Noroeste Paulista – Jales. Vereadores Riva Rodrigues PMDB, Pérola Cardoso PT e Luís Especiato PT renunciam a seus cargos na Mesa Diretora da Câmara

•Douglas Zílio – Assessoria de Comunicação CM Jales

Com a serenidade, profissionalismo e respeito que lhes são peculiares, o vereador Rivelino Rodrigues fez uso da Tribuna do Plenário Presidente Tancredo Neves para anunciar sua renúncia ao cargo de 2º Secretário que ocupa desde o início desse ano na Câmara Municipal de Jales. O Termo de Renúncia foi protocolado na secretaria da Casa na sexta-feira, dia 20 de abril, e comunicado oficialmente à população durante a Sessão Ordinária realizada na noite da segunda-feira, dia 23 de abril. Em solidariedade ao vereador Riva Rodrigues, Pérola Maria Fonseca Cardoso e Luís Especiato anunciaram suas renúncias aos cargos de vice-presidente e 1º Secretário, respectivamente.

De acordo com Riva Rodrigues, tal iniciativa se faz necessária devido à situação insustentável causada pelo presidente da Câmara, Luiz Henrique Viotto, o Macetão, que abriu um Termo Circunstanciado junto à Secretaria de Estado de Segurança Pública – Polícia Civil do Estado de São Paulo, embasado no Artigo 140 do Código de Processo Penal, em virtude de entrevista radiofônica concedida por Riva no início do ano. “Estou em vias de ser processado pelo presidente da Câmara, o vereador Luiz Henrique Viotto, motivo pelo qual não me deixa alternativa senão renunciar ao cargo, até porque, não posso secretariar alguém que está me processando, que entende que eu cometi algum crime, que nesse caso, posso figurar como criminoso”, justificou o vereador. Rivelino ainda acrescentou que tem a consciência tranquila acerca das palavras e dos pontos que colocou em evidência durante sua entrevista radiofônica no início de 2012. “Tenho certeza e convicção de que não afrontei a honra, a dignidade e ao caráter do senhor presidente, e isso, vai ser provado pela justiça, tenho certeza. Na quarta-feira, dia 18 de abril, estive na Delegacia de Polícia, prestando esclarecimentos ao Dr. Altair Ramos Leon, pessoa muito digna, agente de nossa Secretaria Pública de Segurança do Estado e naquele momento fiz meu depoimento. Espero que a justiça dê como resultado aquilo que realmente aconteceu e mostre que em nenhum momento, caluniei ou denegri a imagem do presidente dessa Casa, tão somente, enquanto vereador, no direito de me manifestar acerca de uma situação, assim o fiz sem também denegrir a imagem daqueles que haviam sido dispensados naquele início de ano e tampouco dos que haviam sido contratados e que trabalham hoje na nossa assessoria direta da Casa”.

Alegando solidariedade ao amigo e vereador Riva Rodrigues, Luís Especiato declarou sua renúncia ao cargo de 1º Secretário da Câmara Municipal de Jales. “Que fique bem claro que aqui, ninguém fala a favor ou contra este ou aquele. Faço parte de um grupo político do qual venho militando durante esses dois mandatos seguidos e o vereador Riva Rodrigues, também militante desse grupo, teve meu voto para 2º Secretário. Em solidariedade ao vereador Rivelino e ao grupo do qual faço parte, quero comunicar ao presidente Luiz Henrique Viotto que não tenho por escrito, mas o farei, que estou renunciando, a partir dessa Sessão, ao cargo de 1º Secretário dessa Casa. Continuarei como vereador e continuarei o trabalho que sempre fiz, porém não estarei mais assumindo a função designada, que me foi dada por cinco votos”, esclareceu Especiato.

A vereadora Pérola Maria Fonseca Cardoso, também alegando solidariedade a Rivelino Rodrigues, foi até a Tribuna da Câmara anunciar sua renúncia ao cargo de vice-presidente. “Diante do que está acontecendo nesse momento, que mostra a realidade que estamos vivendo dentro da Câmara Municipal de Jales, quero também ser solidária ao ex 2º Secretário, Rivelino Rodrigues, e também colocar meu cargo de vice-presidente à disposição. Também estou renunciando a este cargo de vice-presidente, mas vou sim, dar sequência ao meu trabalho como vereadora eleita pelo povo”, finalizou.

Folha Geral: Multa, Oposição, Candidato do paço, Correndo por fora, Novo comunicador, Torcendo contra, Sem apetite, Estaleiro, Precatório, Dívida esticada, Problemas à vista, Nóis de Jales nada.

Multa
O prefeito Humberto Parini foi multado pelo Tribunal de Contas do Estado, em virtude de irregularidades na elaboração de um edital de licitação para aquisição de pneus novos. O relator do processo, conselheiro Cláudio Ferraz de Alvarenga, atendeu a uma representação interposta pela empresa Arrozeira Santa Lúcia Ltda que, em resumo, alegou que a Prefeitura de Jales descumpriu orientação do Tribunal ao restringir a aquisição de pneus importados. A multa, equivalente a 400 UFESP’s, ou R$ 6.568,00, chegou a ser contestada pelos advogados de Parini, mas o Tribunal negou provimento ao pedido de reconsideração do prefeito.

Oposição
Na sessão de segunda-feira, o nome da petista Aracy Cardoso, a Tatinha (PT), foi lançado para a presidência da Câmara pelos quatro vereadores da bancada oposicionista. Jota Erre (PSDB), Sérgio Nishimoto (PTB), Salatiel de Oliveira (DEM) e Luiz Henrique Macetão (sem partido), defenderam a candidatura da professora Tatinha, sob o argumento de que ela poderia unificar a Câmara, uma vez que, segundo eles, possui experiência e independência para dirigir o Legislativo. Além disso, dizem os oposicionistas, Tatinha seria a única com disponibilidade de tempo para dedicar-se integralmente aos problemas da Câmara, já que ela está aposentada como professora.
 

Candidato do paço
Rivelino Rodrigues(PPS) foi outro que aproveitou a sessão de segunda-feira para também lançar publicamente a sua candidatura. Rápido no gatilho, ele tratou de pedir os votos dos colegas, citando nominalmente cada um deles, inclusive aqueles que haviam declarado voto na vereadora Tatinha. Rivelino falou de seus planos para a presidência e prometeu investir na melhoria da informática e da comunicação da Câmara. Como presidente, ele pretende disponibilizar aos demais vereadores todas as ferramentas da internet, a fim de facilitar a comunicação com a sociedade. Na opinião de Rivelino, a internet vai ser decisiva nas próximas eleições.
Correndo por fora
Embora não tenha se manifestado publicamente, o pedetista Claudir Aranda deixou claro aos seus colegas que também é candidato. Durante a semana, apesar de ter recebido um pedido de Rivelino Rodrigues para que retirasse sua candidatura, Claudir tratou de conversar com alguns vereadores para pedir-lhes o voto. O principal empecilho à sua candidatura – um possível impedimento por acúmulo de cargo – já teria sido superado: o vereador pedetista garante que a direção dos Correios não se opõe a que ele dedique algumas horas do dia à Câmara. A aspiração de Claudir, diga-se, é justa, uma vez que ele já é vereador de três mandatos, sem nunca ter sido presidente da Câmara, apesar de ter ajudado vários colegas a se elegerem para o cargo.
Novo comunicador
No botequim da Vila os boatos dão conta de que o ex-comunicador da Rádio Regional, Elton Cláudio, trabalhando atualmente no Sebrae de Santa Fé do Sul, estaria sendo nomeado pelo prefeito Humberto Parini para ocupar o cargo de secretário de Comunicação da Prefeitura de Jales. A turma do balcão garante que, apesar dos problemas financeiros enfrentados pelo município, Parini pretende implantar a Secretaria de Comunicação logo no início do ano que vem. Quanto aos possíveis escolhidos para os outros quatro ou cinco cargos da nova secretaria, nenhuma notícia.
Torcendo contra
Apenas três interessadas apresentaram propostas na concorrência aberta pela Prefeitura para contratação da empresa que vai cuidar da merenda escolar nos próximos anos. A atual responsável pela merenda, a Gente Gerenciamento em Nutrição Ltda é uma delas. As outras duas interessadas são a Starbene Refeições Industriais Ltda, que cuida da merenda em Votuporanga e Tanabi, e a Vivo Sabor Alimentação Ltda, de Cosmópolis-SP. Na Prefeitura, muita gente está torcendo para que a Gente Ltda não seja a ganhadora da licitação. Mas ela tem grandes chances de ser a vencedora e, se isso acontecer, é provável que a pendenga vá parar na Justiça. E aí vai ser briga prá mais de ano.
Sem apetite
Falando em merenda, parece que o apetite da criançada diminuiu um pouco, principalmente depois que o Ministério Público recebeu algumas denúncias sobre superfaturamento na quantidade de refeições consumidas nas escolas de Jales. Em agosto passado, o gasto bruto com a merenda alcançou R$ 261 mil, enquanto em setembro esse valor diminuiu para R$ 222 mil. Já em outubro, os gastos com a merenda caíram ainda mais: a fatura referente àquele mês, apresentada pela empresa Gente, não chegou a R$ 200 mil.
Estaleiro
O presidente Lula anunciou a instalação de um estaleiro – local onde se constrói e reforma embarcações – na vizinha cidade de Araçatuba, administrada pelo petista Cido Sério. O anúncio informal de Lula foi feito durante cerimônia com prefeitos, para lançamento da segunda fase do PAC2. Segundo informações veiculadas na grande imprensa, serão investidos U$ 239 milhões de dólares na construção do estaleiro de Araçatuba. Em tempo: na mesma cerimônia, o governo federal divulgou uma relação com mais de 1.200 obras em várias cidades brasileiras. Infelizmente para nós, a relação não lista nenhuma obra em Jales. Quem sabe, nos Grupos 2 e 3 do PAC 2, o nome de Jales aparece na relação.
Precatório
Na semana passada o site de notícias Ethos On Line publicou uma informação no mínimo estranha. A manchete diz que “Justiça manda Prefeitura providenciar pagamento de precatório”. Já o texto da matéria relata que a Justiça de Jales determinou que a Prefeitura comprove a inclusão de precatório devido ao Espólio de Euphly Jalles, de acordo com a Emenda Constitucional nº 62. A notícia do Ethos não deixa claro, no entanto, o que é que está sendo pleiteado pelos advogados dos Jalles.
Dívida esticada
Como se sabe, a Prefeitura de Jales, depois de sofrer um seqüestro de receitas em 2005, se viu obrigada a pagar as parcelas anuais da dívida com a família Jalles. Em 2010, aproveitando-se de uma brecha aberta pela Emenda Constitucional 62, a chamada “Emenda do Calote”, o prefeito Parini reduziu o valor dos pagamentos à família Jalles, providência que, além de estender a dívida por mais uns dez ou doze anos, provocou a perda do desconto de 30% concedido pelo Espólio do fundador em cada parcela paga no prazo combinado.
Problemas à vista
A constitucionalidade da Emenda 62 está sendo contestada no Supremo Tribunal Federal, inclusive pela OAB. Em São Paulo, julgando casos envolvendo as prefeituras de Osasco e São Vicente, o Tribunal de Justiça declarou a inconstitucionalidade incidental da Emenda do Calote. O Órgão Especial do TJ entende que as parcelas vencidas antes da data da publicação da Emenda, como é o caso de parcela devida pela nossa Prefeitura à família Jalles, não podem ser incluídas no novo regime de pagamento. Por conta desse novo entendimento, o TJ deverá recomeçar os julgamentos dos pedidos de seqüestro de receitas parados naquele Tribunal.
Nóis de Jales, nada
Birigui vai receber mais de R$ 15 milhões de investimentos do PAC 2 (Programa de Aceleração do Crescimento), do governo federal. A confirmação foi dada nesta segunda-feira, 6 de novembro, em Brasília, pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva durante reunião com governadores e prefeitos que tiveram projetos selecionados. Wilson Carlos Rodrigues Borini, disse que a cidade foi contemplada com cinco Unidades Básicas de Saúde (UBS), uma praça do PAC e mais de R$ 12 milhões para investimentos em asfalto.

Eleição da Mesa da Câmara Municipal de Jales. Episódio histórico, o dia em que o PT votou e Claudir Aranda – PDT foi eleito presidente.

Vamos para uma parte da história.

Hoje em reunião extraordinária realizada em sua sede a Câmara Municipal de Jales procedeu ao processo de escolha da Mesa Diretora para o ano de 2011. Foram eleitos os Nobres Edis: Claudir Aranda presidente, Macetão vice-presidente,  Riva Rodriges primeiro secretário e Luiz Especiato 2º secretário. 

Desta forma está publicada a verdade. Mas será esta a verdade? Acredito que sim, não é uma mentira. Mas não é toda a verdade. Nem mesmo é uma informação séria. Deslocada de um contexto que envolve intensa movimentação, articulações públicas e de bastidores, é uma informação vazia, sem sentido, descontextualizada.

Vamos ao contexto

A vereadora do PT, Aracy Murary Cardoso, mais conhecida como Tatinha, era a candidata favoritíssima à presidência. Contava, na ultima reunião camarária, com o apoio dos vereadores de seu partido, o PT e tambem de mais quatro vereadores da oposição, sete votos em dez possíveis. Sobravam tres eleitores (são dez os vereadores em Jales), e dos tres eleitores, dois eram candidatos: Claudir Aranda e Riva Rodrigues. Mas na política nem sempres quem teria sete votos em dez possíveis ganha, não em Jales.

Como se dá a eleição da Mesa da Câmara de Jales.

As eleições acontecem anualmente (mandato de um ano), no final do ano legislativo, em Reunião Extraordinária para este fim. O voto é aberto, declarado viva voz da tribuna com o fito de que seja uma escolha transparente. Votam todos os membros do Legislativo, em ordem alfabetica de chamada, pelo nome completo do(a) Vereador(a). Todos os Edis podem ser candidatos e todos votam. São quatro os cargos da Mesa Diretora: Presidente, Vice Presidente, 1º secretário e 2º secretário. São dez os Vereadores em Jales. Formalmente não existem chapas. Os votos são nominais, cargo a cargo.

Os vereadores em Jales hoje são: Aracy de Oliveira Murari Cardozo – Tatinha – PT, Claudir Aranda da Silva – Claudir – PDT, José Roberto Fávaro – JR – PSDB,  Luís Especiato – Especiato – PT, Luiz Henrique Viotto – Macetão – Sem Partido, Osmar Pereira de Rezende – Osmar Rezende – PMDB, Pérola Maria Fonseca Cardoso – Pérola – PT, Rivelino Rodrigues – Riva Rodrigues – PPS, Salatiel Souza de Oliveira – Salatiel – DEM, Sérgio Yoshimi Nishimoto – Nishimoto – PTB. Para saber as atribuições Mesa Diretora e detalhes sobre os atuais Vereadores acesse: http://www.camaradejales.sp.gov.br . Mas, em resumo, os membros da mesa tem atribuições que implicam em aumento de poder e visibilidade.

Neste ano de 2010 a Mesa Diretora foi composta pelos Vereadores: Especiato (Presidente), Claudir Aranda (Vice-presidente), Tatinha (1ª secretária) e Riva Rodrigues (2º Secretário).

Folclore Político

Embora a eleição da mesa seja objeto do pensamento dos vereadores ao longo do tempo, é com a proximidade do pleito que a questão se coloca mais fortemente. Acordos são possíveis e validos com antecedencia (há casos de combinações para apoios mútuos por anos). Mas a vida e a política são dinâmicos, vale memos o voto declarado na hora certa, antes e depois não adianta nada. É grande o repertório de histórias e tambem de estórias por todos os cantos do Brasil sobre episódiso e artifícios usados em eleições como estas. Algumas fazem parte do folclore político nacional e outras da história, mas nem sempre é facil diferençar quando uma versão é ou não folclórica. 

Circulam “causos” que revelam envolvimento do Poder Executivo, com cargos, empregos, dinheiro. Circulam versões engraçadas e tambem dramáticas permeadas por baladas, malas pretas e ameaças. É comum ouvirmos em vendas, nos bares, nas rodas relatos curiosos por todo o Brasil.

Em 6 de dezembro a Vereadora Tatinha lançou sua candidatura a Presidente.

As plenárias ordinárias da Camara Municipal de Jales acontecem uma vez por semana, normalmente, segunda-feira. No penultima reunião antes da eleição Tatinha – PT conseguiu o compromisso de voto dos quatro vereadores de oposição. Fez uso da Tribuna (falou) anunciando o feito à todos e pediu a união de todos, especialmente do PT, para a eleição que se aproximava. A conta é muito simples. Quatro votos da oposição, mais o dela mesma, Tatinha já tinha 5 votos em uma eleição onde votam dez eleitores. O PT tem mais dois vereadores, Especiato e Pérola, com o apoio deles Tatinha chegaria a sete votos. Restavam os dois outros candidatos, Claudir e Riva disputando o voto do Osmar Rezende. Sem esquecer que Osmar poderia tambem votar em Tatinha.

 Em 11 de dezembro – reunião do DM do PT de Jales.

Mas havia quem tivesse outros planos. O Presidente da Comissão Executiva do PT convocou uma reunião do Diretório Muncipal (não lembro quando foi a ultima) para debater. A reunião foi no sábado pela manhã. Como saiu  outro dia em um semanário local, indagado sobre os mais recentes embates internos no ambito do PT de Jales, o presidente da comissão executiva Cacaio Nogueira, foi absolutamente econômico: “infelizmente a companheirada se esqueceu que política se faz com a cabeça e não com o fígado…”. Já um petista da velha guarda, pedindo anonimato: a gente não precisa de adversários. Os companheiros se encarregam do auto-extermínio…”

Leia tambem: https://murilopohl.wordpress.com/2010/12/10/em-busca-da-razao-cientifica-do-figado-a-cabeca-a-evolucao-do-pt-de-jales-sp/

Depois de amplo debate foi aprovada a proposta.  “O apoio do Partido dos Trabalhadores através de sua bancada de três vereadores, à candidatura proposta pela base aliada  que provavelmente será o nome do Vereador Rivelino do PPS ou de Claudir Aranda do PDT. Que qualquer decisão aqui deliberada seja soberana, fechando questão”… “Sendo assim a bancada de vereadores do PT deve acatar a proposta de votar em um candidato indicado pela base aliada.” O DM decidiu que o PT não faria o Presidente da Câmara, não votaria na vereadora Petista, mais do que isto, obrigou por fidelidade, que ela não votasse em si mesma.

13 de dezembro Reunião Ordinária seguida de outra, Extraordinária: eleição da Mesa Diretora da Cãmara Municipal

A reunião da Câmara transcorreu na mais perfeita paz, sem polêmica, tudo aprovado por unânimidade. Ao final, nas explicações pessoais, a Vereadora Tatinha – PT usou a tribuna e pronuciou o seguinte discurso, que transcrevemos na íntegra.

 

 No sábado, durante reunião do Partido dos Trabalhadores em que me foi negado o apoio para disputar a presidência desta Casa, dois companheiros, o secretário de administração José Shimomura e o chefe de gabinete da secretaria de Obras, Valdemar Ramos, me apontaram o dedo para dizer que estou fazendo oposição ao partido, e pior, que estou sendo manipulada pelos colegas da oposição. Além disso, o prefeito Humberto Parini, fazendo-se de vítima, desfiou um rosário de queixas a respeito da atuação desta vereadora, esquecendo-se de olhar para o próprio rabo.

                       Eu gostaria de deixar claro a quem me ouve, que não faço e jamais farei oposição ao Partido dos Trabalhadores. Posso não ter nenhum orgulho de alguns companheiros que tenho, mas, posso garantir, tenho orgulho do Partido dos Trabalhadores e vou defender até o fim as bandeiras históricas do meu partido, principalmente do respeito à transparência e do zelo com o dinheiro público.

                       Gostaria de dizer, também, que tenho o maior orgulho de pertencer ao mesmo partido do nosso presidente Lula, este sim, um verdadeiro líder, um homem que não deixou que o poder lhe mudasse o caráter. Um homem que, ocupando o posto mais importante do país, continuou sendo a mesma pessoa simples, e, por isso mesmo, entendido e respeitado pelo povo. Não é por acaso que ele está deixando o governo com mais de 80% de aprovação.

                       Quero aproveitar esta última sessão do ano, para agradecer ao presidente Lula pelas transformações que ele proporcionou a este país. Daqui a 17 dias, o presidente Lula estará deixando o cargo. Quando colocar a faixa presidencial sobre o ombro da companheira Dilma Rousseff, o presidente Lula estará entregando à sua sucessora um Brasil bem diferente do que ele recebeu. Ele vai entregar um Brasil repleto de conquistas econômicas, políticas e sociais.

                       Um Brasil que deverá encerrar o ano de 2010 com um crescimento do PIB acima de 7%, a maior alta registrada desde os anos 70. A taxa de desemprego das regiões metropolitanas, que beirava 12% em 2002, caiu praticamente pela metade nestes oito anos de governo Lula. Foram quase 15 milhões de carteiras de trabalho assinadas nos oito anos de Lula. Muito mais do que as 10 milhões de carteiras assinadas nos governos Sarney, Collor, Itamar e FHC, todos juntos.

                        No mesmo período, o salário mínimo mais que dobrou. Cerca de 32 milhões de brasileiros foram incorporados à classe média. A compra de carros e imóveis disparou. O país quitou o que devia ao Fundo Monetário Internacional, tornando-se credor do FMI. Enfim, foram 8 anos de transformações como “nunca antes visto na história deste país”.

                        É uma pena que Jales não está conseguindo acompanhar o mesmo ritmo de crescimento do Brasil. Me aflige saber que tínhamos todas as condições para mudar a realidade de nossa cidade, mas estamos perdendo a oportunidade. É verdade que avançamos na Educação e na Saúde, mas era preciso avançar muito mais em outros setores, principalmente na geração de empregos.

                        Me aflige ver outras cidades obtendo conquistas importantes junto ao governo federal, enquanto Jales se contenta com emendas para asfalto e festas de peão. Fernandópolis conseguiu a Zona de Processamento para Exportação, Votuporanga obteve mais de r$ 30 milhões para construção de um Complexo Esportivo, Araçatuba vai ter um Estaleiro com investimentos de 200 milhões de dólares, Birigui abocanhou 15 milhões em obras do PAC, e assim por diante.

                        Ontem, vi em um jornal que a cidade de Sertãozinho vai receber mais de 100 milhões do governo federal, dos quais R$ 90 milhões para obras do PAC. O prefeito de Sertãozinho, Nério Costa, do PPS, disse que está muito satisfeito com o que conseguiu até agora, em apenas dois anos de mandato. Enquanto isso, Jales está há quatro ou cinco anos pleiteando R$ 6 milhões para a construção de dois viadutos, sem conseguir.

                         Será que para ser uma verdadeira petista, eu tenha que me calar diante de nossa incompetência? Será que, para não desagradar companheiros, como o Shimomura e o Ramos, eu deva me conformar com a falta de projetos da nossa administração? Será que, para não ferir o ego do nosso prefeito, eu deva fingir que está indo tudo muito bem?

                          Talvez ficasse melhor aos nossos companheiros Shimomura, Ramos e Parini, fazerem uma análise da atuação deles próprios, antes de carimbar esta vereadora com o rótulo de oposicionista. Se quiserem uma sugestão, vejam o levantamento feito por um colega de partido, sobre o desempenho eleitoral do PT em Jales, de 1998 a 2010. Os números deixam claro que a votação dos deputados petistas caiu vertiginosamente depois que nós assumimos o comando da Prefeitura.

                          Somente para exemplificar, em 2002, quando Parini ainda não era prefeito, os deputados federais do PT obtiveram 5.286 votos em Jales. Em 2006, já com dois anos de mandato de Parini, a votação caiu para 3.311 e, em 2010, caiu mais ainda, alcançando míseros 1.770 votos. Certamente, que essa queda não se deve às críticas desta vereadora. A verdadeira oposição ao PT de Jales, ao que parece, é a incompetência.

 

Luis Especiato – PT,  ocupou em seguida a Tribuna e fez uma breve defesa da “Administração” não dispomos ainda da transcrição. Em seguida foi encerrada a Sessão Ordinária. Após uma pausa de cinco minutos foi feita a abertura da Sessão Extraordinária para a eleição da Mesa Diretora.

Logo após cumprido o rito de praxe foi aberto o processo eleitoral. Antes de iniciar a votação foi aberta a palavra pelo Presidente, Especiato,  para a Vereadora Pérola. Usando a Tribuna Pérola informa que ali está como Lider da Bancada do Partido dos Trabalhadores e apresentando uma decisão do PT indica o voto em Claudir Aranda (presidente), Pérola (vice), Riva (1º Secretário) e Especiato (2º Secretário) anunciando o fechamento de questão pelo Partido.  

Liderança da Bancada, Diretório Municipal e política se faz com a cabeça.

Sempre é bom clarear que a Liderança da Bancada não é  honorífica alem das atribuições, direitos e deveres estabelecidos na Lei e no Regimento internos da Casa onde ela é exercida, tambem tem seu funcionamento estabelecido internamente pelo Partido, no caso pelo PT. Entre os deveres e obrigações da Liderança da bancada do PT está reunir a bancada. Sem reunir a bancada para debater e deliberar a Lider da Bancada estará falando em nome pessoal, como membro do Legislativo que é. A Liderança da bancada tem representação na Comissão Executiva Municipal do PT. A Comissão Executiva Municipal está subordinada ao Diretório Municipal do PT, assim como a Liderança e a própria bancada, como um todo e individualmente. Existem regras, racionais e explicitas para o funcionamento de cada uma destas instâncias e tambem para a sua representação. As regras são debatidas, votadas, e consubstanciadas nos documentos e práticas do PT. São racionais e democráticas.

É importante este esclarecimento apenas para que se saiba que a lider da Bancada leu um documento na tribuna. Mas não foi um documento deliberado pelo PT. As decisões do PT são consubstanciadas em documentos escritos, em atas, deliberações, resoluções, etc. , de suas instancias, inclusive da bancada.

A votação.

Feita a chamada por ordem alfabética votaram os vereadores. Tatinha em Claudir, Macetão, Nishimoto e Tatinha. Claudir em Claudir, Pérola, Riva e Especiato. JR em JR, Macetão, Nishimoto e Tatinha. Especiato em Claudir, Pérola, Riva e Especiato. Macetão em JR, Macetão, Nishimoto e Tatinha. Osmar em Claudir, Pérola, Riva e Especiato. Pérola em Claudir, Pérola, Riva e Especiato. Riva em Claudir, Pérola, Riva e Especiato. Salatiel em JR, Macetão, Nishimoto e Tatinha. Nishimoto em JR, Macetão, Nishimoto e Tatinha.

Apurados os votos resultou eleito por 6 votos a 4 o Presidente Claudir Aranda. Para as demais funções ficaram os candidatos à vice presidente empatados em 5 à 5 bem como pelo mesmo resultado os candidatos para a 1ª e 2ª secretaria. Cumprindo o Regimento foi feita nova votação para os cargos da mesa em disputa que empataram em primeita votação. Votaram todos pela segunda vez e os empates por 5 votos à 5 permaneceram. Seguindo o Regimento em caso de empate em segunda votação são proclamados eleitos os candidatos mais votados nas ultimas eleições.

Assim a mesa Diretora para 2011, que estará automaticamente empossada em 1º de janeiro é: Presidente Claudir Aranda – PDT, Vice Presidente Macetão (sem partido), 1º secretário Riva PPS e 2º Secretário Especiato – PT. Foi inevitável lembrar da fala publicado na notinha entitulada HEPATOVIR, ops! desculpe, HEPATIVAN.

 

%d blogueiros gostam disto: