0,00%    
*0038 4343 PENNA 0 0,00%    
*0039 5050 IVAN VALENTE 0 0,00%    
*0040 1387 JANETE PIETÁ 0 0,00%    
*0041 4525 DIB 0 0,00%    
*0042 2299 VALDEMAR COSTA NETO 0 0,00%    
*0043 4070 ABELARDO CAMARINHA 0 0,00%    
*0044 4565 TRIPOLI 0 0,00%    
*0045 1318 NEWTON LIMA NETO 0 0,00%    
*0046 2345 ARNALDO JARDIM 0 0,00%    
*0047 1250 SALVADOR ZIMBALDI 0 0,00%    
*0048 6565 ALDO REBELO 0 0,00%    
*0049 1212 PAULINHO DA FORÇA 0 0,00%    
*0050 1390 VICENTINHO 0 0,00%    
*0051 4096 OTA 0 0,00%    
*0052 6588 DELEGADO PROTÓGENES 0 0,00%    
*0053 1370 ZARATTINI 0 0,00%    
*0054 1301 VICENTE CANDIDO 0 0,00%    
*0055 1398 PAULO TEIXEIRA 0 0,00%    
*0056 2590 GUILHERME CAMPOS 0 0,00%    
*0057 4040 MÁRCIO FRANÇA 0 0,00%    
*0058 1316 CARLINHOS ALMEIDA 0 0,00%    
*0059 4554 DUARTE NOGUEIRA 0 0,00%    
*0060 4074 JEFFERSON CAMPOS 0 0,00%    
*0061 4000 JONAS DONIZETTE 0 0,00%    
*0062 4344 ROBERTO DE LUCENA 0 0,00%    
*0063 4517 MARA GABRILLI 0 0,00%    
*0064 1023 OTONIEL LIMA 0 0,00%    
*0065 1133 ALINE CORREA 0 0,00%    
*0066 2012 MARCELO AGUIAR 0 0,00%    
*0067 2577 ELI CORREA FILHO 0 0,00%    
*0068 4547 LUIZ FERNANDO MACHADO 0 0,00%    
*0069 4585 BRUNA FURLAN 0 0,00%    
*0070 2513 ALEXANDRE LEITE 0 0,00%    
71 1199 VADÃO 203 12,45%    
72 2588 DR ELEUSES PAIVA 42 2,58%    
73 2020 REGIS DE OLIVEIRA 31 1,90%    
74 4540 SILVIO TORRES 14 0,86%    
75 4530 ALBERTO MOURAO 10 0,61%    
76 1236 MANOEL ANTUNES 8 0,49%    
77 1313 GENOINO 5 0,31%    
78 1302 PROFESSOR JAIR BALESTRA 5 0,31%    
79 4563 GIVALDO VIEIRA 3 0,18%    
80 3638 PAES DE LIRA 3 0,18%    
81 4020 CAPITÃO AUGUSTO 3 0,18%    
82 1132 PEDRINHO BARACAT 2 0,12%    
83 1515 EDUARDO COELHO 2 0,12%    
84 1127 LAURINDO BARNARDES 2 0,12%    
85 4080 DR. UBIALI 2 0,12%    
86 2333 JOSE ONERIO 2 0,12%    
87 4377 VILSON ALVES 2 0,12%    
88 2599 WALTER IHOSHI 2 0,12%    
89 7012 DR MARCAO DA MANCHA 2 0,12%    
90 1530 SERGIO KOBRA 2 0,12%    
91 1166 SILVIA MARIA 2 0,12%    
92 1119 CAPITÃO GOMES 1 0,06%    
93 4362 DR. GETÚLIO SERPA 1 0,06%    
94 4533 RENATO AMARY 1 0,06%    
95 2018 TENENTE ORLANDO 1 0,06%    
96 1333 PROF. CARLÃO RAMIRO 1 0,06%    
97 4513 FELICIDADE 1 0,06%    
98 4307 VICENTE DA UPA 1 0,06%    
99 4099 MIGUEL SAMPAIO 1 0,06%    
100 2555 MANDIC 1 0,06%    
101 2522 CRESPO 1 0,06%    
102 4523 CARLOS ROBERTO 1 0,06%    
103 3617 BATISTA 1 0,06%    
104 1235 NELSINHO DA BAHIA 1 0,06%    
105 4569 TIÃO 1 0,06%    
106 1919 MAGUILA 1 0,06%    
107 4511 RAUL CHRISTIANO 1 0,06%    
108 1411 SANTANA 1 0,06%    
109 1136 PAULO BASSOLI 1 0,06%    
110 1141 CATARINA RIGINIK 1 0,06%    
111 1311 LARGUESA 1 0,06%    
112 1540 INDIA 1 0,06%    
113 3133 PROF HERMES 1 0,06%    
114 1414 ROBSON TUMA 1 0,06%    
115 4007 MARCELINHO CARIOCA 1 0,06%    
116 1416 JORGE MARINGOLO 1 0,06%    
117 1213 ELISEU DANIEL 1 0,06%    
118 1100 DURVAL MORELLI 1 0,06%    
             
ELEIÇÕES 2010 DOLCINÓPOLIS – SP GOVERNADOR    
Seq. Núm. Candidato Votação %    
*0001 45 GERALDO ALCKMIN 844 51,56%    
2 13 ALOIZIO MERCADANTE 738 45,08%    
3 11 CELSO RUSSOMANNO 26 1,59%    
4 43 FABIO FELDMANN 22 1,34%    
5 40 SKAF 7 0,43%    
6 16 MANCHA 0 0,00%    
7 21 IGOR GRABOIS 0 0,00%    
8 29 ANAI CAPRONI 0 0,00%    
9 50 PAULO BUFALO 0 0,00%    
             
ELEIÇÕES 2010 DOLCINÓPOLIS SP – DEPUTADO ESTADUAL    
Seq. Núm. Candidato Votação    
*0001 45400 ANALICE FERNANDES 654 39,88%    
*0002 15300 ITAMAR BORGES 104 6,34%    
*0003 45633 PAULO ALEXANDRE BARBOSA 89 5,43%    
*0004 25122 ALDO DEMARCHI 66 4,02%    
*0005 45232 CARLÃO PIGNATARI 64 3,90%    
*0006 25118 EDMIR CHEDID 27 1,65%    
*0007 13123 ZICO 26 1,59%    
*0008 23123 DAVI ZAIA 23 1,40%    
*0009 13640 JOSÉ CANDIDO 16 0,98%    
*0010 45545 BARROS MUNHOZ 13 0,79%    
*0011 13199 ANTONIO MENTOR 12 0,73%    
*0012 43134 RITA PASSOS 11 0,67%    
*0013 13622 JOÃO PAULO RILLO 8 0,49%    
*0014 20633 RODRIGO MORAES 6 0,37%    
*0015 45451 CAUÊ MACRIS 5 0,30%    
*0016 43433 REGINA GONÇALVES 4 0,24%    
*0017 12181 MAJOR OLIMPIO 4 0,24%    
*0018 10321 SEBASTIÃO SANTOS 4 0,24%    
*0019 11111 CURIATI 2 0,12%    
*0020 14140 CAMPOS MACHADO 2 0,12%    
*0021 13131 MARCOS MARTINS 2 0,12%    
*0022 14160 ROQUE BARBIERE – ROQUINHO 2 0,12%    
*0023 43033 CHICO SARDELLI 2 0,12%    
*0024 45610 HELIO NISHIMOTO 2 0,12%    
*0025 13121 ANA PERUGINI 2 0,12%    
*0026 13113 EDINHO SILVA 2 0,12%    
*0027 12345 RAFAEL SILVA 1 0,06%    
*0028 23456 GONDIM 1 0,06%    
*0029 40023 BOLÇONE 1 0,06%    
*0030 45111 GERALDO VINHOLI 1 0,06%    
*0031 12133 JOSE BITTENCOURT 1 0,06%    
*0032 25255 MILTON VIEIRA 1 0,06%    
*0033 45680 ORLANDO MORANDO 1 0,06%    
*0034 25005 ANDRE SOARES 1 0,06%    
*0035 14235 CORONEL EDSON FERRARINI 0 0,00%    
*0036 43333 DR. ULYSSES 0 0,00%    
*0037 45123 WELSON GASPARINI 0 0,00%    
*0038 45160 ARY FOSSEN 0 0,00%    
*0039 45555 CELSO GIGLIO 0 0,00%    
*0040 25199 ESTEVAM GALVAO 0 0,00%    
*0041 45156 ROBERTO ENGLER 0 0,00%    
*0042 13156 RUI FALCÃO 0 0,00%    
*0043 45477 ROBERTO MASSAFERA 0 0,00%    
*0044 65035 LECI BRANDÃO 0 0,00%    
*0045 13004 TELMA DE SOUZA 0 0,00%    
*0046 45100 PEDRO TOBIAS 0 0,00%    
*0047 15622 JOOJI HATO 0 0,00%    
*0048 13222 ADRIANO DIOGO 0 0,00%    
*0049 45114 MARIA LÚCIA AMARY 0 0,00%    
*0050 25558 GIL ARANTES 0 0,00%    
*0051 13611 ISAC REIS 0 0,00%    
*0052 43001 GIRIBONI 0 0,00%    
*0053 45125 MAURO BRAGATO 0 0,00%    
*0054 13290 HAMILTON PEREIRA 0 0,00%    
*0055 13147 GERALDO CRUZ 0 0,00%    
*0056 45200 CÉLIA LEÃO 0 0,00%    
*0057 13632 ANA DO CARMO 0 0,00%    
*0058 25011 GILSON DE SOUZA 0 0,00%    
*0059 45157 CELINO 0 0,00%    
*0060 43007 FELICIANO 0 0,00%    
*0061 14222 HEROILMA SOARES TAVARES 0 0,00%    
*0062 23623 ROBERTO MORAIS 0 0,00%    
*0063 65123 PEDRO BIGARDI 0 0,00%    
*0064 20200 ADILSON ROSSI 0 0,00%    
*0065 43135 PADRE AFONSO 0 0,00%    
*0066 13644 JOÃO ANTONIO 0 0,00%    
*0067 13114 ENIO TATTO 0 0,00%    
*0068 13130 MARCO AURÉLIO DE SOUZA 0 0,00%    
*0069 10123 GILMACI SANTOS 0 0,00%    
*0070 50789 CARLOS GIANNAZI 0 0,00%    
*0071 43363 REINALDO ALGUZ 0 0,00%    
*0072 45780 MARCOS ZERBINI 0 0,00%    
*0073 45245 SAMUEL MOREIRA 0 0,00%    
*0074 40123 ED THOMAS 0 0,00%    
*0075 45700 FERNANDO CAPEZ 0 0,00%    
*0076 13134 SIMÃO PEDRO 0 0,00%    
*0077 43477 PASTOR DILMO DOS SANTOS 0 0,00%    
*0078 13112 GERSON BITTENCOURT 0 0,00%    
*0079 13690 CARLOS GRANA 0 0,00%    
*0080 15113 CARUSO 0 0,00%    
*0081 13913 DONISETE BRAGA 0 0,00%    
*0082 45321 CARLOS BEZERRA JR. 0 0,00%    
*0083 12123 ROGERIO NOGUEIRA 0 0,00%    
*0084 22999 ANDRE DO PRADO 0 0,00%    
*0085 13310 LUIZ CLAUDIO MARCOLINO 0 0,00%    
*0086 20112 PR. CARLOS CEZAR 0 0,00%    
*0087 13800 LUIZ MOURA 0 0,00%    
*0088 15000 BALEIA ROSSI 0 0,00%    
*0089 20688 MARCOS NEVES 0 0,00%    
*0090 13570 ALENCAR 0 0,00%    
*0091 25250 MILTON LEITE FILHO 0 0,00%    
*0092 23423 ALEX MANENTE 0 0,00%    
*0093 40789 VINICIUS CAMARINHA 0 0,00%    
*0094 45145 BRUNO COVAS 0 0,00%    
95 13400 ROBERTO FELICIO 49 2,99%    
96 40999 DR. PAULO MARIANI 33 2,01%    
97 45155 CLOVIS CHAVES 27 1,65%    
98 13456 BETH SAHAO 22 1,34%    
99 45010 UBIRAJARA GUIMARÃES 22 1,34%    
100 20512 CANDIDO 13 0,79%    
101 45300 CASSIO NAVARRO 13 0,79%    
102 40404 DR. JULIANO PRANDI 12 0,73%    
103 20220 RENATO PUPO 11 0,67%    
104 25125 FERNANDO LUCAS 8 0,49%    
105 43045 RICARDO CASTILHO 5 0,30%    
106 40211 SARGENTO OHNO 5 0,30%    
107 12812 PAULO BARBOSA 4 0,24%    
108 14014 LÉO ÁQUILLA 4 0,24%    
109 40223 HILKIAS 3 0,18%    
110 45198 JOSE BORANGA 3 0,18%    
111 45235 DILADOR BORGES 3 0,18%    
112 12612 CONSTANCIA FELIX 3 0,18%    
113 45500 VICTOR KOBAYASHI 3 0,18%    
114 13789 TITO 2 0,12%    
115 45000 HELIO RUBENS 2 0,12%    
116 13122 TONINHO DO PT 2 0,12%    
117 23233 DR. TÚLIO 2 0,12%    
118 15012 THIAGO FERRARI 2 0,12%    
119 23540 PROFESSOR ZE MARIA 1 0,06%    
120 23110 ADEMIR DA GUIA 1 0,06%    
121 45666 GILSON BARRETO 1 0,06%    
122 45950 DORI FONTES 1 0,06%    
123 13300 EUVANILDE 1 0,06%    
124 11051 VALDIR PINHEIRO 1 0,06%    
125 20222 JOÃO BINATO 1 0,06%    
126 22222 ZE PEDRO 1 0,06%    
127 45454 EDISON CANDIDO 1 0,06%    
128 13132 DR. LUIZINHO 1 0,06%    
129 11010 RICARDO PELISSER 1 0,06%    
130 11888 RUSSOMANNO 1 0,06%    
131 11369 VALDIR MARIN 1 0,06%    
132 45800 DIOBEL DA DIDOL’S 1 0,06%    
133 45457 VALÉRIA 1 0,06%    
134 43266 FERNANDO MARREY FERREIRA 1 0,06%    
135 11300 FARIA JR 1 0,06%    
136 40025 DR. GENNARI 1 0,06%    
137 45455 CONCCI MARCO 1 0,06%    
138 43400 FLAVIO OLIVEIRA 1 0,06%    
139 45466 EDLEIA MATOS 1 0,06%    
140 70699 PAULO CORRÊA JR 1 0,06%    
141 22300 PATRICIA LIMA 1 0,06%    

Eleições 2010 Vitória Brasil – SP: resultados do 1º e 2º turnos

VITÓRIA BRASIL  2010 – PRESIDENTE DA REPÚBLICA
      1º TURNO 2º TURNO
Seq. Núm. Candidato Votação % Votação %
1 45 JOSÉ SERRA 552 46,46% 636 54,69%
2 13 DILMA 477 40,15% 527 45,31%
3 43 MARINA SILVA 150 12,63%    
4 50 PLÍNIO 7 0,59%    
5 16 ZÉ MARIA 2 0,17%    
6 27 EYMAEL 0 0,00%    
7 21 IVAN PINHEIRO 0 0,00%    
8 28 LEVY FIDELIX 0 0,00%    
9 29 RUI COSTA PIMENTA 0 0,00%    
             
VITÓRIA BRASIL 2010 – SENADORES    
Seq. Núm. Candidato Votação    
*0001 451 ALOYSIO NUNES 651 39,50%    
*0002 133 MARTA SUPLICY 386 23,42%    
3 650 NETINHO 354 21,48%    
4 141 ROMEU TUMA 126 7,65%    
5 430 RICARDO YOUNG 86 5,22%    
6 177 MOACYR FRANCO 11 0,67%    
7 500 MARCELO HENRIQUE 11 0,67%    
8 111 DR. REDÓ 10 0,61%    
9 160 ANA LUIZA 7 0,42%    
10 360 CIRO 4 0,24%    
11 400 SERPA 2 0,12%    
12 212 ERNESTO PICHLER 0 0,00%    
13 211 MAZZEO 0 0,00%    
14 161 DIRCEU TRAVESSO 0 0,00%    
15 290 AFONSO TEIXEIRA 0 0,00%    
             
VITORIA BRASIL 2010 – DEPUTADOS FEDERAIS    
Seq. Núm. Candidato Votação    
*0001 4555 JULIO SEMEGHINI 175 15,57%    
*0002 1523 EDINHO ARAUJO 107 9,52%    
*0003 1434 NELSON MARQUEZELLI 65 5,78%    
*0004 2525 RODRIGO GARCIA 60 5,34%    
*0005 4545 EDSON APARECIDO 42 3,74%    
*0006 1211 JOÃO DADO 37 3,29%    
*0007 2222 TIRIRICA 33 2,94%    
*0008 4567 VAZ DE LIMA 27 2,40%    
*0009 1398 PAULO TEIXEIRA 27 2,40%    
*0010 4030 GABRIEL CHALITA 23 2,05%    
*0011 4311 DR. SINVAL MALHEIROS 21 1,87%    
*0012 1325 JOÃO PAULO CUNHA 15 1,33%    
*0013 1332 JOSÉ MENTOR 13 1,16%    
*0014 4363 RICARDO IZAR 13 1,16%    
*0015 1369 DEVANIR RIBEIRO 8 0,71%    
*0016 2500 JORGE TADEU 6 0,53%    
*0017 1155 MISSIONÁRIO JOSÉ OLIMPIO 5 0,44%    
*0018 4300 GUILHERME MUSSI 5 0,44%    
*0019 1212 PAULINHO DA FORÇA 3 0,27%    
*0020 2323 ROBERTO FREIRE 1 0,09%    
*0021 1452 ARNALDO FARIA DE SÁ 1 0,09%    
*0022 5050 IVAN VALENTE 1 0,09%    
*0023 2299 VALDEMAR COSTA NETO 1 0,09%    
*0024 2233 PR PAULO FREIRE 1 0,09%    
*0025 1250 SALVADOR ZIMBALDI 1 0,09%    
*0026 1312 VACCAREZZA 1 0,09%    
*0027 1345 VANDERLEI SIRAQUE 1 0,09%    
*0028 4500 CARLOS SAMPAIO 1 0,09%    
*0029 1010 ANTONIO BULHÕES 1 0,09%    
*0030 1133 ALINE CORREA 1 0,09%    
*0031 4021 LUIZA ERUNDINA 0 0,00%    
*0032 2545 JUNJI ABE 0 0,00%    
*0033 4343 PENNA 0 0,00%    
*0034 4577 THAME 0 0,00%    
*0035 1387 JANETE PIETÁ 0 0,00%    
*0036 4525 DIB 0 0,00%    
*0037 4586 JOSÉ ANIBAL 0 0,00%    
*0038 1322 ARLINDO CHINAGLIA 0 0,00%    
*0039 4070 ABELARDO CAMARINHA 0 0,00%    
*0040 4565 TRIPOLI 0 0,00%    
*0041 1318 NEWTON LIMA NETO 0 0,00%    
*0042 2325 DIMAS RAMALHO 0 0,00%    
*0043 2345 ARNALDO JARDIM 0 0,00%    
*0044 6565 ALDO REBELO 0 0,00%    
*0045 4515 EMANUEL FERNANDES 0 0,00%    
*0046 1390 VICENTINHO 0 0,00%    
*0047 4096 OTA 0 0,00%    
*0048 1321 FILIPPI 0 0,00%    
*0049 4315 ROBERTO SANTIAGO 0 0,00%    
*0050 6588 DELEGADO PROTÓGENES 0 0,00%    
*0051 1370 ZARATTINI 0 0,00%    
*0052 1301 VICENTE CANDIDO 0 0,00%    
*0053 1331 RICARDO BERZOINI 0 0,00%    
*0054 2255 MILTON MONTI 0 0,00%    
*0055 2590 GUILHERME CAMPOS 0 0,00%    
*0056 4040 MÁRCIO FRANÇA 0 0,00%    
*0057 1316 CARLINHOS ALMEIDA 0 0,00%    
*0058 4554 DUARTE NOGUEIRA 0 0,00%    
*0059 4074 JEFFERSON CAMPOS 0 0,00%    
*0060 1353 JILMAR TATTO 0 0,00%    
*0061 4000 JONAS DONIZETTE 0 0,00%    
*0062 4344 ROBERTO DE LUCENA 0 0,00%    
*0063 4517 MARA GABRILLI 0 0,00%    
*0064 1023 OTONIEL LIMA 0 0,00%    
*0065 2010 MARCO FELICIANO 0 0,00%    
*0066 2012 MARCELO AGUIAR 0 0,00%    
*0067 2577 ELI CORREA FILHO 0 0,00%    
*0068 4547 LUIZ FERNANDO MACHADO 0 0,00%    
*0069 4585 BRUNA FURLAN 0 0,00%    
*0070 2513 ALEXANDRE LEITE 0 0,00%    
71 1199 VADÃO 223 19,84%    
72 4023 CHINELO 13 1,16%    
73 4530 ALBERTO MOURAO 8 0,71%    
74 1302 PROFESSOR JAIR BALESTRA 8 0,71%    
75 4540 SILVIO TORRES 7 0,62%    
76 4541 TIRSO MEIRELLES 7 0,62%    
77 4321 ZICA 6 0,53%    
78 1119 CAPITÃO GOMES 4 0,36%    
79 1313 GENOINO 4 0,36%    
80 5027 ANDRE DO J. CÉLIO 4 0,36%    
81 1127 LAURINDO BARNARDES 4 0,36%    
82 4080 DR. UBIALI 3 0,27%    
83 2588 DR ELEUSES PAIVA 3 0,27%    
84 2332 ARI FRIEDENBACH 3 0,27%    
85 1361 ARCELINO ARAUJO 3 0,27%    
86 2599 WALTER IHOSHI 3 0,27%    
87 1377 DR RONALDO BRESCIANI 3 0,27%    
88 3638 PAES DE LIRA 2 0,18%    
89 1115 CARLOS OCTAVIANI 2 0,18%    
90 1436 MARCOS CRIPPA 2 0,18%    
91 1530 SERGIO KOBRA 2 0,18%    
92 1126 RENATO AMORIM 2 0,18%    
93 1139 TELLES 1 0,09%    
94 4455 PROFESSOR MUNHOZ 1 0,09%    
95 1333 PROF. CARLÃO RAMIRO 1 0,09%    
96 2515 PROFESSOR BENJAMIN 1 0,09%    
97 4522 LELIS DA ROCHA 1 0,09%    
98 4320 CESAR CORTEZ 1 0,09%    
99 4456 TONIOLO 1 0,09%    
100 2088 MANOEL GASPAR 1 0,09%    
101 1152 MAURICIO “TCHÊ DA TORRE” 1 0,09%    
102 1919 MAGUILA 1 0,09%    
103 2511 JORGINHO MALULY 1 0,09%    
104 1521 DR. PAULO VALENTIM 1 0,09%    
105 1113 ANGINHO DOS TECLADOS 1 0,09%    
106 4007 MARCELINHO CARIOCA 1 0,09%    
107 1166 SILVIA MARIA 1 0,09%    
             
VITORIA BRASIL 2010 – GOVERNADOR    
Seq. Núm. Candidato Votação    
*0001 45 GERALDO ALCKMIN 714 62,03%    
2 13 ALOIZIO MERCADANTE 378 32,84%    
3 11 CELSO RUSSOMANNO 23 2,00%    
4 43 FABIO FELDMANN 20 1,74%    
5 40 SKAF 15 1,30%    
6 29 ANAI CAPRONI 1 0,09%    
7 16 MANCHA 0 0,00%    
8 21 IGOR GRABOIS 0 0,00%    
9 50 PAULO BUFALO 0 0,00%    
             
VITORIA BRASIL 2010 – DEPUTADOS ESTADUAIS    
Seq. Núm. Candidato Votação    
*0001 45400 ANALICE FERNANDES 596 52,74%    
*0002 15300 ITAMAR BORGES 97 8,58%    
*0003 45232 CARLÃO PIGNATARI 47 4,16%    
*0004 14140 CAMPOS MACHADO 43 3,81%    
*0005 45700 FERNANDO CAPEZ 16 1,42%    
*0006 14160 ROQUE BARBIERE – ROQUINHO 14 1,24%    
*0007 13123 ZICO 8 0,71%    
*0008 13199 ANTONIO MENTOR 8 0,71%    
*0009 25558 GIL ARANTES 8 0,71%    
*0010 25118 EDMIR CHEDID 8 0,71%    
*0011 13113 EDINHO SILVA 7 0,62%    
*0012 25005 ANDRE SOARES 6 0,53%    
*0013 20633 RODRIGO MORAES 6 0,53%    
*0014 23123 DAVI ZAIA 5 0,44%    
*0015 15113 CARUSO 5 0,44%    
*0016 13640 JOSÉ CANDIDO 4 0,35%    
*0017 45633 PAULO ALEXANDRE BARBOSA 4 0,35%    
*0018 43134 RITA PASSOS 3 0,27%    
*0019 45555 CELSO GIGLIO 2 0,18%    
*0020 12181 MAJOR OLIMPIO 2 0,18%    
*0021 13121 ANA PERUGINI 2 0,18%    
*0022 45545 BARROS MUNHOZ 1 0,09%    
*0023 40023 BOLÇONE 1 0,09%    
*0024 13611 ISAC REIS 1 0,09%    
*0025 45610 HELIO NISHIMOTO 1 0,09%    
*0026 10321 SEBASTIÃO SANTOS 1 0,09%    
*0027 13622 JOÃO PAULO RILLO 1 0,09%    
*0028 11111 CURIATI 0 0,00%    
*0029 14235 CORONEL EDSON FERRARINI 0 0,00%    
*0030 43333 DR. ULYSSES 0 0,00%    
*0031 45123 WELSON GASPARINI 0 0,00%    
*0032 45160 ARY FOSSEN 0 0,00%    
*0033 25199 ESTEVAM GALVAO 0 0,00%    
*0034 45156 ROBERTO ENGLER 0 0,00%    
*0035 13156 RUI FALCÃO 0 0,00%    
*0036 25122 ALDO DEMARCHI 0 0,00%    
*0037 45477 ROBERTO MASSAFERA 0 0,00%    
*0038 65035 LECI BRANDÃO 0 0,00%    
*0039 13004 TELMA DE SOUZA 0 0,00%    
*0040 12345 RAFAEL SILVA 0 0,00%    
*0041 13131 MARCOS MARTINS 0 0,00%    
*0042 45100 PEDRO TOBIAS 0 0,00%    
*0043 23456 GONDIM 0 0,00%    
*0044 15622 JOOJI HATO 0 0,00%    
*0045 13222 ADRIANO DIOGO 0 0,00%    
*0046 45114 MARIA LÚCIA AMARY 0 0,00%    
*0047 43001 GIRIBONI 0 0,00%    
*0048 45111 GERALDO VINHOLI 0 0,00%    
*0049 45125 MAURO BRAGATO 0 0,00%    
*0050 13290 HAMILTON PEREIRA 0 0,00%    
*0051 13147 GERALDO CRUZ 0 0,00%    
*0052 45200 CÉLIA LEÃO 0 0,00%    
*0053 13632 ANA DO CARMO 0 0,00%    
*0054 25011 GILSON DE SOUZA 0 0,00%    
*0055 45157 CELINO 0 0,00%    
*0056 43033 CHICO SARDELLI 0 0,00%    
*0057 43007 FELICIANO 0 0,00%    
*0058 12133 JOSE BITTENCOURT 0 0,00%    
*0059 14222 HEROILMA SOARES TAVARES 0 0,00%    
*0060 23623 ROBERTO MORAIS 0 0,00%    
*0061 65123 PEDRO BIGARDI 0 0,00%    
*0062 20200 ADILSON ROSSI 0 0,00%    
*0063 43135 PADRE AFONSO 0 0,00%    
*0064 13644 JOÃO ANTONIO 0 0,00%    
*0065 13114 ENIO TATTO 0 0,00%    
*0066 13130 MARCO AURÉLIO DE SOUZA 0 0,00%    
*0067 10123 GILMACI SANTOS 0 0,00%    
*0068 43433 REGINA GONÇALVES 0 0,00%    
*0069 50789 CARLOS GIANNAZI 0 0,00%    
*0070 25255 MILTON VIEIRA 0 0,00%    
*0071 43363 REINALDO ALGUZ 0 0,00%    
*0072 45780 MARCOS ZERBINI 0 0,00%    
*0073 45245 SAMUEL MOREIRA 0 0,00%    
*0074 40123 ED THOMAS 0 0,00%    
*0075 13134 SIMÃO PEDRO 0 0,00%    
*0076 43477 PASTOR DILMO DOS SANTOS 0 0,00%    
*0077 13112 GERSON BITTENCOURT 0 0,00%    
*0078 13690 CARLOS GRANA 0 0,00%    
*0079 13913 DONISETE BRAGA 0 0,00%    
*0080 45321 CARLOS BEZERRA JR. 0 0,00%    
*0081 12123 ROGERIO NOGUEIRA 0 0,00%    
*0082 22999 ANDRE DO PRADO 0 0,00%    
*0083 13310 LUIZ CLAUDIO MARCOLINO 0 0,00%    
*0084 20112 PR. CARLOS CEZAR 0 0,00%    
*0085 13800 LUIZ MOURA 0 0,00%    
*0086 15000 BALEIA ROSSI 0 0,00%    
*0087 45680 ORLANDO MORANDO 0 0,00%    
*0088 20688 MARCOS NEVES 0 0,00%    
*0089 13570 ALENCAR 0 0,00%    
*0090 25250 MILTON LEITE FILHO 0 0,00%    
*0091 23423 ALEX MANENTE 0 0,00%    
*0092 40789 VINICIUS CAMARINHA 0 0,00%    
*0093 45145 BRUNO COVAS 0 0,00%    
*0094 45451 CAUÊ MACRIS 0 0,00%    
95 13613 BRENO CORTELLA 23 2,04%    
96 40999 DR. PAULO MARIANI 21 1,86%    
97 45222 ADOLFO QUINTAS 12 1,06%    
98 11225 JOSE DIAS 6 0,53%    
99 45198 JOSE BORANGA 5 0,44%    
100 45300 CASSIO NAVARRO 5 0,44%    
101 20700 EDUARDO MARTINS 3 0,27%    
102 13400 ROBERTO FELICIO 3 0,27%    
103 45000 HELIO RUBENS 3 0,27%    
104 45155 CLOVIS CHAVES 2 0,18%    
105 11999 PAULERA 2 0,18%    
106 65065 MAURIN DA SORVETERIA 2 0,18%    
107 43045 RICARDO CASTILHO 1 0,09%    
108 11213 MARLENE LUCAS 1 0,09%    
109 22222 ZE PEDRO 1 0,09%    
110 11411 ELIAS CAMARGO 1 0,09%    
111 13999 CARLOS NEDER 1 0,09%    
112 13650 GALLO 1 0,09%    
113 20020 DR. CLAUDIO MIRANDA 1 0,09%    
114 45045 EVANDRO LOSACCO 1 0,09%    
115 12612 CONSTANCIA FELIX 1 0,09%    
116 14500 TARDELLI 1 0,09%    
117 12120 GILBERTO DOURADO 1 0,09%    
118 12369 TOLOI 1 0,09%    
119 13122 TONINHO DO PT 1 0,09%    
120 45010 UBIRAJARA GUIMARÃES 1 0,09%    
121 43400 FLAVIO OLIVEIRA 1 0,09%    
122 65013 ERLEI ALIADO 1 0,09%    
123 45500 VICTOR KOBAYASHI 1 0,09%    
124 65011 ELIAS MASCENA 1 0,09%    
125 40404 DR. JULIANO PRANDI 1 0,09%    
126 45450 THIAGO LOBO 1 0,09%    
127 25800 LEANDRO DO KLB 1 0,09%    

Eleições 2010 Paranapuã – SP: resultados do 1º e 2º turnos.

PARANAPUà 2010 – PRESIDENTE DA REPÚBLICA
      1º TURNO 2º TURNO
Seq. Núm. Candidato Votação % Votação %
1 13 DILMA 1.073 47,35% 1.141 50,48%
2 45 JOSÉ SERRA 961 42,41% 1.106 49,52%
3 43 MARINA SILVA 217 9,58%    
4 50 PLÍNIO 12 0,53%    
5 16 ZÉ MARIA 2 0,09%    
6 28 LEVY FIDELIX 1 0,04%    
7 27 EYMAEL 0 0,00%    
8 21 IVAN PINHEIRO 0 0,00%    
9 29 RUI COSTA PIMENTA 0 0,00%    
             
PARANAPUÃ 2010 – SENADORES    
Seq. Núm. Candidato Votação    
*0001 451 ALOYSIO NUNES 1.188 34,75%    
*0002 133 MARTA SUPLICY 828 24,22%    
3 650 NETINHO 842 24,63%    
4 141 ROMEU TUMA 372 10,88%    
5 430 RICARDO YOUNG 135 3,95%    
6 177 MOACYR FRANCO 25 0,73%    
7 160 ANA LUIZA 9 0,26%    
8 500 MARCELO HENRIQUE 9 0,26%    
9 360 CIRO 6 0,18%    
10 400 SERPA 3 0,09%    
11 111 DR. REDÓ 2 0,06%    
12 212 ERNESTO PICHLER 0 0,00%    
13 211 MAZZEO 0 0,00%    
14 161 DIRCEU TRAVESSO 0 0,00%    
15 290 AFONSO TEIXEIRA 0 0,00%    
             
PARANAPUÃ 2010 – DEPUTADOS FEDERAIS    
Seq. Núm. Candidato Votação    
*0001 4555 JULIO SEMEGHINI 484 22,52%    
*0002 1325 JOÃO PAULO CUNHA 158 7,35%    
*0003 2525 RODRIGO GARCIA 133 6,19%    
*0004 1434 NELSON MARQUEZELLI 99 4,61%    
*0005 1523 EDINHO ARAUJO 90 4,19%    
*0006 2222 TIRIRICA 82 3,82%    
*0007 1369 DEVANIR RIBEIRO 71 3,30%    
*0008 4567 VAZ DE LIMA 61 2,84%    
*0009 2233 PR PAULO FREIRE 51 2,37%    
*0010 1332 JOSÉ MENTOR 33 1,54%    
*0011 4300 GUILHERME MUSSI 21 0,98%    
*0012 4030 GABRIEL CHALITA 20 0,93%    
*0013 1345 VANDERLEI SIRAQUE 19 0,88%    
*0014 1211 JOÃO DADO 17 0,79%    
*0015 4311 DR. SINVAL MALHEIROS 15 0,70%    
*0016 1353 JILMAR TATTO 12 0,56%    
*0017 1155 MISSIONÁRIO JOSÉ OLIMPIO 9 0,42%    
*0018 1010 ANTONIO BULHÕES 9 0,42%    
*0019 1322 ARLINDO CHINAGLIA 7 0,33%    
*0020 2010 MARCO FELICIANO 7 0,33%    
*0021 1452 ARNALDO FARIA DE SÁ 6 0,28%    
*0022 4545 EDSON APARECIDO 6 0,28%    
*0023 2323 ROBERTO FREIRE 5 0,23%    
*0024 4586 JOSÉ ANIBAL 3 0,14%    
*0025 1250 SALVADOR ZIMBALDI 2 0,09%    
*0026 4500 CARLOS SAMPAIO 2 0,09%    
*0027 4585 BRUNA FURLAN 2 0,09%    
*0028 2545 JUNJI ABE 1 0,05%    
*0029 5050 IVAN VALENTE 1 0,05%    
*0030 4565 TRIPOLI 1 0,05%    
*0031 2500 JORGE TADEU 1 0,05%    
*0032 6565 ALDO REBELO 1 0,05%    
*0033 1331 RICARDO BERZOINI 1 0,05%    
*0034 4554 DUARTE NOGUEIRA 1 0,05%    
*0035 4000 JONAS DONIZETTE 1 0,05%    
*0036 4021 LUIZA ERUNDINA 0 0,00%    
*0037 4343 PENNA 0 0,00%    
*0038 4577 THAME 0 0,00%    
*0039 1387 JANETE PIETÁ 0 0,00%    
*0040 4525 DIB 0 0,00%    
*0041 2299 VALDEMAR COSTA NETO 0 0,00%    
*0042 4070 ABELARDO CAMARINHA 0 0,00%    
*0043 1318 NEWTON LIMA NETO 0 0,00%    
*0044 2325 DIMAS RAMALHO 0 0,00%    
*0045 2345 ARNALDO JARDIM 0 0,00%    
*0046 1312 VACCAREZZA 0 0,00%    
*0047 1212 PAULINHO DA FORÇA 0 0,00%    
*0048 4515 EMANUEL FERNANDES 0 0,00%    
*0049 1390 VICENTINHO 0 0,00%    
*0050 4096 OTA 0 0,00%    
*0051 1321 FILIPPI 0 0,00%    
*0052 4315 ROBERTO SANTIAGO 0 0,00%    
*0053 6588 DELEGADO PROTÓGENES 0 0,00%    
*0054 1370 ZARATTINI 0 0,00%    
*0055 1301 VICENTE CANDIDO 0 0,00%    
*0056 1398 PAULO TEIXEIRA 0 0,00%    
*0057 2255 MILTON MONTI 0 0,00%    
*0058 2590 GUILHERME CAMPOS 0 0,00%    
*0059 4040 MÁRCIO FRANÇA 0 0,00%    
*0060 1316 CARLINHOS ALMEIDA 0 0,00%    
*0061 4074 JEFFERSON CAMPOS 0 0,00%    
*0062 4344 ROBERTO DE LUCENA 0 0,00%    
*0063 4517 MARA GABRILLI 0 0,00%    
*0064 4363 RICARDO IZAR 0 0,00%    
*0065 1023 OTONIEL LIMA 0 0,00%    
*0066 1133 ALINE CORREA 0 0,00%    
*0067 2012 MARCELO AGUIAR 0 0,00%    
*0068 2577 ELI CORREA FILHO 0 0,00%    
*0069 4547 LUIZ FERNANDO MACHADO 0 0,00%    
*0070 2513 ALEXANDRE LEITE 0 0,00%    
71 1199 VADÃO 215 10,00%    
72 1313 GENOINO 53 2,47%    
73 4551 VANDERLEI MACRIS 48 2,23%    
74 4566 FERNANDO FUAD CHUCRE 33 1,54%    
75 2588 DR ELEUSES PAIVA 31 1,44%    
76 1310 IARA BERNARDI 21 0,98%    
77 2020 REGIS DE OLIVEIRA 17 0,79%    
78 4540 SILVIO TORRES 14 0,65%    
79 4099 MIGUEL SAMPAIO 10 0,47%    
80 1127 LAURINDO BARNARDES 8 0,37%    
81 4020 CAPITÃO AUGUSTO 8 0,37%    
82 1236 MANOEL ANTUNES 7 0,33%    
83 4321 ZICA 7 0,33%    
84 4530 ALBERTO MOURAO 6 0,28%    
85 4007 MARCELINHO CARIOCA 6 0,28%    
86 1202 KIM 4 0,19%    
87 1400 CLAURY 4 0,19%    
88 1401 ALEXANDRE COSTA 4 0,19%    
89 5041 PEDRO ROBERTO 3 0,14%    
90 3699 PROMOTOR ARTHUR 3 0,14%    
91 1340 TENENTE PAZ 2 0,09%    
92 4307 VICENTE DA UPA 2 0,09%    
93 4512 LOBBE NETO 2 0,09%    
94 2332 ARI FRIEDENBACH 2 0,09%    
95 1302 PROFESSOR JAIR BALESTRA 2 0,09%    
96 2599 WALTER IHOSHI 2 0,09%    
97 1364 CARLOS AQUINO 2 0,09%    
98 4354 J FARIA 2 0,09%    
99 1530 SERGIO KOBRA 2 0,09%    
100 2321 WILLIAM WOO 2 0,09%    
101 4334 ANA PAULA JUNQUEIRA 2 0,09%    
102 1132 PEDRINHO BARACAT 1 0,05%    
103 4563 GIVALDO VIEIRA 1 0,05%    
104 1362 REGINALDO PERNAMBUCANO 1 0,05%    
105 3638 PAES DE LIRA 1 0,05%    
106 1190 CAPITÃO CRIVELARI 1 0,05%    
107 1599 DR. SAMIR NASSBINE 1 0,05%    
108 1919 MAGUILA 1 0,05%    
109 2022 SILVIA PALMA 1 0,05%    
110 4514 MANOEL MARCOS (MANÉ) 1 0,05%    
111 1510 NENÊ RÉSTIO 1 0,05%    
112 1500 PAULO LIMA 1 0,05%    
113 2536 RAUL GIL JR 1 0,05%    
114 1540 INDIA 1 0,05%    
115 2530 LUCIANO ARTIOLI 1 0,05%    
116 1112 RUBENEUTON OLIVEIRA LIMA 1 0,05%    
117 1377 DR RONALDO BRESCIANI 1 0,05%    
118 1232 EDUARDO NASCIMENTO 1 0,05%    
119 4520 CARLOS BRAGA 1 0,05%    
120 4355 DONIZETI PEREIRA 1 0,05%    
121 1290 VALDEVAN NOVENTA 1 0,05%    
122 1470 FRANK AGUIAR 1 0,05%    
123 1012 ALESSANDER VIGNA 1 0,05%    
124 1213 ELISEU DANIEL 1 0,05%    
125 1305 TOM 1 0,05%    
126 2520 KIKO DO KLB 1 0,05%    
             
PARANAPUÃ 2010 – GOVERNADOR    
Seq. Núm. Candidato Votação    
*0001 45 GERALDO ALCKMIN 1.262 57,31%    
2 13 ALOIZIO MERCADANTE 858 38,96%    
3 11 CELSO RUSSOMANNO 30 1,36%    
4 43 FABIO FELDMANN 28 1,27%    
5 40 SKAF 23 1,04%    
6 29 ANAI CAPRONI 1 0,05%    
7 16 MANCHA 0 0,00%    
8 21 IGOR GRABOIS 0 0,00%    
9 50 PAULO BUFALO 0 0,00%    
             
PARANAPUÃ 2010 – DEPUTADOS ESTADUAIS    
Seq. Núm. Candidato Votação    
*0001 45400 ANALICE FERNANDES 863 39,44%    
*0002 15300 ITAMAR BORGES 158 7,22%    
*0003 13640 JOSÉ CANDIDO 114 5,21%    
*0004 45232 CARLÃO PIGNATARI 80 3,66%    
*0005 45451 CAUÊ MACRIS 68 3,11%    
*0006 13123 ZICO 63 2,88%    
*0007 45633 PAULO ALEXANDRE BARBOSA 34 1,55%    
*0008 10123 GILMACI SANTOS 33 1,51%    
*0009 25118 EDMIR CHEDID 28 1,28%    
*0010 14140 CAMPOS MACHADO 17 0,78%    
*0011 10321 SEBASTIÃO SANTOS 10 0,46%    
*0012 45700 FERNANDO CAPEZ 9 0,41%    
*0013 13199 ANTONIO MENTOR 8 0,37%    
*0014 43433 REGINA GONÇALVES 8 0,37%    
*0015 43134 RITA PASSOS 8 0,37%    
*0016 45680 ORLANDO MORANDO 8 0,37%    
*0017 23123 DAVI ZAIA 7 0,32%    
*0018 13622 JOÃO PAULO RILLO 7 0,32%    
*0019 45545 BARROS MUNHOZ 5 0,23%    
*0020 12181 MAJOR OLIMPIO 5 0,23%    
*0021 15000 BALEIA ROSSI 5 0,23%    
*0022 40123 ED THOMAS 4 0,18%    
*0023 20633 RODRIGO MORAES 4 0,18%    
*0024 45610 HELIO NISHIMOTO 2 0,09%    
*0025 13121 ANA PERUGINI 2 0,09%    
*0026 11111 CURIATI 1 0,05%    
*0027 45123 WELSON GASPARINI 1 0,05%    
*0028 45555 CELSO GIGLIO 1 0,05%    
*0029 13131 MARCOS MARTINS 1 0,05%    
*0030 43001 GIRIBONI 1 0,05%    
*0031 43007 FELICIANO 1 0,05%    
*0032 13113 EDINHO SILVA 1 0,05%    
*0033 14235 CORONEL EDSON FERRARINI 0 0,00%    
*0034 43333 DR. ULYSSES 0 0,00%    
*0035 45160 ARY FOSSEN 0 0,00%    
*0036 25199 ESTEVAM GALVAO 0 0,00%    
*0037 45156 ROBERTO ENGLER 0 0,00%    
*0038 13156 RUI FALCÃO 0 0,00%    
*0039 25122 ALDO DEMARCHI 0 0,00%    
*0040 45477 ROBERTO MASSAFERA 0 0,00%    
*0041 65035 LECI BRANDÃO 0 0,00%    
*0042 13004 TELMA DE SOUZA 0 0,00%    
*0043 12345 RAFAEL SILVA 0 0,00%    
*0044 45100 PEDRO TOBIAS 0 0,00%    
*0045 23456 GONDIM 0 0,00%    
*0046 15622 JOOJI HATO 0 0,00%    
*0047 40023 BOLÇONE 0 0,00%    
*0048 13222 ADRIANO DIOGO 0 0,00%    
*0049 45114 MARIA LÚCIA AMARY 0 0,00%    
*0050 25558 GIL ARANTES 0 0,00%    
*0051 14160 ROQUE BARBIERE – ROQUINHO 0 0,00%    
*0052 13611 ISAC REIS 0 0,00%    
*0053 45111 GERALDO VINHOLI 0 0,00%    
*0054 45125 MAURO BRAGATO 0 0,00%    
*0055 13290 HAMILTON PEREIRA 0 0,00%    
*0056 13147 GERALDO CRUZ 0 0,00%    
*0057 45200 CÉLIA LEÃO 0 0,00%    
*0058 13632 ANA DO CARMO 0 0,00%    
*0059 25011 GILSON DE SOUZA 0 0,00%    
*0060 45157 CELINO 0 0,00%    
*0061 43033 CHICO SARDELLI 0 0,00%    
*0062 12133 JOSE BITTENCOURT 0 0,00%    
*0063 14222 HEROILMA SOARES TAVARES 0 0,00%    
*0064 23623 ROBERTO MORAIS 0 0,00%    
*0065 65123 PEDRO BIGARDI 0 0,00%    
*0066 20200 ADILSON ROSSI 0 0,00%    
*0067 43135 PADRE AFONSO 0 0,00%    
*0068 13644 JOÃO ANTONIO 0 0,00%    
*0069 13114 ENIO TATTO 0 0,00%    
*0070 13130 MARCO AURÉLIO DE SOUZA 0 0,00%    
*0071 50789 CARLOS GIANNAZI 0 0,00%    
*0072 25255 MILTON VIEIRA 0 0,00%    
*0073 43363 REINALDO ALGUZ 0 0,00%    
*0074 45780 MARCOS ZERBINI 0 0,00%    
*0075 45245 SAMUEL MOREIRA 0 0,00%    
*0076 13134 SIMÃO PEDRO 0 0,00%    
*0077 43477 PASTOR DILMO DOS SANTOS 0 0,00%    
*0078 13112 GERSON BITTENCOURT 0 0,00%    
*0079 13690 CARLOS GRANA 0 0,00%    
*0080 15113 CARUSO 0 0,00%    
*0081 13913 DONISETE BRAGA 0 0,00%    
*0082 45321 CARLOS BEZERRA JR. 0 0,00%    
*0083 12123 ROGERIO NOGUEIRA 0 0,00%    
*0084 22999 ANDRE DO PRADO 0 0,00%    
*0085 13310 LUIZ CLAUDIO MARCOLINO 0 0,00%    
*0086 20112 PR. CARLOS CEZAR 0 0,00%    
*0087 13800 LUIZ MOURA 0 0,00%    
*0088 25005 ANDRE SOARES 0 0,00%    
*0089 20688 MARCOS NEVES 0 0,00%    
*0090 13570 ALENCAR 0 0,00%    
*0091 25250 MILTON LEITE FILHO 0 0,00%    
*0092 23423 ALEX MANENTE 0 0,00%    
*0093 40789 VINICIUS CAMARINHA 0 0,00%    
*0094 45145 BRUNO COVAS 0 0,00%    
95 40999 DR. PAULO MARIANI 157 7,18%    
96 13400 ROBERTO FELICIO 48 2,19%    
97 13456 BETH SAHAO 25 1,14%    
98 20220 RENATO PUPO 20 0,91%    
99 14747 WALDIR AGNELLO 9 0,41%    
100 45000 HELIO RUBENS 8 0,37%    
101 45300 CASSIO NAVARRO 8 0,37%    
102 45155 CLOVIS CHAVES 7 0,32%    
103 45198 JOSE BORANGA 7 0,32%    
104 40404 DR. JULIANO PRANDI 7 0,32%    
105 45010 UBIRAJARA GUIMARÃES 6 0,27%    
106 23010 BRAZ 5 0,23%    
107 12612 CONSTANCIA FELIX 5 0,23%    
108 43222 BRAZ ALBERTINI 4 0,18%    
109 12350 MAURICIO SIQUEIRA 4 0,18%    
110 14433 SIVALDO FAISCA 4 0,18%    
111 25125 FERNANDO LUCAS 4 0,18%    
112 11999 PAULERA 3 0,14%    
113 12100 DINEI 3 0,14%    
114 13258 ESTELA ALMAGRO 3 0,14%    
115 43045 RICARDO CASTILHO 2 0,09%    
116 23540 PROFESSOR ZE MARIA 2 0,09%    
117 20140 LUIZ LAURO 2 0,09%    
118 14400 VAL 2 0,09%    
119 20512 CANDIDO 2 0,09%    
120 11300 FARIA JR 2 0,09%    
121 45500 VICTOR KOBAYASHI 2 0,09%    
122 13000 ANDERSON SILVA 2 0,09%    
123 13613 BRENO CORTELLA 2 0,09%    
124 23333 VITOR SAPIENZA 1 0,05%    
125 15157 UEBE REZECK 1 0,05%    
126 45789 MILTON DALLARI 1 0,05%    
127 20222 JOÃO BINATO 1 0,05%    
128 65688 CAVAZZANA DEOMAR 1 0,05%    
129 22222 ZE PEDRO 1 0,05%    
130 12000 AURELIO 1 0,05%    
131 45235 DILADOR BORGES 1 0,05%    
132 11231 FIALA 1 0,05%    
133 65055 SARAH MUNHOZ 1 0,05%    
134 45999 SONIA IERVOLINO 1 0,05%    
135 40044 ZEZÉ 1 0,05%    
136 11369 VALDIR MARIN 1 0,05%    
137 43051 CAMILO GAVA 1 0,05%    
138 40777 ROMUALDO 1 0,05%    
139 13490 ADINAN ORTOLAN 1 0,05%    
140 25200 RICARDO SALLES 1 0,05%    
141 25800 LEANDRO DO KLB 1 0,05%    
142 11567 RAFA ZIMBALDI 1 0,05%    

Eleições 2010 Urânia – SP: resultados 1º e 2º turnos

URANIA  2010 – PRESIDENTE DA REPÚBLICA
      1º TURNO 2º TURNO
Seq. Núm. Candidato Votação % Votação %
1 13 DILMA 2.365 48,93% 2.695 55,17%
2 45 JOSÉ SERRA 1.828 37,82% 2.190 44,83%
3 43 MARINA SILVA 610 12,62%    
4 50 PLÍNIO 26 0,54%    
5 16 ZÉ MARIA 2 0,04%    
6 27 EYMAEL 1 0,02%    
7 29 RUI COSTA PIMENTA 1 0,02%    
8 21 IVAN PINHEIRO 0 0,00%    
9 28 LEVY FIDELIX 0 0,00%    
             
URANIA 2010 – SENADORES    
Seq. Núm. Candidato Votação    
*0001 451 ALOYSIO NUNES 2.445 34,03%    
*0002 133 MARTA SUPLICY 1.726 24,02%    
3 650 NETINHO 1.691 23,54%    
4 141 ROMEU TUMA 751 10,45%    
5 430 RICARDO YOUNG 422 5,87%    
6 177 MOACYR FRANCO 47 0,65%    
7 111 DR. REDÓ 34 0,47%    
8 360 CIRO 30 0,42%    
9 400 SERPA 18 0,25%    
10 500 MARCELO HENRIQUE 14 0,19%    
11 160 ANA LUIZA 5 0,07%    
12 290 AFONSO TEIXEIRA 2 0,03%    
13 212 ERNESTO PICHLER 0 0,00%    
14 211 MAZZEO 0 0,00%    
15 161 DIRCEU TRAVESSO 0 0,00%    
             
URANIA  2010 – DEPUTADOS FEDERAIS    
Seq. Núm. Candidato Votação    
*0001 4555 JULIO SEMEGHINI 685 15,46%    
*0002 2525 RODRIGO GARCIA 594 13,41%    
*0003 1523 EDINHO ARAUJO 284 6,41%    
*0004 2222 TIRIRICA 188 4,24%    
*0005 1370 ZARATTINI 114 2,57%    
*0006 4030 GABRIEL CHALITA 101 2,28%    
*0007 1332 JOSÉ MENTOR 90 2,03%    
*0008 1322 ARLINDO CHINAGLIA 76 1,72%    
*0009 1211 JOÃO DADO 73 1,65%    
*0010 1434 NELSON MARQUEZELLI 49 1,11%    
*0011 4311 DR. SINVAL MALHEIROS 42 0,95%    
*0012 2500 JORGE TADEU 37 0,84%    
*0013 2233 PR PAULO FREIRE 35 0,79%    
*0014 1398 PAULO TEIXEIRA 27 0,61%    
*0015 4300 GUILHERME MUSSI 25 0,56%    
*0016 2299 VALDEMAR COSTA NETO 24 0,54%    
*0017 1010 ANTONIO BULHÕES 24 0,54%    
*0018 4567 VAZ DE LIMA 20 0,45%    
*0019 2010 MARCO FELICIANO 20 0,45%    
*0020 1325 JOÃO PAULO CUNHA 19 0,43%    
*0021 1452 ARNALDO FARIA DE SÁ 16 0,36%    
*0022 4554 DUARTE NOGUEIRA 14 0,32%    
*0023 1212 PAULINHO DA FORÇA 10 0,23%    
*0024 6588 DELEGADO PROTÓGENES 9 0,20%    
*0025 1369 DEVANIR RIBEIRO 8 0,18%    
*0026 1318 NEWTON LIMA NETO 7 0,16%    
*0027 6565 ALDO REBELO 7 0,16%    
*0028 4074 JEFFERSON CAMPOS 6 0,14%    
*0029 2545 JUNJI ABE 5 0,11%    
*0030 4586 JOSÉ ANIBAL 5 0,11%    
*0031 4577 THAME 4 0,09%    
*0032 5050 IVAN VALENTE 4 0,09%    
*0033 1250 SALVADOR ZIMBALDI 4 0,09%    
*0034 4545 EDSON APARECIDO 4 0,09%    
*0035 4500 CARLOS SAMPAIO 4 0,09%    
*0036 1312 VACCAREZZA 3 0,07%    
*0037 1155 MISSIONÁRIO JOSÉ OLIMPIO 3 0,07%    
*0038 2325 DIMAS RAMALHO 2 0,05%    
*0039 4040 MÁRCIO FRANÇA 2 0,05%    
*0040 4021 LUIZA ERUNDINA 1 0,02%    
*0041 4343 PENNA 1 0,02%    
*0042 4070 ABELARDO CAMARINHA 1 0,02%    
*0043 4315 ROBERTO SANTIAGO 1 0,02%    
*0044 1331 RICARDO BERZOINI 1 0,02%    
*0045 1345 VANDERLEI SIRAQUE 1 0,02%    
*0046 4000 JONAS DONIZETTE 1 0,02%    
*0047 4363 RICARDO IZAR 1 0,02%    
*0048 2323 ROBERTO FREIRE 0 0,00%    
*0049 1387 JANETE PIETÁ 0 0,00%    
*0050 4525 DIB 0 0,00%    
*0051 4565 TRIPOLI 0 0,00%    
*0052 2345 ARNALDO JARDIM 0 0,00%    
*0053 4515 EMANUEL FERNANDES 0 0,00%    
*0054 1390 VICENTINHO 0 0,00%    
*0055 4096 OTA 0 0,00%    
*0056 1321 FILIPPI 0 0,00%    
*0057 1301 VICENTE CANDIDO 0 0,00%    
*0058 2255 MILTON MONTI 0 0,00%    
*0059 2590 GUILHERME CAMPOS 0 0,00%    
*0060 1316 CARLINHOS ALMEIDA 0 0,00%    
*0061 1353 JILMAR TATTO 0 0,00%    
*0062 4344 ROBERTO DE LUCENA 0 0,00%    
*0063 4517 MARA GABRILLI 0 0,00%    
*0064 1023 OTONIEL LIMA 0 0,00%    
*0065 1133 ALINE CORREA 0 0,00%    
*0066 2012 MARCELO AGUIAR 0 0,00%    
*0067 2577 ELI CORREA FILHO 0 0,00%    
*0068 4547 LUIZ FERNANDO MACHADO 0 0,00%    
*0069 4585 BRUNA FURLAN 0 0,00%    
*0070 2513 ALEXANDRE LEITE 0 0,00%    
71 1199 VADÃO 892 20,14%    
72 4530 ALBERTO MOURAO 68 1,53%    
73 4334 ANA PAULA JUNQUEIRA 40 0,90%    
74 1127 LAURINDO BARNARDES 37 0,84%    
75 2020 REGIS DE OLIVEIRA 35 0,79%    
76 1302 PROFESSOR JAIR BALESTRA 22 0,50%    
77 3638 PAES DE LIRA 21 0,47%    
78 1515 EDUARDO COELHO 20 0,45%    
79 4540 SILVIO TORRES 17 0,38%    
80 4045 DRA. ROSIANE FARIAS 17 0,38%    
81 4020 CAPITÃO AUGUSTO 17 0,38%    
82 2321 WILLIAM WOO 17 0,38%    
83 1236 MANOEL ANTUNES 16 0,36%    
84 4541 TIRSO MEIRELLES 10 0,23%    
85 1366 RENATO SIMÕES 10 0,23%    
86 1112 RUBENEUTON OLIVEIRA LIMA 9 0,20%    
87 6513 CÉLIO TURINO 8 0,18%    
88 1530 SERGIO KOBRA 8 0,18%    
89 1313 GENOINO 7 0,16%    
90 4354 J FARIA 7 0,16%    
91 4307 VICENTE DA UPA 6 0,14%    
92 2588 DR ELEUSES PAIVA 6 0,14%    
93 4512 LOBBE NETO 6 0,14%    
94 2520 KIKO DO KLB 6 0,14%    
95 4336 EVANDRO GUSSI 6 0,14%    
96 4080 DR. UBIALI 5 0,11%    
97 2310 EDGAR EDUCACAO 5 0,11%    
98 2511 JORGINHO MALULY 5 0,11%    
99 2530 LUCIANO ARTIOLI 5 0,11%    
100 1400 CLAURY 4 0,09%    
101 2599 WALTER IHOSHI 4 0,09%    
102 1500 PAULO LIMA 4 0,09%    
103 4455 PROFESSOR MUNHOZ 3 0,07%    
104 1378 MARIA LUCIA PRANDI 3 0,07%    
105 4551 VANDERLEI MACRIS 3 0,07%    
106 4060 VANDIR MOGNON 3 0,07%    
107 4321 ZICA 3 0,07%    
108 4510 STANGARLINI 3 0,07%    
109 4381 WILLIANS MARCOS 3 0,07%    
110 4514 MANOEL MARCOS (MANÉ) 3 0,07%    
111 1166 SILVIA MARIA 3 0,07%    
112 1145 ADHEMAR DE BARROS FILHO 2 0,05%    
113 1119 CAPITÃO GOMES 2 0,05%    
114 1319 TEREZINHA RONDELLI 2 0,05%    
115 4556 RAFAEL ABUD 2 0,05%    
116 1190 CAPITÃO CRIVELARI 2 0,05%    
117 4023 CHINELO 2 0,05%    
118 1202 KIM 2 0,05%    
119 2040 PR. LUIZ LEMOS 2 0,05%    
120 1300 IVANIO BATISTA 2 0,05%    
121 4007 MARCELINHO CARIOCA 2 0,05%    
122 3607 SERGIO SAINT 2 0,05%    
123 1474 DR ANDRE ROCHA 2 0,05%    
124 4444 DR. MARCIO ABBUD 2 0,05%    
125 1969 CAMERON BRASIL 2 0,05%    
126 1220 KAREN HEINS 2 0,05%    
127 2212 AGNALDO TIMOTEO 1 0,02%    
128 4318 SAMBIASE 1 0,02%    
129 1340 TENENTE PAZ 1 0,02%    
130 2540 CHICO PELUCIO 1 0,02%    
131 2529 ZULAIÊ COBRA 1 0,02%    
132 4312 DANIEL MARINS 1 0,02%    
133 4386 JOSE SILVÉRIO 1 0,02%    
134 1362 REGINALDO PERNAMBUCANO 1 0,02%    
135 1222 PEDRO BAPTISTINI 1 0,02%    
136 1533 DR. AJURICABA 1 0,02%    
137 4099 MIGUEL SAMPAIO 1 0,02%    
138 1121 RENATO REICHANN 1 0,02%    
139 4456 TONIOLO 1 0,02%    
140 2333 JOSE ONERIO 1 0,02%    
141 2088 MANOEL GASPAR 1 0,02%    
142 4523 CARLOS ROBERTO 1 0,02%    
143 4055 DRA. ELAINE 1 0,02%    
144 4433 ZÉ CRI 1 0,02%    
145 4330 MARIA DOLORES 1 0,02%    
146 4511 RAUL CHRISTIANO 1 0,02%    
147 3640 JAIR AVELINO 1 0,02%    
148 1361 ARCELINO ARAUJO 1 0,02%    
149 4352 JOSÉ ALEXANDRE RIBEIRO 1 0,02%    
150 1512 PAULINHO SOBRAL 1 0,02%    
151 6500 DR. ABELHA 1 0,02%    
152 1555 LÉO OLIVEIRA 1 0,02%    
153 1234 DR LUIZ CHIAPARINE 1 0,02%    
154 1320 GERSON SARTORI 1 0,02%    
155 3311 MARQUINHO 1 0,02%    
156 1113 ANGINHO DOS TECLADOS 1 0,02%    
157 1367 PROFESSOR MOREIRA 1 0,02%    
158 2080 TONHO BAIANO 1 0,02%    
159 1290 VALDEVAN NOVENTA 1 0,02%    
160 1414 ROBSON TUMA 1 0,02%    
161 4337 TOFFANO 1 0,02%    
162 2250 LUCIANA COSTA 1 0,02%    
163 1143 DRA ADRIANA DA COSTA 1 0,02%    
164 1200 PH 1 0,02%    
165 2023 NEY SANTOS 1 0,02%    
166 6510 GUSTAVO PETTA 1 0,02%    
167 1525 LIMA JUNIOR 1 0,02%    
             
ELEIÇÕES 2010 URANIA – SP GOVERNADOR    
Seq. Núm. Candidato Votação %    
1 45 GERALDO ALCKMIN 2.383 50,64%    
2 13 ALOIZIO MERCADANTE 2.036 43,26%    
3 43 FABIO FELDMANN 101 2,15%    
4 11 CELSO RUSSOMANNO 100 2,12%    
5 40 SKAF 85 1,81%    
6 29 ANAI CAPRONI 1 0,02%    
7 16 MANCHA 0 0,00%    
8 21 IGOR GRABOIS 0 0,00%    
9 50 PAULO BUFALO 0 0,00%    
             
ELEIÇÕES 2010 URANIA SP – DEPUTADO ESTADUAL    
Seq. Núm. Candidato Votação    
*0001 45400 ANALICE FERNANDES 1.298 27,97%    
*0002 15300 ITAMAR BORGES 1.166 25,13%    
*0003 13121 ANA PERUGINI 144 3,10%    
*0004 13622 JOÃO PAULO RILLO 110 2,37%    
*0005 25199 ESTEVAM GALVAO 100 2,16%    
*0006 45232 CARLÃO PIGNATARI 96 2,07%    
*0007 25122 ALDO DEMARCHI 90 1,94%    
*0008 23123 DAVI ZAIA 87 1,88%    
*0009 13199 ANTONIO MENTOR 43 0,93%    
*0010 25005 ANDRE SOARES 34 0,73%    
*0011 12181 MAJOR OLIMPIO 32 0,69%    
*0012 10321 SEBASTIÃO SANTOS 25 0,54%    
*0013 25118 EDMIR CHEDID 22 0,47%    
*0014 45633 PAULO ALEXANDRE BARBOSA 20 0,43%    
*0015 14140 CAMPOS MACHADO 19 0,41%    
*0016 43134 RITA PASSOS 18 0,39%    
*0017 45545 BARROS MUNHOZ 17 0,37%    
*0018 43007 FELICIANO 16 0,34%    
*0019 13113 EDINHO SILVA 12 0,26%    
*0020 13123 ZICO 8 0,17%    
*0021 43363 REINALDO ALGUZ 8 0,17%    
*0022 15113 CARUSO 8 0,17%    
*0023 25558 GIL ARANTES 7 0,15%    
*0024 43433 REGINA GONÇALVES 7 0,15%    
*0025 13134 SIMÃO PEDRO 7 0,15%    
*0026 20112 PR. CARLOS CEZAR 7 0,15%    
*0027 45145 BRUNO COVAS 7 0,15%    
*0028 15000 BALEIA ROSSI 5 0,11%    
*0029 11111 CURIATI 4 0,09%    
*0030 45555 CELSO GIGLIO 4 0,09%    
*0031 13640 JOSÉ CANDIDO 3 0,06%    
*0032 12345 RAFAEL SILVA 3 0,06%    
*0033 50789 CARLOS GIANNAZI 2 0,04%    
*0034 45451 CAUÊ MACRIS 2 0,04%    
*0035 20633 RODRIGO MORAES 2 0,04%    
*0036 14235 CORONEL EDSON FERRARINI 1 0,02%    
*0037 13131 MARCOS MARTINS 1 0,02%    
*0038 23456 GONDIM 1 0,02%    
*0039 40023 BOLÇONE 1 0,02%    
*0040 13222 ADRIANO DIOGO 1 0,02%    
*0041 43001 GIRIBONI 1 0,02%    
*0042 25255 MILTON VIEIRA 1 0,02%    
*0043 13310 LUIZ CLAUDIO MARCOLINO 1 0,02%    
*0044 13800 LUIZ MOURA 1 0,02%    
*0045 43333 DR. ULYSSES 0 0,00%    
*0046 45123 WELSON GASPARINI 0 0,00%    
*0047 45160 ARY FOSSEN 0 0,00%    
*0048 45156 ROBERTO ENGLER 0 0,00%    
*0049 13156 RUI FALCÃO 0 0,00%    
*0050 45477 ROBERTO MASSAFERA 0 0,00%    
*0051 65035 LECI BRANDÃO 0 0,00%    
*0052 13004 TELMA DE SOUZA 0 0,00%    
*0053 45100 PEDRO TOBIAS 0 0,00%    
*0054 15622 JOOJI HATO 0 0,00%    
*0055 45114 MARIA LÚCIA AMARY 0 0,00%    
*0056 14160 ROQUE BARBIERE – ROQUINHO 0 0,00%    
*0057 13611 ISAC REIS 0 0,00%    
*0058 45111 GERALDO VINHOLI 0 0,00%    
*0059 45125 MAURO BRAGATO 0 0,00%    
*0060 13290 HAMILTON PEREIRA 0 0,00%    
*0061 13147 GERALDO CRUZ 0 0,00%    
*0062 45200 CÉLIA LEÃO 0 0,00%    
*0063 13632 ANA DO CARMO 0 0,00%    
*0064 25011 GILSON DE SOUZA 0 0,00%    
*0065 45157 CELINO 0 0,00%    
*0066 43033 CHICO SARDELLI 0 0,00%    
*0067 12133 JOSE BITTENCOURT 0 0,00%    
*0068 14222 HEROILMA SOARES TAVARES 0 0,00%    
*0069 23623 ROBERTO MORAIS 0 0,00%    
*0070 65123 PEDRO BIGARDI 0 0,00%    
*0071 20200 ADILSON ROSSI 0 0,00%    
*0072 43135 PADRE AFONSO 0 0,00%    
*0073 13644 JOÃO ANTONIO 0 0,00%    
*0074 13114 ENIO TATTO 0 0,00%    
*0075 13130 MARCO AURÉLIO DE SOUZA 0 0,00%    
*0076 10123 GILMACI SANTOS 0 0,00%    
*0077 45780 MARCOS ZERBINI 0 0,00%    
*0078 45245 SAMUEL MOREIRA 0 0,00%    
*0079 40123 ED THOMAS 0 0,00%    
*0080 45610 HELIO NISHIMOTO 0 0,00%    
*0081 45700 FERNANDO CAPEZ 0 0,00%    
*0082 43477 PASTOR DILMO DOS SANTOS 0 0,00%    
*0083 13112 GERSON BITTENCOURT 0 0,00%    
*0084 13690 CARLOS GRANA 0 0,00%    
*0085 13913 DONISETE BRAGA 0 0,00%    
*0086 45321 CARLOS BEZERRA JR. 0 0,00%    
*0087 12123 ROGERIO NOGUEIRA 0 0,00%    
*0088 22999 ANDRE DO PRADO 0 0,00%    
*0089 45680 ORLANDO MORANDO 0 0,00%    
*0090 20688 MARCOS NEVES 0 0,00%    
*0091 13570 ALENCAR 0 0,00%    
*0092 25250 MILTON LEITE FILHO 0 0,00%    
*0093 23423 ALEX MANENTE 0 0,00%    
*0094 40789 VINICIUS CAMARINHA 0 0,00%    
95 40999 DR. PAULO MARIANI 146 3,15%    
96 45300 CASSIO NAVARRO 63 1,36%    
97 12612 CONSTANCIA FELIX 47 1,01%    
98 40404 DR. JULIANO PRANDI 38 0,82%    
99 13456 BETH SAHAO 37 0,80%    
100 20220 RENATO PUPO 30 0,65%    
101 12000 AURELIO 24 0,52%    
102 65165 DAVI RAMOS 24 0,52%    
103 13400 ROBERTO FELICIO 18 0,39%    
104 13613 BRENO CORTELLA 17 0,37%    
105 23540 PROFESSOR ZE MARIA 15 0,32%    
106 15012 THIAGO FERRARI 15 0,32%    
107 43222 BRAZ ALBERTINI 14 0,30%    
108 11051 VALDIR PINHEIRO 12 0,26%    
109 14747 WALDIR AGNELLO 12 0,26%    
110 45198 JOSE BORANGA 11 0,24%    
111 45155 CLOVIS CHAVES 9 0,19%    
112 40211 SARGENTO OHNO 9 0,19%    
113 40321 DR. JOSÉ RICARDO 9 0,19%    
114 45000 HELIO RUBENS 8 0,17%    
115 15010 BEBETTO 7 0,15%    
116 23333 VITOR SAPIENZA 6 0,13%    
117 14138 CONTE LOPES 6 0,13%    
118 13680 SÉRGIO DESIDERÁ 5 0,11%    
119 40223 HILKIAS 4 0,09%    
120 14714 PROFESSORA ALBA LUCENA 4 0,09%    
121 12333 BRUZAROSCO 4 0,09%    
122 11369 VALDIR MARIN 4 0,09%    
123 23110 ADEMIR DA GUIA 3 0,06%    
124 45666 GILSON BARRETO 3 0,06%    
125 65789 HELIFAX 3 0,06%    
126 40777 ROMUALDO 3 0,06%    
127 45010 UBIRAJARA GUIMARÃES 3 0,06%    
128 45500 VICTOR KOBAYASHI 3 0,06%    
129 25125 FERNANDO LUCAS 3 0,06%    
130 13713 FAUSTO FIGUEIRA 2 0,04%    
131 20700 EDUARDO MARTINS 2 0,04%    
132 65670 TAVARES 2 0,04%    
133 12250 JOCA VASCONCELOS 2 0,04%    
134 17787 UDARIO 2 0,04%    
135 23523 ESTEVÃO 2 0,04%    
136 45045 EVANDRO LOSACCO 2 0,04%    
137 11999 PAULERA 2 0,04%    
138 11200 RAIMUNDO DA AÇÃO 2 0,04%    
139 15001 DRA ADRIANA 2 0,04%    
140 13678 PROF. ROMAZZINI 2 0,04%    
141 14300 DR ANTONIO KHOURI 2 0,04%    
142 43400 FLAVIO OLIVEIRA 2 0,04%    
143 13000 ANDERSON SILVA 2 0,04%    
144 25800 LEANDRO DO KLB 2 0,04%    
145 17123 DR. COIMBRA 1 0,02%    
146 12456 HELIO BASTOS 1 0,02%    
147 43045 RICARDO CASTILHO 1 0,02%    
148 11150 PEBA 1 0,02%    
149 23789 ELZO SIGUETA 1 0,02%    
150 13300 EUVANILDE 1 0,02%    
151 25190 MACEDO BASTOS 1 0,02%    
152 22000 WALTER GOMES 1 0,02%    
153 45444 DRA MARY 1 0,02%    
154 20222 JOÃO BINATO 1 0,02%    
155 65533 PROFESSOR FLAVIO DELMANTO 1 0,02%    
156 15900 MAURO INÁCIO 1 0,02%    
157 43434 LIA 1 0,02%    
158 22222 ZE PEDRO 1 0,02%    
159 45235 DILADOR BORGES 1 0,02%    
160 11211 RIBEIRÃO 1 0,02%    
161 45001 PROFESSOR BETO VARUSSA 1 0,02%    
162 10100 VALDIR OLIVEIRA 1 0,02%    
163 45456 JOÃO SANZOVO 1 0,02%    
164 14500 TARDELLI 1 0,02%    
165 15150 PROF. CANDIDO 1 0,02%    
166 15600 ANGELA RAMALHO 1 0,02%    
167 12127 LUIZ ARRAES 1 0,02%    
168 65010 PAULINHO MOREBEM 1 0,02%    
169 25000 DARIO SAADI 1 0,02%    
170 13025 VALMIR PRASCIDELLI 1 0,02%    
171 14888 GILBERTO DO PRIMAVERA 1 0,02%    
172 11300 FARIA JR 1 0,02%    
173 13133 ELI TEODORO 1 0,02%    
174 45455 CONCCI MARCO 1 0,02%    
175 14014 LÉO ÁQUILLA 1 0,02%    
176 12100 DINEI 1 0,02%    
177 65400 PRISCILA VAUTIER 1 0,02%    
178 43000 GENTIL 1 0,02%    
179 65013 ERLEI ALIADO 1 0,02%    
180 15199 DANILO GARCIA 1 0,02%    
181 65436 EDU CAMARGO 1 0,02%    
182 15015 DU TONIN 1 0,02%    
183 13120 RAFAEL MARINHO 1 0,02%    
184 36222 FILIPE MARTINS 1 0,02%    

Eleições 2010 Santa Salete – SP, resultados do 1º e 2º turnos.

SANTA SALETE  2010 – PRESIDENTE DA REPÚBLICA
      1º TURNO 2º TURNO
Seq. Núm. Candidato Votação % Votação %
1 13 DILMA 488 44,57% 550 50,09%
2 45 JOSÉ SERRA 455 41,55% 548 49,91%
3 43 MARINA SILVA 143 13,06%    
4 50 PLÍNIO 8 0,73%    
5 16 ZÉ MARIA 1 0,09%    
6 27 EYMAEL 0 0,00%    
7 21 IVAN PINHEIRO 0 0,00%    
8 28 LEVY FIDELIX 0 0,00%    
9 29 RUI COSTA PIMENTA 0 0,00%    
             
SANTA SALETE 2010 – SENADORES    
Seq. Núm. Candidato Votação    
*0001 451 ALOYSIO NUNES 587 38,09%    
*0002 133 MARTA SUPLICY 330 21,41%    
3 650 NETINHO 306 19,86%    
4 141 ROMEU TUMA 184 11,94%    
5 430 RICARDO YOUNG 85 5,52%    
6 360 CIRO 16 1,04%    
7 500 MARCELO HENRIQUE 14 0,91%    
8 177 MOACYR FRANCO 9 0,58%    
9 111 DR. REDÓ 7 0,45%    
10 160 ANA LUIZA 2 0,13%    
11 400 SERPA 1 0,06%    
12 212 ERNESTO PICHLER 0 0,00%    
13 211 MAZZEO 0 0,00%    
14 161 DIRCEU TRAVESSO 0 0,00%    
15 290 AFONSO TEIXEIRA 0 0,00%    
             
SANTA SALETE 2010 – DEPUTADOS FEDERAIS    
Seq. Núm. Candidato Votação    
*0001 2525 RODRIGO GARCIA 230 22,31%    
*0002 1523 EDINHO ARAUJO 215 20,85%    
*0003 4555 JULIO SEMEGHINI 78 7,57%    
*0004 1010 ANTONIO BULHÕES 23 2,23%    
*0005 1332 JOSÉ MENTOR 22 2,13%    
*0006 2222 TIRIRICA 22 2,13%    
*0007 4311 DR. SINVAL MALHEIROS 19 1,84%    
*0008 1211 JOÃO DADO 17 1,65%    
*0009 2233 PR PAULO FREIRE 11 1,07%    
*0010 1369 DEVANIR RIBEIRO 8 0,78%    
*0011 4030 GABRIEL CHALITA 8 0,78%    
*0012 2010 MARCO FELICIANO 7 0,68%    
*0013 1434 NELSON MARQUEZELLI 6 0,58%    
*0014 2513 ALEXANDRE LEITE 6 0,58%    
*0015 2500 JORGE TADEU 4 0,39%    
*0016 6565 ALDO REBELO 4 0,39%    
*0017 4545 EDSON APARECIDO 4 0,39%    
*0018 1452 ARNALDO FARIA DE SÁ 3 0,29%    
*0019 1322 ARLINDO CHINAGLIA 3 0,29%    
*0020 2345 ARNALDO JARDIM 3 0,29%    
*0021 1212 PAULINHO DA FORÇA 3 0,29%    
*0022 1325 JOÃO PAULO CUNHA 3 0,29%    
*0023 6588 DELEGADO PROTÓGENES 3 0,29%    
*0024 1331 RICARDO BERZOINI 3 0,29%    
*0025 4300 GUILHERME MUSSI 3 0,29%    
*0026 1155 MISSIONÁRIO JOSÉ OLIMPIO 2 0,19%    
*0027 1370 ZARATTINI 2 0,19%    
*0028 4585 BRUNA FURLAN 2 0,19%    
*0029 2323 ROBERTO FREIRE 1 0,10%    
*0030 5050 IVAN VALENTE 1 0,10%    
*0031 4565 TRIPOLI 1 0,10%    
*0032 4567 VAZ DE LIMA 1 0,10%    
*0033 1301 VICENTE CANDIDO 1 0,10%    
*0034 1353 JILMAR TATTO 1 0,10%    
*0035 4021 LUIZA ERUNDINA 0 0,00%    
*0036 2545 JUNJI ABE 0 0,00%    
*0037 4343 PENNA 0 0,00%    
*0038 4577 THAME 0 0,00%    
*0039 1387 JANETE PIETÁ 0 0,00%    
*0040 4525 DIB 0 0,00%    
*0041 4586 JOSÉ ANIBAL 0 0,00%    
*0042 2299 VALDEMAR COSTA NETO 0 0,00%    
*0043 4070 ABELARDO CAMARINHA 0 0,00%    
*0044 1318 NEWTON LIMA NETO 0 0,00%    
*0045 2325 DIMAS RAMALHO 0 0,00%    
*0046 1250 SALVADOR ZIMBALDI 0 0,00%    
*0047 1312 VACCAREZZA 0 0,00%    
*0048 4515 EMANUEL FERNANDES 0 0,00%    
*0049 1390 VICENTINHO 0 0,00%    
*0050 4096 OTA 0 0,00%    
*0051 1321 FILIPPI 0 0,00%    
*0052 4315 ROBERTO SANTIAGO 0 0,00%    
*0053 1345 VANDERLEI SIRAQUE 0 0,00%    
*0054 1398 PAULO TEIXEIRA 0 0,00%    
*0055 2255 MILTON MONTI 0 0,00%    
*0056 2590 GUILHERME CAMPOS 0 0,00%    
*0057 4500 CARLOS SAMPAIO 0 0,00%    
*0058 4040 MÁRCIO FRANÇA 0 0,00%    
*0059 1316 CARLINHOS ALMEIDA 0 0,00%    
*0060 4554 DUARTE NOGUEIRA 0 0,00%    
*0061 4074 JEFFERSON CAMPOS 0 0,00%    
*0062 4000 JONAS DONIZETTE 0 0,00%    
*0063 4344 ROBERTO DE LUCENA 0 0,00%    
*0064 4517 MARA GABRILLI 0 0,00%    
*0065 4363 RICARDO IZAR 0 0,00%    
*0066 1023 OTONIEL LIMA 0 0,00%    
*0067 1133 ALINE CORREA 0 0,00%    
*0068 2012 MARCELO AGUIAR 0 0,00%    
*0069 2577 ELI CORREA FILHO 0 0,00%    
*0070 4547 LUIZ FERNANDO MACHADO 0 0,00%    
71 1199 VADÃO 116 11,25%    
72 1302 PROFESSOR JAIR BALESTRA 35 3,39%    
73 2020 REGIS DE OLIVEIRA 24 2,33%    
74 1220 KAREN HEINS 10 0,97%    
75 1127 LAURINDO BARNARDES 7 0,68%    
76 4540 SILVIO TORRES 6 0,58%    
77 4020 CAPITÃO AUGUSTO 6 0,58%    
78 4334 ANA PAULA JUNQUEIRA 6 0,58%    
79 1313 GENOINO 3 0,29%    
80 1310 IARA BERNARDI 3 0,29%    
81 1119 CAPITÃO GOMES 2 0,19%    
82 4513 FELICIDADE 2 0,19%    
83 4321 ZICA 2 0,19%    
84 4099 MIGUEL SAMPAIO 2 0,19%    
85 3638 PAES DE LIRA 2 0,19%    
86 1500 PAULO LIMA 2 0,19%    
87 1236 MANOEL ANTUNES 1 0,10%    
88 4563 GIVALDO VIEIRA 1 0,10%    
89 1333 PROF. CARLÃO RAMIRO 1 0,10%    
90 1580 JOÃO SARACENI 1 0,10%    
91 4307 VICENTE DA UPA 1 0,10%    
92 1551 REGA 1 0,10%    
93 1533 DR. AJURICABA 1 0,10%    
94 2310 EDGAR EDUCACAO 1 0,10%    
95 1400 CLAURY 1 0,10%    
96 1513 BONFÁ 1 0,10%    
97 2599 WALTER IHOSHI 1 0,10%    
98 1311 LARGUESA 1 0,10%    
99 1530 SERGIO KOBRA 1 0,10%    
100 1516 PILTON RIOS 1 0,10%    
101 1525 LIMA JUNIOR 1 0,10%    
             
ELEIÇÕES 2010 SANTA SALETE – SP GOVERNADOR    
Seq. Núm. Candidato Votação %    
*0001 45 GERALDO ALCKMIN 551 52,28%    
2 13 ALOIZIO MERCADANTE 433 41,08%    
3 43 FABIO FELDMANN 27 2,56%    
4 11 CELSO RUSSOMANNO 24 2,28%    
5 40 SKAF 19 1,80%    
6 16 MANCHA 0 0,00%    
7 21 IGOR GRABOIS 0 0,00%    
8 29 ANAI CAPRONI 0 0,00%    
9 50 PAULO BUFALO 0 0,00%    
             
ELEIÇÕES 2010 SANTA SALETE SP – DEPUTADO ESTADUAL    
Seq. Núm. Candidato Votação    
*0001 15300 ITAMAR BORGES 330 31,13%    
*0002 45400 ANALICE FERNANDES 315 29,72%    
*0003 25199 ESTEVAM GALVAO 30 2,83%    
*0004 45232 CARLÃO PIGNATARI 27 2,55%    
*0005 13622 JOÃO PAULO RILLO 25 2,36%    
*0006 40023 BOLÇONE 20 1,89%    
*0007 10321 SEBASTIÃO SANTOS 18 1,70%    
*0008 45633 PAULO ALEXANDRE BARBOSA 16 1,51%    
*0009 13123 ZICO 13 1,23%    
*0010 25558 GIL ARANTES 13 1,23%    
*0011 23123 DAVI ZAIA 12 1,13%    
*0012 13113 EDINHO SILVA 12 1,13%    
*0013 25005 ANDRE SOARES 6 0,57%    
*0014 14140 CAMPOS MACHADO 5 0,47%    
*0015 12181 MAJOR OLIMPIO 5 0,47%    
*0016 45700 FERNANDO CAPEZ 5 0,47%    
*0017 43134 RITA PASSOS 4 0,38%    
*0018 13199 ANTONIO MENTOR 3 0,28%    
*0019 43007 FELICIANO 3 0,28%    
*0020 13121 ANA PERUGINI 3 0,28%    
*0021 25118 EDMIR CHEDID 2 0,19%    
*0022 45145 BRUNO COVAS 2 0,19%    
*0023 20633 RODRIGO MORAES 2 0,19%    
*0024 14235 CORONEL EDSON FERRARINI 1 0,09%    
*0025 45123 WELSON GASPARINI 1 0,09%    
*0026 45545 BARROS MUNHOZ 1 0,09%    
*0027 12345 RAFAEL SILVA 1 0,09%    
*0028 45100 PEDRO TOBIAS 1 0,09%    
*0029 15000 BALEIA ROSSI 1 0,09%    
*0030 11111 CURIATI 0 0,00%    
*0031 43333 DR. ULYSSES 0 0,00%    
*0032 45160 ARY FOSSEN 0 0,00%    
*0033 45555 CELSO GIGLIO 0 0,00%    
*0034 13640 JOSÉ CANDIDO 0 0,00%    
*0035 45156 ROBERTO ENGLER 0 0,00%    
*0036 13156 RUI FALCÃO 0 0,00%    
*0037 25122 ALDO DEMARCHI 0 0,00%    
*0038 45477 ROBERTO MASSAFERA 0 0,00%    
*0039 65035 LECI BRANDÃO 0 0,00%    
*0040 13004 TELMA DE SOUZA 0 0,00%    
*0041 13131 MARCOS MARTINS 0 0,00%    
*0042 23456 GONDIM 0 0,00%    
*0043 15622 JOOJI HATO 0 0,00%    
*0044 13222 ADRIANO DIOGO 0 0,00%    
*0045 45114 MARIA LÚCIA AMARY 0 0,00%    
*0046 14160 ROQUE BARBIERE – ROQUINHO 0 0,00%    
*0047 13611 ISAC REIS 0 0,00%    
*0048 43001 GIRIBONI 0 0,00%    
*0049 45111 GERALDO VINHOLI 0 0,00%    
*0050 45125 MAURO BRAGATO 0 0,00%    
*0051 13290 HAMILTON PEREIRA 0 0,00%    
*0052 13147 GERALDO CRUZ 0 0,00%    
*0053 45200 CÉLIA LEÃO 0 0,00%    
*0054 13632 ANA DO CARMO 0 0,00%    
*0055 25011 GILSON DE SOUZA 0 0,00%    
*0056 45157 CELINO 0 0,00%    
*0057 43033 CHICO SARDELLI 0 0,00%    
*0058 12133 JOSE BITTENCOURT 0 0,00%    
*0059 14222 HEROILMA SOARES TAVARES 0 0,00%    
*0060 23623 ROBERTO MORAIS 0 0,00%    
*0061 65123 PEDRO BIGARDI 0 0,00%    
*0062 20200 ADILSON ROSSI 0 0,00%    
*0063 43135 PADRE AFONSO 0 0,00%    
*0064 13644 JOÃO ANTONIO 0 0,00%    
*0065 13114 ENIO TATTO 0 0,00%    
*0066 13130 MARCO AURÉLIO DE SOUZA 0 0,00%    
*0067 10123 GILMACI SANTOS 0 0,00%    
*0068 43433 REGINA GONÇALVES 0 0,00%    
*0069 50789 CARLOS GIANNAZI 0 0,00%    
*0070 25255 MILTON VIEIRA 0 0,00%    
*0071 43363 REINALDO ALGUZ 0 0,00%    
*0072 45780 MARCOS ZERBINI 0 0,00%    
*0073 45245 SAMUEL MOREIRA 0 0,00%    
*0074 40123 ED THOMAS 0 0,00%    
*0075 45610 HELIO NISHIMOTO 0 0,00%    
*0076 13134 SIMÃO PEDRO 0 0,00%    
*0077 43477 PASTOR DILMO DOS SANTOS 0 0,00%    
*0078 13112 GERSON BITTENCOURT 0 0,00%    
*0079 13690 CARLOS GRANA 0 0,00%    
*0080 15113 CARUSO 0 0,00%    
*0081 13913 DONISETE BRAGA 0 0,00%    
*0082 45321 CARLOS BEZERRA JR. 0 0,00%    
*0083 12123 ROGERIO NOGUEIRA 0 0,00%    
*0084 22999 ANDRE DO PRADO 0 0,00%    
*0085 13310 LUIZ CLAUDIO MARCOLINO 0 0,00%    
*0086 20112 PR. CARLOS CEZAR 0 0,00%    
*0087 13800 LUIZ MOURA 0 0,00%    
*0088 45680 ORLANDO MORANDO 0 0,00%    
*0089 20688 MARCOS NEVES 0 0,00%    
*0090 13570 ALENCAR 0 0,00%    
*0091 25250 MILTON LEITE FILHO 0 0,00%    
*0092 23423 ALEX MANENTE 0 0,00%    
*0093 40789 VINICIUS CAMARINHA 0 0,00%    
*0094 45451 CAUÊ MACRIS 0 0,00%    
95 40999 DR. PAULO MARIANI 15 1,42%    
96 43222 BRAZ ALBERTINI 5 0,47%    
97 15010 BEBETTO 5 0,47%    
98 45010 UBIRAJARA GUIMARÃES 5 0,47%    
99 25125 FERNANDO LUCAS 5 0,47%    
100 12612 CONSTANCIA FELIX 4 0,38%    
101 65789 HELIFAX 4 0,38%    
102 45300 CASSIO NAVARRO 4 0,38%    
103 13400 ROBERTO FELICIO 3 0,28%    
104 13678 PROF. ROMAZZINI 2 0,19%    
105 20220 RENATO PUPO 2 0,19%    
106 40404 DR. JULIANO PRANDI 2 0,19%    
107 45789 MILTON DALLARI 1 0,09%    
108 13300 EUVANILDE 1 0,09%    
109 45155 CLOVIS CHAVES 1 0,09%    
110 11123 DR. SERGIO CHEBEL 1 0,09%    
111 65670 TAVARES 1 0,09%    
112 12000 AURELIO 1 0,09%    
113 13789 TITO 1 0,09%    
114 45000 HELIO RUBENS 1 0,09%    
115 23523 ESTEVÃO 1 0,09%    
116 13456 BETH SAHAO 1 0,09%    
117 23010 BRAZ 1 0,09%    
118 11999 PAULERA 1 0,09%    
119 15500 MARIA DO CARMO GUILHERME 1 0,09%    
120 43153 NAVAL PELA GUARDA MUNICIPAL 1 0,09%    
121 65165 DAVI RAMOS 1 0,09%    
122 23233 DR. TÚLIO 1 0,09%    
123 40777 ROMUALDO 1 0,09%    
124 11300 FARIA JR 1 0,09%    
125 14433 SIVALDO FAISCA 1 0,09%    
126 45500 VICTOR KOBAYASHI 1 0,09%    

Eleições 2010 Aspásia – SP, resultados completos 1º e 2º turnos

ASPÁSIA  2010 – PRESIDENTE DA REPÚBLICA
      1º TURNO 2º TURNO
Seq. Núm. Candidato Votação % Votação %
1 45 JOSÉ SERRA 692 49,50% 730 52,76%
2 13 DILMA 633 45,28% 653 47,22%
3 43 MARINA SILVA 68 4,86%    
4 50 PLÍNIO 2 0,14%    
5 16 ZÉ MARIA 2 0,14%    
6 21 IVAN PINHEIRO 1 0,07%    
7 27 EYMAEL 0 0,00%    
8 28 LEVY FIDELIX 0 0,00%    
9 29 RUI COSTA PIMENTA 0 0,00%    
             
ASPÁSIA  2010 – SENADORES    
Seq. Núm. Candidato Votação    
*0001 451 ALOYSIO NUNES 774 34,11%    
*0002 133 MARTA SUPLICY 495 21,82%    
3 650 NETINHO 453 19,96%    
4 141 ROMEU TUMA 436 19,22%    
5 430 RICARDO YOUNG 92 4,05%    
6 177 MOACYR FRANCO 8 0,35%    
7 360 CIRO 4 0,18%    
8 111 DR. REDÓ 3 0,13%    
9 400 SERPA 2 0,09%    
10 160 ANA LUIZA 1 0,04%    
11 500 MARCELO HENRIQUE 1 0,04%    
12 212 ERNESTO PICHLER 0 0,00%    
13 211 MAZZEO 0 0,00%    
14 161 DIRCEU TRAVESSO 0 0,00%    
15 290 AFONSO TEIXEIRA 0 0,00%    
             
ASPASIA 2010 – DEPUTADOS FEDERAIS    
Seq. Núm. Candidato Votação    
*0001 4555 JULIO SEMEGHINI 519 38,99%    
*0002 1369 DEVANIR RIBEIRO 144 10,82%    
*0003 2525 RODRIGO GARCIA 102 7,66%    
*0004 1325 JOÃO PAULO CUNHA 38 2,85%    
*0005 4030 GABRIEL CHALITA 33 2,48%    
*0006 1523 EDINHO ARAUJO 23 1,73%    
*0007 1211 JOÃO DADO 19 1,43%    
*0008 1434 NELSON MARQUEZELLI 17 1,28%    
*0009 2222 TIRIRICA 16 1,20%    
*0010 2010 MARCO FELICIANO 13 0,98%    
*0011 1322 ARLINDO CHINAGLIA 10 0,75%    
*0012 2513 ALEXANDRE LEITE 9 0,68%    
*0013 4567 VAZ DE LIMA 8 0,60%    
*0014 2233 PR PAULO FREIRE 8 0,60%    
*0015 4300 GUILHERME MUSSI 8 0,60%    
*0016 4311 DR. SINVAL MALHEIROS 7 0,53%    
*0017 4586 JOSÉ ANIBAL 5 0,38%    
*0018 1155 MISSIONÁRIO JOSÉ OLIMPIO 4 0,30%    
*0019 1312 VACCAREZZA 3 0,23%    
*0020 1332 JOSÉ MENTOR 2 0,15%    
*0021 6565 ALDO REBELO 2 0,15%    
*0022 4545 EDSON APARECIDO 2 0,15%    
*0023 4500 CARLOS SAMPAIO 2 0,15%    
*0024 4585 BRUNA FURLAN 2 0,15%    
*0025 2323 ROBERTO FREIRE 1 0,08%    
*0026 2500 JORGE TADEU 1 0,08%    
*0027 1212 PAULINHO DA FORÇA 1 0,08%    
*0028 1345 VANDERLEI SIRAQUE 1 0,08%    
*0029 1316 CARLINHOS ALMEIDA 1 0,08%    
*0030 1010 ANTONIO BULHÕES 1 0,08%    
*0031 1023 OTONIEL LIMA 1 0,08%    
*0032 4021 LUIZA ERUNDINA 0 0,00%    
*0033 2545 JUNJI ABE 0 0,00%    
*0034 4343 PENNA 0 0,00%    
*0035 1452 ARNALDO FARIA DE SÁ 0 0,00%    
*0036 4577 THAME 0 0,00%    
*0037 5050 IVAN VALENTE 0 0,00%    
*0038 1387 JANETE PIETÁ 0 0,00%    
*0039 4525 DIB 0 0,00%    
*0040 2299 VALDEMAR COSTA NETO 0 0,00%    
*0041 4070 ABELARDO CAMARINHA 0 0,00%    
*0042 4565 TRIPOLI 0 0,00%    
*0043 1318 NEWTON LIMA NETO 0 0,00%    
*0044 2325 DIMAS RAMALHO 0 0,00%    
*0045 2345 ARNALDO JARDIM 0 0,00%    
*0046 1250 SALVADOR ZIMBALDI 0 0,00%    
*0047 4515 EMANUEL FERNANDES 0 0,00%    
*0048 1390 VICENTINHO 0 0,00%    
*0049 4096 OTA 0 0,00%    
*0050 1321 FILIPPI 0 0,00%    
*0051 4315 ROBERTO SANTIAGO 0 0,00%    
*0052 6588 DELEGADO PROTÓGENES 0 0,00%    
*0053 1370 ZARATTINI 0 0,00%    
*0054 1301 VICENTE CANDIDO 0 0,00%    
*0055 1331 RICARDO BERZOINI 0 0,00%    
*0056 1398 PAULO TEIXEIRA 0 0,00%    
*0057 2255 MILTON MONTI 0 0,00%    
*0058 2590 GUILHERME CAMPOS 0 0,00%    
*0059 4040 MÁRCIO FRANÇA 0 0,00%    
*0060 4554 DUARTE NOGUEIRA 0 0,00%    
*0061 4074 JEFFERSON CAMPOS 0 0,00%    
*0062 1353 JILMAR TATTO 0 0,00%    
*0063 4000 JONAS DONIZETTE 0 0,00%    
*0064 4344 ROBERTO DE LUCENA 0 0,00%    
*0065 4517 MARA GABRILLI 0 0,00%    
*0066 4363 RICARDO IZAR 0 0,00%    
*0067 1133 ALINE CORREA 0 0,00%    
*0068 2012 MARCELO AGUIAR 0 0,00%    
*0069 2577 ELI CORREA FILHO 0 0,00%    
*0070 4547 LUIZ FERNANDO MACHADO 0 0,00%    
71 1199 VADÃO 71 5,33%    
72 1515 EDUARDO COELHO 32 2,40%    
73 1313 GENOINO 29 2,18%    
74 2020 REGIS DE OLIVEIRA 25 1,88%    
75 4540 SILVIO TORRES 11 0,83%    
76 4321 ZICA 7 0,53%    
77 4530 ALBERTO MOURAO 7 0,53%    
78 4020 CAPITÃO AUGUSTO 6 0,45%    
79 4007 MARCELINHO CARIOCA 6 0,45%    
80 4334 ANA PAULA JUNQUEIRA 5 0,38%    
81 4336 EVANDRO GUSSI 4 0,30%    
82 4326 HELIVANE BOTELHO DA SILVEIRA 3 0,23%    
83 4080 DR. UBIALI 2 0,15%    
84 4511 RAUL CHRISTIANO 2 0,15%    
85 1302 PROFESSOR JAIR BALESTRA 2 0,15%    
86 1719 WANDERLEIA MARIM 2 0,15%    
87 4563 GIVALDO VIEIRA 1 0,08%    
88 4050 TONINHO GARMS 1 0,08%    
89 1362 REGINALDO PERNAMBUCANO 1 0,08%    
90 1333 PROF. CARLÃO RAMIRO 1 0,08%    
91 1127 LAURINDO BARNARDES 1 0,08%    
92 4307 VICENTE DA UPA 1 0,08%    
93 1700 DANIEL CALDEIRA 1 0,08%    
94 2515 PROFESSOR BENJAMIN 1 0,08%    
95 3638 PAES DE LIRA 1 0,08%    
96 2333 JOSE ONERIO 1 0,08%    
97 2555 MANDIC 1 0,08%    
98 2522 CRESPO 1 0,08%    
99 1509 NENÊ MONTANHER 1 0,08%    
100 2332 ARI FRIEDENBACH 1 0,08%    
101 4514 MANOEL MARCOS (MANÉ) 1 0,08%    
102 4541 TIRSO MEIRELLES 1 0,08%    
103 1335 ROGÉRIO PINTO 1 0,08%    
104 1315 HELCIO SILVA 1 0,08%    
105 1555 LÉO OLIVEIRA 1 0,08%    
106 1511 MARCOS TENÓRIO 1 0,08%    
107 1112 RUBENEUTON OLIVEIRA LIMA 1 0,08%    
108 1234 DR LUIZ CHIAPARINE 1 0,08%    
109 4355 DONIZETI PEREIRA 1 0,08%    
110 4550 DR. MARCELO 1 0,08%    
111 4003 ROGÉRIO EMÍLIO 1 0,08%    
112 1401 ALEXANDRE COSTA 1 0,08%    
113 4340 ALE YOUSSEF 1 0,08%    
114 5075 MARIANA CONTI 1 0,08%    
             
ELEIÇÕES 2010 ASPASIA – SP GOVERNADOR    
Seq. Núm. Candidato Votação %    
*0001 45 GERALDO ALCKMIN 778 56,83%    
2 13 ALOIZIO MERCADANTE 570 41,64%    
3 43 FABIO FELDMANN 10 0,73%    
4 40 SKAF 8 0,58%    
5 11 CELSO RUSSOMANNO 3 0,22%    
6 16 MANCHA 0 0,00%    
7 21 IGOR GRABOIS 0 0,00%    
8 29 ANAI CAPRONI 0 0,00%    
9 50 PAULO BUFALO 0 0,00%    
             
ELEIÇÕES 2010 ASPÁSIA SP – DEPUTADO ESTADUAL    
Seq. Núm. Candidato Votação    
*0001 45400 ANALICE FERNANDES 505 36,92%    
*0002 13123 ZICO 132 9,65%    
*0003 15300 ITAMAR BORGES 109 7,97%    
*0004 45633 PAULO ALEXANDRE BARBOSA 101 7,38%    
*0005 45145 BRUNO COVAS 38 2,78%    
*0006 14140 CAMPOS MACHADO 31 2,27%    
*0007 45232 CARLÃO PIGNATARI 31 2,27%    
*0008 23123 DAVI ZAIA 30 2,19%    
*0009 40023 BOLÇONE 24 1,75%    
*0010 25558 GIL ARANTES 21 1,54%    
*0011 25118 EDMIR CHEDID 18 1,32%    
*0012 43134 RITA PASSOS 11 0,80%    
*0013 43363 REINALDO ALGUZ 9 0,66%    
*0014 13622 JOÃO PAULO RILLO 7 0,51%    
*0015 12181 MAJOR OLIMPIO 6 0,44%    
*0016 20633 RODRIGO MORAES 4 0,29%    
*0017 45700 FERNANDO CAPEZ 3 0,22%    
*0018 45555 CELSO GIGLIO 2 0,15%    
*0019 25199 ESTEVAM GALVAO 2 0,15%    
*0020 13199 ANTONIO MENTOR 2 0,15%    
*0021 15000 BALEIA ROSSI 2 0,15%    
*0022 13156 RUI FALCÃO 1 0,07%    
*0023 65035 LECI BRANDÃO 1 0,07%    
*0024 12345 RAFAEL SILVA 1 0,07%    
*0025 13131 MARCOS MARTINS 1 0,07%    
*0026 15622 JOOJI HATO 1 0,07%    
*0027 43001 GIRIBONI 1 0,07%    
*0028 43007 FELICIANO 1 0,07%    
*0029 10123 GILMACI SANTOS 1 0,07%    
*0030 50789 CARLOS GIANNAZI 1 0,07%    
*0031 11111 CURIATI 0 0,00%    
*0032 14235 CORONEL EDSON FERRARINI 0 0,00%    
*0033 43333 DR. ULYSSES 0 0,00%    
*0034 45123 WELSON GASPARINI 0 0,00%    
*0035 45160 ARY FOSSEN 0 0,00%    
*0036 13640 JOSÉ CANDIDO 0 0,00%    
*0037 45156 ROBERTO ENGLER 0 0,00%    
*0038 25122 ALDO DEMARCHI 0 0,00%    
*0039 45477 ROBERTO MASSAFERA 0 0,00%    
*0040 13004 TELMA DE SOUZA 0 0,00%    
*0041 45545 BARROS MUNHOZ 0 0,00%    
*0042 45100 PEDRO TOBIAS 0 0,00%    
*0043 23456 GONDIM 0 0,00%    
*0044 13222 ADRIANO DIOGO 0 0,00%    
*0045 45114 MARIA LÚCIA AMARY 0 0,00%    
*0046 14160 ROQUE BARBIERE – ROQUINHO 0 0,00%    
*0047 13611 ISAC REIS 0 0,00%    
*0048 45111 GERALDO VINHOLI 0 0,00%    
*0049 45125 MAURO BRAGATO 0 0,00%    
*0050 13290 HAMILTON PEREIRA 0 0,00%    
*0051 13147 GERALDO CRUZ 0 0,00%    
*0052 45200 CÉLIA LEÃO 0 0,00%    
*0053 13632 ANA DO CARMO 0 0,00%    
*0054 25011 GILSON DE SOUZA 0 0,00%    
*0055 45157 CELINO 0 0,00%    
*0056 43033 CHICO SARDELLI 0 0,00%    
*0057 12133 JOSE BITTENCOURT 0 0,00%    
*0058 14222 HEROILMA SOARES TAVARES 0 0,00%    
*0059 23623 ROBERTO MORAIS 0 0,00%    
*0060 65123 PEDRO BIGARDI 0 0,00%    
*0061 20200 ADILSON ROSSI 0 0,00%    
*0062 43135 PADRE AFONSO 0 0,00%    
*0063 13644 JOÃO ANTONIO 0 0,00%    
*0064 13114 ENIO TATTO 0 0,00%    
*0065 13130 MARCO AURÉLIO DE SOUZA 0 0,00%    
*0066 43433 REGINA GONÇALVES 0 0,00%    
*0067 25255 MILTON VIEIRA 0 0,00%    
*0068 45780 MARCOS ZERBINI 0 0,00%    
*0069 45245 SAMUEL MOREIRA 0 0,00%    
*0070 40123 ED THOMAS 0 0,00%    
*0071 45610 HELIO NISHIMOTO 0 0,00%    
*0072 13121 ANA PERUGINI 0 0,00%    
*0073 13134 SIMÃO PEDRO 0 0,00%    
*0074 43477 PASTOR DILMO DOS SANTOS 0 0,00%    
*0075 10321 SEBASTIÃO SANTOS 0 0,00%    
*0076 13113 EDINHO SILVA 0 0,00%    
*0077 13112 GERSON BITTENCOURT 0 0,00%    
*0078 13690 CARLOS GRANA 0 0,00%    
*0079 15113 CARUSO 0 0,00%    
*0080 13913 DONISETE BRAGA 0 0,00%    
*0081 45321 CARLOS BEZERRA JR. 0 0,00%    
*0082 12123 ROGERIO NOGUEIRA 0 0,00%    
*0083 22999 ANDRE DO PRADO 0 0,00%    
*0084 13310 LUIZ CLAUDIO MARCOLINO 0 0,00%    
*0085 20112 PR. CARLOS CEZAR 0 0,00%    
*0086 13800 LUIZ MOURA 0 0,00%    
*0087 45680 ORLANDO MORANDO 0 0,00%    
*0088 25005 ANDRE SOARES 0 0,00%    
*0089 20688 MARCOS NEVES 0 0,00%    
*0090 13570 ALENCAR 0 0,00%    
*0091 25250 MILTON LEITE FILHO 0 0,00%    
*0092 23423 ALEX MANENTE 0 0,00%    
*0093 40789 VINICIUS CAMARINHA 0 0,00%    
*0094 45451 CAUÊ MACRIS 0 0,00%    
95 13400 ROBERTO FELICIO 41 3,00%    
96 40999 DR. PAULO MARIANI 14 1,02%    
97 45198 JOSE BORANGA 13 0,95%    
98 43045 RICARDO CASTILHO 12 0,88%    
99 13456 BETH SAHAO 9 0,66%    
100 45300 CASSIO NAVARRO 9 0,66%    
101 45155 CLOVIS CHAVES 4 0,29%    
102 45000 HELIO RUBENS 3 0,22%    
103 20220 RENATO PUPO 3 0,22%    
104 11999 PAULERA 2 0,15%    
105 11369 VALDIR MARIN 2 0,15%    
106 13133 ELI TEODORO 2 0,15%    
107 43453 PROFESSOR EMERSON LIMA 2 0,15%    
108 12378 PROFESSOR VENANCIO 1 0,07%    
109 13789 TITO 1 0,07%    
110 13132 DR. LUIZINHO 1 0,07%    
111 14001 MUG 1 0,07%    
112 14144 VANDO 1 0,07%    
113 12333 BRUZAROSCO 1 0,07%    
114 15500 MARIA DO CARMO GUILHERME 1 0,07%    
115 45002 IVONE FERNANDES 1 0,07%    
116 14888 GILBERTO DO PRIMAVERA 1 0,07%    
117 45455 CONCCI MARCO 1 0,07%    
118 45645 ARTUR ORSI 1 0,07%    
119 14433 SIVALDO FAISCA 1 0,07%    
120 13258 ESTELA ALMAGRO 1 0,07%    
121 43000 GENTIL 1 0,07%    
122 25125 FERNANDO LUCAS 1 0,07%    
123 13040 ENGª MÔNICA BOMBONATO 1 0,07%    
124 50550 RAUL MARCELO 1 0,07%    
125 11000 RICARDO SARAVALLI 1 0,07%    

Qual foi a contribuição da campanha de ódio e intolerância do candidato derrotado José Serra?

 

O ódio e o medo, o racismo e os preconceitos, que certas extrações da classe média e alta tem em relação às classes populares se explicitou nestas eleições. Muito do que foi dito sobre esta pobre menina rica Mayara Petruso, que chocou o Brasil com mensagens racistas postadas no Twitter logo após a eleição de Dilma Rousseff, no domingo, acompanhada por vários seguidores, para lermos e passarmos a frente.

Julian Rodrigues

1 de novembro de 2010

http://brasilmobilizado.blogspot.com/

1. Qual foi a contribuição da campanha de ódio e intolerância do candidato derrotado José Serra?

Nem mesmo terminou a festa da vitória de Dilma Rousseff e já percebemos no twitter, na TV e nas ruas o clima de rancor e vingança alimentado pelo candidato que se pretende ser o líder da oposição brasileira.

Em seu discurso de derrotado José Serra já mandou o recado.

No Twitter, ontem logo após a finalização da apuração, já começaram a aparecer as manifestações de ódio e preconceito contra nordestinos. Leia aqui

Esse traço da personalidade do povo brasileiro sempre foi escamoteado pela literatura e até por certas correntes da sociologia brasileira, o mito da democracia racial e do povo tolerante e pacífico.

A campanha de José Serra, parece, foi o estopim para fazer aflorar essas manifestações escondidas sob a aparente mansidão do povo brasileiro.

Na verdade isso é alimentado diariamente na mídia, de forma velada ou nos programas humorísticos que com aquela gaitice canalha, exploram e estimulam o preconceito contra negros, nordestinos, mulheres, homosexuais e velhos.

O insoso Gentilli, apresentador do programa CQC. deu início ao incidente em Brasilia com militantes que festejavam a vitória de Dilma, chamando uma militante de velha. Como se velho fosse um xingamento ou ofensa.

Ao me dirigir à Av Paulista para a festa da militância paulista ontem passei pela calçada de um bar, desses que colocam as mesas nas calçadas de maneira irregular para que os clientes possam fumar, e parei para assitir na TV. desse bar o discurso de Dilma Rousseff.

Numa mesa, um grupo de quatro jovens paulistanos típicos, olharam com desdém para minha camiseta vermelha e minha bandeira do PT. Sorri para eles e arrisquei um “olê, olê, olá: Dilma, Dilma.

Uma das jovens, com ódio no olhar me perguntou se eu iria pagar as cervejas que estavam bebendo. Respondi que adoraria, mas estava sem dinheiro. Imediatamente os quatro em tom de deboche me disseram que usasse o bolsa família para pagar as cervejas. Tentei argumentar civilizadamente com eles sem sucesso.

Virei as costas para seguir meu caminho quando um dos jovens, o mais musculoso e exibido disparou a pérola machista: mas a senhora, apesar de petista, é muito gostosa, eu traço!

Voltei e pedi que ele repetisse, ele repetiu!

Meu primeiro impulso foi dar-lhe um safanão, mas como um pouco adiante estavam meu marido e meu filho desisti, para evitar um tumulto maior.

O garotão paulistano aprendeu direitinho com seu líder José Serra como se deve tratar uma mulher, jovem ou mais velha.
Eu traço!

Esse foi o recado dado por Serra ao pedir às meninas bonitas de Minas Gerais que usassem seu poder de sedução para conquistar votos para ele.

Vamos deixar os ânimos serenarem e esperar que esse clima de ódio se dissipe com o tempo.

Mas não nos enganemos!

A oposição à Dilma Rousseff será ferrenha, como foi ao Lula, mas com elementos novos de intolerância, preconceito, machismo e ressentimento pela derrota.

Afinal alguma coisa a agradecer ao candidato Serra, expor sem maquiagem a verdadeira face de parte do povo brasileiro e , principalmente, do paulista .

2. Contra o preconceito da elite paulista, a sensibilidade cidadã de Juliana Freitas.

Veja: http://www.youtube.com/watch?v=tCORsD-hx0w&feature=player_embedded

Enquanto patricinhas e bad boys paulistas se esmeram em mensagens cheias de ódio no Twitter, Juliana Freitas cidadã brasileira, militante, sensível e corajosa se supera em fazer vídeos sensíveis.

O sentimento de todos nós brasileiros, de qualquer estado deste país, mas principalmente dos paulistas que não compactuam com essas manifestações de ódio, intolerância e burrice dos inconformados com o resultado das urnas.

Em nome de todos os paulistas dignos eu peço perdão aos nossos irmãos nordestinos.

Obrigada Ju, pelo belo trabalho!

3. Justiça vai apurar ofensas contra nordestinos na internet

Qua, 03 Nov, 04h34

Por Juliano Costa, da Redação Yahoo! Brasil

A OAB de Pernambuco entrou nesta quarta-feira com uma notícia-crime no Ministério Público Federal em São Paulo contra a estudante de direito Mayara Petruso, que chocou o Brasil com mensagens racistas postadas no Twitter logo após a eleição de Dilma Rousseff no domingo.

Vários usuários se manifestaram de forma ofensiva aos nordestinos, mas, segundo a asessoria de imprensa da OAB-PE, a ação será concentrada em Mayara “porque foi ela quem começou”. Dentre vários posts ofensivos, Mayara escreveu: “‘Nordestisto’ não é gente. Faça um favor a SP: mate um nordestino afogado” (sic).

Caberá ao Ministério Público Federal investigar o caso, e decidir se Mayara é passível de punição. A garota será alvo de duas ações: uma por racismo e outra por “incitação pública ao ato delituoso”. A primeira estipula pena de 2 a 5 anos de detenção, e a segunda, de 3 a 6 meses de reclusão ou multa. O crime de racismo é imprescritível e inafiançável.

O escritório de advocacia Peixoto e Cury Advogados, em São Paulo, onde Mayara era estagiária, divulgou nota nesta quarta-feira lamentando a postura da estudante. Ela já não trabalha mais no escritório. “Com muito pesar e indignação, (o Peixoto e Cury Advogados) lamenta a infeliz opinião pessoal emitida, em rede social, pela mesma, da qual apenas tomou conhecimento pela mídia e que veemente é contrário, deixando, assim, ao crivo das autoridades competentes as providências cabíveis”, diz o escritório, em nota divulgada à imprensa.

Não é a primeira ação na Justiça que apura crimes de xenofobia contra nordestinos praticados na internet. O Ministério Público Federal investiga denúncias de racismo por parte de membros de uma comunidade no Orkut chamada “Eu odeio nordestinos”. O tumblr Xenofobia Não reúne uma série de “print screens” de ofensas de usuários a nordestinos no Twitter, como “Só Hitler acaba com a raça dos petistas, construindo câmara de gás no Nordeste e matando geral” .

O objetivo da ação contra Mayara, segundo a OAB-PE, é acabar com a percepção que existe de que manifestações odiosas na internet acabam impunes.

4.CARTA DE REPÚDIO

Por Andrea Grace

               Não sou uma pessoa que costuma envolver-se em polêmicas ou declarar seus posicionamentos de forma ferrenha, pois acredito na palavra “Democracia” em toda a sua extensão e profundidade. Entretanto, diante de alguns – para não dizer centenas – de comentários que li via twitter, decidi escrever essa carta.

                No último dia 31/10, dia em que o Brasil votou e elegeu a sua primeira presidente mulher – um avanço para o nosso país- os nordestinos foram extremamente desrespeitados e discriminados por terem sido os protagonistas do resultado eleitoral nacional. Comentários como “pessoas sem esclarecimento”, “sem acesso a informação”, “alienadas” foram difundidas, em pleno século XXI, apregoando uma ideia ridícula de segregação do norte e nordeste, em relação ao resto do país.

                Para surpresa de alguns desinformados que twitaram tais absurdos, nós nordestinos conseguimos ler, fato que alguns julgaram impossível, pois acreditavam que no nordeste “ninguém sabia nem o que era twitter”. Engraçado é que muitos nordestinos acessam o twitter, o orkut, o facebook e os seus blogs, a partir de notebooks, netbooks, Iphones e Smartphones que, pasmem, nós sabemos o que é cada ferramenta dessa e trabalhamos a ponto de ter acesso a comprá-los, inclusive através dos websites do sudeste. É… os correios também atendem à região nordeste…

                Além disso, escrevo de uma cidade do interior paraibano – Campina Grande- situada entre as nove cidades tecnológicas do mundo, segundo a revista NewsWeek (vide: http://www.jornaldaciencia.org.br/Detalhe.jsp?id=7202)., exportando tecnologia da informação para países, como Espanha, EUA e China.  Ademais, somos a primeira cidade do Brasil a dominar a tecnologia do plantio de algodão colorido ecologicamente correto. Vivemos num estado, assim como todos, com uma indiscutível má distribuição de renda, fato que não impede que campus de universidades particulares e públicas ofereçam oportunidades de acesso ao ensino superior a todas as classes sociais.

Dentro dessa desigualdade social, ferida aberta em todos os grandes centros urbanos, vemos shoppings (é… nós temos shoppings no nordeste) oferecendo produtos que apenas uma parte da população pode ter acesso, contrastando com casas paupérrimas .  Vemos as simples bicicletas, meio de transporte ultimamente eleito como o melhor para o meio ambiente, disputarem espaço com grandes carros de empresas estrangeiras, a exemplo da Hyndai, Honda, Kya, bem como com carros mais populares, produzidos pela Fiat, Chevrolet, e Volkswagen. É… aqui já faz algum tempo que a carroça deixou de ser o principal meio de transporte.

                O que mais me assusta é que, diante de pessoas que se declaram tão superiores e esclarecidas, nós nordestinos demonstramos mais poder de decisão e escolha, pois não nos guiamos pelas opiniões alienantes e oligárquicas difundidas pelos principais meios de comunicação nacional.  Fato que também deve estarrecer os mais desinformados, pois nós aqui temos televisão, inclusive de plasma, LCD e de LED, e recebemos os sinais das principais redes de televisões do Brasil, sem falar que nos mantemos informados também através de tvs à cabo – mais de uma empresa? – pois é… isso pode ser um tanto quanto impactante para alguns habitantes da parte inferior do nosso mapa brasileiro.

                O que observamos é que o Brasil, nesses últimos quatro anos, assistiu a uma expansão do ensino superior, a uma diminuição da miserabilidade do país, a uma estabilidade econômica e a uma descentralização da distribuição de recursos federais, e isso foi determinante, acredito eu, para a escolha verificada com tanta revolta por alguns. A demagogia, o autoritarismo, os sorrisos forçados, a imagem da oligarquia não satisfaz mais a um povo que já sofreu muito com a falta de um olhar de credibilidade para a nossa região.

                E para aqueles que não acompanharam muito de perto os resultados eleitorais por região, os estados do Rio de Janeiro e de Minas Gerais, localizados na região Sudeste, também elegeram a candidata petista.

Apesar da grande votação da candidata petista na região nordeste, essa decisão não foi tão unâmime como todos pensam, pois em Campina Grande, repito, na Paraíba, o candidato José Serra teve mais de 60% dos votos.  O que prova que democracia é uma palavra que, além de exigir respeito, é imprevisível.

             Por tudo isso, venho com todo o meu sentimento de pesar, pelos comentários lidos, não defender um candidato ou outro, mas defender o povo nordestino que possui o direito de votar, bem como todas as demais regiões possui, e esclarecer, àqueles que acreditam em sua superioridade de reflexão e tomada de decisões, que os nordestinos não são a escória do Brasil, mas que contribuímos economicamente com o nosso país e merecemos receber em troca investimento e respeito.

             Aconselho também, a tais pessoas e às que pensam como elas, a conhecer o Brasil como um todo, antes de denegrir as pessoas, baseados em informações frágeis e opiniões preconceituosas. Quem não conhece o nordeste, não acredite em tudo que é veiculado pela televisão: venha aqui e se encante!

 Andrea Grace

(Nordestina, paraibana e mestranda em letras

pela Universidade  Federal de Campina Grande)

5. Marcha São Paulo só para paulistas (alguns poucos)!!

 

E viva a OAB de Pernanbuco! Esta campanha eleitoral da forma feita pela oposição, utilizando boatos baseados no preconceito puro contra a mulher e contra a esquerda, sem nenhum debate político mais amplo, fez aflorar o racismo e outros preconceito correlatos, e o ódio, que já apareciam em alguns mails mas que explodem no domingo com a frustração da derrota de Serra.

Esta campanha eleitoral desnudou as posições políticas  da oposição, explicitou sua aliança com a direita racista e trogrodita como sempre e evidenciou o que estava aparentemente despolitizado.  Agora está claro quais são os lados e, num país onde ninguém quer se achar de direita, evidenciou quem o é  e aclarou a posição do PSDBismo … 

A impressão é a de que a Educação está falida dentro de casa em primeiro lugar e nas escolas das elites e em outros espaços que podemos imaginar…

Tenham estomago, não vomitem e leiam:  http://xenofobianao.tumblr.com/


Date: Wed, 3 Nov 2010 18:26:54 -0200

Subject: Re: FW: Serra plantou ódio; Brasil colhe manifestações contra nordestinos – Portal Vermelho

OLá Meus caros, gostaria de sugerir a leitura dessa página que foi criada para combater a xenofobia e coletou as mensagens contra os nordestinos no tweeter. Peço que tenham paciência e estômago, pois além das infâmias surpreende o fato de serem jovens. Divulguem e vamos apoiar o MP de Pernambuco que está movendo uma ação contra os responsáveis. Não precisa muito é só aplicar a lei.
Um abraço
Cabrera
leiam:  http://xenofobianao.tumblr.com/

Não ao fascismo!

6.Serra plantou ódio, e o Brasil colhe preconceito: as manifestações contra nordestinos na internet

publicada terça-feira, 02/11/2010 às 21:49 e atualizada terça-feira, 02/11/2010 às 22:51

O vídeo que reproduzo abaixo – e também na janela ao lado- é de revirar o estômago. Mas faz um bem danado: lança luz sobre um Brasil que muitas vezes não gostamos de ver. O Brasil do ódio.

http://www.youtube.com/watch?v=tCORsD-hx0w

A campanha conservadora movida pelos tucanos, a misturar religião e política, trouxe à tona o lodo que estava guardado no fundo da represa. A lama surgiu na forma de ódio e preconceito. Muita gente gosta de afirmar: no Brasil não há ódio entre irmãos, há tolerância religiosa. Serra jogou isso fora. A turma que o apoiava infestou a internet com calúnias. E, agora, passada a eleição, o twitter e outras redes sociais são tomadas por manifestações odiosas.

Como se vê no vídeo acima, não foi só a tal Mayara (estudante de Direito!!!) que declarou ódio aos nordestinos. Há muitos outros. Com nome, assinatura. É fácil identificar um por um. E processar a todos! O Ministério Público deveria agir. A Polícia Federal deveria agir.

E nós devemos estar preparados, porque Serra fez dessas feras da direita a nova militância tucana. Jogou no lixo a história de Montoro e Covas. Serra cavou a trincheira na direita. E o Brasil agora colhe o resultado da campanha odiosa feita por Serra.

Desde domingo, muita gente já fez as contas e mostrou: Dilma ganharia de Serra com ou sem os votos do Nordeste. Não dei destaque a isso porque acho que é – de certa forma – uma rendição ao pensamento conservador. Em vez de dizer que Dilma ganhou “mesmo sem o Nordeste”, deveríamos dizer: ganhou – também – por causa dos nordestinos. E qual o problema?

E deveríamos lembrar: Dilma ganhou também com o voto de quase 60% dos mineiros e dos moradores do Estado do Rio.E ganhou com quase metade dos votos de paulistas e gaúchos.

Parte da imprensa – que, como Serra,  não aceita a derrota e tenta desqualificar a vitoriosa –  insiste no mapinha ”Estados vermelhos no Norte/Nordeste x Estados azuis no Sul/Sudeste”. O interessante é ver – aqui – a votação por municípios, e  não por Estados: há imensas manchas vermelhas nesse Sul/Sudeste que alguns gostariam de ver todo azulzinho.

No Sul e no Sudeste há muita gente que diz: “não ao ódio”. Se essa turma de mauricinhos idiotas quiser brincar de separatismo, vai ter que enfrentar não apenas o bravo povo nordestino. Vai ter que enfrentar gente do Sul e Sudeste que não aceita dividir o Brasil.

7. Mayara Petruso quer afogar nordestinos. Ela não é a única

02 de novembro de 2010 às 14:19

http://www.revistaforum.com.br/blog/2010/11/02/mayara-petruso-quer-afogar-nordestinos-ela-nao-e-a-unica/

A estudante de Direito Mayara Petruso atendendo ao chamado da campanha tucana que transformou a campanha numa guerra entre gente limpinha e a massa fedida, principalmente a que reside no Nordeste e vive do Bolsa Família, escreveu as mensagens reproduzidas acima na noite de domingo, logo após o anúncio da vitória de Dilma Roussef.

A estudante é uma típica paulistana de classe média alta. Um tipo que não gosta de estudar, adora consumir e que considera nordestino um ser inferior. Nada mais comum em almoços de domingo nos ambientes dessa elite branca paulistana do que ouvir gente falando coisas semelhantes ao que escreveu Mayara Petruso na sua conta no tuiter. Na cabeça da menina, ela não deve ter falado nada demais. Afinal, é isso que deve ouvir desde criança entre familiares e amigos.

Fui ao orkut de Mayara para checar minhas desconfianças. E confirmei tudo que imaginava. Ela deve morar na região Oeste de São Paulo, onde vive este blogueiro há muito tempo e onde este preconceito é ainda mais latente do que em outras bandas da cidade. Digo isto porque uma de suas comunidades é a do “Parque Villa Lobos”. Se morasse na Mooca provavelmente nem se lembraria de tal parque. Se vivesse nos Jardins, citaria o do Ibirapuera.

Mas há outras comunidades que revelam mais profundamente a alma da “artista” que escreveu o post mais famoso do pós-campanha. Um post que levou o debate sobre a questão do preconceito ao Nordeste ao TT mundial no tuiter. 

A elas: “Perfume Hugo Boss, Eu acho sexy homens de terno, Rede Globo, CQC, MTV, Magoar te dá Tesão? e FMU Oficial”.

Não vou comentar suas comunidades “Eu acho sexy homens de terno” e nem “Magoar te dá tesão?” por considerar tais opções muito particulares. Mas em relação ao fato da moça estudar na FMU, a Faculdade Metropolitanas Unidas, queria fazer algumas considerações. Nada contra a instituição ou aos que nela estudam, mas pela situação social da garota, ela deve ter estudado em escola particular a vida inteira e se fosse um pouco mais esforçada teria entrado numa faculdade onde a relação candidato/vaga é um pouco mais dura.

Ou seja, como boa parte dessa classe média alta paulistana, Mayara é arrogante, mas não se garante. Muita garota da periferia, sem as mesmas condições econômicas que ela deve ter conseguido vôos mais altos, deve já ter obtido mais conquistas do que a de poder consumir o que bem entende por conta da boa situação financeira da família.

Ontem, Mayara pediu desculpas pelo “erro”. Disse que afinal de contas “errar é humano” e que “era algo pra atingir outro foco” e que “não tem problema com essas pessoas”. Não desceu do salto alto nem pra se penitenciar. Preferiu fazer de conta que era uma coisa menor, ao invés de pedir perdão, afirmar que era um erro injustificável e que entendia toda a revolta que seu post produzira.


“MINHAS SINCERAS DESCULPAS AO POST COLOCADO NO AR, O QUE ERA ALGO PRA ATINGIR OUTRO FOCO, ACABOU SAINDO FORA DE CONTROLE. NÃO TENHO PROBLEMAS COM ESSAS PESSOAS, PELO CONTRARIO, ERRAR É HUMANO, DESCULPA MAIS UMA VEZ.”

 

Ela foi criada para isso. Para dispensar esse tipo de tratamento a nordestinos e pobres e por isso a dificuldade de ser mais humilde. É difícil para esse grupo social entender que preconceito é crime por ensejar um tipo de xenofobia que coloca quem o pratica no mesmo patamar de um tipo como Hitler. Ela odeia nordestinos. Ele odiava judeus. A diferença é que ela não pode afogar de fato aqueles que vivem na parte de cima do mapa. Já o alemão pôde fazer o que bem entendia com aqueles que julgava ser um estorvo na sociedade que governava.

Mas Mayara é o produto de um tipo de discurso. Ela não merece ser responsabilizada sozinha por isso. Talvez seja o caso de alguma entidade vinculada à cultura nordestina mover um processo contra a estudante. Menos pra tirar dinheiro ou coisa do gênero, mais para utilizar o caso como exemplo. E fazer com que ela atue em espaços vinculados à cultura da região para aprender a ter mais respeito com a história e com o povo dessa parte do Brasil.

Os verdadeiros culpados são outros. São aqueles que com seus discursos preconceituosos têm alimentado esse separatismo brasileiro. E em boa medida isso se dá pela nossa “linda e bela” mídia comercial e mesmo pela manifestação de um certo setor da política que sempre que pode busca justificar a vitória da aliança liderada pelo PT como produto do “dinheiro dado a essa gente ignara e preguiçosa que vive no Nordeste a partir do Bolsa Família”. Ou Bolsa 171, nas palavras de Mayara.

Mas esse comportamente também é produto de um tipo de preconceito velhaco que nunca foi combatido de forma educativa e que é alimentado diariamente nos ambientes familiares dessa elite branca. Cláudio Lembo sabia do que estava falando quando usou essa expressão. Ou começamos a discutir esse preconceito com seriedade, tentando combatê-lo com leis claras, educação e cultura ou corremos o risco de mesmo avançando em aspectos econômicos,  retroceder do ponto de vista de outras conquistas democráticas.

Afinal, ainda há quem ache que pregar a morte daqueles que pensam diferente é apenas um problema de foco.

Estou estupefato!

Por Michel Blanco . 05.11.10 – 17h33

Sala, copa e cozinha

 

Uma jovem estudante de Direito, desalentada com a vitória da petista Dilma Rousseff, ganhou fama ao clamar no Twitter o afogamento de nordestinos em benefício de São Paulo. O ódio da moça brotou em meio a uma campanha difamatória que irrigou expedientes eleitoreiros. Se na TV o marketing cuidou de dar boa aparência aos candidatos, na internet a coisa foi feia. Levante a mão quem não recebeu um único spam desqualificando os votos da população assistida pelo Bolsa Família. Sobre tal corrente, a psicanalista Maria Rita Kehl disse o que tinha de ser dito – e foi punida por isso. Assim estávamos na campanha…

xenofobia da estudante paulista, no entanto, não é retrato das tensões do momento. É uma fotografia embolorada, guardada num fundo de armário, agora trazida à tona. Quem triscou fogo nos spams sabia que o ódio fermentava. Bastava uma faísca. Se tiver estômago, pode ler uma coletânea de tweets odientos — e odiosos — no Diga não à Xenofobia. A menina não está só.

A maioria dessas mensagens parte de jovens de mais ou menos 25 anos. O que leva a supor que muitos deem vazão a preconceitos ruminados à hora do jantar em família, da festinha do sobrinho ou do churrasco da faculdade. Está aí boa parte da festejada geração da internet, que confunde vida real com a vida em rede, mas se sente imune às consequências de atos online. Mostram os dentes no Twitter como se estivessem a salvo da luz do dia, como se não fosse dar nada. Mas deu, mano.

A moça que gostaria de afogar um nordestino em São Paulo acabou ela mesma por submergir. Deletou seu perfil ante a repercussão do caso, que lhe rendeu a protocolação de uma notícia-crime pela OAB de Pernambuco no Ministério Público Federal em São Paulo. O escritório de advocacia onde estagiava apressou-se em dizer que ela não despacha mais por lá. O caso foi parar até nas páginas do britânico Telegraph. Vários outros “bacanas” seguiram os passos da menina e desapareceram do Twitter. Talvez arrependidos do um ato impensado, da ausência completa de reflexão ou, mais provável, da ameaça de punição legal. Quem sabe ainda há tempo para deixar as trevas.

Ironicamente, o aguardado uso da internet nas eleições ajudou a liberar o que há de mais retrógrado entre nós (embora o poder transformador da rede esteja muito além disso). Parecemos recuar 50 anos em relação a direitos civis. Houve até o retorno de mortos-vivos, grupos pouco representativos e de triste memória. Não bastasse o proselitismo religioso, a ação das militâncias, oficiais e oficiosas, a campanha na internet descambou para baixaria geral. Conhecido o resultado da eleição presidencial, viria o pior: o insulto aos eleitores, desclassificando-os.

Enfim, é uma questão de classe; não de compostura. Uma parte dos jovens que se julgam classe A levantou-se da sala de jantar para reinstaurar a separação da copa e da cozinha, sem se dar conta de que a divisão dos cômodos já não é tão sólida. O que move tanto ódio? Passionalidade do clima eleitoral não é o suficiente.

Nunca na história deste país (tá, essa foi só para provocar) se falou tanto em classes C e D e E. Estão todos os dias na imprensa; chamam atenção pelo crescente poder de consumo. E é a isto que a noção de classes parece se resumir hoje: consumo. Talvez esteja aí a raiva dessa moçada, muito mais identificada com bens do que com valores.

Identificar-se por aquilo que se consome pressupõe um sentimento de exclusividade. “Eu tô dentro e eles, fora”. Uma concepção de vida alimentada e também confrontada pela massificação do consumo. A tensão desponta quando “eles”, os esfarrapados, começam a ter o que “eu” tenho. A exclusividade mingua, e o povão chega chegando, sentando ao seu lado no avião. É preciso descolar novos meios para diferenciar uns dos outros. A desqualificação é um deles.

Um dos legados desta eleição embalada por baixarias é uma tensão que parece escapar da acomodação sobre a imagem construída pelo mito fundador nacional. Descobrimos um pensamento ultra-conservador no Brasil, e ele pôs a cabeça para fora. Seria um exagero, no entanto, dizer que o país está dividido. Mas é igualmente um equívoco considerar que a identidade nacional sai ilesa – por definição, ela é lacunar, ao pressupor a relação com o outro. O que queremos de nós mesmos?

Mas na cabeça dessa moçada raivosa, nada disso seria necessário, e a harmonia se restabeleceria desde que todos estivessem nos lugares “certos”. Assim, estão prontos para experimentar o que consideram desenvolvimento e mal esperam a ocasião para pôr à mesa de alguma congregação do Tea Party uma iguaria nacional: uma saborosa broa de milho feita pela mãos da preta dócil que serve a casa.

http://dialogico.blogspot.com/2010/11/era-algo-para-atingir-outro-foco.html

“Era algo para atingir outro foco”

Como não tenho o endereço dessa moça, Mayara Petruso, permito-me enviar esse texto na forma de carta aberta.

A ela, que transformou-se numa espécie de musa daquilo que há de mais obscuro na sociedade brasileira, digo, inicialmente, o seguinte: que preste atenção no seu próprio nome. Mayara, q pode ser uma corruptela de Maíra, é um nome de origem indígena. O sobrenome Petruso, deve ser de origem italiana, como o de muitos que apoiaram seu “manifesto”. Vê-se pois, uma mescla tipicamente brasileira, bem longe daqueles padrões de “pureza” racial, tão ao gosto de quem advoga em favor dessas idiotices. Na pesquisa que fiz na internet, alguém afirmou que ela é “detentora de olhinhos com traço nipônico”. Então, dá para ver como pode-se ir longe nessa polêmica que envolve as questões raciais.

Seria interessante que Mayara e seus apoiadores (ao que parece, muitos descendentes de imigrantes), passassem os olhos sobre a história das várias populações que imigraram para o Brasil nos diversos períodos da nossa história e que acabaram formando o que se conhece hoje como povo brasileiro. Verão q, com algumas exceções, a maioria dos imigrantes, vieram para o Brasil, como se diz por aqui, com uma mão na frente e outra a atrás. Primeiro foram os degredados, depois os pobres de Portugal e alguns de seus senhores, que trouxeram para cá, à força, os negros africanos. Mais tarde, os pobres de várias partes da Europa e de outras partes do mundo.

Não dá para dizer que esses “colonos” foram recebidos com rosas. Tiveram que lutar duramente pela sobrevivência, até conseguir ascender socialmente e desfrutar de uma certa estabilidade econômica. Alguns prosperaram de tal forma que isso seria inimaginável se tivessem permanecido em seus países de origem. Mas, convenhamos, se essas pessoas vieram para cá nas condições que bem conhecemos, não foi pela cor dos olhos dos nossos nativos. Ninguém sai de sua pátria para enfrentar agruras além fronteiras por nada. Vieram, porque em seus países de origem eram considerados a escória da sociedade, eram discriminados da mesma forma como hoje seus descendentes discriminam os “nordestinos” que “afundam o país de quem trabalha…”. Esses “colonos” eram o sub produto de intermináveis crises e guerras que sempre varreram o mundo. E ainda varrem: lembrem a barbárie na Iugoslávia, no coração da Europa “civilizada”. Eram o excedente populacional, a reserva de mão de obra semi escrava que a economia não consegue absorver, os bucha de canhão, que as classes dominantes e os donos do capital utilizavam a seu bel prazer para garantir a acumulação de sua riqueza.

Aqui, talvez, eu esteja falando grego para Mayara e seu seguidores, pois eles não tem repertório para entender os processos históricos que estão por trás das crises que levam a esses movimentos populacionais e que, também, explicam a sua visão de classe, a sua pretensiosa ilusão de pertencimento a uma “elite” a qual estão muito longe de pertencer. Até porque, se fossem capazes de entender isso, jamais teriam escrito as barbaridade que escreveram.

Mas como sempre é tempo de recuperar o tempo perdido escrevendo barbaridade nos “orkuts”, Mayara e seus seguidores poderiam começar lendo “A Ferro e Fogo”, romance de Josué Guimarães, que pode lhes esclarecer, não de uma forma meramente técnica, mas a partir de uma visão humanista, o que significa ser um imigrante. O autor, falando pela boca de seus personagens, dá uma visão do que foi o traumático processo da colonização alemã no Rio Grande do Sul e que, de certa forma, guardadas as especificidades, é o que acontece com todas as pessoas que são deslocadas (ou se deslocam) de seus lugares de origem em busca de melhores condições de vida. Quem, em sã consciência, deixaria suas raízes, sua cultura, as coisas com as quais tem afinidade, para lançar-se gratuitamente em tantas dificuldades? Salvo um que outro, com espírito de aventura, as pessoas só fazem isso em situações extremas.

Claro, poderíamos dizer que os imigrantes nordestinos que “infestam” São Paulo são vítima da miséria e da ignorância que os levam as mas escolhas políticas, que num ciclo vicioso, produzem mais ignorância e miséria ou vice-versa, o que nos enredaria numa interminável discussão sobre o que é causa e o que é efeito.

Mas, se os “ignorantes” tem a desculpa da miséria para suas más escolhas, Mayara e seus seguidores, que fazem parte da “elite” letrada não tem desculpa nenhuma para votar num “coiso” como Serra. Qual é a justificativa para dar voto a alguém que tem aliados como os neonazistas, militares golpistas e religiosos fanáticos? Querem eles instaurar no Brasil um regime nazi teocrático? Mayara quer usar burka?

Penso ser fundamental Mayara e seus simpatizantes entenderem que não podem impedir as pessoas de buscarem melhores condições de vida e que os governos tem a obrigação de criar políticas públicas para que isso aconteça. Ainda mais no caso dela, uma estudante de direito. Como alguém pode advogar se não reconhece o direito mais elementar, que é o direito do outro a sobrevivência? Como alguém pode advogar sem ter a menor noção sobre o papel do estado como instância protetora e provedora dos cidadãos e reguladora das relações sociais?

Tenho certeza absoluta q cada uma dessas pessoas que comungam com as “idéias” de Mayara, que ela “brilhantemente” sintetiza numa frase, essas mesmas pessoas que se sentem roubadas por que o governo usa o dinheiro dos impostos “para sustentar vagabundos”, estariam sadicamente satisfeitas se o governo gastasse o triplo ou mais desse valor, para construir presídios e equipar a polícia a fim de por esse mesmo número de “vagabundos” na cadeia. Para vigiar e punir a “negrada que não conhece o seu lugar”, não há dinheiro mal gasto, no entender dessa “elite” herdeira da mentalidade escravagista. Mesmo que, contraditoriamente, educar e prover seja muito mais barato em todos os sentidos. 

A contabilidade dessa direita proto fascista é fantasticamente mesquinha e rasa, só se equiparando a sua capacidade de sintetizar numa única frase toda a complexidade do mundo. O que sempre nos obriga a escrever laudas e laudas para demonstrar a falácia dessas “sínteses”.

Mas, o que seria uma aparente contradição, pode ter uma explicação óbvia, que de tão óbvia jamais seria admitida por Mayara e seus pares, nem nos seus mais sombrios delírios. Para exemplificar, recorrerei a um episódio ocorrido quando o PT era governo em porto Alegre. Uma área em que esta administração atuou com firmeza foi a da habitação popular. Muitos regiões da cidade com sub habitações foram reconstruídas e urbanizadas. O entorno de tais áreas, ao contrário do que era esperado, reagiu mal a tais melhorias, pois a “prefeitura deu casa de graça para vagabundos”. Intui, na época, que o custo monetário de tais melhorias não era realmente o que importava. O que subjazia, não perceptível racionalmente aos críticos, era o custo simbólico dessa ação da prefeitura. Mesmo as favelas sendo uma vizinhança incômoda dentro de bairros classe média, ainda assim isso era usado como uma espécie de “medidor” social. Os moradores mais bem situados economicamente, sempre poderiam abrir suas janelas e constatar como estavam “bem de vida”, pois logo alí ao lado eles podiam ver os que “estavam na pior”. Isso trazia um certo conforto íntimo, por não estarem na mesma situação. Bastou a prefeitura agir sobre tais áreas e aquele “medidor” desapareceu, mostrando as “pessoas de bem” que a diferença que os separava dos favelados não era tão grande assim. Bastavam algumas melhorias aqui e ali e tudo ficava muito parecido e o que antes distingua, agora não distinguia mais. (Hoje, paradoxalmente, ao passar-se alí, essas habitações construídas por um programa habitacional de um partido progressista, estão com suas janelas tomadas por adesivos de partidos de direita.)

Para minha surpresa, durante a campanha recebi um texto de Marilena Chauí onde ela afirma:

“A classe média urbana, que está apavorada com a diminuição da desigualdade social e que apostou todas suas fichas na idéia de ascensão social e de recusa de qualquer possibilidade de cair na classe trabalhadora. Ao ver o contrário, que a classe trabalhadora ascende socialmente e que há uma distribuição efetiva de renda, se apavorou porque perdeu seu próprio diferencial. E seu medo, que era de cair na classe trabalhadora, mudou. Foram invadidos pela classe trabalhadora.”

Então pode ser isso: Mayara, mesmo inconscientemente, já não se sente tão diferente, aquilo que a diferenciava da ralé agora a iguala, aquele celular que parecia exclusivo, agora qualquer “empregadinha chinelona tem”. Aquele tênis exclusivo está ao alcance de muitos. A diferença q Mayara buscava no outro, claro q sempre com um saldo positivo para ela, desapareceu ou ficou difícil de encontrar. Mayara é só mais uma moça da classe média remedada que busca a todo custo manter o seu stados social em meio a uma horda de “bárbaros” que buscam ascender socialmente, disputando com ela espaços e símbolos de poder e prosperidade que antes eram exclusivos de uma minoria.

Essa incapacidade da maioria das pessoas de porem-se no lugar do outro, sempre me impressiona. E todas esquecem muito rápido o que se passou em uma ou duas gerações. Melhorando sua condição de vida, ao invés de lançarem um olhar solidário as pessoas que estão numa situação em que elas próprias estiveram há pouco tempo, discriminam e segregam. Como sou um tanto pessimista sobre a natureza humana, não me surpreenderia em nada, se esses mesmos nordestinos, ao melhorarem de vida, não passariam eles próprios a discriminarem seus conterrâneos menos afortunados.

A única maneira de evitar isso é impor (a palavra é essa mesma), um processo educativo que vá além da formação de alfabetizados funcionais, com é o caso de Mayara e sua turma. Impor um processo educativo onde a sociologia, a filosofia, a formação política e os direitos humanos sejam disciplinas obrigatórias desde as séries iniciais, a fim de garantir uma formação cidadã na acepção da palavra. Claro que sempre haverão os refratários e os recalcitrantes, nos quais ter-se-á que empurrar goela abaixo os conceitos de cidadania. Então que seja, pois se não for por outro motivo, pelo menos para que o estado possa agir com a consciência tranquila sobre esses fascistas empedernidos, já que forneceu todas as condições para que cada pessoa entenda que não pode fazer apologia da violência e do preconceito. Para que nunca possam alegar em sua defesa que o “preconceito acabou saindo fora de controle” ou que “era algo pra atingir outro foco”, como disse Mayara.

Nosso presidente operário, também ele um nordestino retirante, que já garantiu com folga seu lugar na história, por tudo o que fez pelo Brasil, de certa forma esqueceu seu passado e se deixou contaminar por uma espécie de vaidade frívola, ao enterrar uma babilônia de dinheiro em projetos duvidosas como copas e olimpíadas. Lula parece preferir passar para a história como patrono desses eventos megalômanos do que como alguém que fez uma verdadeira revolução educacional e cultural no Brasil. Sim, por que não basta inaugurar escolas técnicas para formar mão de obra qualificada a fim de atender as demandas do capital. É preciso ir muito além e entender por que uma parte importante da juventude alienou-se da política, por que está disposta a atropelar os princípios civilizatórios mais elementares, a pondo de dedicar-se com tanto empenho a essa cruzada fascista desencadeada pela campanha de Serra. Ou participar, com entusiasmo, de certos “eventos” universitários, como perseguições a alunas de minissaias e “rodeios de gordas”. Isso é extremamente preocupante.

Se a disputa com Serra produziu algo de útil, foi fazer emergir das profundezas da nossa sociedade ilusoriamente pacífica e que mal disfarça seu racismo, o monstro da intolerância que muitos supunham extinto. Isso só mostra o quanto precisamos andar, o quanto uma democracia formal, por si só, não dá conta de neutralizar essas forças antediluvianas que estão em permanente prontidão a espera de uma oportunidade de voltar ao poder. A disputa eleitoral deixou escancarado o quanto é necessária uma grande campanha nacional de formação cidadã, o quanto cada recurso de que dispomos deve ser aplicado no que é absolutamente necessário, a fim de criar uma barreira efetiva contra o retrocesso e o fascismo.

Talvez fosse interessante nosso presidente dar um mergulho em suas lembranças de retirante, para recordar o quanto sua vida foi difícil e de como ele precisou e conseguiu superar tais dificuldades, para tornar-se aquele que hoje comanda a maior transformação social e política do Brasil, desde que esse país se conhece como tal. Lula precisa dar esse mergulho na sua antiga vida de pobre, para recuperar aquele sentido de prioridade que a pobreza dá, onde cada centavo tem a sua destinação e mesmo assim sempre falta algum para atender todas as necessidades. E fazer com que Dilma entenda isso também, entenda o quanto é preciso investir cada precioso centavo dessa babilônia de dinheiro que ela precisará aplicar no “bolsa cidadão”. Mas não para acabar com a pobreza dos nordestinos, pois isso já está sendo feito com os recursos destinados ao bolsa família, mas para debelar a pobreza de espírito das mayaras da vida, dessa classe média arrogante e desnorteada, açulada pelos capangas da mídia e os neonazistas, preza fácil que é de qualquer tucano/picareta/messiânico/carola. 

Talvez isso nos saia infinitamente mais caro do que o bolsa família, consuma boa parte daquilo que vamos ganhar no pré-sal, pois o preconceito e a ignorância são infinitamente mais difíceis de erradicar do que a fome. Mas tem que ser feito. É fundamental o enfrentamento aos ignorantes, os que se pretendem letrados, essa falsa “elite” que olha com desprezo aqueles que não pertencem a classe a que ela supõe pertencer. Assim, Lula e Dilma, deixemos de lado certas “manias de grandeza” e vamos ao que é essencial, sob pena de que tudo isso que foi construído ao longo dos oito últimos anos seja transformado em pó. Se a esquerda não tem os sentidos da prioridade e da urgência, a direita os tem. Se a direita voltar ao poder, possibilidade que não é remota, ela correrá contra o tempo e num único mandato acabará com o que sobreviveu a devastação neoliberal da era FHC. Entraremos aceleradamente num processo de mexicanização. O estado brasileiro será de tal forma destruído, que não terá mais estrutura e nem recursos para impor qualquer política pública. Será um retrocesso a condição de colônia dos EUA, de uma forma nunca vista até aqui.

Assim, nós também devemos trabalhar em regime de urgência, para criar uma certeza inabalável na sociedade sobre quem realmente tem um projeto político para o Brasil.  De tal forma que nunca mais precisemos passar por uma campanha eleitoral tão sórdida como essa última. Não resolver no primeiro turno uma disputa com um adversários tão desqualificados, deve nos fazer meditar profundamente. O surgimento de candidaturas diversionistas, como a de Marina Silva, e a sobrevida de Serra no segundo turno, só foi possível graças a um fator que impediu a população de reconhecer claramente qual era a proposta real para o pais e que no caso de Mayara, atingiu as raias do absurdo: a brutal falta de formação política do povo brasileiro.

Apesar de todas as realizações, o governo Lula avançou muito pouco em relação a sua capacidade de fazer a população entender a gritante diferença entre os projetos em disputa. Isso pode ser explicado pela vacilação de Lula em confrontar a mídia, que no final das contas, acabou funcionando como a viga mestra da campanha serrista. Foi dalí que partiram os golpes mais baixos, as articulações mais sórdidas, a pregação golpista descarada, muito além daquilo que já tinha emoldurado as campanhas anteriores. Se Dilma não tomar as rédeas dessa questão, ela pode fazer o melhor governo que fizer e mesmo assim será arrastada para outra disputa suja, onde as propostas e o projeto político serão escamoteados para dar lugar a toda a vilania que a mídia/braço/armado da direira puder engendrar.

A Dilma não basta fazer, ela precisa convencer as pessoas que fez, mesmo que suas realizações estejam alí, visíveis e ao alcance da mão. Num mundo midiatizado, o simulacro da realidade é mais importante que a própria realidade. O único antídoto para isso é a formação política, que permita a população desenvolver um senso crítico de tal forma que ela saiba, pelo menos, que não deve colocar nas janelas de suas casas, adesivos dos seus inimigos de classe.

De tudo o q Dilma pode deixar para o futuro, além das realizações materiais, o que contará mesmo, é fazer o povo entender o que é real e o que é obscurantismo. Isso é a garantia do nosso próprio futuro e o que nos salvará das mayaras desse país.

E quanto a Mayara…bem, agora ela sentirá o q é ser discriminada. Ficará “marcada na paleta”, por ser tão voluntariosa e ir atrás de um Lacerda tardio e dizer claramente o que Serra dizia nas entrelinhas. Serra fez a campanha mais suja que esse país já viu e não teve tanta sutileza assim ao, por exemplo, responsabilizar os imigrantes pela deplorável situação do ensino em São Paulo, durante seu mandato. Mas quem responsabilizará criminalmente Serra como xenófobo ou racista? Ele está lá, bem protegido, ao lado de seus pares, da tal elite quatrocentona, perversa e parasitária, descendente dos capitães de mato que massacravam e escravizavam índios.

Já Mayara, pelos bons serviços prestados, perdeu seu emprego e está tomando um processo pelas fuças. E o pior é que nem pode esperar solidariedade do Serra, que não foi capaz de defender a própria mulher quando Dilma, num dos debates da campanha, a acusou de ter feito aborto.

Mayara aprenderá, agora, que a distancia que a separa de “ralé” e bem menor do que ela imaginava.

Eugênio Neves

Eleições 2010 Dirce Reis – SP: resultados do 1º e 2º turnos.

DIRCE REIS 2010 – PRESIDENTE DA REPÚBLICA
      1º TURNO 2º TURNO
Seq. Núm. Candidato Votação % Votação %
1 13 DILMA 554 47,07% 587 50,39%
2 45 JOSÉ SERRA 487 41,38% 578 49,61%
3 43 MARINA SILVA 129 10,96%    
4 50 PLÍNIO 5 0,42%    
5 28 LEVY FIDELIX 2 0,17%    
6 27 EYMAEL 0 0,00%    
7 21 IVAN PINHEIRO 0 0,00%    
8 29 RUI COSTA PIMENTA 0 0,00%    
9 16 ZÉ MARIA 0 0,00%    
             
DIRCE REIS 2010 – SENADORES    
Seq. Núm. Candidato Votação    
*0001 451 ALOYSIO NUNES 785 41,19%    
*0002 133 MARTA SUPLICY 461 24,19%    
3 650 NETINHO 378 19,83%    
4 141 ROMEU TUMA 206 10,81%    
5 430 RICARDO YOUNG 63 3,31%    
6 500 MARCELO HENRIQUE 4 0,21%    
7 177 MOACYR FRANCO 3 0,16%    
8 400 SERPA 3 0,16%    
9 160 ANA LUIZA 2 0,10%    
10 111 DR. REDÓ 1 0,05%    
11 212 ERNESTO PICHLER 0 0,00%    
12 360 CIRO 0 0,00%    
13 211 MAZZEO 0 0,00%    
14 161 DIRCEU TRAVESSO 0 0,00%    
15 290 AFONSO TEIXEIRA 0 0,00%    
             
DIRCE REIS 2010 – DEPUTADOS FEDERAIS    
Seq. Núm. Candidato Votação    
*0001 2525 RODRIGO GARCIA 90 7,93%    
*0002 4555 JULIO SEMEGHINI 81 7,14%    
*0003 1523 EDINHO ARAUJO 72 6,34%    
*0004 1325 JOÃO PAULO CUNHA 46 4,05%    
*0005 4311 DR. SINVAL MALHEIROS 33 2,91%    
*0006 1211 JOÃO DADO 31 2,73%    
*0007 1332 JOSÉ MENTOR 30 2,64%    
*0008 2222 TIRIRICA 25 2,20%    
*0009 4300 GUILHERME MUSSI 18 1,59%    
*0010 2345 ARNALDO JARDIM 11 0,97%    
*0011 4545 EDSON APARECIDO 11 0,97%    
*0012 4030 GABRIEL CHALITA 10 0,88%    
*0013 1370 ZARATTINI 8 0,70%    
*0014 2233 PR PAULO FREIRE 4 0,35%    
*0015 1155 MISSIONÁRIO JOSÉ OLIMPIO 4 0,35%    
*0016 2010 MARCO FELICIANO 4 0,35%    
*0017 2500 JORGE TADEU 3 0,26%    
*0018 4000 JONAS DONIZETTE 3 0,26%    
*0019 2545 JUNJI ABE 2 0,18%    
*0020 1434 NELSON MARQUEZELLI 2 0,18%    
*0021 5050 IVAN VALENTE 2 0,18%    
*0022 4586 JOSÉ ANIBAL 2 0,18%    
*0023 1331 RICARDO BERZOINI 2 0,18%    
*0024 1345 VANDERLEI SIRAQUE 2 0,18%    
*0025 1398 PAULO TEIXEIRA 2 0,18%    
*0026 4585 BRUNA FURLAN 2 0,18%    
*0027 1452 ARNALDO FARIA DE SÁ 1 0,09%    
*0028 2299 VALDEMAR COSTA NETO 1 0,09%    
*0029 4567 VAZ DE LIMA 1 0,09%    
*0030 1250 SALVADOR ZIMBALDI 1 0,09%    
*0031 1312 VACCAREZZA 1 0,09%    
*0032 1212 PAULINHO DA FORÇA 1 0,09%    
*0033 4515 EMANUEL FERNANDES 1 0,09%    
*0034 4040 MÁRCIO FRANÇA 1 0,09%    
*0035 4554 DUARTE NOGUEIRA 1 0,09%    
*0036 1010 ANTONIO BULHÕES 1 0,09%    
*0037 4021 LUIZA ERUNDINA 0 0,00%    
*0038 2323 ROBERTO FREIRE 0 0,00%    
*0039 1369 DEVANIR RIBEIRO 0 0,00%    
*0040 4343 PENNA 0 0,00%    
*0041 4577 THAME 0 0,00%    
*0042 1387 JANETE PIETÁ 0 0,00%    
*0043 4525 DIB 0 0,00%    
*0044 1322 ARLINDO CHINAGLIA 0 0,00%    
*0045 4070 ABELARDO CAMARINHA 0 0,00%    
*0046 4565 TRIPOLI 0 0,00%    
*0047 1318 NEWTON LIMA NETO 0 0,00%    
*0048 2325 DIMAS RAMALHO 0 0,00%    
*0049 6565 ALDO REBELO 0 0,00%    
*0050 1390 VICENTINHO 0 0,00%    
*0051 4096 OTA 0 0,00%    
*0052 1321 FILIPPI 0 0,00%    
*0053 4315 ROBERTO SANTIAGO 0 0,00%    
*0054 6588 DELEGADO PROTÓGENES 0 0,00%    
*0055 1301 VICENTE CANDIDO 0 0,00%    
*0056 2255 MILTON MONTI 0 0,00%    
*0057 2590 GUILHERME CAMPOS 0 0,00%    
*0058 4500 CARLOS SAMPAIO 0 0,00%    
*0059 1316 CARLINHOS ALMEIDA 0 0,00%    
*0060 4074 JEFFERSON CAMPOS 0 0,00%    
*0061 1353 JILMAR TATTO 0 0,00%    
*0062 4344 ROBERTO DE LUCENA 0 0,00%    
*0063 4517 MARA GABRILLI 0 0,00%    
*0064 4363 RICARDO IZAR 0 0,00%    
*0065 1023 OTONIEL LIMA 0 0,00%    
*0066 1133 ALINE CORREA 0 0,00%    
*0067 2012 MARCELO AGUIAR 0 0,00%    
*0068 2577 ELI CORREA FILHO 0 0,00%    
*0069 4547 LUIZ FERNANDO MACHADO 0 0,00%    
*0070 2513 ALEXANDRE LEITE 0 0,00%    
71 1199 VADÃO 306 26,96%    
72 4023 CHINELO 124 10,93%    
73 2020 REGIS DE OLIVEIRA 40 3,52%    
74 2511 JORGINHO MALULY 29 2,56%    
75 4530 ALBERTO MOURAO 6 0,53%    
76 1302 PROFESSOR JAIR BALESTRA 6 0,53%    
77 1530 SERGIO KOBRA 6 0,53%    
78 1333 PROF. CARLÃO RAMIRO 5 0,44%    
79 4354 J FARIA 4 0,35%    
80 4020 CAPITÃO AUGUSTO 4 0,35%    
81 4551 VANDERLEI MACRIS 3 0,26%    
82 4523 CARLOS ROBERTO 3 0,26%    
83 4394 EDUARDO PALHARES 3 0,26%    
84 2599 WALTER IHOSHI 3 0,26%    
85 1236 MANOEL ANTUNES 2 0,18%    
86 1340 TENENTE PAZ 1 0,09%    
87 4043 RUBINHO CAI CAI 1 0,09%    
88 4455 PROFESSOR MUNHOZ 1 0,09%    
89 1119 CAPITÃO GOMES 1 0,09%    
90 4540 SILVIO TORRES 1 0,09%    
91 1127 LAURINDO BARNARDES 1 0,09%    
92 1123 MANOEL MOREIRA 1 0,09%    
93 4080 DR. UBIALI 1 0,09%    
94 4321 ZICA 1 0,09%    
95 4099 MIGUEL SAMPAIO 1 0,09%    
96 1121 RENATO REICHANN 1 0,09%    
97 2588 DR ELEUSES PAIVA 1 0,09%    
98 4570 WALTER FELDMAN 1 0,09%    
99 2555 MANDIC 1 0,09%    
100 1404 CORONEL GOULART 1 0,09%    
101 4511 RAUL CHRISTIANO 1 0,09%    
102 4541 TIRSO MEIRELLES 1 0,09%    
103 1364 CARLOS AQUINO 1 0,09%    
104 2311 SONRISAL 1 0,09%    
105 1112 RUBENEUTON OLIVEIRA LIMA 1 0,09%    
106 1521 DR. PAULO VALENTIM 1 0,09%    
107 1242 CARLOS HENRIQUE 1 0,09%    
108 1414 ROBSON TUMA 1 0,09%    
109 1416 JORGE MARINGOLO 1 0,09%    
110 1225 SAULO GOES 1 0,09%    
111 4501 POPPI 1 0,09%    
112 1220 KAREN HEINS 1 0,09%    
             
ELEIÇÕES 2010 DIRCE REIS – SP GOVERNADOR    
Seq. Núm. Candidato Votação %    
*0001 45 GERALDO ALCKMIN 668 58,04%    
2 13 ALOIZIO MERCADANTE 426 37,01%    
3 11 CELSO RUSSOMANNO 29 2,52%    
4 40 SKAF 17 1,48%    
5 43 FABIO FELDMANN 11 0,96%    
6 16 MANCHA 0 0,00%    
7 21 IGOR GRABOIS 0 0,00%    
8 29 ANAI CAPRONI 0 0,00%    
9 50 PAULO BUFALO 0 0,00%    
             
ELEIÇÕES 2010 DIRCE REIS SP – DEPUTADO ESTADUAL    
Seq. Núm. Candidato Votação    
             
*0001 45400 ANALICE FERNANDES 265 22,59%    
*0002 15300 ITAMAR BORGES 177 15,09%    
*0003 25558 GIL ARANTES 67 5,71%    
*0004 25118 EDMIR CHEDID 56 4,77%    
*0005 13622 JOÃO PAULO RILLO 29 2,47%    
*0006 45232 CARLÃO PIGNATARI 27 2,30%    
*0007 15113 CARUSO 21 1,79%    
*0008 23123 DAVI ZAIA 13 1,11%    
*0009 14140 CAMPOS MACHADO 12 1,02%    
*0010 43134 RITA PASSOS 12 1,02%    
*0011 45545 BARROS MUNHOZ 11 0,94%    
*0012 13123 ZICO 6 0,51%    
*0013 13199 ANTONIO MENTOR 6 0,51%    
*0014 12181 MAJOR OLIMPIO 4 0,34%    
*0015 50789 CARLOS GIANNAZI 3 0,26%    
*0016 45700 FERNANDO CAPEZ 3 0,26%    
*0017 13113 EDINHO SILVA 3 0,26%    
*0018 45633 PAULO ALEXANDRE BARBOSA 3 0,26%    
*0019 25122 ALDO DEMARCHI 2 0,17%    
*0020 14160 ROQUE BARBIERE – ROQUINHO 2 0,17%    
*0021 25005 ANDRE SOARES 2 0,17%    
*0022 11111 CURIATI 1 0,09%    
*0023 45555 CELSO GIGLIO 1 0,09%    
*0024 13640 JOSÉ CANDIDO 1 0,09%    
*0025 12345 RAFAEL SILVA 1 0,09%    
*0026 45100 PEDRO TOBIAS 1 0,09%    
*0027 40023 BOLÇONE 1 0,09%    
*0028 45610 HELIO NISHIMOTO 1 0,09%    
*0029 10321 SEBASTIÃO SANTOS 1 0,09%    
*0030 13112 GERSON BITTENCOURT 1 0,09%    
*0031 45451 CAUÊ MACRIS 1 0,09%    
*0032 14235 CORONEL EDSON FERRARINI 0 0,00%    
*0033 43333 DR. ULYSSES 0 0,00%    
*0034 45123 WELSON GASPARINI 0 0,00%    
*0035 45160 ARY FOSSEN 0 0,00%    
*0036 25199 ESTEVAM GALVAO 0 0,00%    
*0037 45156 ROBERTO ENGLER 0 0,00%    
*0038 13156 RUI FALCÃO 0 0,00%    
*0039 45477 ROBERTO MASSAFERA 0 0,00%    
*0040 65035 LECI BRANDÃO 0 0,00%    
*0041 13004 TELMA DE SOUZA 0 0,00%    
*0042 13131 MARCOS MARTINS 0 0,00%    
*0043 23456 GONDIM 0 0,00%    
*0044 15622 JOOJI HATO 0 0,00%    
*0045 13222 ADRIANO DIOGO 0 0,00%    
*0046 45114 MARIA LÚCIA AMARY 0 0,00%    
*0047 13611 ISAC REIS 0 0,00%    
*0048 43001 GIRIBONI 0 0,00%    
*0049 45111 GERALDO VINHOLI 0 0,00%    
*0050 45125 MAURO BRAGATO 0 0,00%    
*0051 13290 HAMILTON PEREIRA 0 0,00%    
*0052 13147 GERALDO CRUZ 0 0,00%    
*0053 45200 CÉLIA LEÃO 0 0,00%    
*0054 13632 ANA DO CARMO 0 0,00%    
*0055 25011 GILSON DE SOUZA 0 0,00%    
*0056 45157 CELINO 0 0,00%    
*0057 43033 CHICO SARDELLI 0 0,00%    
*0058 43007 FELICIANO 0 0,00%    
*0059 12133 JOSE BITTENCOURT 0 0,00%    
*0060 14222 HEROILMA SOARES TAVARES 0 0,00%    
*0061 23623 ROBERTO MORAIS 0 0,00%    
*0062 65123 PEDRO BIGARDI 0 0,00%    
*0063 20200 ADILSON ROSSI 0 0,00%    
*0064 43135 PADRE AFONSO 0 0,00%    
*0065 13644 JOÃO ANTONIO 0 0,00%    
*0066 13114 ENIO TATTO 0 0,00%    
*0067 13130 MARCO AURÉLIO DE SOUZA 0 0,00%    
*0068 10123 GILMACI SANTOS 0 0,00%    
*0069 43433 REGINA GONÇALVES 0 0,00%    
*0070 25255 MILTON VIEIRA 0 0,00%    
*0071 43363 REINALDO ALGUZ 0 0,00%    
*0072 45780 MARCOS ZERBINI 0 0,00%    
*0073 45245 SAMUEL MOREIRA 0 0,00%    
*0074 40123 ED THOMAS 0 0,00%    
*0075 13121 ANA PERUGINI 0 0,00%    
*0076 13134 SIMÃO PEDRO 0 0,00%    
*0077 43477 PASTOR DILMO DOS SANTOS 0 0,00%    
*0078 13690 CARLOS GRANA 0 0,00%    
*0079 13913 DONISETE BRAGA 0 0,00%    
*0080 45321 CARLOS BEZERRA JR. 0 0,00%    
*0081 12123 ROGERIO NOGUEIRA 0 0,00%    
*0082 22999 ANDRE DO PRADO 0 0,00%    
*0083 13310 LUIZ CLAUDIO MARCOLINO 0 0,00%    
*0084 20112 PR. CARLOS CEZAR 0 0,00%    
*0085 13800 LUIZ MOURA 0 0,00%    
*0086 15000 BALEIA ROSSI 0 0,00%    
*0087 45680 ORLANDO MORANDO 0 0,00%    
*0088 20688 MARCOS NEVES 0 0,00%    
*0089 13570 ALENCAR 0 0,00%    
*0090 25250 MILTON LEITE FILHO 0 0,00%    
*0091 23423 ALEX MANENTE 0 0,00%    
*0092 40789 VINICIUS CAMARINHA 0 0,00%    
*0093 45145 BRUNO COVAS 0 0,00%    
*0094 20633 RODRIGO MORAES 0 0,00%    
95 40999 DR. PAULO MARIANI 66 5,63%    
96 13400 ROBERTO FELICIO 63 5,37%    
97 45010 UBIRAJARA GUIMARÃES 37 3,15%    
98 13456 BETH SAHAO 26 2,22%    
99 45155 CLOVIS CHAVES 25 2,13%    
100 43045 RICARDO CASTILHO 21 1,79%    
101 25125 FERNANDO LUCAS 17 1,45%    
102 20220 RENATO PUPO 12 1,02%    
103 12222 CARLAO MOTORISTA 11 0,94%    
104 45300 CASSIO NAVARRO 6 0,51%    
105 20020 DR. CLAUDIO MIRANDA 5 0,43%    
106 40157 DR. ANTONIO COSTA 5 0,43%    
107 40404 DR. JULIANO PRANDI 5 0,43%    
108 23523 ESTEVÃO 3 0,26%    
109 15010 BEBETTO 3 0,26%    
110 45045 EVANDRO LOSACCO 3 0,26%    
111 11300 FARIA JR 3 0,26%    
112 23333 VITOR SAPIENZA 2 0,17%    
113 20700 EDUARDO MARTINS 2 0,17%    
114 15013 DR. ITAMAR 2 0,17%    
115 43777 SÉRGIO CONTENTE 2 0,17%    
116 15012 THIAGO FERRARI 2 0,17%    
117 11991 CELSO LIMA 1 0,09%    
118 22222 ZE PEDRO 1 0,09%    
119 45198 JOSE BORANGA 1 0,09%    
120 45000 HELIO RUBENS 1 0,09%    
121 25123 JOAO MELLAO NETO 1 0,09%    
122 17500 VALDOMIRO VENTURA 1 0,09%    
123 11211 RIBEIRÃO 1 0,09%    
124 12333 BRUZAROSCO 1 0,09%    
125 11369 VALDIR MARIN 1 0,09%    
126 40401 GUILHERME NONATO 1 0,09%    
127 23500 BARROS 1 0,09%    
128 43010 PAULLO VIEIRA 1 0,09%    
129 13490 ADINAN ORTOLAN 1 0,09%    
130 11130 JOSE MENINO NETO 1 0,09%    
131 45450 THIAGO LOBO 1 0,09%    
132 13413 RAFAEL AGOSTINI 1 0,09%    
%d blogueiros gostam disto: