Vereadores de Campinas aumentam os subsídios para R$ 15 mil

Reajuste é de 126,3%; R$ 402 mil a mais para cada parlamentar

THIAGO ROVÊDO – CAMPINAS

Luiz Roberto Lima | TodoDia Imagem

Manifestantes durante a sessão na qual foi aprovado o aumento

A Câmara de Campinas aprovou ontem o aumento no subsídio dos vereadores de R$ 6,6 mil para R$ 15 mil. O total representa 126,3% de reajuste e vale para a próxima legislatura, que começa em janeiro de 2013. Graças à ampliação nos salários, cada vereador, que hoje ganha R$ 318 mil pelos quatro anos de trabalho, terá sua remuneração ampliada para R$ 720 mil. Nos quatro anos, contando os 33 legisladores, são R$ 13,2 milhões a mais gastos pela Casa com a remuneração dos parlamentares.A aprovação aconteceu sem que o projeto fosse discutido. Depois da votação, houve tumulto, bate-boca e protesto de populares. Sob clima tenso, os vereadores deixaram o plenário e a sessão foi encerrada.
O presidente da Casa, Pedro Serafim (PDT), chegou a ser alvo de um ovo jogado pela população. Ele justificou que o aumento é válido, já que os vereadores não recebem nenhum reajuste desde 1994. Além disso, a Mesa Diretora, que assina o projeto, justificou que o aumento é legal graças ao artigo 29 da Constituição, que permite que, em cidades com mais de meio milhão de habitantes, o subsídio de parlamentares seja de até 75% da remuneração de um deputado estadual.
VOTAÇÃO
Antes da votação, os vereadores discursaram sobre o projeto de lei da Macrozona 5, que entrará na pauta na próxima sessão. Enquanto a população presente ainda comemorava, eles deram início à votação do aumento. Apenas o Politizador (PMN) e o Professor Alberto (DEM) votaram contra, enquanto Carlos Signorelli (PT) e Dr. Sebastião dos Santos (PDT) estavam ausentes.
A situação ficou tão tensa que a Guarda Municipal, que contava com 22 homens para fazer a segurança, foi para cima dos manifestantes, jogando gás de pimenta e usando a taser, arma que dá choque. Uma pessoa foi encaminhada para o 1º Distrito Policial. O fotógrafo do TodoDia Luiz Roberto Lima estava trabalhando e também recebeu uma descarga de choque.
“Eu não vi o que aconteceu, e de repente, estava caído no chão. A pancada foi muito forte. Não entendi porque eles estavam usando força excessiva”, disse o fotógrafo que, depois, foi para o hospital por estar com dor de cabeça e vomitando.
O chefe do grupo especial da Guarda Municipal, que se identificou apenas como Moretti, disse que os policias trabalham apenas para manter a ordem. “Estávamos apenas evitando o confronto. Os populares partiram para agressão primeiro. A arma de choque não é letal e foi usada para acalmar o tumulto”, afirmou. Ele negou que algum guarda tenha utilizado a arma contra a imprensa.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: