O governador Geraldo Alckmin estará no Noroeste Paulista nesta 5ª feira

Em Votuporanga anunciará liberação de recursos para aeroporto de Votuporanga: na agenda consta ainda Olímpia, Rio Preto, Nhandeara e Fernandópolis
O governador Geraldo Alckmin confirmou ao deputado Carlão Pignatari que estará nesta quinta-feira, 28 de julho, visitando a região. Em Votuporanga ele anunciará a liberação de recursos para o aeroporto de Votuporanga “Domingos Pignatari”. Também estará em Olímpia, São José do Rio Preto, Nhandeara e Fernandópolis.
Os investimentos no aeroporto de Votuporanga é um pleito do deputado Carlão Pignatari à pedido do prefeito de Votuporanga, Junior Marão, que estiveram juntos no último mês reivindicando apoio para reforma e ampliação do aeroporto. A reivindicação visa a construção de duas cabeceiras de concretos, aumentando a pista auxiliar de manobra do avião e a construção de sala de embarque no aeroporto.
As obras seriam realizadas pela Daesp (Departamento Aeroviário de São Paulo) após ser firmado convênio com a Prefeitura. O pedido foi entregue ao secretário de Logística e Transportes do Governo do Estado de São Paulo, Saulo de Castro.

O governador estará na região anunciando outros investimentos na área da saúde, educação, infraestrutura e de saneamento básico. Em Olímpia anuncia investimentos na ordem de R$ 20 milhões para o Programa Água Limpa (DAEE). Em Nhandeara anuncia liberação de R$ 2,3 milhões para investimentos no município. Em Votuporanga liberação de recursos para aeroporto de Votuporanga no valor R$ 4,3 milhões através do DAESP e em Fernandópolis entrega da ampliação ETEC com investimentos na ordem de R$ 7,7 milhões

EIS A DEMOP APARECENDO! (via orlandocosta)

A importância da blogosfera na busca de garantir transparencia na gestão dos recursos públicos se firma dia a dia. Em Jales tem sido frequentes os debates sobre a qualidade e a transparencia na contratação nas obras de recape, e asfaltamento. Depois de republicarmos a matéria, sobre a DEMOP de Votuporanga, do blog do lamparina ficou reverberando em nossa mente a preocupação quanto às posturas do Poder Legislativo de Olimpia, que o Roberto manifestou.

Leia também: https://murilopohl.wordpress.com/2011/01/17/de-votuporanga-deja-vu-via-lamparina/

Encontramos no blog do Orlando Costa que vem acompanhando, desde o ano passado o desenrolar do “caso DEMOP’ em Olimpia mais algumas informações adcionais. Tudo indica que a blogosfera vai se articulando e se fortalecendo também no Noroeste Paulista.

Boa leitura…

Autor: Orlando Costa 22 nov 2010

Independentemente do que tenham dito o secretário municipal de Obras, Engenharia e Meio Ambiente, Gilberto Toneli Cunha, e o prefeito Geniho (DEM) sobre o inusitado contrato firmado pelo município com a Demop Participações Ltda., em abril deste ano, até agora não havia sido feita nenhuma movimentação em torno do contrato e da empresa, que viesse justificar o barulho feito à época, quando da celebração do contrato.

Dias atrás, o prefeito teria se manifestado no sentido de que não havia nenhum contrato com a empresa, nem efetuado qualquer pagamento a ela. Na semana passada, o secretário Cunha bateu na mesma tecla. E o que estava se cobrando é a razão pela qual a empresa estava “sumida” em relação e esta transação, sendo que sua última obra foi a canalização na Floriano Peixoto, mas por conta de outro contrato, firmado anteriormente, de quase R$ 1 milhão.

Mas, eis que no dia de hoje chega a informação de que a Demop vai atuar na cidade, de novo, por conta de quatro novos contratos, trê deles totalizando R$ 1.594.806,74, e um quarto sem valor declarado. E, não por coincidência, os três poupudos contratos estão dentro do pragão presencial nº 40/2010, aquele mesmo que foi usado, a título de “Registro de Preços”, por meio do qual foi declarada vencedora a empresa votuporanguense, cujo teor do edital dizia:

“Objeto: Contratação de empresa para execução de serviços comuns de recuperação, reperfilamento, recapeamento asfáltico, manutenção asfáltica, tapa-buracos e sinalização horizontal em solo, em diversas vias públicas do Município, com fornecimento de material, mão-de-obra, máquinas e equipamentos, observada as especificações e complementos constantes dos anexos que fazem parte integrante do presente edital.”

E o que aconteceu depois? Nenhuma obra foi destinada à empresa após a assinatura deste contrato, que o prefeito nega ter assinado, o que Cunha corrobora. Ficou o dito pelo não dito… Leia mais: http://www.orlandocosta.com.br/?p=4367

%d blogueiros gostam disto: