Hollande vence na França e isso é bom para o Brasil

Hollande vence na França e isso é bom para o Brasil Foto: REUTERS/Regis Duvignau

Vitória do socialista François Hollande representa um voto de mudança na Europa contra a política de austeridade comandada pela chanceler alemã Angela Merkel; Dilma ganha um aliado na cena internacional; direto de Paris, por Roberta Namour, correspondente do 247

 

Roberta Namour – correspondente do 247 em Paris – François Hollande foi eleito o novo presidente da Vª República da França. Confirmando a tendência nas pesquisas desde o início da campanha, o socialista deixou o desgastado presidente em exercício Nicolas Sarkozy para trás. Neste domingo, 6 de maio de 2012, a maioria dos franceses optou pela ruptura do sistema de direita, que durou 17 anos, para apostar numa França mais coerente a sua filosofia do ‘liberté, égalité, fraternité’.

Depois de mais de 30 anos nos bastidores do cenário político, Hollande se tornou o candidato do PS ao derrotar em outubro nas primárias sua ex-mulher e candidata à Presidência pelo partido em 2007, Ségolène Royal.

Num contexto de crise econômica preocupante, Hollande conquistou a confiança dos franceses com um programa que defende uma reforma fiscal que aumenta a contribuição dos mais ricos. Além disso, prometeu a criação de 150 mil novos empregos no setor de novas tecnologias e mais 60 mil no campo da educação. Quanto aos imigrantes, levantou uma bandeira oposta a de Nicolas Sarkozy, de fechar as fronteiras do país.

Para a Europa, a vitória do socialista significa a ruptura do casamento franco-alemão. François Hollande assumiu desde o início o papel de líder um movimento antiausteridade europeu. Inclusive, prometeu ligar ainda nesta noite para a chanceler alemã Angela Merkel para oficializar a nova postura da França sobre o pacto fiscal. Com o apoio da Grécia, Espanha e mesmo da Itália, o novo presidente da França promete lutar pela ideia de que para reencontrar o crescimento não se pode só economizar sem investir. Metas engessadas geram a exclusão e, consequentemente, vão de encontro com o lema da União Europeia.

Nessa perspectiva, Hollande se torna um grande aliado da presidente Dilma Rousseff no cenário internacional. Em diversas declarações e na visita que fez recentemente à Alemanha, Dilma fez duras críticas aos discurso de austeridade comandado por Angela Merkel e atacou as “políticas expansionistas que provocam um verdadeiro ‘tsunami monetário’, que levaram a uma ‘guerra cambial’ e introduziram novas e perversas formas de protecionismo no mundo”.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: