Última semana para pedir ressarcimento das perdas do Plano Collor 2

Correntistas que tiveram cadernetas de poupança prejudicadas pelo Plano Collor 2, em janeiro e fevereiro de 1991, têm até o dia 31 de janeiro, para entrar na Justiça e pedir a correção de cerca de 22% do saldo em conta da época.

Além de cópia da Carteira de Identidade e do Cadastro de Pessoa Física (CPF), também é necessário apresentar os extratos da caderneta de poupança de janeiro e fevereiro de 1991 para iniciar o processo judicial. Para fornecê-los, os bancos costumam demorar alguns dias e cobrar pelo serviço. Todavia, caso o banco não forneça os dois extratos até o fim do mês, é possível dar entrada na ação judicial apenas com o protocolo de pedido de emissão do extrato.

Valores determinam a instância – O processo é feito contra o banco da caderneta de poupança. Contudo, se o prejuízo tiver sido de até 40 salários mínimos (R$ 20,4 mil), também é possível entrar com uma causa no Juizado Especial Cível. Em caso de ação menor que 20 salários mínimos (R$ 10,2 mil), nem é preciso contratar advogado. Basta procurar o Juizado de Pequenas Causas.

Poupadores da Caixa Econômica Federal serão obrigados a ingressar com a causa no Juizado Especial Federal. Correntistas da Caixa só precisarão contratar advogados se o prejuízo tiver sido maior do que 60 salários mínimos (R$ 30,6 mil).

O prazo para pedir ressarcimento dos prejuízos causados às cadernetas de poupança do Plano Collor 1, anunciado em 16 de março de 1990 pela então ministra Zélia Cardoso de Mello (foto), terminou em maio de 2010.

Fonte: Brasília Confidencial

Balanço e Perspectivas do PT de Jales: uma contribuição ao debate político.

A vitória de Humberto Parini de 2004 representou a materialização de muitos anos de acúmulo de forças do campo democrático-popular na oposição aos governos conservadores de nossa cidade, que aqui implementaram um modelo de desenvolvimento excludente, seja pela ação direta ou pela omissão frente a inserção passiva do município de Jales na federação.

A conquista do governo abriu a possibilidade de afirmação de um novo modelo de desenvolvimento em nossa cidade, a partir do fomento a atividades econômicas mais complexas, que utilizassem de forma mais elaborada nossos recursos naturais e que permitissem a criação de novas oportunidades de emprego e renda a partir do combate à precariedade, à destruição ambiental e à ilegalidade.

Uma correlação de forças favorável ao campo popular também criou condições inéditas para a democratização da cidade e para o fortalecimento da participação popular, seja através de formas coletivas de planejamento econômico ou através dos mecanismos de controle social da gestão pública, por meio de conselhos e conferências temáticas.

Apesar de termos, durante algum tempo,  governado para muitos, a partir dos interesses das maiorias. Apesar das mudanças significativas que iniciamos no município e da eleição da maior bancada parlamentar da história de nosso partido (2008), a fragilidade das votações de nossos candidatos nas eleições (2006 e 2010) proporcionais e majoritárias estaduais e nacionais é a demonstração de vários reveses que exigirá um balanço profundo.

De antemão, queremos conclamar os companheiros e companheiras a fazermos um debate politizado, que não resvale para a fulanização da crítica e para a busca fácil de culpados, pois isto só interessa aos nossos adversários da direita. Ao futuro do PT no município, interessa um balanço que nos permita aprender com nossos erros sim, mas, que ao mesmo tempo, defenda os avanços da nossa experiência de governo e construa a unidade interna para realizarmos o necessária enfrentamento ao projeto excludente capitaneado pelo PSDB/DEM.

Parini foi escolhido como candidato do PT e vencemos. Outras opções foram colocadas antes dele. Tatinha, Especiato, Dra. Sara e finalmente Parini foram cojitados. Todos eles teriam vencido, qualquer que fosse a opção. Quem venceu as eleições não foi o Parini, foi o PT. Isto dá a dimensão do nosso desafio.

Ponte Preta vence o São Paulo no Morumbi por 1 a 0 no aniversário de Rogério Ceni.

Luiz Ricardo Fini – São Paulo

A torcida do São Paulo esperava fazer uma festa para o aniversariante Rogério Ceni, na noite deste sábado, no Morumbi. Porém, a Ponte Preta se intrometeu nos planos dos donos da casa e impôs a primeira derrota do Tricolor no Campeonato Paulista. Aproveitando um lance infeliz justamente do capitão são-paulino, a Macaca garantiu o placar por 1 a 0.

O ex-santista Tiago Luís marcou o gol da equipe de Campinas, depois de Rogério Ceni espalmar para trás uma batida de Renatinho. O time de Paulo César Carpegiani, pressionado durante boa parte do jogo, amargou sua primeira derrota na competição, depois de duas vitórias. Assim, permanece com seis pontos na classificação.

Já a Ponte fez o caminho inverso, pois comemorou seu primeiro triunfo no Paulistão. O que pode servir de alento ao são-paulino é saber que o Tricolor está apalavrado com o meia Rivaldo e depende de detalhes para acertar a contratação.

O São Paulo volta a campo na quarta-feira, às 22 horas (de Brasília), quando enfrenta a Americana, no estádio Décio Vitta. Já a Macaca tem compromisso no mesmo dia, diante da Portuguesa, no Canindé.

O jogo: Se Carpegiani ficou insatisfeito com a atuação do Tricolor contra o São Bernardo, deve ter ficado ainda mais irritado com o desempenho da equipe no início do confronto diante da Ponte Preta. Apesar da manutenção da dupla de ataque com Marlos e Dagoberto, o São Paulo começou o jogo criando pouco e tendo dificuldade para impor velocidade.

Mesmo assim, a primeira chance foi do Tricolor, no momento em que Fernandinho recebeu na área e, pressionado pela zaga, bateu rasteiro, exigindo defesa do goleiro Bruno. Na resposta, Márcio Diogo driblou Miranda e arrematou para fora.

Aos poucos, o São Paulo melhorou em campo, criando chances principalmente pela esquerda. Juan recebeu em liberdade pelo setor e, em condições de chutar, tentou driblar a defesa, perdendo na área. O problema é que a defesa são-paulina não se entendia. Com isso, deu chances para a Macaca ameaçar, em chutes de Ricardo Jesus e Renatinho.

Na resposta dos donos da casa, Marlos levantou a bola na área para Dagoberto, que emendou de primeira, mas Bruno defendeu sem sustos. Quando o São Paulo achou que estava mais perigoso na frente, levou perigo atrás, em novo cochilo da defesa. Ricardo Jesus saiu livre pela esquerda e chutou cruzado, com força, rente à trave de Rogério Ceni.

Ao se sentir ameaçado, o São Paulo voltou a insistir pela esquerda de seu ataque. Assim, Fernandinho deixou Juan completamente livre no setor, mas o lateral esquerdo bateu em cima do goleiro e desperdiçou chance incrível.

Nos minutos finais, a pressão foi da Ponte, que não se intimidou com o São Paulo. João Paulo mandou perto do travessão em jogada com liberdade, no último lance da etapa.

A Ponte Preta fez o Tricolor passar sufoco no início do segundo tempo. Renatinho encarou a marcação de Alex Silva e finalizou com força, exigindo ótima defesa de Rogério Ceni. No complemento, Renatinho tentou evitar que a bola saísse pela linha de fundo e a carregou em direção da bandeira de escanteio, sendo perseguido por Rogério. O meia, então, driblou o goleiro e mandou para a área, mas Rodrigo Souto tirou. Depois do lance, Ceni reclamou bastante com o assistente posicionado atrás do gol, alegando que a bola tinha saído.

Pouco depois, Mancuso mandou a bola muito perto do travessão em chute de longe. Ao ver sua equipe em apuros, Carpegiani sacou Cleber Santana e Carlinhos Paraíba para as entradas de Fernandão e Xandão, logo aos 11 minutos. Assim, Xandão passou a jogar improvisado na lateral direita, enquanto Jean foi para o meio-campo.

A Ponte cansou, e o São Paulo passou a ter o domínio de bola na frente, mas com dificuldades para criar jogadas de perigo. Gilson Kleina tentou recolocar sua equipe na frente, com Gerson e Tiago Luís nas vagas de Mancuso e Márcio Diogo, mas o Tricolor continuou mais presente na frente.

Carpegiani ainda colocou Marcelinho Paraíba na vaga de Marlos. Mas um contragolpe certeiro foi a resposta da Ponte. Renatinho avançou pela direita, limpou a defesa e bateu forte. Rogério Ceni falhou ao espalmar para trás, no alto, e Tiago Luís mandou de cabeça para as redes.

A partir daí, a Macaca se fechou na defesa. Apesar de a torcida são-paulina ter apoiado até o fim do jogo, o São Paulo não conseguiu furar o bloqueio.

Fonte: gazetaesportiva.com

Universidade afro-brasileira recebe inscrições até o fim do mês

A recém-inaugurada Universidade de Integração da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab), localizada em Redenção (CE), a 57 quilômetros de Fortaleza, receberá, até 31 de janeiro, inscrições dos estudantes residentes no Brasil. Metade das vagas da instituição são destinadas a estudantes de países africanos que falem português – Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, São Tomé e Príncipe – e do Timor Leste.

Todos os cinco mil estudantes da Unilab, brasileiros ou estrangeiros, serão bolsistas e receberão gratuitamente moradia e alimentação. “Será uma universidade-residência e esse multiculturalismo só tem a acrescentar na vida dos alunos”, afirma o reitor Paulo Speller (foto).

O reitor explica que a Unilab oferecerá cursos em áreas consideradas prioritárias para suprir demandas do desenvolvimento do Maciço do Baturité, região da universidade composta por 13 municípios. Entre os cursos oferecidos estão Enfermagem, Agronomia, Administração Pública, Engenharia de Energias, Ciências da Natureza e Matemática.

Os alunos formados na Unilab poderão exercer suas profissões em todos os países membros da Comunidade de Países da Língua Portuguesa (CPLP) e terão a oportunidade de se habilitar também em Física, Química, Matemática e Biologia, especificamente para darem aulas no ensino médio.

O processo seletivo terá como base as notas obtidas no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e estudantes de escolas públicas terão um adicional na pontuação geral, bem como, aqueles que residem próximo à região da universidade.

Veja como fazer a inscrição.

Fonte: Brasília Confidencial

Dilma recomenda criação de regras para assistir órfãos em desastres

 

A presidente Dilma |Rousseff determinou hoje a três secretarias e a quatro ministérios que produzam regras para regulamentar a assistência a crianças e adolescentes que ficarem órfãos em situações de desastres ambientais, como os ocorridos no Rio de Janeiro e em Minas Gerais. A situação dos menores foi discutida por Dilma com as secretárias de Direitos Humanos, Maria do Rosário, de Políticas para as Mulheres, Iriny Lopes, e de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, Luiza Bairros.
Segundo Maria do Rosário, as medidas debatidas já estão sendo adotadas em alguns municípios da região serrana do Rio. Em Teresópolis, comitês de emergência identificaram quase 3.000 crianças e adolescentes que perderam os pais com a tragédia. Os menores estão sob a responsabilidade de um membro da família.
“É muito importante que, nas situações de emergência, imediatamente se estabeleça uma condição onde sejam identificadas todas as crianças e adolescentes e um responsável adulto da família assuma e mantenha essa responsabilidade. Mas, além de verificar essa situação imediata da abrigagem, nós estamos criando recomendações”, afirmou as secretária de Direitos Humanos.
Em Nova Friburgo, de acordo com Maria do Rosário, apenas quatro irmãos ainda não têm qualquer familiar. “Nestes casos, quando não há um adulto responsável, nossa prioridade é encontrar uma família acolhedora. Tanto no Rio de Janeiro como em outros estados já há famílias inscritas e aptas a cuidar de crianças em situação emergencial”.

Ações para socorrer as vítimas das enchentesFOTO: Roberto Stuckert Filho

Ações para socorrer as vítimas das enchentes

Por determinação da presidenta Dilma Rousseff, vários setores do governo federal tomaram todas as providências para o atendimento às vítimas das enchentes no estado do Rio. A Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República divulgou, ontem, um balanço sobre estas atividades, em especial, na região Serrana do Rio.

A presidenta da República, Dilma Rousseff, determinou a vários órgãos do governo federal a tomada de todas as providências necessárias para o atendimento às vítimas das enchentes na região serrana do Rio de Janeiro. O governo federal continuará acompanhando a situação e dará total prioridade ao apoio à população.

1. O Ministério da Defesa destacou 586 militares do Exército, da Marinha e da Aeronáutica para atuar no socorro às vítimas. As Forças Armadas deslocaram também para a região 12 helicópteros, 74 viaturas, duas retroescavadeiras, um hospital de campanha, três ambulâncias, uma viatura “Munk”, um caminhão basculante, duas pás-carregadeiras, um gerador e uma torre de iluminação.

2. A Força Nacional (Ministério da Justiça) mantém 225 homens no Rio de Janeiro, sendo 80 bombeiros militares especialistas em resgates, 130 policiais militares e 15 peritos para auxiliar na identificação dos corpos.

3. O Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome disponibilizou para a região 8.000 cestas de alimentos. A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), do Ministério da Agricultura, encaminhou 44 toneladas de alimentos para Teresópolis, Petrópolis, Nova Friburgo e Areal, cabendo 11 toneladas a cada uma.

4. O Ministério da Saúde disponibilizou 7 toneladas de medicamentos e insumos. São 30 kits, suficientes para atender 45 mil pessoas por um período de um mês. Cinquenta voluntários de seis hospitais federais do Rio de Janeiro estão atendendo nas regiões atingidas, bem como 300 profissionais de saúde estão de prontidão para atendimento hospitalar.

5. O Ministério da Integração Nacional, por meio da Secretaria Nacional de Defesa Civil, colocou à disposição da região 4.000 barracas de lona.

6. E o governo federal repassou R$ 100 milhões, na última sexta-feira, ao governo do estado do Rio de Janeiro e às prefeituras dos municípios atingidos.

Babado forte no PSol

Senador Randolfe Rodrigues PSOL -AP se afasta de presidencia do partito.

Uma reunião ocorrida no último dia 13 no Diretório Estadual do PSol acabou servindo como estopim para a saída do senador eleito Randolfe Rodrigues da presidência do partido. Depois de acalorados debates e acusações mútuas de descumprimento das orientações partidárias, o senador Randolfe e o membro da Executiva e atual presidente do IEPA Augusto Oliveira terminaram ambos se licenciando da Executiva. Tudo isso aconteceu bem diante dos olhos de Afrânio Bopré, presidente nacional do PSOL

Fonte: lucinacapiberibe.com

Prefeito de Urânia – SP, Saracuza – PP, assina nove convênios que totalizam R$ 1,4 milhão

O gerente João Carlos Dácia, da CEF de Jales e o prefeito
Airton Saracuza na assinatura dos convênios

Na quarta-feira, 19 de janeiro, o prefeito Francisco Airton Saracuza (PP), assinou nove convênios firmados com o governo federal, representando investimentos em torno de R$ 1.400.000,00 – já incluída a contrapartida da Prefeitura.

Os convênios foram intermediados pela Caixa Econômica Federal, nestes casos, encarregada da fiscalização dos atos da municipalidade e acompanhamento das obras .Os convênios foram assinados na agência de Jales, com a presença do gerente da CEF, João Carlos Dácia e o prefeito Airton Saracuza.
Nos convênios estão previstos recapeamento e pavimentação asfáltica em várias vias públicas num custo de R$ 1.150.000,00, e construção de sarjetões que vão custar R$ 100 mil.
Além de convênios para obras de infra-estrutura, o prefeito
Saracuza assinou convênio para aquisição de equipamentos agrícolas para o município, no valor de R$ 100 mil.
De acordo com o prefeito Airton Saracuza, todos os convênios assinados, serão licitados “e esperamos que as obras se iniciem tão logo os trâmites legais estejam concluídos”.
Também, o município de Urânia, através de assinatura de convênio irá adquirir uma retroescavadeira.

%d blogueiros gostam disto: