Tucano aproveita insatisfação do PSB com formação de ministério e convida Márcio França para Turismo; PPS comandará Trabalho

Numa sinalização ao PSB, partido que saiu descontente com a presidente eleita Dilma Rousseff (PT) na montagem de seu ministério, o futuro governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), convidou para seu secretariado o deputado Márcio França, chamado para a pasta do Turismo.
Ontem, o parlamentar tendia a aceitar o convite. Presidente estadual do PSB, França mantém boa interlocução com o governo federal e foi cotado para assumir a Secretaria Especial de Portos do governo Dilma Rousseff, posto que acabou ficando com Leônidas Cristino, ligado ao governador Cid Gomes (PSB-CE).
Um dos principais aliados do PT na esfera nacional, a direção do PSB ficou insatisfeita por não ter aumentado sua participação no governo Dilma – queria três pastas, mas ficou com duas.
O partido indicou para o Ministério da Integração Nacional Fernando Bezerra Coelho, da cota do governador Eduardo Campos (PE). Os parlamentares do PSB, no entanto, queriam ter emplacado um nome da bancada.
Embora o PSB seja da base governista do PSDB em São Paulo, a sinalização a França tem como objetivo fortalecer a relação do partido com tucanos paulistas.
Há cerca de 15 dias, o senador eleito Aécio Neves (PSDB-MG) procurou Eduardo Campos, presidente nacional do PSB, para afinar a interlocução com a sigla. Cotado para um cargo no primeiro escalão, o deputado Ciro Gomes (PSB-CE) também ficou de fora do ministério de Dilma.
Aliados.
A acomodação dos partidos aliados no governo Alckmin começou de fato ontem, com o anúncio do presidente do PPS paulista, deputado Davi Zaia, para a Secretaria de Emprego e Relações do Trabalho.
Ex-presidente do Sindicatos dos Bancários de Campinas e ligado à União Geral dos Trabalhadores (UGT), Zaia foi nomeado pelo governador para incrementar o canal de interlocução com o sindicalismo. Os tucanos avaliam que, durante a gestão Serra, houve pouco contato com o movimento sindical.
O parlamentar paulista era nome de consenso dentro do PPS estadual e foi apresentado na primeira reunião da legenda com o governador, no início de novembro. A indicação contou com o aval da UGT, que apoiou Alckmin em sua eleição.
A primeira missão de Zaia será a de realizar um convênio com o Ministério do Trabalho para financiar, por meio do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), programas de qualificação profissional prometidos pelo tucano durante a campanha eleitoral pelo governo paulista este ano.
“A maior parte do secretariado eu tenho impressão de que é sem filiação. Uma grande parte é mais sua expertise. com compromisso programático, ético. Outros têm uma presença partidária maior”, esquivou-se Alckmin, ao ser questionado sobre a partilha política em sua gestão. O governador eleito disse que as próximas nomeações ocorrerão após o feriado do Natal.
Apesar da nomeação de Zaia, a partilha do secretariado está emperrada. A direção estadual do PV decidiu que a legenda está fora do próximo governo, mas a bancada verde ainda negocia cargos com o coordenador da transição e futuro chefe da Casa Civil, Sidney Beraldo.
Alckmin aguarda definição interna do PV para designar o nome que ocupará a pasta. Foram oferecidas aos verdes as secretarias de Assistência e Desenvolvimento Social, de Esportes e de Saneamento e Energia.
O imbróglio com a direção estadual do PV teve início com o convite feito ao deputado estadual Bruno Covas (PSDB) para assumir a secretaria do Meio Ambiente, alvo máximo dos verdes. Covas deve aceitar a missão.
O PMDB paulista foi convidado a assumir a pasta de Agricultura, mas ainda não indicou os nomes que ocuparão a secretaria.

Julia Duailibi e Roberto Almeida – O Estado de S.Paulo

A presidente eleita, Dilma Rousseff, confirmou nesta manhã, por meio de nota oficial, Afonso Florence para MDA e Iriny Lopes para Secretaria das Mulheres

A presidente eleita, Dilma Rousseff, convidou a deputada Iriny Lopes (PT-ES) para comandar a Secretaria das Mulheres e o deputado eleito Afonso Florence (PT-BA) para o Ministério do Desenvolvimento Agrário.

Natural de Salvador, Florence tem 60 anos e elegeu-se deputado federal em outubro. Ele foi secretário de Desenvolvimento Urbano no governo do petista Jaques Wagner. A escolha de Florence representa uma vitória da corrente de esquerda do PT, Democracia Socialista (DS), que havia se rebelado contra a indicação de Maria Lúcia Falcón (PT) para a pasta. Ela tinha o apoio dos governadores da Bahia, Jaques Wagner (PT), e de Sergipe, Marcelo Déda (PT).

A DS não se conformava em perder o controle do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), atualmente conduzido pelo ministro Guilherme Cassel. Seu antecessor no cargo foi Miguel Rosseto. Os dois gaúchos foram indicados pela Democracia Socialista.

Aos 54 anos, Iriny Lopes reelegeu-se em outubro para o seu terceiro mandato na Câmara dos Deputados. Membro da Executiva Nacional do PT, ela foi presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM), em 2005, e integrou o Conselho de Ética. Ela foi relatora do processo que culminou na cassação do ex-deputado André Luiz, do Rio de Janeiro, flagrado num diálogo em que tentava extorquir R$ 4 milhões do empresário de jogos Carlos Cachoeira. Em 2009 Iriny concorreu a presidencia do PT nacional pela chapa Esquerda Socialista por indicação da AE Articulação de Esquerda, corrente interna do PT.

O PT ficará com quase a metade das pastas da Esplanada –17. Também controlará o maior orçamento livre, R$ 56 bilhões em valores de 2010. O PMDB, do vice Michel Temer, ficou com seis pastas.

O PSB fechou sua cota sem conseguir aumentar seu espaço. Ciro Gomes também não entrou no primeiro escalão.

Na negociação, prevaleceu um dos desenhos iniciais, com duas pastas. Na Integração, com Bezerra Coelho, indicado pelo governador de Pernambuco e presidente do partido, Eduardo Campos, e Portos com Cristino, indicado por Cid Gomes.

A negociação com o PSB conseguiu ser mais difícil e demorada que as conversas para acomodar o PMDB. Tanto que, nos momentos finais das negociações, Dilma decidiu não juntar a secretaria de Portos com o setor aéreo, como esperava o PSB.

Confira o ministério de Dilma:

PT
Guido Mantega (Fazenda)
Alozio Mercadante (Ciência e Tecnologia)
Gilberto Carvalho (Secretaria-Geral)
José Eduardo Cardozo (Justiça)
Antonio Palocci (Casa Civil)
Paulo Bernardo (Comunicações)
Fernando Pimentel (Desenvolvimento, Indústria e Comércio)
Miriam Belchior (Planejamento)
Ideli Salvatti (Pesca)
Maria do Rosário (Direitos Humanos)
Fernando Haddad (Educação)
Alexandre Padilha (Saúde)
Luiza Bairros (Igualdade Racial)
Tereza Campelo (Desenvolvimento Social)
Luiz Sérgio (Secretaria de Relações Institucionais)

Afonso Florence (Desenvolvimento Agrário)

Iriny Lopes (Secretaria de Mulheres)

PMDB
Wagner Rossi (Agricultura)
Pedro Novais (Turismo)
Garibaldi Alves (Previdência)
Edson Lobão (Minas e Energia)
Moreira Franco (Secretaria de Assuntos Estratégicos)
Nelson Jobim (Defesa) – Cota pessoal

PR
Alfredo Nascimento (Transportes)

PDT
Carlos Lupi (Trabalho)

PP
Mário Negromonte (Cidades)

PC do B
Orlando Silva (Esporte)

PSB
Fernando Bezerra Coelho (Integração Nacional)
Leônidas Cristiano (Portos)

Sem filiação partidária
Alexandre Tombini (Banco Central)
Helena Chagas (Comunicação Social)
Antonio Patriota (Relações Exteriores)
Izabella Teixeira (Meio Ambiente)
Ana de Hollanda (Cultura)
Luís Inácio Lucena Adams (Advocacia-Geral da União)
Jorge Hage (Controladoria-Geral da União)
José Elito Carvalho Siqueira (Gabinete da Segurança Institucional)

Fontes: folha.com – Poder e estadao.com

Popó herda vaga na Câmara após Negromonte ser confirmado como ministro de Dilma

Com a indicação nesta segunda-feira do deputado federal Mário Negromonte (PP-BA) para o Ministério das Cidades, ex-boxeador Acelino Freitas, o Popó (PRB), vai herdar uma vaga na Câmara dos Deputados.

Alan Marques – 12.jun.2006/Folhapress
Popó herda vaga na Câmara após Negromonte ser confirmado como ministro
Popó herda vaga na Câmara após Negromonte ser confirmado como ministro

Ele é o primeiro suplente da coligação, utilizou nas urnas o número 1.000 e obteve 60.338 votos. “Quem já viu? A nossa presidente Dilma confirmou Negromonte como ministro oficialmente!”, disse Popó no Twitter.

“Nos próximos anos teremos Copa do Mundo e Olimpíadas. Esse é o momento do esporte brasileiro em forma de inclusão social, de trabalho. Agradeço aos mais de 60 mil eleitores que confiaram seus votos na minha história!”, reiterou.

Popó disse que fará o que sabe de melhor: lutar. “Agora tenho a honra de não só representar, mas trabalhar com mais forças para o povo. Vou fazer o que sei de melhor: lutar! Agora por vocês! Dedico essa vitória a Deus, a minha família, aos meus amigos, e com destaque a todos os meus eleitores!”

Fonte: folha.com – Poder

Márcio França é indicado pelo PSB para Ministério do Turismo

 

Créditos: Alexsander Ferraz

Márcio França, deputado federal e ex-prefeito de São Vicente, foi indicado pelo seu partido para assumir o Ministério do Turismo. A expectativa agora é por um aval da presidente eleita Dilma Rousseff (PT), o que pode acontecer nos próximos dias.

O nome de Márcio França foi encaminhado à equipe de transição de governo pelo presidente nacional do PSB e governador de Pernambuco, Eduardo Campos.

Os socialistas também indicaram o atual secretário de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco, Fernando Bezerra Coelho, para assumir a pasta da Integração Nacional. Ela era ocupada pela legenda no Governo Lula, mas posteriormente foi repassada ao PMDB.

Cuidado

Ciente desse quadro, o deputado federal de São Vicente adota uma postura cautelosa. Ao mesmo tempo que se diz feliz pela indicação do partido, lembra a todo momento que não se trata de um assunto definitivo.

“A decisão, evidentemente, é da presidente eleita. Não dá para dizer que é algo confirmado. O que podemos dizer com certeza é que meu nome é um dos indicados pelo partido. E ponto”, afirma França.

Até então, o Ministério do Turismo era administrado pelo PT. Luiz Barretto, que por coincidência já trabalhou inclusive na Prefeitura de São Vicente, assumiu a pasta em 2008, em substituição a Marta Suplicy (PT).

A pasta foi oferecida ao PSB como uma espécie de compensação pela perda do Ministério de Ciência e Tecnologia, que estava sob o comando dos socialistas e deve ser repassada agora ao senador Aloizio Mercadante (PT-SP).

Financeiramente, o Ministério do Turismo deve ser um dos mais importantes do mandato de Dilma Rousseff. O motivo é evidente: o País injetará recursos no setor em virtude da proximidade da Copa do Mundo de 2014 e das Olimpíadas do Rio de Janeiro, em 2016.

Baixada

Por conta desses detalhes, o deputado Márcio França, que também é presidente estadual de sua legenda, diz que a confirmação do seu nome no ministério poderia garantir investimentos para a Baixada Santista.

A eventual escolha daria a São Vicente o privilégio de ter um ministro pela primeira vez em sua longa história de Celula Mater. E contemplaria uma cidade e uma região nas quais o turismo ocupa um lugar de grande destaque.

Políticos ligados ao ex-prefeito de São Vicente lembram que se a presidente Dilma optar por essa hipótese estaria premiando um parlamentar que sempre foi coerente partidariamente. Ao contrário de outros políticos, França, tanto no Executivo quanto no Legislativo, jamais mudou de partido. Manteve-se permanentemente fiel às cores do PSB. Na última eleição, seu partido saiu fortalecido, elegendo vários governadores e assegurando uma forte bancada no Congresso.

França garante que, independentemente da resposta presidencial, trabalhará na base aliada em 2011. “A decisão final cabe à Dilma e, qualquer que seja o seu posicionamento, vou apoiá-la. Seja como deputado federal, seja em um ministério. O meu projeto pessoal é trabalhar pelo crescimento e desenvolvimento do País e, consequentemente, da região”.

Via A Tribuna

Fonte: http://olharlocal.wordpress.com

%d blogueiros gostam disto: