Temas pendentes do governo Emir Sader

Emir Sader

 

A demora em resolver temas de nomeação pendentes vai fazendo com que o clima político se adense, de maneira desnecessária para o governo. O extraordinário apoio de 77% recebido pela Dilma confirma a aceitação, sobretudo, de suas politicas econômicas e sociais, que agradam à massa da população. Mas isso não exime o governo de resolver a nomeação pendente dos membros da Comissão da Verdade e dos ministérios do Trabalho e da Cultura.

No vazio entre a aprovação da Comissao da Verdade e os meses que passaram até que venham a ser nomeados seus membros e ela comece finalmente a funcionar, foram se manifestando os setores militares de extrema direita, de escassa representatividade, mas que se aproveitam da perda de iniciativa do governo para ocupar espaços totalmente desproporcionais em relação à sua força. Vai se criando um clima desfavorável assim ao funcionamento da Comissão, que vai ter que começar a atuar defendendo-se da ofensiva da ultra direita, tardando para retomar iniciativa e colocar as questões nos seus devidos termos: os da apuração dos crimes de Estado cometidos durante a ditadura militar. Isso não teria ocorrido ou o teria em muito menor medida, se o governo tivesse nomeado os membros da Comissão há algum tempo e a Comissão já tivesse começado o ano dando a pauta da sua ação, sem ter que se ater agora a se defender da ofensiva dos militares de direita.

Da mesma forma a indecisão em relação ao Ministério do Trabalho permite que se adense o clima de conflitos, que enfraquecem a coesão da base política do governo e até mesmo as alianças a nível regional. Há conflitos sociais graves nas obras do PAC e conflitos com partidos até aqui aliados do governo. Não faz sentido, em nenhum caso, que o governo alegue que a Presidenta não age sob pressão. Todo dirigente público age sob pressão, deve ainda mais fazê-lo uma Presidenta de um governo que pretende representar as grandes maiorias populares do país. Na verdade, o governo tem agido, em tantos casos, sob o impacto das denúncias da mídia privada, que são as formas de pressão da direita sobre o governo, não teria porque não aceitar as pessoas de setores sindicais, estudantis, do mundo da cultura e dos direitos humanos.

Da mesma forma, a gestão do Minc se esgotou há muito tempo, além das orientações totalmente equivocadas que a nortearam desde o começo, a tal ponto que setores representativos do mundo artístico e cultural se manifestaram na crítica e na proposta de nomes alternativos para o ministério, sem que aparecesse apoios significativos – salvo alguns releases plantados sob forma de artigos por colunistas chapa branca do ministério – que expressassem que o mandato do Minc tem alguma forma mínima de apoio.

O governo tem dívidas com os direitos humanos, com o mundo do trabalho e da cultura, que deve saldar ainda neste mês, para que não deixe a impressão de que esses temas não tem maior relevância para o governo, que podem esperar indefinidamente.

Postado por Emir Sader

Mercado de trabalho está à procura de quem tem mais de 50 anos

Há vagas nos setores de serviços e na indústria. Paciência e experiência são características mais valorizadas

por G1

Quando experiência é o que conta as empresas vão atrás de candidatos mais velhos. No ano passado mais de meio milhão de vagas foram geradas para quem têm entre 50 e 64 anos de idade.A contadora Iracelma de Oliveira, de 55 anos, lembra de uma característica importante dos candidatos desta idade. “A gente tem mais paciência, vamos aos poucos e sabemos que vai dar certo”.

Paciência é o que busca uma rede de supermercados em Curitiba. Dos 32 mil funcionários, quase três mil tem mais de 45 anos de idade. Eles ocupam as mais variadas funções, de acordo com as habilidades de cada um e são contratados principalmente porque têm mais experiência, são mais gentis, mais atenciosos com clientes, sabem conquistar os consumidores. O salário médio gira em torno de 700 reais, mais benefícios, como vale transporte e plano de saúde

Em Bauru, no interior de São Paulo são as indústrias que estão contratando profissionais com mais de 50 anos de idade. Uma fábrica de peças para usinas de álcool e açúcar tem 11 funcionários com essa faixa etária. Até o final do ano, as contratações vão aumentar, principalmente porque esses trabalhadores têm qualidades muito valorizadas no mercado de trabalho.

“Eles têm comprometimento, responsabilidade, uma bagagem que pode ser passada para outras pessoas mais jovem. Isso é importante para a empresa”, avalia Susana Pontes Artioli, assistente social da empresa.

O momento é bom para quem tem mais de 50 anos, por outro lado é preciso se preparar quando se está há muito tempo longe do mercado. Em muitas vagas, independente da idade, a disputa acontece com outros candidatos até mais jovens.

Por isso, é importante preparar um currículo diferenciado e treinar bastante para a entrevista de emprego. Silvia, de 50 anos, trabalhou durante 21 anos como secretária executiva e há dois procura emprego em São Paulo. Para dar um empurrãozinho na busca de uma vaga, Silvia procurou ajuda.

A consultora Juliana Almeida Dutra lembra que ela precisa chamar mais a atenção para o currículo. “É importante falar de si, mas dentro daquilo que a vaga te pede, esse é o foco sempre”, orienta a diretora executiva da Deep.

Currículo para quem tem mais de 50 anos:

– três páginas bastam
– use parágrafos curtos.
– escreva qual o seu objetivo em relação a vaga.
– destaque as experiências profissionais.

Entrevista:

– fale de você.
– conte ao entrevistador como solucionou conflitos nas empresas onde trabalhou e situações embaraçosas.
– mas cuidado com o excesso de confiança.

“Elas tentam falar tanto sobre aquilo que elas já fizeram, que parece até um pouco de arrogância para o selecionador. Eles na verdade querem ouvir a experiência que tenha a ver com a vaga. A impressão que pode dar é que o que ele faz e fez, é melhor do que a empresa espera que ele faça agora”, explica a consultora.

Curso de Formação de Pesquisadores de Mercado e de Opinião Pública, com certificado da PUC-SP.

De: ricardozanotta@pucsp.br [mailto:ricardozanotta@pucsp.br]
Enviada em: terça-feira, 3 de agosto de 2010 14:24
Assunto: Projeto CEAT PUCSP e MDS e Palestras Gratuitas

Prezado Xavier, Gerente do Sebrae da Zona Leste,

Conforme conversamos ao telefone, venho por meio da presente, 
encaminhar uma solicitação para que o Sebrae Zona Leste, possa 
participar como parceiro da PUC-SP Pontifícia Universidade Católica de 
São Paulo, do CEAT – Centro de Atendimento, e do MDS -Ministério do 
Desenvolvimento Social, no Projeto Emancipação Sustentável, que tem 
como foco, jovens com idade entre 18 e 30 anos, que pertençam ao 
Programa do Bolsa Família e residam nos bairros do Cangaíba, Ponte 
Rasa, Vila Jacuí, Jardim Helena, Cidade Líder, Cidade Tiradentes, 
Guaianazes, Itaquera, Lajeado, Itaim Paulista e São Miguel.

O referido projeto prevê 3 fases de atuação na Zona Leste de São Paulo:

1a. Fase: Curso de capacitação de 20 horas e treinamento de campo de 
15 dias para formação de uma equipe com 40 jovens que receberão uma 
bolsa-auxílio da PUC-SP e o certificado do Curso Formação de 
Pesquisadores em Mercado e Opinião Pública. Nesta fase serão 
realizadas 350 entrevistas com jovens das regiões acima citadas.

2a. Fase: Seleção de 1.000 jovens que residam na regiões acima 
citadas, e que pertençam ao Programa Bolsa Família para participarem 
de um Curso gratuito com duração de 2 meses para Formação de 
Empreendedores e estruturação de Planos de Negócios para atividades 
com Potencial para gerar renda, empregos e inclusão social para as 
regiões de menos IDH da Zona Leste de São Paulo.

3a. Fase: Estruturação dos negócios propostos pelos 1.000 jovens, sob 
a coordenação do CEAT, da PUC-SP e do MDS, para ingresso no processo 
de Incubação, onde os jovens empreendedores receberão orientações em 
plantões quinzenais para que os negócios tornem-se realidade e 
obtenham êxito empresarial.

Para estruturarmos melhor a abordagem aos 350 jovens a serem 
entrevistados, e a seleção dos 1.000 jovens que participarão da 
capacitação de 2 meses e do processo de incubação, a proposta é a de 
convidarmos todos estes jovens para participarem gratuitamente de um 
Curso de Formação de Pesquisadores de Mercado e de Opinião Pública, 
com duração de 4 horas, ministrado pelo Prof. Ms. Ricardo Sampaio 
Zanotta,com certificado da PUC-SP, nos períodos vespertino e noturno, 
nos auditórios de entidades daz região com as quais o Sebre Zona Lest 
tenham contato e bom relacionamento. Antes de cada palestra os jovens 
têm de se comprometer em responder à pesquisa, concedendo uma 
entrevista aos entrevistadores da equipe da PUC-SP

Cabe ressaltar que o prazo para a realização de tal atividade é 
exíguo, e que precisamos encontrar os 350 jovens até o final desta 
semana, motivo pelo qual solicito especial atenção de V.Sa. no sentido 
de nos ajudar a organizar com as entidades várias turmas com 50 jovens 
para agendarmos as palestras.

No aguardo de vossa confirmação,

Atenciosamente

Prof. Ms. Ricardo Sampaio Zanotta
Assessor da Vice-reitoria da PUC São Paulo
tel.: 11 36708284
cel.: 11 78955132

%d blogueiros gostam disto: